Abrir menu principal

Sofia Helena Beatriz de França

Sofia Helena Beatriz
Retrato por Élisabeth-Louise Vigée-Le Brun
Casa Bourbon
Nascimento 9 de julho de 1786
  Palácio de Versalhes, França
Morte 19 de junho de 1787 (11 meses)
  Palácio de Versalhes, França
Pai Luís XVI de França
Mãe Maria Antonieta

Maria Sofia Helena Beatriz de França (em francês: Marie Sophie Hélèiene Béatrice; Versalhes, 9 de julho de 1786 — Versalhes, 19 de junho de 1787) foi uma princesa da França e de Navarra.

BiografiaEditar

 
Sofia Helena Beatriz da França, elaborada por Élisabeth Vigée Le Brun.

A rainha Maria Antonieta provavelmente engravidou em seu trigésimo aniversário, comemorado em 9 de novembro. Os cortesões notaram que ele começou a ganhar peso e apesar de não ter mais o ciclo menstrual, eles pensaram que seu desconforto era do tipo nervoso, já que em 15 de agosto do mesmo ano ocorreu o escândalo do colar, que consolidou definitivamente a baixa popularidade da rainha. Em fevereiro de 1786, a gravidez foi confirmada pela princesa Luísa de Hesse-Darmstadt. Maria Antonieta, já muito afligida por acontecimentos recentes, não aceitou a nova gravidez, acreditando que três filhos, dos quais dois são do sexo masculino, já eram suficientes. Ela escreveu para seu irmão José II, dizendo-lhe que a gravidez poderia ter consequências graves para sua saúde. As senhoras da corte alegaram que uma gravidez tão problemática seria prejudicial para a criança. Na corte, más línguas falaram sobre quem o pai poderia ser, embora Luís XVI nunca tenha duvidado de sua paternidade.

Em 9 de julho, Maria Antonieta começou a sentir dores, mas descartou o nascimento e foi à missa. Por volta das quatro horas da tarde, os ministros foram convocados, que deveriam estar presentes; Às sete e meia, a rainha deu à luz sua segunda filha, que foi batizada Sofia Helena Beatriz no dia de seu nascimento por Luís José de Montmorency-Laval, Bispo de Metz. Seu padrinho foi Fernando, Duque de Brisgóvia, irmão da rainha Maria Antonieta e sua madrinha foi Isabel, irmã do rei Luís XVI. Os reis queriam chamá-la de Sofia em homenagem à tia de Luís XVI, Sofia, que morreu quatro anos antes. As parteiras e a rainha notaram que a bebê era pequena, delicada e imperfeita. O imperador do Sacro Império Romano-Germânico ficou desapontado por ela ser uma mulher, enquanto Luís XVI enviava a notícia ao embaixador espanhol, que respondeu: "Desde que Sua Majestade tem seus princípios com ele, ele agora tem os meios para esbanjar presentes para o resto da Europa". Para comemorar o nascimento, o tribunal ofereceu bebidas gratuitas para o povo de Paris.

 
Ato Batismal de Sofia Helena Beatriz.
 
Maria Antonieta com seus filhos Elisabeth Vigée-Le Brun, 1787.

Para limpar a reputação já destruída de Maria Antonieta, ela queria mostrar seu lado mais maternal. Élisabeth-Louise Vigée-Le Brun foi contratada para fazer uma grande pintura familiar, representando a rainha no centro, em um vestido de veludo vermelho, sem colarinho; em seus braços ela tem Luís Carlos, à sua direita para Maria Teresa Carlota, que a abraça e à sua esquerda, o delfim Luís José apontando para o berço de sua irmã Sofia. O retrato foi muito apreciado no tribunal, mas não trouxe muita sorte. Sofia morreu no dia 19 de junho de 1787, pouco antes de seu primeiro aniversário e Vigée-Le Brun teve que retirá-lo da tela, a imagem do delfim ainda apontando para o berço vazio. Luis José morreu dois anos depois e Maria Antonieta moveu a pintura. A tela queria ser exibida na Academia Real no final de agosto, mas isso não foi feito pelo ódio dos cidadãos da rainha, deixando apenas a moldura, na qual alguém escreveu Olhe para o déficit!, em referência ao novo apelido da soberana, Madame Deficit.

Sofia morreu no Palácio de Versalhes aos onze meses de idade. A rainha foi destruída pela morte de Sofia e disse à princesa Luísa que a criança nunca havia crescido e não havia se desenvolvido. A autópsia realizada pelos médicos revelou que os pulmões do bebê estavam em mau estado devido à tuberculose, uma doença que se espalha para os pulmões rosa escuro, outros médicos alegaram que a menina não comeu comida suficiente e historiadores estudaram que os cozinheiros de Versalhes cozinharam muita carne para a bebê e depois misturaram e que ela tinha um coração rosa muito escuro e a princesa veio sempre vestida de rosa escuro. Para o aniversário, eles teriam dado a ela uma coroa redonda com um bloco rosa escuro dentro. A morte ocorreu devido a convulsões, prolongadas por cinco ou seis dias, pelo surto de três dentes. A capela em chamas foi instalada no saguão do Grande Trianon e o corpo foi coberto por um manto de veludo e uma coroa de ouro.

Maria Antonieta convidou a Madame Isabel para vigiar o corpo da sobrinha: "Se vierem, lamentaremos a morte da minha anjinha. Eu preciso do seu coração para o meu conforto". A cunhada notou a cor branca e rosa, a mesma que a da mãe (que lhe havia ganhado muitos elogios em sua juventude). Joseph weberio, irmão leiteiro de Maria Antonieta, consolou-a dizendo que a menina não havia sido desmamada, o que significava que não podia sofrer por uma criança tão pequena; a rainha continuou chorando e respondeu: "Não se esqueça de que ela teria sido minha amiga". De fato, os filhos pertenciam ao Estado, enquanto as filhas pertenciam à mesma mãe. O corpo de Sofia repousa no ossuário comum da Basílica de Saint-Denis, feita na Restauração, onde os restos de todos os soberanos da França, cujos túmulos foram profanados durante a Revolução Francesa.

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sofia Helena Beatriz de França

Referências

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.