Maria Vieira

Maria Vieira (2 de março de 1957), nome artístico de Maria João Ferreira Saldanha[1][2], é uma atriz portuguesa,[3] tendo sido uma das atrizes de televisão mais acarinhadas pelo público.[4] Em 2020 tornou-se mandatária de André Ventura, candidato do Chega nas eleições presidenciais de 2021 e em 2021 anunciou a sua candidatura à Assembleia Muncipal de Cascais, pelo mesmo partido.

Maria Vieira
Nome completo Maria João Ferreira Saldanha
Nascimento 2 de março de 1957 (64 anos)
Portugal
Portugal Portugal

CarreiraEditar

Filha de João Saldanha e de Maria Helena Ferreira Saldanha.[2] Estreou-se como atriz em 1981, no extinto Teatro Adóque, com a peça Paga as favas;[5] interpretação que lhe valeu, de imediato, o Troféu Nova Gente como Revelação do Teatro de Revista, tendo no ano seguinte sido agraciada com o Prémio da Imprensa, na categoria de Teatro Ligeiro.

Na televisão, começa por colaborar com Júlio Isidro no programa Festa é Festa, iniciando depois uma longa relação profissional com Herman José, que a leva a integrar o elenco das sitcoms Hermanias (1984), Humor de Perdição (1987), Casino Royal (1989), Crime na Pensão Estrelinha (1990), Herman SIC (2000/06) - onde interpretou "Inácia dos Santos Farinha" -, Serafim Saudade - o regresso do herói (2001), O Fabuloso Destino de Diácono Remédios (2002) ou Hora H (2007), onde interpretou Dona Coisinha.[6]

Participa ainda no popular concurso apresentado por Carlos Cruz 1, 2, 3 (1985), nos espetáculos para televisão Grande Noite (1990 - 1993)[7], de Filipe La Féria, nas séries Alentejo sem Lei (1991), de João Canijo, e no concurso Encontros Imediatos (1993), da SIC. Além disso, fez rábulas no Portugal no Coração, talk show da tarde da RTP, nos anos de 2007 e 2008. Trabalhou também no Brasil, interpretando a personagem Aurora na telenovela Negócio da China, escrita por Miguel Falabella. O seu último trabalho naquele país foi a personagem Brites, na telenovela Aquele Beijo, do mesmo autor.

Ao longo da sua carreira trabalhou com os encenadores Francisco Nicholson, Filipe La Féria, Fernando Gomes, Carlos Avilez, Mário Viegas e António Pires, sendo o seu último trabalho no teatro o monólogo A Boba, de Maria Estela Guedes, dirigida por Carlos Avilez,[8] no Teatro Experimental de Cascais.

Em abril de 2010, foi galardoada com um Troféu TV 7 Dias como melhor atriz na categoria de humor, referente ao ano de 2009.

Em 2013, estreou-se no cinema francês com o filme "A Gaiola Dourada", de Ruben Alves,onde interpreta o papel de Rosa.

Também em 2013, aparece no programa 5 Para a Meia-noite, onde interpreta a personagem "Maria Dona do Dilema", uma sátira a Maria Helena Martins, uma conhecida cartomante portuguesa

Fez parte do elenco do espetáculo A Grande Revista À Portuguesa, dirigido por Filipe Lá Féria, no Teatro Politeama.

Integrou o elenco de Os Filhos do Rock, série de época exibida na RTP em 2013 e 2014.

Em 2014 ganhou o Prémio Lumen, na Categoria de Atriz de Comédia, atríbuido pela RTP.

Em 2015, estreia-se no cinema alemão, integrando o elenco de Before Dawn, um filme sobre a vida do escritor austríaco Stefan Zweig, dirigido pela realizadora germânica Maria Schrader.

Em julho de 2015, dirigida por Carlos Avilez, estreia a peça de Peer Gynt, de Henrik Ibsen, no Teatro Experimental de Cascais, interpretando o papel de Aase.

Ainda em julho de 2015 volta à RTP para integrar o elenco do «Focus Group» no programa Agora Escolha.

Em abril de 2016, sob a direção de João Mota, estreia, no Teatro da Comuna, a peça O Último dos Românticos, baseada na obra The Last Of Red Hot Lovers, do dramaturgo americano Neil Simon.

Em julho de 2016, é lançado o remake do filme A Canção de Lisboa, realizado por Pedro Varela, onde interpreta o papel de uma das «famosas» tias do personagem Vasco Leitão.

Em setembro de 2016 integra o núcleo protagonista de Mulheres Assim, série de 20 episódios transmitida na RTP.[9]

No dia 4 de maio de 2017 estreia-se na Globo Play, integrando o elenco fixo da série Brasil a Bordo, da autoria de Miguel Falabella, onde contracena com o próprio autor, com Arlete Salles, Marcos Caruso, Luis Gustavo e Stella Miranda, entre outros destacados atores brasileiros.[10] No dia 25 de janeiro de 2018, a série começa a ser emitida na Rede Globo.

Volta às salas de cinema portuguesas em 21 de fevereiro de 2019, como uma das protagonistas do filme Portugal Não Está À Venda, de André Badalo, ao lado de Rita Pereira, Pedro Teixeira, Ana Zanatti, Dalila Carmo e Maria José Pascoal.

Em janeiro de 2020, declarou estar sendo ostracizada e marginalizada no meio artístico devido às suas posições políticas, conservadoras e de direita.[4]

PublicaçõesEditar

Publicou vários livros sobre as suas viagens, em coautoria com o marido, Fernando Rocha. Em 2004, deu à estampa "Viagens da Parrachita", seguindo-se "As Minhas Viagens" em 2005 e "Às Voltas com o Mundo" no ano seguinte. Em 2010, publicou "A Descoberta do Brasil por Maria Vieira e Fernando Rocha", que possui prefácio de Miguel Falabella.[5]

Em agosto de 2017, publica o seu quinto livro - "Maria no País do Facebook" - o primeiro que assina a solo depois dos quatro livros de viagens publicados em coautoria com o marido. A obra compila uma série de textos escritos pela autora na sua página de Facebook.

Atividade políticaEditar

O seu pai era antifascista e militante do Partido Comunista Português (PCP), no qual a própria se chegou a filiar após o 25 de Abril de 1974, tendo-se desfiliado antes de 1981 (ano em que uma pessoa ligada ao PCP ainda tentou que ela se filiasse de novo, sem sucesso), por "perceb[er] rapidamente que tinha de concordar com todas as ideias e posições do partido, e havia muitas com as quais não concordava".[11] Participou na manifestação do 1º de Maio de 1974.[11] Atualmente considera que "o comunismo e o socialismo nunca resultaram, não resultam e nunca resultarão"[11] e que existem "parecenças [do PCP] com o antigo regime [o do Estado Novo]. Enquanto o outro era fascismo de direita, este era fascismo de esquerda".[11] Refere que em 1981 "ainda tinha ideias de esquerda, mas através dos livros que li, de amigos com ideias diferentes, e das viagens que fiz, percebi que estava errada, que o socialismo e o comunismo se baseiam em sistemas totalitários, ditaduras de esquerda",[11] mas atualmente acredita "na meritocracia, no talento, no pluralismo ideológico e na economia de mercado - não no capitalismo selvagem, que explora os trabalhadores".[11]

Em janeiro de 2018, a propósito de uma onda de frio que então atingia os Estados Unidos, referiu-se às alterações climáticas como "uma trafulhice inventada pelas elites económicas e sociais, fomentadas e lideradas por canalhas e mentirosos como George Soros, Al Gore, Barack Obama e toda aquela corja de criminosos que ocupam as cadeiras da ONU”, recebendo reações da antiga colega de cena, Ana Bola, apelidando a opinião de Maria Vieira como “um fait divers que merece ser lido”, "como ir ver a mulher barbuda ao circo”.[12]

Em junho de 2020, declarou.se indignada por a reabertura dos espetáculos, em particular o Deixem o Pimba em Paz, de Bruno Nogueira e Manuela Azevedo, estreado na praça de touros do Campo Pequeno com a presença do primeiro-ministro António Costa, por esta não contemplar as touradas, afirmando que se os artistas "forem de esquerda” ou “amiguinhos da ministra da Cultura”, tudo lhes é permitido, enquanto "aqueles que gostam de ver touradas, na Praça de Touros do Campo Pequeno, terão de se contentar a ver os toureiros acorrentados às portas do recinto, porque os espectadores das touradas não têm os mesmos direitos que os espectadores de eventos realizados pelos artistas fofinhos da Esquerda".[13]

Em abril desse ano, por ocasião das celebrações da Revolução dos Cravos, classificou as celebrações como "alarvidade" regurgitada pela "mulher loura", referindo-se à diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, a propósito da autorização para a celebração da efeméride durante a pandemia de Covid-19, referindo-se aos participantes como “políticos abrileiros”, “gente anafada com mais de 60 anos”, que não corre “o risco de se constipar com o virus chinês”, afirmando ainda, na mesma ocasião, a inexistência do aquecimento global.[14]

Relação com o Chega e André VenturaEditar

Em janeiro de 2020, assumiu-se politicamente como conservadora e de direita, e apoiante do partido Chega e do seu líder, André Ventura, declarando ainda ser fã de Jair Bolsonaro.[4]

Em junho de 2020, participou na contramanifestação "Portugal não é racista", organizada pelo partido Chega, a como reação aos protestos antirracistas globais decorrentes do assassinato de George Floyd,[15] tendo desfilando então na Avenida da Liberdade ao lado do líder do partido, André Ventura, no que diz ter sido um dos momentos mais emocionantes da sua vida.[16] No mês seguinte, participou igualmente numa segunda contramanifestação, com o mesmo tema e organizada pelo mesmo partido, na sequência do assassinato do ator português Bruno Candé, vítima de crime de ódio racial.[17]

Em julho de 2020 foi convidada por André Ventura,[16] líder e deputado do partido da extrema-direita parlamentar portuguesa Chega, para ser sua mandatária junto das comunidades emigrantes portuguesas, assim que este oficializasse a sua candidatura à Presidência da República,[18][19] que a escolheu por ser “uma cara conhecida dos portugueses da diáspora, com sucesso e muito acarinhada”, que tem defendido de forma “intransigente os valores portugueses”, o que se enquadra de forma perfeita na sua candidatura. Aceitou imediatamente o convite, afirmando também identificar-se completamente, ela própria, com André Ventura.[16] Apesar de o Chega ser correntemente identificado como partido da extrema-direita pelas suas posições,[20] recusa, no entanto, esta expressão para definir o partido e o seu candidato, preferindo o termo "partido de extrema-necessidade".[19]

Sobre os ataques e insinuações feitas por André Ventura aos candidatas Marisa Matias, Ana Gomes e João Ferreira e a Jerónimo de Sousa durante um jantar-comício num hotel de Viseu, no decorrer da sua campanha eleitoral, afirmou não ter ficado chocada, que "levou para a brincadeira" e que André Ventura "não fez por mal", que "estava bem-disposto, estava divertido" e "não fez com intenção de os ofender e humilhar".[19] No mesmo jantar, que também comemorava o aniversário de André Ventura, este teve os parabéns cantados por Maria Vieira, que quis "imitar a minha colega Marilyn Monroe e oferecer a mesma prenda que ela ofereceu ao Kennedy".[21]

Em abril de 2020, atacou Ricardo Araújo Pereira, chamando-o de "vendido ao sistema" e acusando-o de falta de hombridade e coragem por não ter convidado André Ventura ao seu programa semanal, Isto É Gozar com Quem Trabalha.[22] Em junho, durante a contramanifestação "Portugal não é racista", referiu-se ao músico Agir, a propósito de um confronto entre este e André Ventura, como um "esburacado, que tem o corpo todo esborratado por fora e por dentro" que "não sabe cantar", um "esquerdopata que entretanto deixou de ganhar os trocados com que comprava o pó de arroz e que resolve ofender as pessoas de bem".[23] Em agosto desse ano, chamou o cantor Diogo Piçarra de "oportunista mal encarado e mal formado, que já foi apanhado a plagiar uma música de outro compositor", na sequência de uma polémica envolvendo a atuação de Olavo Bilac num comício do Chega.[24] Em setembro do mesmo ano, insultou a apresentadora Catarina Furtado, chamando-a "lambisgoia" e "serigaita", depois desta ter condenado os ideais de André Ventura. Em janeiro de 2021, Catarina Furtado reagiu aos insultos e acusações, reafirmando o seu apreço pela Maria Vieira com quem conviveu e contracenou no passado, e que hoje "precisa de ajuda".[25] Do mesmo modo, atacou e insultou José Carlos Malato, na sequência da expressão "triste fado" usada pelo apresentador, quando um fadista foi convidado a cantar num jantar pré-eleitoral de André Ventura.[26] Em 2021, a ex-atriz dirigiu, no Facebook, vários insultos de caráter homofóbico ao apresentador, que é assumidamente homossexual.[27] Na sequência de críticas feitas por Sara Sampaio a André Ventura e ao Chega, atacou violentamente a modelo, apelidando-a de "sirigaita paga para despir e vestir roupa e para pousar seminua e figurar em capas de revistas dirigidas a leitores pouco exigentes".[28]

No início de novembro de 2020, a sua conta de Facebook foi bloqueada pela rede social, após ter publicado um post onde referia que o novo coronavírus, que apelidou de "vírus chinês", era "uma fraude", tendo migrado então para o Parler, rede já enaltecida por Donald Trump e Bolsonaro, onde afirmava ter sido censurada por publicar a verdade - dizendo estar vivendo uma realidade distópica orwelliana - e atacava Miguel Sousa Tavares, perguntando após a entrevista a André Ventura se o comentador "dava forte no bagaço".[29]

Segundo matéria publicada na Terra, devido às suas posições políticas, em Portugal, onde nasceu e vive, passou a ser vista como reacionária e traidora da classe artística.[20]

No dia 6 de maio de 2021 anunciou, no seu Facebook, que seria candidata à Assembleia Municipal de Cascais, pelo Chega, na lista encabeçada por Diogo Pacheco de Amorim, figurando no 3.º lugar da lista.[1][30][31]

Projetos em que participouEditar

Ano Projeto Personagem Canal Notas
1982 Tá Entregue à Bicharada Várias Personagens RTP Teatro de Revista
1985 Arroz Doce Várias Personagens Programa de Júlio Isidro
1986 Ora Agora Conto Eu... Narradora
1987/1988 Humor de Perdição Maria Série com Herman José
1988 Lá em Casa Tudo Bem Clotilde Pequena Participação
1989 Casino Royal Maribel Série com Herman José
1990 Alentejo Sem Lei Maria do Cerro Mini-Série
Crime na Pensão Estrelinha Estrelinha Especial Fim-de-Ano
1991 Hermanias (Especial) Várias Personagens
1992 Grande Noite Várias Personagens Pequena Participação
1992/1993 Giras e Pirosas SIC Série
1994/1995 Trapos e Companhia Maria José (Zé) TVI Série
1995 Os Andrades Dulce RTP Pequena Participação
1996 Marlowe Josefina Teatro Televisivo
1997 A Maluquinha de Arroios Perpétua Rodrigues
1998 Paris Hotel Madame Bastien
As Lições do Tonecas Pequena Participação
Bom Baião SIC
Um Sarilho Chamado Marina
1999 Jornalistas Tucha
A Última Noite Vários Personagens RTP Especial Fim-de-Ano
2000 A Senhora Ministra Maria da Ajuda Série
Nelo e Idália (Especial) Várias Personagens SIC Especial de Natal
2001 Serafim Saudade - O Regresso do Herói Vanette Especial
Odisseia na Tenda Aurora Especial Fim-de-Ano
2002 O Fabuloso Destino de Diácono Remédios Especial
2003 As Boas Entradas Especial Fim-de-Ano
2004 Papéis ReSIClados Várias Personagens Série com Herman José
2000/2005 HermanSIC Várias Personagens (a mais inesquecível foi "Inácia dos Santos Farinha" Série com Herman José
2007/2008 Hora H Dona Coisinha Série com Herman José
2008/2009 Negócio da China[20] Aurora Rede Globo
2009 7 Vidas Lurdes SIC Série
2010 A Gala das Galas Várias Personagens RTP Especial Fim-de-Ano
2011/2012 Aquele Beijo[20] Brites Santelmo Rede Globo Telenovela
2013 A Mãe do Senhor Ministro Laurentina RTP Pequena Participação
2013 5 para a Meia-Noite Maria Dilema Pequena Participação
2013/2014 Os Filhos do Rock Maria dos Prazeres Série
2014 Grande Revista à Portuguesa Várias Personagens Teatro de Revista
2015 Água de Mar Benilde Pereirinha Pequena Participação
Agora Escolha Dona Rita
2016 Nelo e Idália Carlos Alberto Pequena Participação
Mulheres Assim Graziela Série
2017 Brasil a Bordo[20] São José Rede Globo Humorístico

Referências

  1. a b Lista de candidatos à Assembleia Municipal de Cascais - Eleições autárquicas 2021
  2. a b Lista de pedidos de autorização de trabalhos deferidos em 2016 pela Coordenação-Geral de Imigração do Brasil
  3. Museu da TV
  4. a b c «Maria Vieira. "Não trabalho há 2 anos porque sou conservadora e de direita"». Wort.lu. 3 de janeiro de 2020. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  5. a b «Fotos: Maria Vieira comemora 59º aniversário». Lux. Consultado em 1 de agosto de 2017 
  6. «Maria Vieira deixa Hora H». Correio da Manhã. 21 de março de 2007. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  7. «Grande Noite». IMDB. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  8. «Maria Vieira é A Boba de Avilez». Correio da Manhã. 12 de março de 2008. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  9. «Graziela (Maria Vieira) - Mulheres Assim». Mulheres Assim. Consultado em 31 de julho de 2017 
  10. Group, Global Media. «Televisão - Maria Vieira reforça nova série na Globo». DN. Consultado em 31 de julho de 2017 
  11. a b c d e f Ralha, Leonardo (1 de Outubro de 2017). «Maria Vieira sobre os ataques de que é alvo: 'Já sabia muito bem o que a casa gasta'». Correio da Manhã. Consultado em 19 de Junho de 2021 
  12. «Ana Bola sobre opinião de Maria Vieira: "É como ir ver a mulher barbuda ao circo"». N-TV. 6 de janeiro de 2018 
  13. Costa, Duarte (3 de junho de 2021). «Maria Vieira irritada após espetáculo de Bruno Nogueira no Campo Pequeno». Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  14. Redacao (24 de abril de 2020). «Maria Vieira ataca Graça Freitas e "políticos abrileiros": "Vejam só a alarvidade…"». Hiper Fm | Agarra a tua música!. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  15. «Emocionada, Maria Vieira protesta ao lado de André Ventura: "Foi um dia que me encheu de orgulho"». Selfie. 29 de junho de 2020. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  16. a b c «Atriz Maria Vieira será mandatária presidencial de Ventura junto das comunidades portuguesas». TVI24. 21 de julho de 2020. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  17. «Caso Bruno Candé: Partido organiza manifestação em resposta a antirracistas». DW. 30 de julho de 2020. Consultado em 22 de janeiro de 2021 
  18. «Maria Vieira será mandatária presidencial de André Ventura junto das comunidades portuguesas» 
  19. a b c «Maria Vieira desvaloriza insultos de Ventura: "Não fiquei chocada, ele é uma pessoa muito respeitadora"». TVI24. Consultado em 19 de janeiro de 2021 
  20. a b c d e Benício, Jeff (22 de janeiro de 2021). «Atriz portuguesa da Globo apoia político de extrema-direita». Terra. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  21. Casaca, Maria Augusta (16 de janeiro de 2021). «Ventura, ″homem do leme″, ouve ″Marilyn Monroe″ cantar-lhe os parabéns e promete demitir Costa». TSF Rádio Notícias. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  22. «Maria Vieira lança fortes críticas a Ricardo Araújo Pereira». TV 7 Dias. 7 de abril de 2020. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  23. gente, Revista Nova (27 de junho de 2020). «Maria Vieira - Faz-se ouvir a alto e bom som em manifestação ao lado de André Ventura». Revista Nova Gente. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  24. «Maria Vieira: "Que vergonha! Que falta de carácter, Olavo Bilac!"». Notícias ao Minuto. 13 de agosto de 2020. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  25. Silveira, Ana (21 de janeiro de 2021). «Catarina Furtado - Quebra o silêncio sobre ofensas de Maria Vieira: "Precisa de ajuda e não é de um partido"». Revista Nova Gente. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  26. «Maria Vieira ataca José Carlos Malato após comentário sobre fadista na campanha de Ventura». Jornal SOL. 14 de janeiro de 2021. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  27. «SOBRETUDO». Sobretudo. 1 de fevereiro de 2021. Consultado em 7 de maio de 2021 
  28. «Após críticas a Ventura, Maria Vieira ataca Sara Sampaio: 'Esta sirigaita que é paga para pousar seminua'». Jornal SOL. 21 de janeiro de 2021. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  29. «Facebook voltou a bloquear Maria Vieira. Atriz foi embora para o Parler». www.sabado.pt. 23 de novembro de 2020. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  30. «Autárquicas. Maria Vieira aceita convite e integra lista do Chega». Notícias ao Minuto. 5 de maio de 2021. Consultado em 6 de maio de 2021 
  31. «Entrar no Facebook». Facebook. Consultado em 6 de maio de 2021 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.