Maria da Saxónia, Duquesa da Pomerânia

Maria da Saxónia (15 de Dezembro de 1515, Weimar – 7 de Janeiro de 1583, Wolgast) foi um membro da linha ernestina da Casa de Wettin e uma princesa da Saxónia por nascimento. Por casamento, tornou-se duquesa da Pomerânia.

Maria da Saxónia
Duquesa da Pomerânia
Princesa da Saxónia
Duquesa da Pomerânia
Reinado 27 de fevereiro de 1536
a 14 de fevereiro de 1560
Antecessor(a) Margarida de Brandemburgo, Duquesa da Pomerânia
Sucessor(a) Erdemunda de Brandemburgo
 
Marido Filipe I, Duque da Pomerânia
Descendência Jorge da Pomerânia-Wolgast
João Frederico, Duque da Pomerânia
Bogislaw XIII, Duque da Pomerânia
Ernesto Luís, Duque da Pomerânia
Amália da Pomerânia-Wolgast
Barnim X, Duque da Pomerânia
Érico da Pomerânia
Margarida da Pomerânia-Wolgast
Ana da Pomerânia-Wolgast
Casimiro VI, Duque da Pomerânia
Casa Wettin (por nascimento)
Casa de Grifo (por casamento)
Nascimento 15 de dezembro de 1515
  Weimar, Eleitorado da Saxónia, Sacro Império Romano-Germânico
Morte 7 de janeiro de 1583 (67 anos)
  Wolgast, Ducado da Pomerânia, Sacro Império Romano-Germânico
Pai João, Eleitor da Saxónia
Mãe Margarida de Anhalt-Köthen
Religião Luteranismo

VidaEditar

 
A Tapeçaria de Croy.

Maria era a filha mais velha do príncipe-eleitor João "o Firme" da Saxónia (1468–1532) e da sua segunda esposa, a princesa Margarida de Anhalt-Köthen (1494–1521), filha de Valdemar VI, Príncipe de Anhalt-Zerbst.

Casou-se a 27 de Fevereiro de 1536 em Torgau com Filipe I, Duque da Pomerânia (1515–1560). A cerimónia de casamento foi representada na chamada Tapeçaria de Croÿ, na qual surgem, além do casal, os reformadores Johannes Bugenhagen, Martinha Lutero e Philipp Melanchthon. A tapeçaria foi feita na oficina de Cranach e encontra-se actualmente em exposição no Museu Estatal da Pomerânia em Greifswald. Durante a cerimónia, Martinho Lutero terá deixado cair uma das alianças, tendo dito: "Ó demónios, isto não tem nada a ver convosco!.[1]

O casamento entre Filipe e Maria teve como objectivo aliar a Pomerânia com a Saxónia, que estava a liderar a facção evangélica da Dieta Imperial. As negociações de casamento foram conduzidas pelo reformador Johannes Bugenhagen. Mais tarde, nesse mesmo ano, a Pomerânia juntou-se à Liga de Esmalcalda.

Após a morte do marido, Maria, que tinha recebido o distrito de Pudagla como parte da sua herança de viúvez, optou por continuar a viver no Castelo de Wolgast. Em 1569, o seu filho Ernesto Luís, tomou as rédeas do governo do ducado e deu-lhe o rendimento obtido das terras do antigo mosteiro de Pudagla de modo a dar-lhe um sustento independente. Em 1574, construiu o Castelo de Pudagla com materiais do antigo mosteiro que tinha, entretanto, sido demolido.[2]

DescendênciaEditar

 
Felipe I, sua esposa Maria da Saxónia, seus filhos e toda sua familia.

Do seu casamento com Filipe, Maria teve os seguintes filhos:

  1. Jorge da Pomerânia-Wolgast (13 de Fevereiro de 1540 - 16 de Novembro de 1544), morreu aos quatro anos de idade.
  2. João Frederico, Duque da Pomerânia (27 de Agosto de 1542 – 9 de Fevereiro de 1600), casado com a princesa Erdemunda de Brandemburgo; sem descendência.
  3. Bogislaw XIII, Duque da Pomerânia (9 de Agosto de 1544 – 7 de Março de 1606), casado primeiro com a princesa Clara of Brunvique-Luneburgo; com descendência. Casado depois com a princesa Ana de Schleswig-Holstein-Sonderburg; sem descendência.
  4. Ernesto Luís, Duque da Pomerânia (20 de Novembro de 1545 - 17 de Junho de 1592), casado com a princesa Sofia Edviges de Brunsvique-Volfembutel; com descendência.
  5. Amália da Pomerânia-Wolgast (28 de Janeiro de 1547 - 16 de Setembro de 1580), morreu aos trinta-e-três anos de idade solteira e sem descendência.
  6. Barnim X, Duque da Pomerânia (15 de Fevereiro de 1549 - 1 de Setembro de 1603), casado com a princesa Ana Maria de Brandemburgo; sem descendência.
  7. Érico da Pomerânia (22 de Agosto de 1551 - 13 de Dezembro de 1551), morreu com quase quatro meses de idade.
  8. Margarida da Pomerânia-Wolgast (19 de Março de 1553 - 7 de Setembro de 1581), casada com Francisco II, Duque de Saxe-Lauenburgo; com descendência.
  9. Ana da Pomerânia-Wolgast (18 de Setembro de 1554 - 10 de Setembro de 1626), casada com Ulrico, Duque de Mecklemburgo; sem descendência.
  10. Casimiro VI, Duque da Pomerânia (22 de Março de 1557 - 10 de Maio de 1605), bispo de Cammin. Nunca se casou nem deixou descendentes.

GenealogiaEditar

Os antepassados de Maria da Saxónia em três gerações
Maria da Saxónia Pai:
João, Eleitor da Saxónia
Avô paterno:
Ernesto, Eleitor da Saxónia
Bisavô paterno:
Frederico II, Eleitor da Saxônia
Bisavó paterna:
Margarida da Áustria, Eleitora da Saxónia
Avó paterna:
Isabel da Baviera, Eleitora da Saxónia
Bisavô paterno:
Alberto III, Duque da Baviera
Bisavó paterna:
Ana de Brunsvique-Grubenhagen-Einbeck
Mãe:
Margarida de Anhalt-Köthen
Avô materno:
Valdemar VI, Príncipe de Anhalt-Köthen
Bisavô materno:
Jorge I, Príncipe de Anhalt-Dessau
Bisavó materna:
Sofia de Hohnstein
Avó materna:
Margarida de Schwarzburg-Blankenburg
Bisavô materno:
Günther XXXVI, Conde de Schwarzburg-Blankenburg
Bisavó materna:
Catarina de Querfurt

FontesEditar

  • Horst Robert Balz, Gerhard Krause, Gerhard Müller: Theologische Realenzyklopädie, vol. 27, de Gruyter, Berlin, 1997, p. 44 (Digitalizado)
  • Carola Jäggi, Jörn Staecker: Archäologie der Reformation, de Gruyter, Berlin, 2007, p. 355 ff (Digitalizado)
  • Heinrich Karl Wilhelm Berghaus: Landbuch des Herzogthums Pommern und des Fürstenthums Rügen, vol. 1, Anklam, 1865, p. 544 (Digitalizado)

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria da Saxónia, Duquesa da Pomerânia

ReferênciasEditar

  1. Jodócus Donatus Hubertus Temme: Die Volkssagen von Pommern und Rügen, Berlin 1840, p. 86
  2. Dirk Schleinert: Die Geschichte der Insel Usedom, Hinstorff, Rostock, 2005, ISBN 3-356-01081-6, p. 67f