Massacre de Sharpeville

No dia 21 de Março de 1960, ocorreu no bairro de Sharpeville, na cidade de Johanesburgo, na África do Sul, um protesto, realizado pelo Congresso Pan-Africano (PAC). O protesto pregava contra a Lei do Passe, que obrigava os negros da África do Sul a usarem uma caderneta na qual estava escrito aonde eles poderiam ir.

Pintura retratando o Massacre de Sharpeville, em 1960.

Cerca de vinte mil manifestantes reuniram-se em Sharpeville, um bairro negro nos arredores da Cidade de Johannesburg, e marcharam calmamente, num protesto pacífico. A polícia sul-africana conteve o protesto com rajadas de metralhadora. Morreram 69 pessoas, e cerca de 180 ficaram feridas [1].

Após esse dia, a opinião pública mundial focou sua atenção pela primeira vez na questão do apartheid. No dia 21 de Novembro de 1969, a ONU implementou o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial, que passou a ser comemorado todo dia 21 de Março, a partir do ano seguinte. E continua ainda nos dias de hoje mesmo após o fim do Apartheid.

Referências

  1. BBC: On This Day (em inglês)
  Este artigo sobre a África do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.