Maria Emiltzos da Bulgária

Maria Emiltzos (em grego: Μαρία Σμίλτζος; em búlgaro: Марина Смилец; transl.: Marija Smilets), também chamada de Marina, foi uma princesa búlgara filha do czar Emiltzos com sua esposa bizantina Emiltzena Paleóloga.

Maria Emiltzos
Despina de Kran
Afresco no Mosteiro de Pološko, em Kavadarci, República da Macedônia
Consorte Aldimir
Dinastia Paleólogos (nasc.)
Terter (matr.)
Nascimento Antes de 1292
  Império Búlgaro
Morte 7 de abril de 1355
  Reino da Sérvia
Enterro Escópia
Filho(s) João Dragusino
Pai Emiltzos da Bulgária
Mãe Emiltzena Paleóloga

FamíliaEditar

Não se sabe exatamente onde e quando Maria nasceu, mas é certo que foi antes da ascensão do pai ao trono búlgaro em 1292, provavelmente em sua residência oficial em Kran. A mãe dela era filha do sebastocrator Constantino Paleólogo, meio irmão do imperador bizantino Miguel VIII Paleólogo. Seu nome não é conhecido e ela é chamada nas fontes de Emiltzena ("esposa de Emiltzos" em búlgaro). Maria era irmã mais velha do futuro czar João II da Bulgária e de Teodora, rainha consorte da Sérvia. Finalmente, Maria era tia-avó do imperador da Sérvia Estêvão Uresis IV.

Despina de KranEditar

Emiltzos morreu em 1298 e foi sucedido por seu filho, João II. Emiltzena assumiu o comando do governo como regente do filho, que era ainda uma criança. A imperatriz aparentemente conseguiu derrotar os irmãos de Emiltzos, os boiardos Radoslau e Voysil, que se refugiaram no Império Bizantino e passaram a servir Miguel VIII. Para enfrentar esta nova ameaça e também a invasão do príncipe mongol Tzacas, Emiltzena se aliou a Aldimir (Eltimir), o irmão do antigo tsar Jorge Terter I, que havia sido deposto por seu finado marido. Aldimir casou-se com Maria e, não se sabe se antes ou depois do casamento, Aldimir também recebeu o título de déspota e passou a controlar um amplo domínio na região de Kran. Como sua esposa, Maria recebeu o título de despoina.

O casal teve um filho chamado João Dragusino (Ivan).

Sem conseguir se manter no trono, Emiltzena fugiu de Tarnovo e abandonou a cidade para Tzacas, que se instalou como imperador em 1299. Emiltzena, João II e todo o cortejo da imperatriz foram morar nas terras de Aldimir, onde é possível que eles estivessem quando o sobrinho dele, Teodoro Esvetoslau, acedeu ao trono em 1300. Logo Aldimir se aliou a Teodoro e seus domínios foram aumentados como recompensa. Por causa da aliançam, Emiltzena e João II tiveram que deixar Kran e fugiram para Constantinopla, onde foram recebidos na corte bizantina.

ExílioEditar

Em 1305, é provável que Aldimir tenha aberto negociações com os bizantinos para trair o sobrinho e, em represália, Teodoro anexou as terras do tio. A despina Maria pode ter sido uma forte influência sobre o marido e, depois que ele foi subjugado (e provavelmente morto) por Teodoro, ela e João Dragusino fugiram para Constantinopla.

Depois de 1321, Maria e o filho se mudaram para o Reino da Sérvia, onde o poder estava nas mãos do rei Estêvão Uresis III, o marido da irmã de Maria, Teodora. Ela foi tratada com grande respeito por Estêvão e pelo herdeiro dele, Estêvão Uresis IV, que era seu sobrinho. Na Sérvia, Maria e João receberam grandes propriedades na Macedônia. Posteriormente, Maria se retirou para um mosteiro.

Ainda existe um retrato dela e de João em um afresco no Mosteiro de Pološko, em Kavadarci.

Maria Emiltzos sobreviveu ao filho e morreu em 7 de abril[1] de 1355 e foi enterrada em Escópia (Skopie).

Referências

BibliografiaEditar

  • Pavlov, Plamen, "Търновските царици". ДАР-РХ, 2006.