Maria Alta da Conceição (Salvador, 8 de dezembro de 18788 de março de 1996[1]) foi uma iyalorixá do Candomblé conhecida por Maria de Xangô.

Seu terreiro era o "Ilê Oba Fé Kanfe Olorun",[2] localizado na Baixa do Tubo, no bairro de Cosme de Farias, em Salvador.

Faleceu aos 118 anos, embora sua idade não seja comprovada por documentos. Nasceu na escravidão na Lei do Ventre Livre. Iniciou no Candomblé com sete anos de idade; teve nove filhos, incluindo filhas de santo como Mãe Zezé, filha de Xangô.

Maria de Xangô era da nação Ketu, e recebeu um presente especial de um filho especial: Gilberto Gil, que a presenteou com um Xangô africano.

Em 1981 foi homenageada durante o Encontro de Nações de Candomblé.[3]

Referências

  1. Notícia da morte de Maria de Xangô
  2. Jornal da Bahia 03/12/77
  3. Nações-de-candomblé. In: Encontro de Nações de Candomblé. Salvador, Centro de Estudos Afro-Asiáticos da UFBA e Ianamá, 1984

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre candomblé é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.