Abrir menu principal
Maria Felipa de Oliveira
Nome completo Maria Felipa de Oliveira
Conhecido(a) por participou da luta da Independência da Bahia em 1823
Nascimento desconhecido
Ilha de Itaparica, Bahia
Morte 4 de julho de 1873
Nacionalidade brasileira
Etnia Negra

Maria Felipa de Oliveira (Ilha de Itaparica, data incerta - 4 de julho de 1873) foi uma mulher marisqueira, pescadora e trabalhadora braçal. Junto a Maria Quitéria e Joana Angélica, participou da luta da Independência da Bahia[1][2].

Índice

Vida pessoalEditar

Nascida na Ilha de Itaparica, em data desconhecida, marisqueira, pescadora e trabalhadora braçal, ela liderou um grupo de 200 pessoas, entre mulheres negras, índios tupinambás e tapuias nas batalhas contra os portugueses que atacavam a Ilha de Itaparica, a partir de 1822.[2][3]. Conta-se que Maria Filipa era uma mulher alta e corpulenta, descendente de negros escravizados, vindos do Sudão[4]. Somente o grupo de Maria Felipa foi o responsável por ter queimado 40 embarcações portuguesas que estavam próximas à Ilha[2].

A partir da pesquisa do historiador Ubaldo Osório Pimentel, avô materno do escritor João Ubaldo Ribeiro, que apurou através de documentos públicos sobre registros de que um grupo de pessoas lideradas, em sua maioria mulheres, por Maria Felipa defenderam a costa da Ilha de Itaparica contra a repressão portuguesa.[5] Em seu livro "A Ilha de Itaparica"[6], publicado em 1942, o historiador Ubaldo Osório Pimentel, cita a figura histórica de Maria Filipa, que também é citada no romance histórico "O Sargento Pedro", do autor Xavier Marques.[5]

Em 26 de julho de 2018 foi declarada Heroína da Pátria Brasileira pela Lei Federal nº 13.697, tendo seu nome inscrito no "Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria", que se encontra no "Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves", situado em Brasília, Distrito Federal.

Referências

  1. Os Heróis do Brasil (ed.). «Maria Felipa, a Heroína Negra da Independência». Os Heróis do Brasil. Consultado em 22 de dezembro de 2016 
  2. a b c Tribuna da Bahia (ed.). «3 mulheres são heroínas do 2 de Julho». Tribuna da Bahia. Consultado em 22 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2017 
  3. Eny Kleyde Vasconcelos Farias (2010). Maria Felipa de Oliveira: heroína da independência da Bahia. [S.l.]: Quarteto. 148 páginas. ISBN 8580050081 GB 
  4. Revista Raça (ed.). «Sabe quem foi Maria Felipa?». Revista Raça. Consultado em 22 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2016 
  5. a b «Maria Felipa, a Heroína Negra da Independência - Os Heróis do Brasil». Os Heróis do Brasil. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  6. Osório, Ubaldo, (1883-1974), Auteur. (1979). A Ilha de Itaparica história e tradição. [S.l.]: Fundação Cultural do Estado da Bahia. OCLC 864756554 

BibliografiaEditar

  • REVISTA DE HISTÓRIA DA BIBLIOTECA NACIONAL. Edição nº 117 - Junho de 2015 - Mulheres em Conflito - Matéria A Independência delas.
  • AMADO, Janaína. O Grande mentiroso: tradição, veracidade e informação em história oral. História. São Paulo, n. 14, p. 125-136, 1995.
  • MARQUES, Xavier. Sargento Pedro: tradições da independência. 2. ed. Salvador: Catilina, 1921.
  • REIS, João José; SILVA, Eduardo. Negociação e Conflito: a resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
  • RIBEIRO, João Ubaldo. Viva o Povo Brasileiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.
  • TAVARES, Luis Henrique Dias. História da Bahia. 10. ed. Salvador; São Paulo: UNESP; Edufba, 2001.
  • ______. Independência do Brasil na Bahia. Salvador: EDUFBA, 2005

Ligações externasEditar