Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Waldir Calmon
Em 1957. Arquivo Nacional
Informação geral
Nome completo Waldir Calmon Gomes
Nascimento 30 de janeiro de 1919
Origem Rio Novo
País brasileiro
Morte 11 de abril de 1982 (63 anos)
Gênero(s) MPB
Instrumento(s) Piano
Gravadora(s) Rádio, Copacabana, Fonográfica

Waldir Calmon Gomes (Rio Novo, 30 de janeiro de 1919Rio de Janeiro, 11 de abril de 1982) foi um pianista e compositor brasileiro de grande sucesso nos anos 50.[1]

Gravou dezenas de discos - entre eles, a famosa série Feito Para Dançar e a música tema do extinto Canal 100, Na Cadência do Samba (Que Bonito É). Também gravou com Ângela Maria o disco "Quando os Astros se Encontram", em 1958. Neste LP, encontra-se o maior sucesso da sapoti: Babalu.

Criou um estilo imitado por muitos pianistas que o sucederam. No ano de 1941 já como Waldir Calmon fez sua primeira gravação acompanhando Ataulfo Alves em “Leva Meu Samba”.

Depois de formar o grupo Gentleman da Melodia e circulou por teatros e cassinos do Rio e São Paulo. Foi nessa época que começou a tocar o primeiro solovox (pequeno teclado incorporado ao piano, precursor dos sintetizadores) trazido para o Brasil, popularizando o instrumento. Na década de 50 gravou vários discos "Ritmos Melódicos" (no selo Rádio), "Para Ouvir Amando", "Chá Dançante" e "Feito para Dançar" (Copacabana). Foi o pioneiro a gravar sucessos dançantes em faixas únicas, ininterruptas, adequados a animar festas, eternizando nos acetatos o som que produzia nas boates de então.

Em 1955 abriu sua própria casa noturna, a popular Arpège, no Leme (RJ), que funcionaria até 1967 - onde atuaram João Gilberto, Tom Jobim, Vinicius de Moraes, além de Chico Buarque, que fez um de seus primeiros shows, em 1966, ao lado de Odete Lara e MPB-4.

Seu conjunto era formado nessa época por Paulo Nunes (guitarra), Milton Banana (bateria), Eddie Mandarino e Rubens Bassini (percussão), Gagliardi (contrabaixo) e o próprio Calmon, ao piano e solovox.

Entre 70 e o começo de 77, atuou com sua orquestra de baile no Canecão (RJ), antes e depois do show principal.

Nos últimos anos de carreira, passou a tocar também sintetizadores.

FamíliaEditar

Casou-se com a também artista Marta Kelly, que adotou o nome Marta Calmon após o casamento. Com o nascimento da primeira filha, em 1963, esta abandonou a carreira para dedicar-se apenas ao casamento.

DiscografiaEditar

  • Série Feito Para Dançar (Gravadora Rádio) - números 1 (1954), 2, 3, 4, 5 (1956), 6, 7 (1957), 8 (1957), 9, 10, 11 (1959) e 12.
  • Série Novo Feito Para Dançar (Gravadora Copacabana) - letras A, B, C (1961), D e E
  • Série Chá Dançante (Gravadora Copacabana) - números 1, 2, e 3
  • Série Mambos (Gravadora Copacabana) - números 1e 2.
  • Série Para Ouvir Amando (Gravadora Copacabana) - números 1 (1955) e 2.
  • Série Ritmos Melódicos (Gravadora Rádio) - números 1 (1952) e 3.
  • Série Uma Noite no Arpége - números 1, 2 (Rádio, 1956 e 1957) e 3 (Arpege, 1959).
  • Sonhos e Melodias (Copacabana)
  • Boleros (Copacabana, 1955)
  • Samba, Alegria do Brasil (Rádio, 1956)
  • Rosita Gonzales com Waldir Calmon (Rádio)
  • Hit Parade (Copacabana)
  • O Sucesso, Hoje (Copacabana)
  • Lembranças de Paris (Rádio)
  • Ritmos do Caribe (Copacabana, 1958)
  • Quando os Astros Se Encontram - Waldir Calmon e Ângela Maria (Copacabana, 1958).
  • Ritmos S. Simon (Indústria Fonográfica Brasileira)
  • Romance Sin Palabras (Copacabana)
  • E o Espetáculo Continua (Copacabana)
  • Clássicos Para Dançar (Copacabana)
  • Nos Requebros do Samba (Copacabana)
  • Músicas de Herivelto Martins (Rádio, 1955)
  • E o Espetáculo Continua... (Beverly, 1963)
  • Waldir Calmon e Seus Multisons (Copacabana, 1970)
  • Discoteque - Feito Para Dançar (Copacabana)
  • Waldir Calmon - Feito Para Dançar, de 1980 (Copacabana).

MorteEditar

Morreu em 11 de abril de 1982 de infarto do miocárdio.

Dois anos após, sua viúva voltou à cena artística, cantando e administrando a Orquestra Waldir Calmon.

Referências

Ligações externasEditar