Abrir menu principal

Marie Antoinette (2006)

filme de 2006 dirigido por Sofia Coppola
Marie Antoinette
Marie Antoinette[1] (PRT)
Maria Antonieta[2] (BRA)
 Estados Unidos ·
 França ·  Japão

2006 •  cor •  123 min 
Direção Sofia Coppola
Produção Sofia Coppola
Ross Katz
Coprodução Callum Greene
Produção executiva Francis Ford Coppola
Paul Rassam
Fred Roos
Roteiro Sofia Coppola
Baseado em Marie Antoinette: The Journey de Antonia Fraser
Elenco Kirsten Dunst
Jason Schwartzman
Judy Davis
Rip Torn
Asia Argento
Rose Byrne
Molly Shannon
Shirley Henderson
Danny Huston
Steve Coogan
Gênero biográfico
drama
ficção histórica
Música Dustin O'Halloran
Cinematografia Lance Acord
Figurino Milena Canonero
Edição Sarah Flack
Companhia(s) produtora(s) Pricel
Tohokushinsha Film Corporation
American Zoetrope
Pathé
Distribuição Pathé (França)
Columbia Pictures (Estados Unidos)
Toho-Towa (Japão)
Lançamento França 24 de maio de 2006 (Festival de Cannes)
Estados Unidos 20 de outubro de 2006
Japão 20 de janeiro de 2007
Brasil 16 de março de 2007[3]
Idioma inglês, francês
Orçamento US$ 40 milhões[4]
Receita US$ 60,9 milhões[5]

Marie Antoinette é um filme franco-nipo-estadunidense de 2006, do gênero drama biográfico, escrito e dirigido por Sofia Coppola e estrelado por Kirsten Dunst.[6] O filme, que conta a história da rainha consorte Maria Antonieta até o início da Revolução Francesa, conquistou o Oscar de melhor figurino para Milena Canonero.[7] O filme se baseia no livro Marie Antoinette: The Journey de Antonia Fraser.[8] Foi a mãe de Sofia, Eleanor Coppola, que lhe deu o livro que a fez se interessar em fazer uma adaptação cinematográfica.[3]

Foi exibido em 24 de maio de 2006 no Festival de Cannes, onde recebeu reações de aplausos e vaias após a projeção para a imprensa.[9] Os críticos franceses ficaram irritados com o retrato frouxo do filme de eventos e figuras históricas reais. Embora tenha sido filmado em Palácio de Versalhes, para capturar a beleza da vida real do século XVIII, alguns críticos discordaram ou não entenderam por que Coppola misturou música de época com música contemporânea, por exemplo, usando trilhas sonoras de artistas como The Cure e The Strokes. Ou por que ela misturou produtos modernos, como na cena onde o tênis Converse é apresentado fora da época em que a história aconteceu.[10][11] Embora um historiador explique que, embora possam ser perturbadores, "eles também transmitem a rebeldia de uma jovem mulher, frustrada, entediada, isolada e, no entanto, sempre em exibição".[12] Um exemplo dessa combinação do período real com os tempos modernos é uma cena em que Maria Antonieta e suas amigas desfrutam de uma farra de compras e se deleitam com doces luxuosos, champanhe, roupas, sapatos e jóias, enquanto toca a canção da banda Bow Wow Wow, "I Want Candy".[13]

Foi lançado nos Estados Unidos em 20 de outubro de 2006 pela Columbia Pictures. A maior parte do filme foi rodado no Palácio de Versailles, sob autorização especial do governo francês.[14]

Nos Estados Unidos e no Canadá, o filme estreou com US$5,361,050 em apenas 859 cinemas, com US$6,241 por cinema.[15] O arrecadou US$15 milhões na América do Norte e arrecadou cerca de US$61 milhões em todo o mundo.[15] O filme faturou mais de US$8 milhões na França, onde o filme se passa, mas se saiu menos bem no Reino Unido, onde levou apenas US$1,727,858 nas bilheterias, enquanto o maior mercado internacional do filme foi o Japão, onde fez um total de US$15,735,433.[16] O filme arrecadou pouco mais de US$60 milhões, com um orçamento de US$40 milhões.[17][18][19]

SinopseEditar

O filme conta a história da jovem rainha da França do século XVIII, Maria Antonieta.

Sofia baseou-se em um livro biográfico de Antonia Fraser, em detrimento de outro, de Stefan Zweig, alegando que continha uma descrição mais humana de Maria Antonieta.

A princesa austríaca Maria Antonieta (Kirsten Dunst) é enviada ainda adolescente à França para se casar com o príncipe Luis XVI (Jason Schwartzman), como parte de um acordo entre os países. Na corte de Versalles ela é envolvida em rígidas regras de etiqueta, ferrenhas disputas familiares e fofocas insuportáveis, mundo em que nunca se sentiu confortável. Praticamente exilada, decide criar um universo à parte dentro daquela corte, no qual pode se divertir e aproveitar sua juventude. Só que, fora das paredes do palácio, a revolução não pode mais esperar para explodir. Passando por uma grande turbulência, Antonieta perdeu um filho em plena Revolução Francesa.

ElencoEditar

ProduçãoEditar

A produção teve acesso sem precedentes ao Palácio de Versalhes.[20]

Enquanto a ação acontece em Versalhes (incluindo o Petit Trianon da rainha e o Hameau de la Reine) e na Ópera Nacional de Paris (que foi construída após a morte da verdadeira Maria Antonieta), algumas cenas também foram filmadas no Castelo de Vaux-le-Vicomte, Castelo de Chantilly, Hôtel de Soubise e no Palácio Belvedere em Viena.[21]

Milena Canonero e seis assistentes criadores criaram vestidos, chapéus, ternos e peças de fantasia. Também foram empregadas dez casas de aluguel e a unidade de guarda-roupas possuía sete motoristas de transporte. Os sapatos foram feitos por Manolo Blahnik e L.C.P. di Pompei, e centenas de perucas e pedaços de cabelo foram feitos pela Rocchetti & Rocchetti. Conforme revelado no documentário "Making of" do DVD, o visual do conde von Fersen foi influenciado pelo astro do rock dos anos 80, Adam Ant. Ladurée fez os doces para o filme; seu macaron são apresentados em uma cena entre Maria Antonieta e Conde Mercy.[22]

Trilha sonoraEditar

A trilha sonora do filme contém as bandas New wave e pós-punk New Order ("Ceremony"), Gang of Four, The Cure ("All cats are grey", "Plainsong"), Siouxsie & the Banshees ("Hong Kong Garden"), Bow Wow Wow ("Fools Rush In", "Aprhodisiac" e "I Want Candy"), Adam and the Ants "Kings of the Wild Frontier", The Strokes ("What ever happened"), Dustin O'Halloran e The Radio Dept.[23] Algumas cenas utilizam música barroca de Jean-Philippe Rameau, Antonio Vivaldi e François Couperin. A trilha sonora também inclui músicas dos músicos eletrônicos Squarepusher e Aphex Twin. Sobre a trilha sonora, Sofia Coppola disse: "Desde o início achei que devia misturar música contemporânea à música do século 18. Acho que essa mistura provoca uma qualidade emocional que me interessava criar uma espécie de tensão que permanece ao longo de todo o filme. Quando Maria Antonieta chega ao baile de máscaras, a música expressa todas as emoções que a consomem. Acho que a música me permite dar uma real modernidade à história".[24]

RecepçãoEditar

Em várias entrevistas de 2006, Coppola sugere que sua interpretação altamente estilizada era intencionalmente muito moderna para humanizar as figuras históricas envolvidas. Ela admitiu ter tomado grandes liberdades artísticas com o material original e disse que o filme não se concentra apenas em fatos históricos - "Não é uma lição de história. É uma interpretação documentada, mas carregada pelo meu desejo de abordar o assunto de maneira diferente".[25] O filme recebeu aplausos e algumas vaias durante as primeiras exibições da imprensa no Festival de Cinema de Cannes, que um crítico supõe ser porque alguns dos jornalistas franceses podem ter se ofendido por o filme não ter sido suficientemente crítico quanto à decadência do regime.[26]

No entanto, o crítico de cinema Roger Ebert esclareceu que, na verdade, apenas alguns jornalistas estavam vaiando durante a exibição da imprensa, e que a mídia sensacionalizou o evento. Ele afirmou que vaias são mais comuns na Europa e, às vezes, quando alguém sente que um filme é "politicamente incorreto".[27]

Recepção nos Estados UnidosEditar

O filme recebeu críticas mistas, variando de elogios retumbantes a críticas perspicazes (principalmente voltadas para imprecisões históricas e uma trilha sonora contemporânea). No site do Rotten Tomatoes, que reúne principalmente críticas norte-americanas, o filme recebeu uma aprovação de 55%, com base em 185 críticas com uma classificação média de 6/10. O consenso crítico do site declara: "Imagens luxuosas e uma trilha sonora ousada diferenciam esse filme da maioria dos dramas de época; de fato, o estilo tem precedência sobre o desenvolvimento da trama e dos personagens na visão de Coppola da rainha condenada".[28] Metacritic dá ao filme uma pontuação média ponderada de 65 em 100, com base em 37 críticos, indicando "críticas geralmente favoráveis".[29]

O crítico de cinema americano do MSN, Dave McCoy, descreveu como uma grande sátira:

Eu ri, como vinha fazendo nos últimos vinte minutos. Eu ria da sátira, da abordagem impetuosa de Coppola e da pura alegria que um grande filme pode desencadear.[27]

Kirk Honeycutt, do Hollywood Reporter, elogiou muitas das atuações e também o banquete visual do filme, que descreveu como "fusão harmoniosa de história e percepções contemporâneas". Mas ele questionou o uso de música moderna.[8] Dave Calhoun, da revista londrina Time Out, considerou o filme "bonitinho, mas vazio" e criticou a diretora por fazer referência apenas passageira aos tumultos que ocorriam fora dos muros de Versalhes, na véspera da Revolução Francesa.[8]

Recepção na FrançaEditar

A recepção crítica do filme na França foi geralmente positiva. Ele tem uma pontuação agregada de 4/5 no site de cinema francês AlloCiné, com base em 21 críticas de críticos profissionais.[30] No jornal francês de negócios, Le Film Francais, um terço dos críticos atribuiu sua classificação mais alta - "digno da Palme d'Or".[27] O crítico de cinema Michel Ciment também o classificou como digno da Palme d'Or.[27] Sobre as vaias, Ciment disse: "Houve aplausos também. Os que vaiaram são pequeno-burgueses. Eles reagem assim quando uma diretora americana talentosa faz um filme sobre nós".[31] Os críticos que deram críticas positivas ao filme incluíram Danielle Attali, do Le Journal du Dimanche, que o elogiou como "uma verdadeira maravilha, com cores, sensações, emoções e inteligência impressionantes".[30] François Vey, do Le Parisien, achou "engraçado, otimista, impertinente" e "em uma palavra, iconoclasta".[30] Frodon, editor de Les Cahiers du cinéma, elogiou Coppola por seu "'gênio' em retratar a alienação adolescente", e completou: "Continuo não gostando da Maria Antonieta que teve sua cabeça cortada fora, mas eu gosto da Maria Antonieta de Sofia Coppola".[31][13]

Alex Masson, da Score, achava que o filme tinha um roteiro "que muitas vezes é esquecido pela corrupção de se tornar uma edição especial da Vogue dedicada a cenas de Versalhes".[30]

No jornal Le Figaro, o historiador Jean Tulard chamou o filme de "Versalhes em molho de Hollywood", dizendo que "deslumbra" com uma "distribuição de perucas, fãs e doces, uma sinfonia de cores" que "todos [mascaram] alguns erros grosseiros. e anacronismos voluntários".[32] Na revista L'Internaute, Évelyne Lever, historiadora e autoridade de Maria Antonieta, descreveu o filme como "longe da realidade histórica". Ela escreveu que a caracterização do filme de Maria Antonieta carecia de autenticidade histórica e desenvolvimento psicológico: "Na verdade, ela não passava seu tempo comendo doces e bebendo champanhe! [...] No filme, Maria Antonieta é a mesma de 15 a 33 anos". Ela também expressou a opinião de que "melhores filmes históricos", incluindo Barry Lyndon e The Madness of King George, foram bem-sucedidos porque seus diretores estavam "imersos na cultura da época em que evocavam".[33]

Coppola respondeu aos críticos, explicando que ela estava interessada em mostrar "o verdadeiro ser humano por trás dos mitos..."[13]

Meu objetivo era capturar no design a maneira pela qual eu imaginava a essência do espírito de Maria Antonieta...para que as cores doces do filme, sua atmosfera e música adolescente refletissem e visassem evocar como eu via esse mundo da perspectiva de Maria Antonieta".[13]

Principais prêmios e indicaçõesEditar

Oscar:

BAFTA:

Broadcast Film Critics Association Awards:

Festival de Cannes: [36]


Satellite Awards:

  A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. Marie Antoinette (em português) no CineCartaz (Portugal)
  2. Maria Antonieta (em português) no AdoroCinema (Brasil)
  3. a b "Queria mostrar a vida do ponto de vista de Antonieta" Folha de S.Paulo
  4. Stevens, Dana (19 de outubro de 2006). «Queen Bees». Slate. The Slate Group. Consultado em 23 de junho de 2017 
  5. «Marie Antoinette». Box Office Mojo. IMDb. Consultado em 23 de junho de 2017 
  6. Kristen Dunst será Maria Antonieta no filme de Sofia Coppola UOL
  7. Fracasso de bilheteria, "Maria Antonieta" leva Oscar de figurino Folha de S.Paulo
  8. a b c Franceses reagem com frieza a "Maria Antonieta" de Sofia Coppola Terra Networks
  9. "Maria Antonieta", de Sofia Coppola, é vaiado em Cannes UOL
  10. Figurino transforma rainha em uma celebridade pop FFolha de S.Paulo
  11. Os tênis de Maria Antonieta UOL
  12. Spielvogel, Jackson J. (2012). Western Civilization: Alternate Volume: Since 1300 10th ed. Boston: Wadsworth Cengage Learning. p. 546. ISBN 9781305952843 
  13. a b c d Munich, Adrienne (2011). Fashion in Film. Col: New Directions in National Cinemas. Bloomington: Indiana University Press. pp. 207, 218. ISBN 9780253222992 
  14. Kirsten Dunst vive Maria Antonieta em filme de Sofia Copolla Terra Networks
  15. a b «Marie Antoinette». Box Office Mojo. IMDb. Consultado em 1 de janeiro de 2016 
  16. «Marie Antoinette: International Box Office Results». Box Office Mojo. IMDb. Consultado em 1 de janeiro de 2016 
  17. Sofia Coppola perde a cabeça com Marie Antoinette Público
  18. Sessão de Gala: Kirsten Dunst é Maria Antonieta, neste domingo, dia 4 Rede Globo
  19. 6 curiosidades sobre ‘O Estranho que Nós Amamos’, de Sofia Coppola Vogue
  20. «Marie Antoinette: About the Production (continued)». Cinema Review. Consultado em 1 de janeiro de 2016 
  21. "Maria Antonieta", de Sofia Coppola, é vaiado em Cannes FFolha de S.Paulo
  22. «A Tribute to Marie-Antoinette». Ladurée Newsletter. 20. Ladurée. 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 24 de novembro de 2010 
  23. Trilha busca referências adolescentes Folha de S.Paulo
  24. Maria Antonieta, a rainha que ridicularizou Versailles Estadão
  25. Oduwa, Uwa (28 de fevereiro de 2013). «The Mythology of Marie Antoinette». CCTP748: Media Theory and Digital Culture. Georgetown University. Consultado em 16 de julho de 2018 
  26. Dargis, Manohla; Scott, A.O. (25 de maio de 2006). «'Marie Antoinette': Best or Worst of Times?». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 16 de julho de 2018 
  27. a b c d Ebert, Roger (2007). Roger Ebert's Movie Yearbook 2007. Kansas City: Andrews McMeel Publishing. p. 885. ISBN 9780740761577 
  28. «Marie Antoinette (2006)». Rotten Tomatoes. Fandango Media. Consultado em 16 de julho de 2018 
  29. «Marie Antoinette Reviews». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 16 de julho de 2018 
  30. a b c d «Marie Antoinette: Critiques presse». AlloCiné (em francês). Webedia. Consultado em 1 de janeiro de 2016 
  31. a b Em entrevista à Folha, Sofia Coppola defende "Maria Antonieta" Folha de S.Paulo
  32. Tulard, Jean (14 de agosto de 2010). «Marie-Antoinette, la reine de l'écran». Le Figaro (em francês). Consultado em 1 de janeiro de 2016 
  33. Lever, Évelyne (maio de 2006). «Evelyne Lever, spécialiste de Marie-Antoinette». L'Internaute (em francês). Consultado em 1 de janeiro de 2016 
  34. Dona de quatro Oscar, figurinista Milena Canonero faz sua estreia na direção O Globo
  35. a b c Confira os filmes que concorrem ao Bafta Estadão
  36. «BoxOffice Week Editie». Sneakpoint.com. Consultado em 21 de outubro de 2006. Arquivado do original em 26 de junho de 2006  
  37. «Marie Antoinette». Cannes Film Festival. Consultado em 13 de dezembro de 2009 
  38. «BoxOffice - Week». SneakPoint. Consultado em 21 de outubro de 2006. Arquivado do original em 26 de junho de 2006 
  39. Sofia Coppola moderniza história com 'Maria Antonieta' O Globo