Abrir menu principal
Maria do Carmo Ferreira da Silva Carmona
D. Maria do Carmo e Silva Carmona
Portugal Primeira-Dama de Portugal
Período 1926 a 1951
Antecessor Henriqueta Gomes da Costa
Sucessor Berta Craveiro Lopes
Dados pessoais
Nascimento 28 de setembro de 1878
Santa Maria Maior, Chaves, Portugal
Morte 13 de março de 1956 (77 anos)
Lumiar, Lisboa, Portugal
Marido Óscar Carmona

Maria do Carmo Ferreira da Silva Carmona GCCGCB (Santa Maria Maior, Chaves, 28 de Setembro de 1878Lumiar, Lisboa, 13 de Março de 1956) foi a esposa do antigo presidente da República Portuguesa Óscar Carmona, e por inerência Primeira-dama de Portugal. Foi a primeira Primeira-dama de Portugal.

BiografiaEditar

Filha de Germano da Silva e de Engrácia de Jesus, naturais de Valpaços, foi na sua terra natal (Chaves) que conheceu Óscar Carmona[1].

Óscar e Maria do Carmo casaram, civilmente, no dia 3 de Janeiro de 1914, na 4ª Conservatória do Registo Civil de Lisboa. Mas antes deste casamento, tiveram três filhos: Cesaltina (14 de Março de 1898), António Adérito (15 de Novembro de 1900) e Maria Inês (20 de Março de 1903). O casal foi avô da grande pintora Menez, uma dos seus quatro netos. Anos mais tarde casaram, canonicamente, no que terá sido o último casamento católico secreto, em Portugal.

A família passava o Inverno no Palácio Nacional de Belém e o Verão no Forte da Cidadela, em Cascais.

A 5 de Junho de 1929 foi agraciada com a Grã-Cruz da Ordem de Benemerência e a 28 de Maio de 1937 com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo.[2]

Já em 1951, quando perdeu o seu marido, o Governo Português comprometeu-se a dar uma pensão vitalícia no valor de dez mil escudos e um carro do Estado à sua disposição.

Faleceu com 77 anos de idade, em casa, na Estrada da Torre, número 71, freguesia do Lumiar, de uma trombose cerebral. Os seus restos mortais foram sepultados em jazigo de família no Cemitério da Ajuda, onde repousam até hoje.

Papel de Primeira-DamaEditar

Enquanto primeira-dama de 1926 a 1951 lançou várias iniciativas de caridade e humanidade que a tornaram visível. Destaca-se, em 1928, a iniciativa "Festa da Violeta" destinada a recolher fundos para patrocinar a rede de orfanatos. Apadrinhou ainda orfanatos, fundou casas de acolhimento e apoiou colónias de férias[3].

Referências

  1. Feminae, Dicionário Contemporâneo. Lisboa: CIG. 2013  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  2. http://www.ordens.presidencia.pt/
  3. Revista Notícias Magazine n.º 1344 (25 de Fevereiro de 2017), pág. 16.
Precedida por:
Maria das Dores Formosinho Vieira Cabeçadas
Primeira-dama de Portugal
19261951
Sucedida por:
Berta da Costa Ribeiro Arthur