Abrir menu principal
Louis Claude de Saint-Martin, o filósofo desconhecido
Jean-Baptiste Willermoz
Мартинистский алтарь, собрание Лож Древнего Ордена Мартинистов-Мартинезистов в отеле Метрополь.JPG
Убранство Мартинистских Лож AMMO на собрании в отеле Метрополь.JPG
Martinists.jpg
Hildegard von Bingen Liber Divinorum Operum.jpg

O Martinismo é uma corrente maçônica de misticismo judaico-Cristão, baseada nos ensinamentos de Louis Claude de Saint-Martin (1743-1803) sobre a Queda do homem, tal como expressa no texto de Fernando Pessoa (No Túmulo de Christian Rosenkreutz), do seu estado de privação material da fonte divina, e de todo o processo de retorno à sua essência, designado por 'Reintegração' ou Iluminação. O termo é também a designação de um grau maçónico.[1] A escola de Martinez de Pasqually, restringiu-se à Teurgia, à prática operativa, enquanto que a escola de Louis Claude de Saint-Martin estendeu-se à chamada via mística ou cardíaca.[2] Mais tarde Louis Claude de Saint-Martin, secretário de Pasqually, anuncia nos seus livros as fases da evolução espiritual, nomeadamente, 'Le Crocodile', 'l'Homme de Desir', 'l'Homme-Dieu', e por aí em diante. A palavra "Martinismo" se refere a estes dois maçons, "Martinès de Pasqually" e "Saint-Martin", tendo sido introduzida por Papus. Umberto Eco, no seu romance O Pêndulo de Foucault, enuncia uma grande confusão entre “”Martinismo”” e Martinesismo. O propósito do movimento é, como Saint-Martin enuncia, a via Cardíaca, nomeadamente uma ascensão teúrgica, nos mistérios de iniciação da gnose cristã, partindo de bases marcadamente esotéricas. As iniciações no Martinismo tomam lugar privadamente, de mestre a iniciado. Os martinistas estão, por norma, convencidos de que o seu processo de iniciação é a plantação de uma semente, e que compete ao iniciado fazê-la crescer dentro de si. Como uma tradição mística, foi primeiro transmitido através de um alto grau maçônico estabelecido por volta de 1740, por Martinez de Pasqually, e mais tarde propagado pelos seus dois alunos, Louis Claude de Saint-Martin , e Jean Baptiste de Willermoz - o primeiro fundador de um movimento de nome Martinismo, criado no século XVII-XVIII, e re-estabelecido por Papus, sob os auspícios da Ordre Kabbalistique De La Rose Croix; o segundo, fundador do Rito Escocês Retificado da Franco-Maçonaria. O termo Martinismo aplica-se tanto a esta doutrina particular e aos ensinamentos da Ordre Martiniste Traditionnel fundada em 1886 por Augustin Chaboseau e Papus, ele mesmo associado à dinâmica iniciática em Paris, e médico durante a primeira guerra mundial, onde viria a falecer, e membro de ordens como a Ordre Kabbalistique De La Rose Croix, a Hermetic Order of the Golden Dawn, e outras ordens similares). Este termo não foi usado por Louis Claude de Saint-Martin, todavia.[3][4] Esta confusa desambiguação tem sido um problema, desde o final do século XIX, onde Martinismo teria sido usado entre Louis Claude de Saint-Martin e Martinez de Pasqually, e os trabalhos do primeiro serem atribuídos ao segundo.[5] A transmissão regular do Martinismo para Augustin Chaboseau e Papus ainda precisa de ser melhor documentada.

O Martinismo consiste na parte mística e espiritual da Franco-Maçonaria, devido às bases comuns dos dois movimentos, e devido ao grande número de afiliações mútuas nestas ordens por parte dos seus membros. O Martinismo não deve ser confundido com a Igreja Evangélica Luterana, que tem as suas bases em Martinho Lutero.

A maior parte dos movimentos martinistas modernos, são dotados de uma estrutura de três graus, cujo nome pode variar, a saber:

   - Associado (1º grau)
   - Iniciado (2º grau)
   - Superior Desconhecido ("S.I.") (3º grau)

Índice

OrigemEditar

O fundador dos Elus Cohen, Martinez de Pasqually, primeiramente ordem de Alta Iniciação Maçónica. Depois de o carácter oculto dos Elus Cohen ter sido feito público devido a algumas indiscrições, a sua Grande Loja foi proibida. Quando o governo Francês baniu a Maçonaria de França em Fevereiro de 1767, Pasqually reorganizou a Ordem. Como um substituto para a Grande Loja, este decidiu em março de 1767 que o “tribunal supremo” dos Elus Cohën, então a autoridade Maçónica suprema em frança, fora então alegadamente assistida durante um Ritual Teúrgico. Como “secretário”, Pasqually nomeou em 1768, Louis Claude de Saint-Martin em 1766.[6] O sistema evolucionário de graus designou os donos do grau Rèau-Croix, grau mais alto, "Très Puissant Maitre". Este concerto é mais tarde encontrado entre Martinistas.[7] Pasqually continuou a sua doutrina com elementos Gnómicos, aos quais adicionou elementos adicionais provenientes da tradição hermética, e esoterismo hebraico-cristão, como descrito na versão da Kabbalah Espanhola da Kabbala Cristã porKnorr von Rosenroths e o seu Sulzbacher Kreis.[8]

HistóriaEditar

Foi sob os auspícios do St. Martin que o teósofo e ocultista Papus (Gérard Encausse) fundou a Ordem Martinista no final do século XIX. O Martinismo é de uma reunião entre a teosofia e o pensamento de St. Martin.

O historiador do esoterismo Antoine Faivre escreveu que "a Teosofia é a doutrina cristã dos séculos XVI e XVII, às vezes populares e místicas, às vezes eruditas e filosóficas, representados por Paracelsus, Boehme, Weigel, Fludd, etc., e caracterizado pela reflexão análoga ou iluminação interior, experiência espiritual, as noções de emanação, do pecado original, da androginia, conhecimento, reintegração de aritmosofia, e força, especialmente dual ".[9]

Alguns investigadores não hesitaram em dar como a fonte desse movimento irmandades herméticas do século XI. Robert Ambelain em particular cita a "Ordre des Frères d'Orient" (que foi fundada em Constantinopla em 1090) e traça a genealogia de Martinismo no período alexandrino gnóstico do século V. Além disso, René Guénon escreveu a Andre Bastien[10] a palavra Tradição (como que a "história tradicional") é geralmente usada como sinônimo de mitologia, significado ou simbolismo, não necessariamente como uma realidade histórica baseada em fatos: "Sobre isso devo dizer-lhe que os chamados Irmãos de Heliópolis são tão imaginários como os irmãos orientais ... " [11]

ClassificaçãoEditar

O martinismo é uma corrente que pertence ao esoterismo judaico-cristão. Está dividido em quatro movimentos que permanecem ligados pela sua história e pelo mesmo objetivo (que é, nas palavras de Papus, "a reabilitação do homem"):

  1. Martinesismo a doutrina judaico-cristã e prática teúrgico fundada por J. Martinez de Pasqually em 1761 e que se materializou em 1767 com a criação da sua Ordem;
  2. O Santo martinismo, uma filosofia fundada por Louis Claude de Saint-Martin (secretário Martinez de Pasqually) em 1775 (ele participou de reuniões de lições Lyon) embora pudesse ser eliminados em Willermoz da Maçonaria Francesa e ele não criou nenhuma Ordem;
  3. O willermozismo (e a rectificado rito escocês), um rito maçónico fundado por Jean Batista Willermoz em 1778. De acordo com Michele Moramarco, que estudaram a relação entre martinismo e maçonaria, também se pode identificar uma forma de maçónico martinismo em rituais "rose + Croix" de Rito Filosófico Italano (1909);
  4. Ordem [Ordem Martinista | Ordem Martinista]], Ordem fundada por Papus em 1891; derivam dos Ordem Martinista Sinarquista, fundada por Victor Blanchard em 1920, a Tradicional Ordem Martinista, fundada por Augustin Chaboseau e Victor-Émile Michelet em 1931.

Primórdios do MartinismoEditar

As obras de Saint Martin são de extrema importância para o Martinismo, que se encontrava em contacto com o antigo espírito da elite cultural de França, com tudo o que esta teria, potencialmente, de bom e de mau. Nestas ele fala do caminho do Hommes de désir e do seu trabalho com vista a re-integração, através do processo da via cardíaca.

Saint-Martin foi inspirado pelas obras do sapateiro e filósofo alemão Jakob Böhme, que traduziu parcialmente para francês.

Depois de o seu trabalho ter, em "Erros e verdade" sido traduzido em 1782 por Matthias Claudius para o alemão, foi seguido por outros livros e escritos:

  • L'Homme de désir - O buscador (1790)
  • Ecce Homo - Eis o que um homem (1792)
  • Le Nouvel Homme - O Novo Homem (1792)
  • O crocodilo ou a luta entre o bem e o mal (1799)
  • Le Ministère de l'homme-esprit - O ministério dos espíritos (1802)

Com a morte de Saint-Martin, em 1803, os seguidores de sua filosofia e Teosofia eram doravante designados por Martinistas. Saint-Martin, no entanto, deixou claro que o seu círculo de partilha de conhecimentos no domínio espiritual não era um círculo iniciático, mas sim um círculo de partilha de conhecimento espiritual, a jeito de tertúlia. Pediu sistematicamente a Jean Baptiste Willermoz, por volta de 1790 para sair da maçonaria para se concentrar individualmente no seu processo de conexão espiritual com o transcendente e na sua transmissão de conhecimentos. Contudo, as ideias de Saint Martin viriam a influenciar que Gerard Encuasse quer Agustin Chaboseau, no seu processo de restauração dos ensinamentos de Saint Martin, a partir do momento em que tomam conhecimento de que poderiam ter herdado iniciação directa de Saint Martin, facto este que nunca foi provado historicamente e que precisa, para todos os efeitos, de um sentido claro de desambiguação Guimet Museum (Fr:. Musée Guimet). Augustin Chaboseau ficou[12][13]

As três formas de iniciaçãoEditar

O Martinismo pode ser dividido em três formas através das quais pode ser cronologicamente transmitido:

  • Os Elus-Cohens ou Elus Coëns. (Cohen é o equivalent em Hebraico a “sacerdote” e Elus significa “eleito” ou “escolhido.) Este foi a primeira definição explícita do processo teúrgico, a través do qual o processo de ‘reintegração’ podia ser obtido. Os Elus-Cohens foram fundados por Martinez de Pasqually, que foi mestre de Saint-Martin. Os Elus-Cohens cessaram a sua existência algures no final do século XVIII e inícios do século XIX, tendo sido restituídos no século XX por Robert Ambelain, e existe hoje em dia dentro de várias ordens Martinistas. Consta-se que a Ordre Kabbalistique De La Rose Croix, possui uma ordem interna, que recria a tradição Elus-Cohen, individualmente, e separadamente do contexto do Martinismo, que operam em território Espanhol.

No mais alto dos três graus da ordem dos elus-choen, conhecido como shrine, consiste ele mesmo nos três graus partir do qual o mais alto seria o Master Reau-Crois, evocação das entidades pertencentes ao plano Divino aí carregado. Isto torna claro que os Elus-Cohen seriam não meramente uma order mística, mas também uma ordem mágica. A evocação incluir elementos de magia cerimonial e teurgia, usando elementos da Chave de Salomão, incluindo círculos, nomes de anjos, horas planetárias e símbolos. As operações mágicas dos graus mais baixos tinham como propósito estabelecer contacto entre o operador e o Mundo Invisível. Havia também lugar a processos de expulsão demoníaca, nomeadamente exorcismos, que tinham como propósito combater magia negra.[14]

  • O ”Rito Escocês Retificado” ou ‘’’Chevaliers Bienfaisants de la Cité-Sainte’’’ (CBCS). Isto fora inicialmente um rito maçónico, uma reforma do Rito de Estrita Observância que, nos seus graus mais altos, usa rituais do tipo maçónico para ilustrar a filosofia que jaz tanto no Martinismo como nas práticas dos Elus Cohens. O CBCS foi fundado no final do século XVIII por Jean-Baptiste Willermoz, que era discípulo de Martinez de Pasqually e amigo de Saint-Martin. O CBCS conseguiu sobreviver e ser uma prática continuada desde a sua fundação até aos dias recentes, com uma recente tradição de iniciação feminina desde o século XIX.
  • O “Martinismo” de Louis-Claude de Saint-Martin, uma tradição mística cuja ênfase é colocada na prática da meditação e do processo de transmutação alquímicó-espiritual. Saint-Martin desaprovou que estas práticas fossem chamadas de martinismo pelos seus contemporâneos, preferindo o termo ‘via cardíaca’, como forma de obtenção de re-integração. Saint-Martin não terá estabelecido uma ordem, mas antes criado pequenos círculos de estudo à sua volta, nos quais estas práticas eram transmitidas.

A herança seria re-organizada na 'Ordre Martiniste' em 1886 por Augustin Chaboseau e Gerard Encausse (também conhecido como Papus).[carece de fontes?]. A tramitação regular do martinismo a estas duas figuras não terá ainda sido academicamente provada.

Willermoz e o Rito Escocês RectificadoEditar

  Jean-Baptiste Willermoz (mascido e, 1730, Lyon, França (ano de obituário 1824 - Lyon), foi iniciado na Maçonaria aos 20 anos de idade numa loja que operava sob os auspícios do Estrita Observância. Foi iniciado nos Elus-Cohen em 1767, atingindo a dada altura o grau mais alto da Ordem, sendo designado por de Pasqually como Juiz Superior," um dos mais importantes oficiais superiores.

Preocupado com o dicidente após a ordem de mortede de Pasqually, Willermoz em 1778, junto com mais outros dois Juízes Superires, formularam a ideia de criar dois graus adicionais para a Província de Auvergne de Estrita Observância, que exemplificavam a filosofia, através de práticas teúrgicas, dos Elus-Cohens, enquanto trabalhavam com os Cavaleiros Templários-orientaram o rito maçónico. O nome do rito mudou para Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa (CBCS). A estrutura dos vários graus era:

  1. Aprendiz
  2. Companheiro
  3. Mestre
  4. Mestre Escossês
  5. Aprendiz de Escudeiro
  6. Cavaleiro Benfeito da Cidade Santa
  7. Cavaleiro professado
  8. Grande Cavaleiro Professo

Tendo reformado o ramo francês da ordem, Willermoz em 1782 conseguiu persuadir o ramo materno alemão a adotar as suas reformas - embora sem encontrar uma oposição considerável contrária de outros ramos da Estrita Observância, como os [[Ilumindados de Baviera] de [ [Adam Weishaupt]].

A Revolução Francesa restringiu as atividades dos CBCS (Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa), em França, embora o rito tenha sido preservado na Suíça. Hoje, o CBCS, ou Rite Escocês Retificado, tem vários "grandes priorados" em todo o mundo: Suíça, EUA. , Espanha, Portugal e Brasil, com diferentes jurisdições centradas à volta de diferentes estruturas, bem como lojas em muitos lugares, da Itália ao Brasil e à Romênia.<ref> Arquivos do Grande Priorado da América, CBCS </ ref>

Ver TambémEditar

Referências bibliográficas externas de extrema relevânciaEditar

Alguns dos seguintes títulos podem ser encontrados gratuitamente na internet:

BibliografiaEditar

MartinismoEditar

  • Papus, Martinésisme, willermosisme, martinisme et franc-maçonnerie, Paris, Chamuel, 1899.
  • Teder (Ch. Détré), Rituel de l'Ordre martiniste (1913), in Œuvres Complémentaires de Louis-Claude de Saint-Martin, Éditions Déméter, 1985, 176 p.
  • Robert Amadou, Louis-Claude de Saint-Martin et le martinisme, Paris, Éditions du Griffon d'or, 1946.
  • Robert Ambelain, Le Martinisme, histoire et doctrine [1946], suivi de Le Martinisme contemporain et ses véritables origines [1948], Signatura, 2011, 288 p.
  • Robert Amadou, L'Ordre martiniste au temps de Papus, Paris, Cariscript, 1988.
  • Jean-Marc Vivenza, Le Martinisme, l'enseignement secret des Maîtres, Martinès de Pasqually, Louis-Claude de Saint-Martin et Jean-Baptiste Willermoz, fondateur du Régime Écossais Rectifié, Le Mercure Dauphinois, 2006.
  • Michele Moramarco, Nuova Enciclopedia Massonica, Foggia, Bastogi, 1997.
  • Stanislas de Guaita, "La Fraternité Martiniste et l'Ordre de la Rose-Croix" tiré de l'ouvrage "Essai de Sciences Maudites" (1886-1897).
  • André Bastien, Invocation au "Grand Architecte" - Rituel martiniste opératif et général, L'Initiation N° 1 de 1962 (janvier-février-mars)
  • Karl R. H. Frick: Die Erleuchteten. Gnostisch-theosophische und alchemistisch-rosenkreuzerische Geheimgesellschaftem bis zum Ende des 18. Jh. Marix Verlag, Wiesbaden 2005.

WillermozismoEditar

  • Patrice Béghain, Bruno Benoit, Gérard Corneloup, Bruno Thévenon, Dictionnaire historique de Lyon, Stéphane Bachès, 2009, Lyon, 1054 p., ISBN 978-2-915266-65-8
  • Jean-Marc Vivenza, Les élus coëns et le Régime Ecossais Rectifié : de l'influence de la doctrine de Martinès de Pasqually sur Jean-Baptiste Willermoz, Le Mercure Dauphinois, 2010.

MartinesismoEditar

  • Martinès de Pasqually, Traité sur la réintégration des êtres dans leur première propriété, vertu et puissance spirituelle divine (1770-1772) (d'après le manuscrit de Louis-Claude de Saint-Martin), Diffusion Rosicrucienne, collection martiniste, 1999, édition présentée par Robert Amadou.
  • Robert Amadou, "Rituels d'initiation des Élus Coën", in L'Autre Monde, Predefinição:N°, février 1983, p. 12-17. [1]
  • Franz von Baader, Les Enseignements secrets de Martinès de Pasqually, précédé d'une Notice sur le martinézisme et le martinisme, Bibliothèque Chacornac, 1900 ; rééd. Robert Dumas, 1976 ; Éditions Télétès, 2004.
  • Gilles Le Pape, Les écritures magiques, Aux sources du Registre des 2400 noms d'anges et d'archanges de Martinès de Pasqually, Arché Edidit, 2006.
  • G. Van Rijnberk, Un thaumaturge au Predefinição:S mini- s. : Martines de Pasqually. Sa vie, son œuvre, son ordre, t. I, Paris, Alcan, 1935 ; t. II, Lyon, Derain-Raclet, 1938 [2]

Lista de ordens MartinistasEditar

  • Ancient Martinist Order (AMO), que aspira a unificar as várias Ordens Martinistas sob uma estrutura. A antiga Ordem Martinista surgiu em 9 de abril de 2000 e recebeu o direito e a justificativa de existir com as bênçãos dos Soberanos Grandes Mestres das Ordens Martinistas e Sinarquistas do Canadá e de Barbados; e dos Delegados autorizados e “Iniciadores Libres” representando a Ordem Martinista do Papa, a Ordem Martista Reformada Iniciática, a Ordem Martinista Chevaliers du Christ, e a Ordem dos Eleitos Cohens. A Antiga Ordem Martinista opera corpos de obras tradicionais de Martinistas nos Estados Unidos, Rússia, México e Austrália.
  • Ordem Martinista-Martinezista Antiga (não-tradicional) (em russo: Древний Орден Мартинистов - Мартинезистов , a abreviação inglesa AMMO , em francês: AOMM )), que continua com os relatos do Martinismo Russo de Vladimir Alexeyevich Shmakov, Nikolai Ivanovich Novikov (século XVIII), Gregory Ottonovich Mebes, Valentin Tomberg (século XX) , e outros. A Ordem tem a linhagem de Elus Cohens, bem como a linhagem da Ordem Martinista e da Sinarquia do Canadá e dos Estados Unidos. A Loja inclusiva da Ordem opera na Federação Russa e em alguns países da região EMEA.<ref> Eric. [http: //www.teurgia.org/index.php? Option = com_content & view = article & id = 846: lr -baal-hiram & catid = 18: 2009-12-21-14-45-31 & Itemid = 7 ««Умирающий Сфинкс и возрождающийся Феникс российского мартинизма» (Беседа с Владимиром Ткаченко-Гильдебрандтом), - Бр∴ Baal-Hiram»] Verifique valor |url= (ajuda). www.teurgia.org. Consultado em 11 de agosto de 2017  </ ref> <ref> [http: //www.am-mo.org/ «Web site do The Ancient Martinist - Ordem Martinez»] Verifique valor |url= (ajuda). Consultado em 11 de agosto de 2017  </ ref> <ref> [https: //web.archive.org/web/20150524020946/http: //www.russianmasonry. ru / diversos / links / «Site oficial da Grande Loja da Rússia (Maçonaria Regular)»] Verifique valor |arquivourl= (ajuda). Consultado em 11 de agosto de 2017. Arquivado do [http: //www.russianmasonry.ru/miscellaneous/links/ original] Verifique valor |url= (ajuda) em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda)  Parâmetro desconhecido |arquiv edate= ignorado (ajuda) </ ref>
  • A Ordem dos Rosacruzes (AOR)
  • Antiga Ordem Martinista
  • Antigua Orden Martinista
  • Ordem Martinista Britânica (BMO) [Inclui linhagens francesas e russas]
  • A Ordem Hermética dos Martinistas (HOM), que é uma Ordem apenas aberta aos Mestres Maçons que também são membros de Societas Rosicruciana in Anglia (SRIA)
  • L'Ordre Martiniste Traditionnel (OMT), que opera sob a égide de AMORC - em francês.
  • Ordem Martinista (África e Oriente Médio): Opera em inglês sob a égide da L'Ordre Martiniste, França
  • A Ordem Martinista O∴V∴C∴ - baseada na Suécia e concentrada na Voie Cardiaque e nas tradições cavalheirescas.
  • Orden Martinista
  • Ordine Martinista Antico e Tradizionale (OMAT)
  • Ordre Martiniste Opératif (OMO) <ref> Ordre Martiniste Opératif no Québec, acessado em 26 de agosto de 2014 < / ref>
  • Ordine Martinista (Papus - Cancellieri - Allegri-Zasio-Bandarin -Ventura-Caracciolo-Salvadeo)
  • Ordre Martiniste (de Papus) também conhecida como (OM), esta é a Ordem Martinista Original fundada por Papus e sua linhagem continua através de seu filho Philippe Encausse. O OM é o tronco do Martinismo, do qual muitas ordens Martinistas se ramificaram ao longo da história. Está sediada em Paris, França, mas tem conselhos em todo o mundo. Esta filial trabalha na América do Norte sob o nome Ordem Martinista - Grande Conselho da América do Norte ou "OM-GCNA", sob a supervisão de um Grande Delegado, que é nomeado pelo Soberano Grão Mestre OM "Gabriel", que preside o Conselho Supremo. na França. OM admite buscadores de todas as fés.
  • Ordre Martiniste des Pays-Bas (OMPB), iniciado por Maurice Warnon, com a aprovação de Philippe Encausse para os martinistas holandeses que estavam desconfortáveis ​​quando a Igreja Gnóstica foi escolhida como igreja oficial da Ordem Martinista Francesa.
  • Orden Martinista Universal
  • Ordre Martiniste Opérant - Criado pelo renomado Martinista Joel Duez Vichery.
  • Ordre Martinistes Souverain (OMS).

Ordre Martiniste et Synarchique (OMS), uma ordem sinárquica.

  • Ordre Martiniste da América do Norte (OMNA) é o remanescente do Groupe Papus # 12 da OM em Paris, operando nos Estados Unidos desde a década de 1950 sob a direção de Roger Saint Victor Hérard e Philippe Encausse. OMNA preserva a tradicional aliança entre a Ordem Martinista e a Igreja Gnóstica.
  • Ordre Reaux Croix (ORC), abrangendo os três ramos do Martinismo [3]
  • Ordem Martinista Rose Croix (R + CMO), que afirma oferecer o quarto grau Martinista e se concentra na teurgia.
  • Ordem Martinista de Rose-Croix (RCMO), Ontário Canadá, + Mike Restivo, Sar Inácio I :: L ::, Grão-Mestre Supremo
  • Ordem Martinista Rose + Croix (Ontário, Canadá) Grão Mestre Mike Restivo I :: L :: [4].
  • Rose Cross Order
  • Sociedade de Iniciados ou Société des Initiés é uma assembléia vagamente organizada de S: I: (Iniciadores Livres) que se reúnem para comunhão e promoção dos ideais originais de Louis-Claude de Saint-Martin.
  • Ordem Martinista Sueca (SMOCI) que opera as tradições Voie Cardiaque e L'Ordre des Chevaliers Maçons élus Coëns de l'Univers.
  • Ordem Martinista Tradicional (TMO), que opera sob a égide de AMORC e sua Tradição Rosacruz - em inglês.

Movimentos agregadores de ordensEditar

Pesquisa AdicionalEditar

Ligações externasEditar

Notas

  1. Encyclopedia of Freemasonry (em linha). «Martinism» (em inglês). Consultado em 20 de Março de 2011 
  2. WAITE, Arthur Edward (1921). A New Encyclopedia of Freemasonry, Volume II (em inglês). Nova York: [s.n.] pp. 157 e 158. ISBN 978-1-60206-643-4. Consultado em 20 de Março de 2011 
  3. «Biografia de Papus» (em francês). Consultado em 27 de Fevereiro de 2011 
  4. «Biografia de Papus hermanubis». Consultado em 27/Fev/2011  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. Baader, Franz von Enseignement secrets de Martinez de Pasqually
  6. Karl R. H. Frick: The Enlightened
  7. Karl R. H. Frick: T The Enlightened. Gnostic theosophical and alchemical-rosicultural secret societies until the end of the 18th century. “
  8. Karl RH Frick: The Enlightened. Gnostic theosophical and alchemical-rosicultural secret societies until the end of the 18th century. Marix Verlag, Wiesbaden 2005. p. 528
  9. Antoine Faivre, Encyclopædia Universalis, t. 15.
  10. «Cópia arquivada». Consultado em 16 de julho de 2017. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  11. Lettre à André Bastien - datée du 11 October 1948
  12. 552 954 a Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix em:. material do livro Novas Rosacruzes de Harald Lamprecht
  13. Horst E. Miers. Enciclopédia do conhecimento secreto. (= Esotérico . Vol. 12, 179). Goldmann, Munique 1993, p.269. Esforço
  14. Robert Ambelain, "Martinists", Man Myth and Magic 62 (Londres: Punrell, 1971), 1746-47.


  Este artigo sobre esoterismo ou ocultismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.