Abrir menu principal
Como ler uma infocaixa de taxonomiaMariquita-vermelha
Cardellina rubra melanauris Sinaloa, México
Cardellina rubra melanauris
Sinaloa, México
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Cordados
Classe: Aves
Ordem: Passeriforme
Família: Parulidae
Gênero: Cardellina
Espécie: C. rubra
Nome binomial
Cardellina rubra
(Swainson, 1827)
Distribuição geográfica
Distribuição da Cardellina rubra azul = ssp. melanauris verde = ssp. rubra castanho = ssp. rowleyi
Distribuição da Cardellina rubra
azul = ssp. melanauris
verde = ssp. rubra
castanho = ssp. rowleyi
Sinónimos

A mariquita-vermelha (Cardellina rubra) é uma pequena ave passeriforme da família Parulidae, endêmica às terras altas do México, ao norte do istmo de Tehuantepec. É mais próxima filogeneticamente da mariquita-de-cabeça-rosa, que habita o sul do México e a Guatemala, com quem forma uma superespécie. Tem três subespécies,[4] encontradas em populações disjuntas, que diferem principalmente na cor da mancha de seus entornos dos ouvidos e no tom do brilho e coloração de sua plumagem corporal. O adulto é vermelho brilhante, com uma mancha branca ou cinza no entorno do ouvido, dependendo das subespécies; os pássaros jovens são marrom-rosados, com uma mancha esbranquiçada no entorno do ouvido e duas barras de asa pálidas.

A reprodução ocorre tipicamente entre fevereiro e maio. A fêmea põe três ou quatro ovos num ninho cupulado, que ela constrói no chão. Embora ela incube sozinha os ovos, ambos os sexos alimentam a cria e removem os sacos fecais do ninho. O filhote guarnece-se de penas dentro de 10 a 11 dias após a eclosão. A mariquita-vermelha é um insetívoro, ela colhe primariamente de arbustos de sub-bosques. Apesar de este pássaro ser considerado uma espécie em estado pouco preocupante pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), pensa-se que seus números estão diminuindo devido à destruição de seu habitat.

Índice

TaxonomiaEditar

 
A subespécie C. r. rubra tem uma mancha branca no entorno do ouvido, em vez de cinza.

O joalheiro e naturalista inglês William Bullock e seu filho viajaram ao México logo após sua independência, gastando seis meses coletando artefatos arqueológicos e várias espécies de pássaros e peixes novas para a ciência em 1823.[5] Os espécimes de pássaros foram dados ao naturalista William John Swainson, seu compatriota, para descrevê-las formalmente, o que ele fez em 1827. Dentre esses estava a mariquita-vermelha, que foi atribuída ao gênero Setophaga, como Setophaga rubra.[2] Pela próxima metade de século, outras autoridades moveram-na ao gênero Cardellina, junto à mariquita-de-cara-vermelha, e ao difundido gênero de parulídeos tropicais Basileuterus, bem como ao gênero de toutinegras, Sylvia e ao gênero Parus. Em 1873, os naturalistas ingleses Philip Lutley Sclater e Osbert Salvin moveram a espécie ao gênero Ergaticus, em que permaneceu por mais de um século.[3]

A mariquita-vermelha forma uma superespécie com a mariquita-de-cabeça-rosa de Chiapas e Guatemala. Apesar de seus raios habitacionais disjuntos e plumagens consideravelmente diferentes, as duas espécies algumas vezes foram consideradas coespecíficas.[6] Inversamente, também tem sido sugerido que a mariquita-vermelha deveria ser dividida entre uma espécie do norte que tem entorno do ouvido cinza (C. melanauris) e uma espécie do sul com entorno do ouvido branco (C. rubra).[7] Um abrangente estudo de 2010 de Irby Lovette e colaboradores analisando o DNA nuclear e mitocondrial dos parulídeos descobriu que as mariquitas vermelhas e de cabeça-rosa são as espécies mais próximas uma da outra e que seu ancestral comum divergiu de uma linhagem que deu origem à mariquita-de-cara-vermelha. Os autores recomendaram a moção das mariquitas vermelha e de cabeça-rosa ao gênero Cardellina,[8] uma sugestão que tem sido adotada pela União Ornitológica Internacional (IOC).[9]

Há três subespécies, que diferem levemente em aparência:[6]

  • C. r. rubra, descrita por Swainson em 1827, tem manchas brancas no entorno do ouvido e é encontrada do sul de Jalisco e sul de Hidalgo ao Oaxaca.[10]
  • C. r. melanauris, originalmente descrita e nomeada pelo ornitologista americano Robert Thomas Moore em 1937 como Ergaticus ruber melanauris,[11] tem manchas cinza-escuro no entorno do ouvido e partes superiores, de algum modo mais escarlate que C. r. rubra.[6] O nome subespecífico é derivado do grego antigo melan- "preto, escuro",[12] e do latim auris "entorno do ouvido, orelha".[13] É encontrada do sudoeste do Chihuahua ao norte de Nayarit.[10]
  • C. r. rowleyi foi originalmente descrita e nomeada por R. T. Orr e J. D. Webster em 1968 como Ergaticus ruber rowleyi, em honra de J. Stewart Rowley, um pesquisador associado à Academia de Ciências da Califórnia.[14] Tem manchas brancas no entorno do ouvido e partes superiores em tom vermelho-rubi (o mais brilhante entre as três subespécies), e é encontrada na Serra Madre do Sul, de Guerrero ao sul de Oaxaca.[6]

O nome oficial "mariquita-vermelha" foi designado pela IOC.[9] É uma referência direta à sua cor. O nome do gênero Cardellina é o diminutivo do italiano cardella, um nome regional para o pintassilgo,[15] enquanto seu nome específico, rubra, é latim para "vermelho, rubro".[16]

DescriçãoEditar

 
Subsp. melanauris por baixo.

A mariquita-vermelha é uma pequena passeriforme, medindo de 12,5 a 13,5 cm (4,9 a 5,3 polegadas) de comprimento,[10] [nota 1] e pesando de 7,6 a 8,7 g.[6] O adulto é completamente vermelho, com uma mancha auricular cinza-escuro ou branca (dependendo da subespécie) em cada lado de sua cabeça. Suas asas e cauda são de um vermelho ligeiramente mais escuro, fusco,[18] com bordas em vermelho-rosado.[10] Suas pernas são marrom-avermelhadas, e seu bico é fino e cinza-rosado[19] com uma ponta escura.[10] A íris é castanha escura a enegrecida. A plumagem varia pouco entre os sexos, embora a fêmea tenda a ser um pouco mais monótona ou mais alaranjada. Pares adultos separam-se e trocam as penas totalmente a partir de agosto, após a época de reprodução.[19]

A mariquita-vermelha adulta é dificilmente confundida com qualquer outra espécie de ave em seu habitat; o sanhaçu-escarlate e o sanhaço-vermelho têm a plumagem similar, primariamente vermelha, mas são maiores, com bicos cônicos grossos.[19]

Quando jovem, a mariquita-vermelha é marrom-rosada com uma mancha auricular esbranquiçada. Seu rabo e suas asas mais escuros possuem bordas rosadas-canela, com duas barras laterais mais claras na primeira.[10]

CantoEditar

A mariquita-vermelha tem vários cantos comuns, incluindo um alto e fino tsii e um, mais forte, pseet. Seu canto é uma mistura de curtos trinados e mais ricos gorjeios, intercalados com notas agudas.[20] Ao contrário de outras espécies na mesma zona habitacional, tende a cantar apenas em manhãs de bom tempo durante a época reprodutiva. Não canta em climas anuviados, indiferentemente da estação.[21]

Distribuição e habitatEditar

Endêmica às terras altas do México ao norte do Istmo de Tehuantepec, a Cardellina rubra tem três populações distintas que correspondem às três subespécies: do sudoeste de Chihuahua ao norte de Nayarit, do sul de Jalisco e do sul de Hidalgo a Oaxaca e de Guerrero ao sul de Oaxaca na Sierra Madre del Sur.[6][10] É bastante comum no interior do país e nas encostas adjacentes, onde surge em altitudes que vão desde 1 800 a 3 900 metros acima do nível do mar; não ocorre ao longo de qualquer costa.[10][22] É um migrante altitudinal, movendo-se de florestas de pinheiros de alta umidade ou semiúmidos, carvalhos e abetos na época de acasalamento, para elevações mais baixas, muitas vezes em florestas de carvalhos, no inverno.[6][10] Está entre as mais comuns das pequenas aves em seu habitat de floresta, perdendo apenas para Regulus satrapa, de acordo com estudo realizado em florestas de abetos,[23] e é a terceira mais comum em florestas de coníferas de carvalho, de acordo com outro estudo.[24]

Embora a espécie tenha sido registrada no Texas no final do século 19, não há muita credibilidade para o local registrado, e não há evidências sólidas de que ela tenha ocorrido lá.[25] Ela se desviou para o norte até o sudeste do Arizona, onde um pássaro foi encontrado no Monte Lemmon em 2018.[26]

ComportamentoEditar

Embora ocasionalmente se junte a bandos de espécies mistas, a mariquita-vermelha é mais tipicamente encontrada sozinha ou em pares.[10] As jovens provavelmente escolhem companheiros no outono de seu primeiro ano, e os casais permanecem juntos o ano todo,[6] exceto durante um estado climático severo e durante a muda de pós-reprodução.[21]

ReproduçãoEditar

A mariquita-vermelha se reproduz principalmente no início da primavera, de fevereiro até maio,[6] apesar de pelo menos um ninho contendo jovens ter sido encontrado até o final de junho.[27] No final de fevereiro, o macho estabelece um território com uma média de 40 metros quadrados, defendendo-o com o canto. Outros machos podem se intrometer voando silenciosamente a uma altura de cerca de 3 metros (10 pés) e de volta ao seu próprio território. Incursões profundas resultam em combate, após o qual o intruso geralmente sai. A partir de meados de março, o macho corteja a fêmea perseguindo-a pela vegetação rasteira.[21] O par então se empoleira enquanto o macho canta e a fêmea chama suavemente.[28] A fêmea sozinha constrói o ninho,[29] uma tarefa que normalmente leva de 4 a 6 dias.[21] Ela escolhe uma área iluminada pelo sol, como uma área de colheita, a borda escorregadia de uma trilha ou curso de água[21] ou uma pequena clareira,[27] por sua localização. Muito bem tecido de plantas, o ninho é oculto na vegetação do solo e ancorado nas hastes da vegetação circundante.[30] O ninho, que geralmente é em forma de forno, com uma entrada para o lado ou para cima,[10] mede aproximadamente 15 cm (5,91 in) de largura por 18 cm (7,09 in) de comprimento por 11 cm (4,33 in) de altura.[30] Volumoso e desordenado do lado de fora, ele é tipicamente construído principalmente de agulhas de pinheiro mortas e gramas mortas, embora líquens cinzentos, musgo verde, folhas mortas,[29] pedaços de casca e pontas de folhas de samambaia também sejam usados;[21] a maioria desses materiais é coletada do chão perto do ninho, embora alguns sejam colhidos de galhos baixos ou mais distantes.[29] Alguns ninhos são apenas "xícaras", faltando o telhado das estruturas mais típicas.[21] No interior, o ninho é arrumado e compacto,[29] forrado com gramas finas e penugem de plantas,[30] que geralmente são recolhidas a alguma distância do ninho.[29]

No início da época da reprodução, pode haver um intervalo de até 11 dias entre a conclusão do ninho e a colocação do primeiro ovo. Mais tarde na temporada, esse tempo diminui para que o primeiro ovo seja colocado assim que o ninho estiver pronto.[21] A fêmea normalmente coloca três ovos, embora ninhadas de até quatro tenham sido registradas.[10] Os ovos, que são descritos como rosa pálido, com manchas marrons uniformemente distribuídas[29] ou brancos com manchas cor de canela e de ferrugem densamente tocando a extremidade maior do ovo,[21] medindo 16–17 mm (0 63–0 67 in) por 13 mm (0 51 in)[29] e pesando 1–1,4 g (0 035–0 049 oz). A fêmea sozinha incuba os ovos por 16 dias; o macho nem chega perto do ninho até vários dias após a eclosão dos ovos. Ela se senta de frente para a parede do fundo do ninho, com a cabeça e o corpo protegidos pelo teto e a cauda saindo pela abertura. Ela fica firme na aproximação do perigo, tipicamente não voando até que um predador em potencial realmente faça contato com o ninho.[21]

Alimento e alimentaçãoEditar

 
Uma mariquita-vermelha em seu habitat típico.

A mariquita-vermelha é um insetívoro. Ela colhe principalmente de arbustos de sub-bosque em níveis baixos a médios,[6] movendo-se lenta e deliberadamente através de áreas mais abertas da vegetação,[31] e se alimentando com golpes rápidos em rachaduras da casca e entre os ramos de pinheiros.[21] Por vezes paira brevemente para alimentar-se em aglomerados de agulhas de pinheiro, uma técnica de forrageamento conhecida como "hover gleaning".[21] Embora não tenha adaptações óbvias para escalar, faz isso regularmente em busca de presas em casca e epífitas em galhos,[32] muitas vezes pendurada de cabeça para baixo enquanto procura o alimento.[21] Em áreas de crescimento decíduo, normalmente efetua capturas aéreas, fazendo breves investidas aéreas a partir de um poleiro em busca de insetos voadores. Embora raramente se associe a bandos de espécies mistas, muitas vezes alimenta-se com outras aves sem sinais de conflito, não demonstrando hostilidade em relação a outras espécies — como a mariquita-cinza (Myioborus miniatus) — com a qual compete. Foi observada perseguindo um caçador aéreo do gênero Empidonax. Sua área forrageira é bastante pequena, muitas vezes totalizando apenas algumas dezenas de metros quadrados por dia. No final da tarde, sua taxa de forrageamento declina e repousa, muitas vezes com breves cochilos, no sub-bosque da floresta. Embora geralmente não se alimente depois do pôr do sol, pode fazê-lo para aproveitar as fontes alimentares transitórias, como a eclosão da Neuroptera.[21]

Parasitismo e predaçãoEditar

A mariquita-vermelha é presumivelmente caçada por pequenos falcões, como o gavião-miúdo, e seus ninhos atacados por carriças, roedores, guaxinins, gatos selvagens e cobras.[28] Isospora cardellinae é uma espécie de protozoário que foi isolada de uma mariquita-vermelha do Parque Nacional Nevado de Toluca, no México. É um parasita que vive nas células das vilosidades do intestino delgado da ave.[33]

ToxicidadeEditar

No século XVI, o frade Bernardino de Sahagún reportou que um pássaro vermelho, coincidindo com a descrição da mariquita-vermelha, foi considerado incomestível pelos Astecas. Os pesquisadores Patricia Escalante e John W. Daly isolaram dois alcaloides em investigações preliminares das penas.[34] A presença desses alcaloides dão ao pássaro um gosto desagradável, com o que os humanos a consideram incomestível.[35]

Conservação e ameaçasEditar

A mariquita-vermelha atualmente é classificada como uma espécie pouco preocupante pela União Internacional para a Conservação da Natureza. Apesar de haver evidência de que seus números estão diminuindo, o declínio não está sendo precipitoso — isto é, o declínio é de 30% ao longo de dez anos ou três gerações — e a população continua muito grande, com estimativas variando de 50 000 a 500 000 pássaros.[1] As áreas florestadas em que ocorre incluem alguns dos habitats mais ameaçados do México; desmatamento, expansão agrícola, coleta de lenha, construção de estradas, desenvolvimento turístico, sobrepastoreio e urbanização intensiva estão entre os vários fatores que estão contribuindo para a destruição das florestas.[36] Há alguma evidência de que o desmatamento seletivo em florestas de pinheiros pode verdadeiramente favorecer esta espécie, que prefere áreas mais abertas e iluminadas pelo sol para reproduzir.[21]

Notas

  1. Por convenção, o comprimento é medido a partir da ponta do bico até a ponta da cauda de uma ave morta (ou pele) deitada de costas.[17]

Referências

  1. a b «Cardellina rubra». IUCN. IUCN Red List of Threatened Species. 2016: e.T22721888A94738072. 2017. doi:10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22721888A94738072.en. Consultado em 25 de abril de 2018 
  2. a b Swainson, William (1827). «LXXXV. A synopsis of the birds discovered in Mexico by W. Bullock F.L.S. and H.S., and Mr. William Bullock, jun». The Philosophical Magazine: or Annals of Chemistry, Mathematics, Astronomy, Natural History and General Science. 1: 364–369, 433–442 [368] 
  3. a b c d e Ridgway, Robert; Friedmann, Herbert (1901). The Birds of North and Middle America. Washington, D.C.: Government Publishing Office. pp. 759–760. OCLC 663445305 
  4. Ergaticus ruber (TSN 559960) (em inglês) . Integrated Taxonomic Information System (www.itis.gov). Página visitada em 7 de setembro de 2018.
  5. Costeloe, Michael P. (verão de 2006). «William Bullock and the Mexican Connection». Mexican Studies/Estudios Mexicanos. 22 (2): 275–309. doi:10.1525/msem.2006.22.2.275 
  6. a b c d e f g h i j Curson, John; Quinn, David; Beadle, David (1994). New World Warblers. London: Christopher Helm. pp. 191–192. ISBN 978-0-7136-3932-2 
  7. Navarro-Sigüenza, A. G.; Peterson, A. T. (2004). «An alternative species taxonomy of the birds of Mexico». Biota Neotropica. 4 (2): 1–32. doi:10.1590/s1676-06032004000200013 
  8. Lovette, Irby J.; Pérez-Emán, Jorge L.; Sullivan, John P.; Banks, Richard C.; Fiorentino, Isabella; Córdoba-Córdoba, Sergio; Echeverry-Galvis, María; Barker, F. Keith; Burns, Kevin J.; Klicka, John; Lanyon, Scott M.; Bermingham, Eldredge (2010). «A comprehensive multilocus phylogeny for the wood-warblers and a revised classification of the Parulidae (Aves )» (PDF). Molecular Phylogenetics and Evolution. 57 (2): 753–770. doi:10.1016/j.ympev.2010.07.018 
  9. a b Gill, Frank; Donsker, David, eds. (2018). «New World warblers, mitrospingid tanagers». World Bird List Version 8.1. International Ornithologists' Union. Consultado em 25 de abril de 2018 
  10. a b c d e f g h i j k l Howell, Steve N.G; Webb, Sophie (1995). A Guide to the Birds of Mexico and Northern Central America. Oxford, England: Oxford University Press. pp. 654–655. ISBN 978-0-19-854012-0 
  11. Moore, Robert T. (julho de 1937). «Four new birds from northwestern Mexico». Proceedings of the Biological Society of Washington. 50: 95–102 
  12. Liddell, Henry George; Scott, Robert (1980) [1871]. A Greek-English Lexicon (Abridged Edition). Oxford, United Kingdom: Oxford University Press. p. 431. ISBN 978-0-19-910207-5 
  13. Simpson, D.P. (1979) [1959]. Cassell's Latin Dictionary 5th ed. London: Cassell Ltd. p. 69. ISBN 978-0-304-52257-6 
  14. Orr, Robert T.; Webster, J. Dan (abril de 1968). «New subspecies of birds from Oaxaca (Aves: Phasianidae, Turdidae, Parulidae)». Proceedings of the Biological Society of Washington. 81: 37–40 
  15. Jobling, James A. (2010). Helm Dictionary of Scientific Bird Names. London: Christopher Helm. p. 91. ISBN 978-1-4081-2501-4 
  16. Simpson, D. P., ed. (1987) [1959]. Cassell's Latin Dictionary 5th ed. London: Cassell Publishers Limited. p. 526. ISBN 978-0-8264-5378-5 
  17. Cramp, Stanley, ed. (1977). Handbook of the Birds of Europe, the Middle East and North Africa: Birds of the Western Palearctic, Volume 1, Ostrich to Ducks. Oxford, England: Oxford University Press. p. 3. ISBN 978-0-19-857358-6 
  18. Peterson, Roger Tory; Chalif, Edward L. (1999). A Field Guide to Mexican Birds: Mexico, Guatemala, Belize, El Salvador. New York, NY: Houghton Mifflin Harcourt. p. 214. ISBN 978-0-395-97514-5 
  19. a b c Dreelin, Andrew. «Red Warbler Cardellina rubra: Appearance». Cornell Lab of Ornithology. Consultado em 2 de maio de 2018 
  20. Beletsky, Les (2007). Bird Songs from Around the World. San Francisco: Chronicle Books. p. 47. ISBN 978-1-932855-61-6 
  21. a b c d e f g h i j k l m n o Elliott (Junho de 1969). «Life history of the Red Warbler» (PDF). The Wilson Bulletin. 81 (2): 184–195 
  22. Gómez de Silva, Hector (2002). «Elevational and winter records of birds on two Mexican mountains» (PDF). Ornitología Neotropical. 13 (2): 197–201 
  23. Lea, Robert B.; Edwards, Ernest P. (novembro–dezembro de 1950). «Notes on birds of the Lake Patzcuaro Region, Michoacan, Mexico» (PDF). The Condor. 52 (6): 260–271. JSTOR 1364519. doi:10.2307/1364519 
  24. Lanning, Dick V.; Marshall, Joe T.; Shiflett, James T. (Março de 1990). «Range and habitat of the Colima Warbler» (PDF). The Wilson Bulletin. 102 (1): 1–13 
  25. Stone (Outubro de 1919). «Jacob Post Giraud, Jr. and his works» (PDF). The Auk. 36 (4): 464–472. JSTOR 4073339. doi:10.2307/4073339 
  26. «This little red bird spotted near Tucson has lots of people excited». Arizona Daily Star. 11 de Abril de 2018 
  27. a b Haemig, Paul (outono de 1977). «A nest of the Mexican Red Warbler» (PDF). The Condor. 79 (3): 390–391. JSTOR 1368024. doi:10.2307/1368024 
  28. a b Dreelin, Andrew. «Red Warbler Cardellina rubra: Behavior». Cornell Lab of Ornithology. Consultado em 8 de maio de 2018 
  29. a b c d e f g Mayfield, Harold F. (julho de 1968). «Nests of the Red Warbler and Crescent-chested Warbler in Oaxaca, Mexico» (PDF). The Condor. 70 (3): 271–272. JSTOR 1366704. doi:10.2307/1366704 
  30. a b c Elliott, Bruce G. (novembro–dezembro de 1965). «The nest of the Mexican Red Warbler» (PDF). The Condor. 67 (6): 540. JSTOR 1365616. doi:10.2307/1365616 
  31. Smith, Austin Paul (março de 1909). «Observations on some birds found in southern Mexico» (PDF). The Condor. 11 (2): 57–64. JSTOR 1361837. doi:10.2307/1361837 
  32. Remsen Jr., J. V.; Robinson, Scott K. (1990). «A classification scheme for foraging behavior of birds in terrestrial habitats» (PDF). Studies in Avian Biology. 13: 144–160 
  33. Salgado-Miranda, Celene; Medina, Juan Pablo; Zepeda-Velázquez, Andrea Paloma; García-Conejo, Michele; Galindo-Sánchez, Karla Patricia; Janczur, Mariusz Krzysztof; Soriano-Vargas, Edgardo (2016). «Isospora cardellinae n. sp. (Apicomplexa: Eimeriidae) from the red warbler Cardellina rubra (Swainson) (Passeriformes: Parulidae) in Mexico». Systematic Parasitology. 93 (8): 825–830. doi:10.1007/s11230-016-9663-7 
  34. Escalante, Patricia; Daly, John W. (1994). «Alkaloids in extracts of feathers of the red warbler». Journal of Ornithology. 135 (3): 410. ISSN 2193-7206 
  35. Debboun, Mustapha; Frances, Stephen P.; Strickman, Daniel (2007). Insect Repellents: Principles, Methods, and Uses. Boca Raton, FL: CRC Press. p. 52. ISBN 978-0-8493-7196-7 
  36. Stattersfield, Alison J.; Crosby, Michael J.; Long, Adrian J.; Wege, David C. (1998). Endemic Bird Areas of the World. Cambridge: BirdLife International. pp. 120–121. ISBN 978-0-946888-33-7 

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre mariquita-vermelha:
  Imagens e media no Commons
  Categoria no Commons
  Diretório no Wikispecies