Marta Rovira

Marta Rovira
Deputada do Parlamento da Catalunha
por Barcelona
Período 17 de dezembro de 201222 de março de 2018
Secretária-geral da
Esquerda Republicana da Catalunha
Período 17 de setembro de 2017atualidade
Antecessor Joan Ridao
Dados pessoais
Nome completo Marta Rovira i Vergés
Nascimento 25 de janeiro de 1977 (43 anos)
Vic, Espanha
Nacionalidade espanhola
Alma mater Universidade Pompeu Fabra
Universidade Aberta da Catalunha
Partido Esquerda Republicana da Catalunha
Assinatura Assinatura de Marta Rovira

Marta Rovira i Vergés (Vic, 25 de janeiro de 1977) é uma advogada e política espanhola, atual secretária-geral da Esquerda Republicana da Catalunha e deputada no Parlamento da Catalunha desde 2012.

BiografiaEditar

Nascida na cidade de Vic, alguns de seus antepassados participaram a nível local durante a ditadura franquista; seu avô materno, Francesc Vergés i Ordeig foi alcaide de Sant Pere de Torelló entre 1956 e 1965[1], e um de seus bisavôs por parte de pai, Jaume Rivera i Camps, desempenhou o cargo de alcaide de Prats de Lluçanès entre 1939 e 1941[2].

Marta Rovira é graduada em direito pela Universidade Pompeu Fabra, e em Ciência Política e Administração Pública pela Universidade Aberta da Catalunha. Mestre em direito, ministrou aulas de direito administrativo na Escola de Polícia da Catalunha entre 2003 e 2007, e foi diretora de serviço logístico da Agência Catalã de Cooperação e Desenvolvimento (2007-2011)[3][4].

É militante da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) desde 2005, e três anos depois, em 2008, foi escolhida secretária de Política Internacional, Europa e Cooperação. Em 2011, foi eleita Secretária-geral do partido encabeçado por Oriol Junqueras. Nas eleições ao Parlamento da Catalunha de 2012, foi a número 2 na lista por Barcelona da ERC, sendo eleita deputada e ocupando cargos entre 2012 e 2015 de porta-voz do grupo parlamentário. Em 2015, se apresentou de novo às eleições, na candidatura independentista Juntos pelo Sim, sendo novamente eleita deputada e e novo, porta-voz do grupo parlamentário[5].

Entre 2008 e 2012, foi a Secretária-geral da Aliança Livre Europeia, entre 2006 e 2007 secretária da Associação de Jovens Advogados da Catalunha, organização da qual havia sido presidenta local em Vic entre 2004 e 2006. Ela também é membro dos Sagals de Osona.

Rovira foi um dos membros do Parlamento que, em 21 de dezembro de 2017, foram imputados pelo Supremo Tribunal de Espanha pelo suposto crime de rebelião, após a Declaração de independência da Catalunha[6][7].

Desde 17 de janeiro de 2018, é deputada no Parlamento da Catalunha na XII legislatura pela coalizão eleitoral Esquerda Republicana da Catalunha-Catalunha Sim[8].

Referências

  1. Iglesias, Leyre (19 de novembro de 2017). «El abuelo futbolista y también alcalde franquista 'sin ideología' de Marta 'la elegida'». El Mundo. Consultado em 19 de janeiro de 2018 
  2. Catalunya Diari (20 de novembro de 2017). «Marta Rovira tenia un avi al que es va relacionar amb partits franquistes, a més d'un besavi afí al règim». Catalunya Diari. Consultado em 19 de janeiro de 2018 
  3. Blocs.esquerra.cat (ed.). «Nota biográfica de Marta Rovira». Consultado em 28 de dezembro de 2011 
  4. «¿Quién es la 'presidenciable' Marta Rovira?». Diario Critico. 16 de novembro de 2017. Consultado em 19 de janeiro de 2018 
  5. «Marta Rovira, portaveu de Junts pel Sí al Parlament». Nació Digital. 22 de outubro de 2018. Consultado em 19 de janeiro de 2018 
  6. Rincón, Reyes (22 de dezembro de 2017). «El juez imputa por rebelión a Artur Mas, Marta Rovira y Anna Gabriel». El País. Consultado em 19 de janeiro de 2018 
  7. Marraco, Manuel (22 de dezembro de 2017). «El Supremo imputa por rebelión a Marta Rovira, Artur Mas, Anna Gabriel y Marta Pascal». El Mundo. Consultado em 19 de janeiro de 2018 
  8. La Vanguardia (22 de dezembro de 2017). «Los 135 diputados del Parlament de Catalunya tras el 21-D». La Vanguardia. Consultado em 19 de janeiro de 2018