Abrir menu principal

Maria José Nogueira Pinto

jurista e política portuguesa
Maria José Nogueira Pinto
Nascimento 23 de março de 1952
Lisboa, Portugal
Morte 6 de julho de 2011 (59 anos)
Lisboa, Portugal
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação Jurista, Deputada

Maria José Pinto da Cunha de Avilez Nogueira Pinto GCIHDmSI (Lisboa, 23 de março de 1952Lisboa, 6 de julho de 2011) foi uma jurista e política portuguesa, candidata à liderança do CDS - Partido Popular.

Índice

BiografiaEditar

Estudante na Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa, após o 25 de abril de 1974 interrompeu os estudos para acompanhar o marido a AngolaJaime Nogueira Pinto cumpria então o serviço militar —, mas com o início da guerra civil, acabariam os dois num campo de refugiados da Cruz Vermelha, na África do Sul.[1]

Posteriormente viajaram para Espanha e daí para o Brasil, onde, para ajudar no sustento da família, Maria José Nogueira Pinto vendeu enciclopédias e materiais de construção.[2] Só quando regressou a Portugal foi concluir a licenciatura em Direito, na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.[3]

A convite de António Barreto ingressa como investigadora do Gabinete de Estudos Rurais da Universidade Católica Portuguesa. É nessa qualidade que assume a responsabilidade pela edição do livro O Direito da Terra. Subsequentemente, ainda na Universidade Católica, colaborou na edição da Enciclopédia Jurídica e da Enciclopédia Luso-Brasileira.[4]

Maria José Nogueira Pinto iniciou a sua carreira no setor público quando o governo de Aníbal Cavaco Silva a nomeou para o cargo de vice-presidente do Instituto Português de Cinema. Daí transitou para a direção da Maternidade Alfredo da Costa.

Mais tarde, já depois de iniciar a sua atividade política, seria também representante de Portugal na Secretaria de Cooperação Ibero-Americana e provedora da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, além de ter integrado os conselhos consultivos da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação António Quadros.

A sua entrada na política dá-se em 1992, ao ser nomeada Subsecretária de Estado da Cultura do XII Governo Constitucional, dirigido por Cavaco Silva; porém, em ruptura com Pedro Santana Lopes, demitiu-se um ano depois.

Em 1996 aderiu ao CDS - Partido Popular, pelo qual era já deputada (independente) na Assembleia da República, desde as legislativas de 1995 — aproximara-se do partido como apoiante de Manuel Monteiro. Em 1998, na sequência da cisão entre Monteiro e Paulo Portas, disputou a sucessão do CDS-PP, frente a Paulo Portas (de algum modo representando a facção de Monteiro), mas foi Paulo Portas quem levou a melhor, num congresso realizado em Braga.

Mais tarde, Portas indicou-a para presidente do Grupo Parlamentar do CDS-PP. Também foi eleita presidente Conselho Nacional do partido e, em 2005, a escolha do líder para cabeça-de-lista do CDS-PP à Câmara Municipal de Lisboa. Na sequência dessas eleições, vencidas por António Carmona Rodrigues, Maria José Nogueira Pinto assumiu até 2007 o cargo de vereadora da Habitação Social, tendo também um papel importante na promoção da revitalização da zona da Baixa-Chiado.[5]

Em março de 2007 entrou em conflito com o partido aquando do eventual regresso de Paulo Portas à liderança do CDS-PP, por via de um Conselho Nacional Extraordinário. Incompatibilizada, abandonou o CDS, depois de acusar Paulo Portas de tentar assaltar o poder contra os órgãos democraticamente eleitos — José Ribeiro e Castro era então o líder do partido —[6] e depois de acusar também o deputado Hélder Amaral de a agredir fisicamente.[7]

Em 2009, Manuela Ferreira Leite convidou Maria José Nogueira Pinto a integrar as listas do PSD para a Assembleia da República, sendo Ferreira Leite líder deste partido,[8] e foi eleita deputada na XI Legislatura.[9] Em 2011, já doente, e com Pedro Passos Coelho como líder do PSD, voltou a integrar as listas deste partido para a Assembleia da República, sendo eleita deputada na XII Legislatura.[10] Também cumpriu, enquanto conseguiu, o seu mandato, continuando a ser comentadora na SIC Notícias.

Foi colunista dos jornais Expresso, Público, A Capital e Diário Económico.[11]

Faleceu no dia 6 de julho de 2011, aos 59 anos, vítima de cancro do pâncreas.[10] Em 2012 o então Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Pedro Santana Lopes, anunciou que o nome de Maria José Nogueira Pinto será atribuído à nova Unidade de Cuidados Continuados e Paliativos, situado na Aldeia do Juzo, em Alcabideche.[12] Em 2014, mais precisamente em 27 de maio, a Câmara Municipal de Lisboa, presidida por António Costa, homenageou Maria José Nogueira Pinto com a inauguração de um monumento, na Ribeira das Naus, da autoria do escultor Rui Sanches.[13]

CondecoraçõesEditar

FamíliaEditar

Filha de Luís Maria de Avilez de Almeida de Melo e Castro (Amadora, 27 de Março de 1917 - Lisboa, Campo Grande, 14 de Outubro de 2004), bisneto do 8.º Conde das Galveias e trineto do 1.º Visconde do Reguengo e 1.º Conde de Avillez, e de sua mulher (Lisboa, Campo Grande, 25 de Julho de 1943) Maria José de Melo Breyner Pinto da Cunha (Lisboa, Campo Grande, 10 de Abril de 1920 - 11 de novembro de 2013) e irmã de Maria João Avillez. É prima-irmã da mãe do jornalista Martim Avillez Figueiredo.

Casamento e descendênciaEditar

Casou em Lisboa, Campo Grande, a 27 de Janeiro de 1972[16] com Jaime Alexandre Nogueira Pinto, sendo pais de um filho e duas filhas:[17]

  • Eduardo da Cunha de Avilez Nogueira Pinto (Lisboa, 4 de Abril de 1973), Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa de Lisboa, Advogado, casado primeira vez com Sofia Rocha, Licenciada em Direito pela Universidade Católica de Lisboa, sem geração, divorciados, e casado segunda vez civilmente com Helena Margarida Dias de Ayala Botto (22 de Fevereiro de 1979), divorciada sem geração de Nuno Pereira de Mello Bon de Sousa (29 de Julho de 1973), e tem uma filha e um filho:
    • Maria Leonor de Ayala Botto Nogueira Pinto (Lisboa, São Jorge de Arroios, 8 de Novembro de 2007)
    • Duarte de Ayala Botto Nogueira Pinto (Lisboa, São Jorge de Arroios, 20 de Dezembro de 2009)
    • Maria Teresa de Ayala Botto Nogueira Pinto (Lisboa, S. Domingos de Benfica, 27 de Jullho de 2012)
  • Maria Catarina Avilez Nogueira Pinto (Lisboa, 30 de Abril de 1976), Licenciada em Direito pela Universidade Lusíada de Lisboa, casada com Martim Abecassis de Magalhães Amaral Neto (Lisboa, Benfica, 16 de Fevereiro de 1971), Licenciado em Gestão pela Universidade Nova de Lisboa, director bancário, do qual tem uma filha e dois filhos:
    • Aurora Nogueira Pinto do Amaral Neto (São Paulo, 8 de Julho de 2006)
    • Jaime Nogueira Pinto do Amaral Neto (Madrid, 11 de Maio de 2011)
    • Joaquim Nogueira Pinto do Amaral Neto (Madrid, 13 de Maio de 2015)
  • Maria Teresa Avilez Nogueira Pinto (Lisboa, 11 de Junho de 1984), Licenciada em Ciência Política e Mestre em Relações Internacionais pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa, casada com Tiago Maria Marques de Aguiar Salvação Barreto (Lisboa, 6 de Março de 1984), piloto de aviação comercial, do qual tem uma filha e dois filhos:
    • Maria Camila Nogueira Pinto Salvação Barreto (Lisboa, 30 de Dezembro de 2009)
    • Francisco José Nogueira Pinto Salvação Barreto (Lisboa, 1 de Agosto de 2013)
    • Eduardo Maria Nogueira Pinto Salvação Barreto (Lisboa, 16 de Junho de 2016)


Referências

  1. Anabela Mota Ribeiro
  2. Anabela Mota Ribeiro
  3. DN
  4. Anabela Mota Ribeiro
  5. CM Lisboa
  6. «Nogueira Pinto diz que Paulo Portas protagoniza assalto ao poder no CDS». Jornal Público 
  7. «Fui agredida por um deputado»». IOL Diário 
  8. «Ferreira Leite falou a Portas sobre Nogueira Pinto». Jornal Público 
  9. «Biografia». Assembleia da República 
  10. a b «Morreu Maria José Nogueira Pinto». Jornal Público. 6 de julho de 2011. Consultado em 6 de julho de 2011. Arquivado do original em 9 de julho de 2011 
  11. «Perfil». Lisboaemboasmaos.weblog.com.pt 
  12. Sapo
  13. CM Lisboa
  14. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Maria José Pinto da Cunha de Avilez Nogueira Pinto". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 27 de abril de 2013 
  15. http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/portugal/damas-para-fazer-o-bem
  16. «Jaime e Maria José Nogueira Pinto, um casal que se apoia mutuamente». Revista Caras 
  17. "Livro Genealógico das Famílias desta Cidade de Portalegre", Manuel da Costa Juzarte de Brito, Nuno Gonçalo Pereira Borrego e Gonçalo Manuel de Mello Gonçalves Guimarães, 1ª Edição, Lisboa, 2002, p. 121

Ligações externasEditar