Mastercard

empresa do setor pagamentos

Mastercard Inc. (estilizada como MasterCard de 1979 a 2016 e mastercard de 2016 a 2019), originalmente Interbank e depois Master Charge,[6] é uma empresa multinacional norte-americana de serviços financeiros, fundada em 1966. Sua sede fica em Purchase, Nova Iorque.[7]

Mastercard
Mastercard
Razão social Mastercard Inc.
Empresa de capital aberto
Slogan Existem coisas que o dinheiro não compra. Para todas as outras existe MasterCard.
Cotação NYSE: MA
Atividade Serviços financeiros
Fundação 16 de agosto de 1966; há 57 anos
Sede Purchase, Nova Iorque, Estados Unidos
Locais Mundo
Pessoas-chave
  • Michael Miebach (presidente e diretor executivo)
  • Walt Macnee (vice presidente)[nota 1][3]
Empregados 29 900 (2022)
Produtos Sistemas de pagamento (cartão de crédito e débito)
Marcas
Ativos Aumento US$ 38,72 bilhões (2022)
Lucro Aumento US$ 9,93 bilhões (2022)
LAJIR Aumento US$ 12,26 bilhões (2022)
Faturamento Aumento US$ 22,24 bilhões (2022)
Renda líquida Baixa 6,30 bilhões (2022)
Website oficial mastercard.com
  • Notas de rodapé / referências
  • [4][5]

Seu principal negócio é processar pagamentos entre os bancos dos clientes e os bancos emissores de cartões que usam a bandeira Mastercard, incluindo cartões de débito, crédito e pré-pago. É a segunda maior empresa do ramo, possuindo 1,544 bilhão de cartões de débito e 1,05 bilhão de crédito em 2021. No mesmo ano, foi responsável pelo processamento de US$ 2,054 trilhões; eram cerca de 3585 transações por segundo em 2020.[8]

Mastercard foi criada por uma aliança de vários bancos e associações regionais de cartões bancários em resposta ao BankAmericard emitido pelo Bank of America, que mais tarde se tornou Visa, ainda seu maior concorrente. A empresa possui capital aberto desde 2006, antes era uma cooperativa de mais de 25.000 instituições financeiras.

História

editar

1958–1968: Início

editar
 
Logotipo usado entre 1979 e 1990

Embora a estreia do BankAmericard em setembro de 1958 tenha sido um desastre notório,[9] começou a dar lucro em maio de 1961.[10] O Bank of America manteve essa informação em segredo e permitiu que as impressões negativas, então generalizadas, persistissem para afastar a concorrência.[11] Essa estratégia foi bem-sucedida até 1966, quando a lucratividade se tornou grande demais para ser escondida.[11] De 1960 a 1966, havia apenas 10 novos cartões de crédito introduzidos nos Estados Unidos, mas de 1966 a 1968 aproximadamente 440 cartões foram disponibilizados por bancos grandes e pequenos em todo o país.[11] Esses recém-chegados prontamente se uniram em associações regionais.[12]

Uma das razões pelas quais a maioria dos bancos optou por unir forças foi que, na época, 16 estados limitavam a capacidade dos bancos de operar por meio de filiais, enquanto 15 estados proibiram totalmente.[13] Nesse caso, poderiam operar legalmente apenas em um único local e, portanto, eram forçados a permanecerem pequenos.[13] Ao ingressar em uma associação regional, um banco poderia adicionar rapidamente um cartão de crédito à sua linha de produtos financeiros e terceirizar tarefas de manutenção.[12] Essas associações também permitiram agregassem as bases de clientes e comerciantes para tornar o cartão mais aceitável e útil; os primeiros cartões de crédito falharam porque só podiam ser usados dentro de um pequeno raio em torno de seus respectivos emissores.[13]

Em 1966, Karl H. Hinke, vice-presidente executivo do Marine Midland Bank, pediu a representantes de vários outros bancos que o encontrassem em Buffalo, Nova York.[14][15] O Marine Midland acabava de lançar seu próprio cartão bancário regional na Upstate New York depois que lhe foi recusado uma licença regional do BankAmericard.[16] O resultado da reunião de Buffalo foi que vários bancos e associações regionais logo concordaram em unir forças como Interbankard, Inc.,[14][15] que depois se tornou a Interbank Card Association (ICA).[12] No final de 1967, a ICA tinha 150 membros e Hinke tornou-se o presidente.[16]

A marca Interbank em 1966 inicialmente consistia apenas em um pequeno i minúsculo dentro de um círculo no canto inferior direito da frente de cada cartão; o restante do design era prerrogativa de cada banco emissor.[17] Este pequeno logotipo provou ser totalmente insatisfatório para criar conscientização da marca, a fim de competir com o líder BankAmericard.[17] Em 1969, o Interbank desenvolveu uma nova marca nacional, "Master Charge", combinando dois círculos amarelo e laranja sobrepostos com o nome.[17]

1968–2010: Expansão

editar

Em 1968, a ICA e a Eurocard iniciaram uma aliança estratégica, que permitiu à ICA o acesso ao mercado europeu. O cartão Access do Reino Unido juntou-se à aliança em 1972.[18] Em 1979, "Master Charge" foi renomeado como "MasterCard".[18] Em 1983, a MasterCard International Inc. tornou-se o primeiro banco a usar hologramas como parte da segurança de seus cartões.[19] Eles adquiriram a rede Cirrus de caixas eletrônicos em 1985.[20]

A Mastercard, juntamente com a Visa, envolveu-se em uma exclusão contra American Express durante as décadas de 1980 e 1990. Elas usaram cláusulas de exclusividade em seus contratos para impedir que os bancos fizessem negócios com a American Express. Tais cláusulas e outras provas escritas foram usadas pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos em ações regulatórias contra ambas empresas.[21] Discover também processou a Mastercard por questões semelhantes.[22] Elas pagaram aproximadamente US$ 3 bilhões em danos resultantes de uma ação coletiva movida em janeiro de 1996 contra fixação do preço da taxa de furto do cartão de débito.[23]

Em 1996, cerca de 4 milhões de comerciantes processaram a Mastercard em um tribunal federal dos EUA por aumentar as taxas conta furto. Este caso foi resolvido com um pagamento bilionário em 2003.[22] Em 23 de agosto de 2001, a empresa foi processada por violar a Lei de Práticas Comerciais Enganosas e Desleais da Flórida.[24] Em 2002, fundiu-se com a Europay International, outra grande associação de emissores de cartões de crédito, da qual a Eurocard se tornou parte em 1992.[25] Em 15 de novembro de 2004, pagou indenização à American Express, devido a práticas anticompetitivas que a impediram de emitir cartões através de bancos estadunidenses,[26] pagando US$ 1,8 bilhão no acordo.[27]

Em conexão com a fusão de 2002,[28] a empresa que havia sido organizada como uma cooperativa de bancos fez uma oferta pública inicial em 25 de maio de 2006, vendendo 95,5 milhões de ações a US$ 39 cada.[29] As ações são negociadas na Bolsa de Valores de Nova York sob o símbolo MA, com uma capitalização de mercado de US$ 367,1 bilhões em maio de 2021.[30] O acordo foi concebido para manter o valor da marca e minimizar os custos regulatórios.[28]

 
Logotipo usado entre 1990–1996 e popularizou a marca

2010–presente: Digital

editar

Em agosto de 2010, a MasterCard Worldwide, como foi renomeada, expandiu sua oferta de comércio eletrônico com a aquisição da DataCash, um provedor de processamento de pagamentos e gerenciamento de fraude/risco do Reino Unido.[31][32] No mesmo ano, a WikiLeaks publicou documentos mostrando que as autoridades norte-americanas fizeram lobby na Rússia para defender os interesses da Visa e Mastercard.[33][34] Posteriormente, pagamentos ao WikiLeaks foram bloqueados. Membros do Parlamento Europeu expressaram preocupação de que os pagamentos de cidadãos europeus pudessem ser bloqueados pelos EUA, e apelou a uma maior redução do domínio das bandeiras no sistema de pagamentos europeu.[35] Em outubro de 2010, ambas empresas chegaram a outro acordo. Elas concordaram em permitir que os comerciantes com suas bandeiras recusassem cartões ou oferecessem descontos em casos de tarifas menores.[36]

Em março de 2012, a MasterCard anunciou a expansão de seu programa de pagamentos com aparelhos móveis, incluindo mercados em todo o Oriente Médio.[37] Em 27 de novembro, um juiz federal concedeu aprovação liminar a uma proposta de acordo para a ação coletiva[38] movida em 2005. Cerca de um quarto dos demandantes decidiram optar por não participar do acordo; eles se opõem às disposições que impediriam futuros processos e a não aceitação de apenas partes do acordo.[39] Um acordo de US$ 6,24 bilhões obteve aprovação preliminar em novembro de 2019.[40] Um redução para $ 5,54 bilhões foi aprovada depois. Alguns comerciantes recorreram do acordo e foram ouvidos. O caso está em andamento em 2022.[41]

Em 2013, a Mastercard estava sob investigação da União Europeia pelas altas taxas que cobrava. A empresa foi proibida de cobrar taxas em transações transfronteiriças realizadas totalmente dentro da UE por meio de uma decisão da Comissão Europeia em 2007.[42] A BEUC elogiou a ação; sua diretora-geral, Monique Goyens, disse: "Então, no final, todos os consumidores são atingidos por um esquema que acaba recompensando a empresa do cartão e o banco emissor."[42] Na primavera de 2014, a Mastercard adquiriu a principal empresa de gerenciamento de programas de recompensas da Austrália, Pinpoint, por um valor não revelado.[43] Em agosto de 2017, adquiriu a Brighterion, empresa que gerência inteligência artificial e aprendizado de máquina.[44] A Brighterion detém várias patentes.[45]

No mesmo ano, o CEO Ajay Banga reforçou o objetivo da empresa de estender os serviços financeiros atuais, trazendo sistemas de pagamento digital para pessoas sem banco em todo o mundo. Foram investidores US$ 500 milhões na Índia, com escritórios em Pune e Vadodara, para ajudar a Mastercard a levar transações sem dinheiro para maior população do mundo. A empresa também estava programada para investir US$ 750 milhões adicionais em aplicativos e tecnologia, especialmente focados na Índia entre 2017 e 2020.[46] Em abril de 2021, a Mastercard criou uma calculadora que reúne informações e mede as pegadas de carbono dos clientes para ajudá-los a saber quanto estão contribuindo nas emissões de carbono.[47] Após a invasão russa da Ucrânia em 2022, cumpriu as sanções dos EUA e proibiu a emissão ou o uso de cartões na Rússia.[48] A empresa suspendeu todas as operações comerciais no país, que representavam 4% de sua receita. No entanto, os próprios cartões bancários continuam funcionando.[49]

Atualmente, a empresa também possui um programa de fidelidade oferecido aos portadores de cartões com a bandeira Mastercard, o Programa Mastercard Surpreenda. Ele permite que os clientes acumulem pontos a cada compra realizada com seus cartões Mastercard e, ao atingir um certo número de pontos, recebam um voucher que pode ser usado para adquirir um produto ou serviço em estabelecimentos parceiros do programa. [1]

 
Partida de beisebol entre San Francisco Giants e Chicago Cubs em julho de 2008, promovendo o Mastercard

A Mastercard está associada à segurança. No entanto, litígios antitruste ao longo dos anos prejudicaram a marca.[28] O slogan da campanha publicitária atual é Priceless, lançada em 1997. O slogan completo foi traduzido como: Existem coisas que o dinheiro não compra. Para todas as outras existe MasterCard. A campanha foi principalmente aplicável aos produtos de cartão de crédito e débito. Eles também usam a descrição para promover produtos como o site Priceless Travel, que apresenta promoções e ofertas para titulares de cartões Mastercard.[50]

Em meados de 2006, a MasterCard International mudou seu nome para MasterCard Worldwide. Isso foi para sugerir uma escala mais global. Além disso, a empresa introduziu um novo logotipo corporativo adicionando um terceiro círculo aos dois que eram usados no passado (semelhante a um diagrama de Venn). Um novo slogan corporativo foi introduzido ao mesmo tempo—The Heart of Commerce.[51] Em julho de 2016, apresentaram um novo rebranding. Mudaram o nome do serviço de "MasterCard" para "mastercard".[52]

Em janeiro de 2019, o nome foi removido de seu logotipo, deixando apenas os discos sobrepostos.[53] Em 2021, a Mastercard ficou em 13º lugar em uma lista das marcas mais confiáveis.[54]

A Mastercard patrocina grandes eventos e equipes esportivas em todo o mundo. Isso inclui a equipe de rugby da Nova Zelândia, a MLB, a UEFA Champions League e o PGA Tour. Anteriormente, também patrocinou a Copa do Mundo da FIFA, mas rescindiu seu contrato após um acordo judicial e seu rival, Visa, asumir o espaço em 2007.[55] Em 1997, a Mastercard era o principal patrocinador da equipe de Fórmula 1 Mastercard Lola,[56] que desistiu da temporada de 1997 após sua primeira corrida devido a problemas financeiros.[57]

Também é parceira da Seleção Brasileira de Futebol[58] e da Copa Libertadores.[59] No final de 2018, se tornou o primeiro grande patrocinador do jogo eletrônico League of Legends. A empresa patrocina o League of Legends World Championship e Mid-Season Invitational.[60] Em setembro de 2022, a Mastercard adquiriu os direitos de patrocínio para todos os jogos nacionais e internacionais organizados pelo Conselho de Críquete na Índia.[61][62]

Finanças

editar
Desenvolvimento desde 2005[63]
Ano Receita
(milhões de US$)
LAJIR
(milhões de US$)
Preço da ação
(US$)
Funcionários
2005 2.938 393
2006 3.326 229 6,20
2007 4.068 1.108 13,65
2008 4.992 −534 20,33
2009 5.099 2.260 17,99 5.100
2010 5.539 2.752 22,01 5.600
2011 6.714 2.713 28,73 6.700
2012 7.391 3.937 41,58 7.500
2013 8.312 4.503 59,34 8.200
2014 9.441 5.106 75,33 10.300
2015 9.667 5.078 90,62 11.300
2016 10.776 5.761 94,50 11.900
2017 12.497 6.622 126,54 13.400
2018 14.950 7.282 186,16 14.800
2019 16.883 9.664 300,74 18.600
2020 15.301 8.081 370 21.000
2021 18.884 10.082 354,83 24.000
2022 22.237 12.264 347,73 29.900

Em 2020, a Mastercard classificou-se em 191º lugar na lista Fortune 500 das maiores corporações dos Estados Unidos por receita.[64]

Produtos e serviços

editar
 
Cartão de débito emitido no Japão

A Mastercard possui como principais produtos os cartões de crédito e débito. Dependendo da localização geográfica, os emissores podem emitir cartões em níveis, do mais baixo ao mais alto, como gold/titanium, platinum, etc.[65] A empresa opera a Banknet, uma rede de telecomunicações global que conecta todos os emissores da bandeira. O local de operações está localizado em St. Louis, Missouri.[66] Possui o Mastercard Contactless (anteriormente chamado de PayPass),[67] um recurso para pagamento sem contato semelhante ao ExpressPay da American Express. Oferece aos titulares de cartão uma maneira mais simples de pagar aproximando um cartão ou outro dispositivo em vez de passar ou inserir o cartão. Atualmente, possui limitações de valor.[68]

Por meio de uma parceria com uma empresa especializada em compras na internet, a Mastercard lançou um shopping virtual em 16 de abril de 2010, que disse poder identificar com precisão o que seus titulares de cartão provavelmente comprarão.[69] Em 2012, anunciou o QkR, um aplicativo de pagamento móvel operando nos EUA e na Austrália com a finalidade de solicitar produtos e serviços por meio do smartphone. Os usuários podem abrir o aplicativo, localizar um código QR de um restaurante e fazer pedidos de sua escolha.[70][71] Em setembro de 2014, trabalhou com a Apple para incorporar um novo recurso de carteira móvel nos novos modelos de iPhone e Apple Watch, conhecido como Apple Pay, permitindo que os usuários usem mais prontamente seus cartões.[72]

Em maio de 2020, a empresa anunciou o Mastercard Track Business Payment Service. Segundo o chefe de produtos globais, o serviço "cria um diretório de fornecedores, permitindo que os fornecedores publiquem suas regras de pagamento para que possam controlar melhor como recebem os pagamentos, tornando mais fácil para os compradores encontrar fornecedores e entender seus requisitos".[73]

Em 10 de fevereiro de 2021, a Mastercard anunciou seu suporte a criptomoeda.[74][75] Em outubro, informou que, por meio de sua parceria com a Bakkt, qualquer banco ou comerciante em sua rede em breve poderá oferecer serviços de criptografia.[76] Em junho de 2022, anunciou que agora permitiria que os portadores de cartão comprassem NFTs por meio de várias plataformas.[77]

Em abril de 2023, a Mastercard revelou sua intenção de expandir suas parcerias com empresas de criptomoedas. No momento do anúncio, a empresa já havia feito parceria com Binance, Nexo e Gemini para oferecer cartões vinculados à criptografia em algumas nações. Isso ocorreu apesar de um ambiente regulatório cada vez mais intenso e seguiu a empresa rival Visa. A empresa disse que seu serviço Mastercard Crypto Credential permitiria transações entre países que atenderam a requisitos. Seu chefe de cripto e blockchain, Raj Dhamodharan, disse que os usos para transações NFT viriam mais tarde.[78][79]

Recepção

editar
 
Transporte na Alemanha promovendo a marca

A Mastercard foi listada como uma das melhores empresas para se trabalhar em 2013 pela Forbes.[80] Em 2016, tornou-se uma das 144 empresas que assinaram um acordo da HM Treasury para obter equidade de gênero na empresa.[81] Operar uma rede de processamento de pagamentos envolve o risco de práticas anticompetitivas devido às muitas partes envolvidas.[28] Poucas empresas enfrentaram mais processos antitruste nos EUA e no exterior.[22]

A União Europeia criticou repetidamente a Mastercard por práticas comerciais monopolísticas. Em abril de 2009, a empresa chegou a um acordo com o bloco em um caso antitruste, prometendo reduzir as taxas de furto do cartão de débito para 0,2% das compras.[82] Em dezembro de 2010, um alto funcionário do Banco Central Europeu pediu o desmembramento do duopólio Visa/Mastercard com a criação de um novo cartão de débito europeu para uso na zona do euro.[83]

Em janeiro de 2019, a Comissão Europeia impôs uma multa antitruste de € 570.566.000 à Mastercard por "obstruir o acesso dos comerciantes a serviços de pagamento com cartão transfronteiriços", devido às regras que obrigam os bancos a aplicar as taxas de intercâmbio do país onde o varejista estava localizado. A Comissão concluiu que as regras impedem os vendedores de se beneficiarem de taxas mais baixas. A violação terminou quando a empresa alterou suas regras em 2015. A Comissão concedeu à Mastercard uma redução de 10% da multa.[84]

Jogos de azar

editar

Mastercard, Visa e outros cartões de crédito têm sido usados para financiar contas desde o jogo online começou em meados da década de 1990.[85] Em 20 de março de 2000, um tribunal da Louisiana registrou uma ação contra a empresa por interagir ilegalmente com vários cassinos na internet. Os queixosos alegaram, entre outras reivindicações, que a Mastercard havia violado o Federal Wire Act. Eles buscaram alívio financeiro por perdas sofridas.[86]

A decisão do Tribunal Distrital em 23 de fevereiro de 2001, posteriormente confirmada pela Corte de Apelações dos Estados Unidos, esclareceu a aplicação da lei ao jogo online ilegal. O tribunal determinou que ela se aplica apenas a atividades de jogos de azar relacionadas a um "evento ou concurso esportivo". Portanto, o tribunal não pôde concluir que a Mastercard violou o Wire Act.[87]

Quando o PASPA foi anulado em 14 de maio de 2018, a Mastercard teve que fornecer novas orientações aos bancos parceiros. Estabeleceu que as restrições da localização se aplicam ao indivíduo que faz a aposta, não ao banco que processa a transação. De acordo com várias leis estaduais de jogos, os provedores de apostas esportivas devem ativar geolocalização para determinar a localização física de um cliente antes de aceitar uma aposta.[88] Os banqueiros independentes solicitaram especificações sobre códigos.[89] A Mastercard dedicou o MCC 7801 ao jogo online. Este código é diferente de 7800 para loterias de propriedade do governo e 7802 para pistas de cavalos e cães licenciadas pelo governo.[90]

Pagamentos ao WikiLeaks

editar

Em dezembro de 2010, a Mastercard bloqueou todos os pagamentos para o site de denúncias WikiLeaks devido a alegações de que eles se envolvem em atividades ilegais.[91] Em resposta, o grupo de ativistas online Anonymous organizou um ataque; como resultado, o site da Mastercard ficou em inatividade de 8 a 9 de dezembro de 2010.[92] Em 9 de dezembro de 2010, os servidores sofreram um ataque massivo[93] como parte de uma revanche sobre os pagamentos ao WikiLeaks. Segundo a imprensa, a segurança de milhares de cartões de crédito foi comprometida durante esse ataque devido a um phishing criado pelo grupo.[94] No entanto, a Mastercard negou, afirmando que os dados da conta "não foram colocados em risco".[95] O porta-voz do WikiLeaks disse: "Não condenamos nem aplaudimos esses ataques".[96] O Alto Comissariado para os Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, disse que o fechamento das linhas de crédito para doações ao WikiLeaks "poderia ser interpretado como uma tentativa de censurar a publicação de informações, potencialmente violando o direito do WikiLeaks à liberdade de expressão".[97]

Em julho de 2011, a empresa de TI da Islândia, DataCell, que permitiu ao WikiLeaks aceitar doações de cartão de crédito e débito, disse que tomaria medidas legais contra a Visa Europe e a Mastercard,[98] e que agiria imediatamente para tentar forçar as duas empresas a voltarem a permitir pagamentos.[99] Anteriormente, em 8 de dezembro de 2010, a CEO da DataCell, Andreas Fink, afirmou que "a suspensão de pagamentos para o WikiLeaks é uma violação dos acordos com seus clientes".[100][101] Em 14 de julho de 2011, a DataCell anunciou que havia apresentado uma reclamação à Comissão Europeia reivindicando o bloqueio, afirmando que violou as regras de concorrência da Comunidade Europeia.[102]

Em 12 de julho de 2012, um tribunal de Reykjavík decidiu que a Valitor, parceiro da Visa e Mastercard na Islândia, deveria começar a processar doações dentro de quatorze dias[103] ou pagar multas diárias no valor de ISK 800 000 (cerca de US$ 6 000) para cada dia após esse horário. A Valitor também teve que pagar os custos de litígio da DataCell no valor de ISK 1.500.000.[104][105]

Bloqueio na Índia e venda de dados

editar

Em 2014, de acordo com um acordo entre a Mastercard e o Governo da Nigéria, agindo por meio da Comissão Nacional de Gerenciamento de Identidade, os novos documentos de identidade nigerianos possuem o logotipo da Mastercard, conter dados de bancos e servir como cartão de pagamento, vinculando irrevogavelmente essas informações bancárias aos indivíduos,[106] gerando críticas do Congresso dos Direitos Civis alegando que "representa uma propriedade carimbada de um nigeriano por uma empresa norte-americana... lembra o logotipo colado nos corpos dos escravos africanos transportados através do Atlântico."[107]

Em 2018, a Bloomberg News informou que Google pagou milhões de dólares à Mastercard pelos dados de cartão de crédito de seus usuários para fins publicitários. O acordo não havia sido anunciado publicamente.[108][109]

Em 14 de julho de 2021, o Reserve Bank of India (RBI) proibiu indefinidamente a Mastercard de emitir novos cartões de débito ou crédito para clientes indianos a partir de 22 de julho de 2021, por violar regras de armazenamento conforme definido pelo RBI em 6 de abril de 2018. Esta proibição não afeta os cartões já emitidos e em funcionamento na Índia. Mastercard é o terceiro principal provedor de sistemas de pagamento a ser restrito na Índia depois do American Express e Diners Club International.[110] Em 16 de junho de 2022, as restrições comerciais impostas foram suspensas pelo RBI com efeito imediato.[111][112]

Ver também

editar

Referências

  1. «Board of Directors». MasterCard Worldwide Investor Relations. Consultado em 24 de maio de 2023 
  2. Nishant, Niket (21 de setembro de 2021). «Mastercard chairman Banga to retire at year-end, Janow to head Board». WTVB (em inglês). Reuters. Consultado em 28 de junho de 2023 
  3. «Executive Management». Mastercard Worldwide Investor Relations. Consultado em 25 de março de 2020. Arquivado do original em 29 de junho de 2012 
  4. «Mastercard Incorporated 2022 Annual Report (Form 10-K)». sec.gov. U.S. Securities and Exchange Commission. 14 de fevereiro de 2023 
  5. «Mastercard Drops Its Name From Company Logo». Fortune (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2019 
  6. «MasterCard Corporate Milestones». Consultado em 13 de novembro de 2019. Arquivado do original em 14 de maio de 2013 
  7. «MasterCard Incorporated Reports Fourth-Quarter and Full-Year 2016 Financial Results». MasterCard. Consultado em 2 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 24 de outubro de 2020 
  8. Elad, Barry (28 de fevereiro de 2023). «MasterCard Statistics - Number Of Users and Facts». Enterprise Apps Today (em inglês). Consultado em 29 de junho de 2023 
  9. Nocera, Joseph (1994). A Piece of the Action: How the Middle Class Joined the Money Class 2013 paperback ed. New York: Simon & Schuster. p. 31. ISBN 9781476744896 
  10. Stearns, David L. (2011). Electronic Value Exchange: Origins of the Visa Electronic Payment System. London: Springer. p. 24. ISBN 978-1-84996-138-7 
  11. a b c Stearns, David L. (2011). Electronic Value Exchange: Origins of the Visa Electronic Payment System. London: Springer. p. 25. ISBN 978-1-84996-138-7 
  12. a b c Stearns, David L. (2011). Electronic Value Exchange: Origins of the Visa Electronic Payment System. London: Springer. p. 27. ISBN 978-1-84996-138-7 
  13. a b c Stearns, David L. (2011). Electronic Value Exchange: Origins of the Visa Electronic Payment System. London: Springer. p. 19. ISBN 978-1-84996-138-7 
  14. a b Jennings, Robert (8 de setembro de 1995). «Credit Card Industry to Salute Three Pioneers». American Banker. p. 12 
  15. a b Loomis, Jay (28 de novembro de 2006). «MasterCard Turns 40». The Journal News. p. C7 
  16. a b «Karl H. Hinke, Pioneer Of The MasterCard». AP. 24 de dezembro de 1990. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  17. a b c Stearns, David L. (2011). Electronic Value Exchange: Origins of the Visa Electronic Payment System. London: Springer. p. 28. ISBN 978-1-84996-138-7 
  18. a b «History of MasterCard International Inc». Funding Universe. Consultado em 13 de junho de 2020 
  19. Harper, Gavin (12 de julho de 2010). Holography Projects for the Evil Genius. EUA: McGraw-Hill. p. 4. ISBN 978-0-07-162400-8 
  20. «Brand History». Mastercard Brand Center. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  21. «T-Mobile, Wireless Carriers, and the Way to Fight Oligopolies». The New Yorker. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  22. a b c Duncan, Mallory (10 de julho de 2012). «Credit Card Market Is Unfair, Noncompetitive». Roll Call 
  23. «Visa/MasterCard Litigation». Consultado em 28 de junho de 2023. Cópia arquivada em 26 de abril de 2009 
  24. «Joshua Rubin and Joseph Phillips et al. v. MasterCard International, LLC». Consultado em 8 de agosto de 2021. Arquivado do original em 10 de julho de 2018 
  25. «MasterCard And Europay Merge To Form a Global Payments Company». BankTech. 16 de julho de 2002. Consultado em 13 de junho de 2020 
  26. «American Express sues Visa, MasterCard». NBC News. 15 de novembro de 2004 
  27. Dash, Eric (26 de junho de 2008). «MasterCard Will Pay $1.8 Billion to American Express». The New York Times. Consultado em 10 de fevereiro de 2015 
  28. a b c d Fleischer, Victor (8 de março de 2006). «The Mastercard IPO: Protecting the priceless brand». Harvard Negotiation Law Review – via SSRN 
  29. «MasterCard IPO rises 40% from discounted price». MarketWatch. 25 de maio de 2006. Consultado em 3 de junho de 2017 
  30. «Yahoo Finance». Yahoo.com. Consultado em 25 de maio de 2021 
  31. Spillane, Chris (19 de agosto de 2010). «MasterCard to Acquire DataCash for 333 Million Pounds». Bloomberg.com. Bloomberg. Consultado em 7 de março de 2012 
  32. Farrell, Sean (19 de agosto de 2010). «MasterCard pays £333m for British online payments firm DataCash». The Independent. London. Consultado em 7 de março de 2012. Arquivado do original em 30 de novembro de 2018 
  33. Remy, Pauline de Saint (8 de dezembro de 2010). «WIKILEAKS – En Russie, Visa et Mastercard au coeur de troublantes révélations». Le Point 
  34. «WikiLeaks cables: US "lobbied Russia on behalf of Visa and MasterCard"». the Guardian (em inglês). 8 de dezembro de 2010. Consultado em 13 de novembro de 2022 
  35. Dekker, Vincent (9 de dezembro de 2010). «Zorgen over dominantie Visa en Mastercard in Europa» [Concerns about Visa and Mastercard dominance in Europe]. Trouw (em neerlandês). Consultado em 14 de abril de 2022. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2011 
  36. Vanek, Stacey (4 de outubro de 2010). «Visa, Mastercard settlement means more flexibility for merchants». Marketplace From American Public Media. Consultado em 13 de julho de 2011. Cópia arquivada em 27 de julho de 2011 
  37. Rima Ali Al Mashni (7 de março de 2012). «QNB Group, Qtel, Oberthur and MasterCard introduce first mobile Near Field Communication payments program in Qatar». AMEinfo.com. Consultado em 7 de março de 2012. Arquivado do original em 9 de março de 2012 
  38. «Class Settlement Preliminary Approval Order pg.11» (PDF). U.S. District Court. 27 de novembro de 2012. Consultado em 9 de julho de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 3 de agosto de 2020 
  39. Longstreth, Andrew (13 de dezembro de 2013). «Judge approves credit card swipe fee settlement». NBC News. Consultado em 9 de julho de 2019 
  40. «Visa, Mastercard $6.24B settlement gets preliminary okay from court». Seeking Alpha. 22 de fevereiro de 2019. Consultado em 9 de julho de 2019 
  41. «Payment Card Interchange Fee Settlement». paymentcardsettlement.com. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  42. a b Chee, Foo Yun (9 de abril de 2013). «MasterCard under EU fire over payment card fees». Fox Business. Reuters. Consultado em 27 de setembro de 2020. Arquivado do original em 29 de junho de 2013 
  43. «Mastercard to acquire Business Reward Services Provider Pinpoint». Biharprabha.com. 17 de abril de 2014. Consultado em 17 de abril de 2014 
  44. «Mastercard Enhances Artificial Intelligence Capability with the Acquisition of Brighterion, Inc. – Global Hub». newsroom.mastercard.com. Consultado em 23 de setembro de 2017 
  45. «Patents by Assignee Brighterion, Inc.». Justia Patents Search. 7 de agosto de 2017. Consultado em 23 de setembro de 2017 
  46. «Mastercard Reinforces Commitment to Creating a "World Beyond Cash"» 
  47. Alexis Benveniste. «Mastercard launches carbon calculator in its latest attempt to go green». CNN. Consultado em 12 de abril de 2021 
  48. Ponnezhath, Maria (1 de março de 2022). «Visa, Mastercard block Russian financial institutions after sanctions». Reuters (em inglês). Consultado em 6 de março de 2022 
  49. Paybarah, Azi (5 de março de 2022). «Mastercard and Visa suspend operations in Russia». The New York Times. Consultado em 6 de março de 2022 
  50. «Priceless Travel». MasterCard UK. Consultado em 13 de julho de 2011. Arquivado do original em 5 de setembro de 2012 
  51. Loomis, Jay (28 de junho de 2006). «MasterCard changing name». The Journal News. White Plains, NY. Consultado em 5 de julho de 2006 
  52. Olenski, Steve. «The Story Behind Mastercard's New Logo». Forbes (em inglês). Consultado em 7 de maio de 2018 
  53. Diaz, Ann-Christine (21 de janeiro de 2019). «From "Priceless" to Wordless: In dropping the moniker from its brandmark, Mastercard highlights the pitfalls and positives of going name-free». Advertising Age. 90 (2). p. 20 
  54. «Morning Consult's Most Trusted Brands 2021». Morning Consult (em inglês). Consultado em 31 de maio de 2021 
  55. «Visa signs $170m deal with Fifa». BBC News. 28 de junho de 2007. Consultado em 13 de julho de 2011 
  56. Collins, S. S. (2007). Unraced...: Formula One's Lost Cars (em inglês). EUA: Veloce Publishing Ltd. ISBN 9781845840846 
  57. «Bring Back V10s Podcast: Lola's disastrous 1997 F1 team». The Race. The Race Media. 11 de fevereiro de 2021. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  58. «Portal CBF». Confederação Brasileira de Futebol. Consultado em 15 de junho de 2019 
  59. «Copa Libertadores – Noticias, marcadores en vivo, resultados y partidos | Copa Libertadores». www.copalibertadores.com (em espanhol). Consultado em 15 de junho de 2019. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2020 
  60. «Mastercard signs with League of Legends as first global partner of the world's largest esport». Mastercard Newsroom. Consultado em 19 de setembro de 2018 
  61. «Mastercard acquires title sponsorship rights for all BCCI international and domestic home matches». www.bcci.tv (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2022 
  62. «Mastercard Acquires Title Sponsorship Rights For All BCCI International, Domestic Home Matches | Cricket News». NDTVSports.com (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2022 
  63. «Mastercard Financial Statements 2005–2018 | MA». Consultado em 22 de outubro de 2018 
  64. «Fortune 500». Fortune (em inglês). Consultado em 21 de maio de 2021 
  65. «The Three Types of Mastercard: Here's The Difference Between Standard, World and World Elite». Forbes. Consultado em 28 de junho de 2023 
  66. «Peer-to-Peer Network Architecture of Banknet» (PDF). MasterCard. Consultado em 4 de abril de 2013. Arquivado do original (PDF) em 26 de março de 2007 
  67. «ALERT: Due to licensing changes and rebranding efforts, the Mastercard Contactless (formerly known as PayPass) documentation has been moved». Mastercard. 8 de março de 2015. Arquivado do original em 8 de maio de 2015 
  68. «Temassız Şifre Limiti Yenilendi;Temassız kartlarda şifresiz işlem limiti 500 TL'ye yükseltildi» [Contactless Password Limit Renewed; Unencrypted transaction limit for contactless cards increased to 500 Turkish lira]. Bankalararası Kart Merkezi (em turco). Consultado em 19 de março de 2022 
  69. Martin, Andrew (8 de abril de 2010). «MasterCard Set to Open an Online Shopping Mall». The New York Times 
  70. «MasterCard's QkR mobile payment system enters trial in Australia». 27 de janeiro de 2012. Consultado em 26 de janeiro de 2014 
  71. «MasterCard starts piloting QkR mobile payment app». 26 de janeiro de 2012. Consultado em 26 de janeiro de 2014 
  72. «Apple teams with payment networks to turn iPhone into wallet». SanDiegoNews.net. 1 de setembro de 2014. Consultado em 1 de setembro de 2014 
  73. Keyes, Daniel. «Mastercard launches its B2B payments service». Business Insider. Consultado em 13 de maio de 2020 
  74. «Bitcoin's big moment: Mastercard jumps on the bandwagon». CNN. 11 de fevereiro de 2021. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  75. «Why Mastercard is bringing crypto onto its network». MasterCard. 10 de fevereiro de 2021. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  76. Son, Hugh (25 de outubro de 2021). «Mastercard says any bank or merchant on its vast network can soon offer crypto services». CNBC (em inglês). Consultado em 28 de novembro de 2021 
  77. «Mastercard Now Allowing Cardholders to Buy NFTs on Several Marketplaces». finance.yahoo.com (em inglês). 10 de junho de 2022. Consultado em 10 de junho de 2022 
  78. Howcroft, Elizabeth (28 de abril de 2023). «Mastercard seeks to expand crypto card tie-ups». Reuters (em inglês). Consultado em 28 de abril de 2023 
  79. «Mastercard aims to boost trust for blockchain transactions». Finextra Research (em inglês). 1 de maio de 2023. Consultado em 1 de maio de 2023 
  80. Smith, Jacquelyn (12 de dezembro de 2012). «The Best Companies To Work For In 2013». Forbes. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  81. Chinwala, Yasmine; Spaarwater, Esther; Asimakopoulos, Panagiotis (dezembro de 2016). «HM Treasury Women in Finance Charter: Leading the Way» (PDF). gov.uk. Consultado em 10 de julho de 2018. Arquivado do original (PDF) em 11 de julho de 2018 
  82. «Antitrust: Commissioner Kroes takes note of MasterCard's decision to cut cross-border Multilateral Interchange Fees (MIFs) and to repeal recent scheme fee increases». European Commission (Nota de imprensa). 1 de abril de 2009. Consultado em 27 de setembro de 2020 
  83. «Forexhound.com». Consultado em 12 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 7 de outubro de 2020 
  84. «Antitrust: Commission fines Mastercard €570 million for obstructing merchants' access to cross-border card payment services». europa.eu. Brussels: European Commission. 22 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  85. «Internet Gambling: An Overview of the Issues». govinfo.gov (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2022 
  86. «US District Court for the Eastern District of Louisiana - 132 F. Supp. 2d 468 (E.D. La. 2001) February 23, 2001». law.justia.com (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2022 
  87. «Off the Board: NCAA v. Christie Challenges Congress to "Move the Line" on the Professional and Amateur Sports Protection Act» (PDF). pennstatelawreview.org (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 23 de novembro de 2018 
  88. «Mastercard Sports Betting Sites». sportsbetting3.com (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2022 
  89. «Mastercard FAQ – Sports Gambling» (PDF). icba.org (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 25 de outubro de 2022 
  90. «Mastercard Quick Reference Booklet - Merchant» (PDF). mastercard.us (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2022. Arquivado do original (PDF) em 31 de maio de 2022 
  91. McCullagh, Declan (9 de dezembro de 2010). «MasterCard pulls plug on WikiLeaks payments». Privacy Inc. – CNET News. Consultado em 13 de julho de 2011. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2013 
  92. Addley, Esther (8 de dezembro de 2010). «MasterCard site partially frozen by hackers in WikiLeaks "revenge"; "Operation: Payback" hacks into MasterCard site over payment network's decision to cease taking donations to WikiLeaks». The Guardian. Consultado em 14 de abril de 2022. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2013 
  93. «Mastercard downed by Anon-Assange-fans». The Register. 8 de dezembro de 2010 
  94. «MasterCard Deemed Unsafe? "Anonymous" WikiLeaks Supporters Claim Privacy Breach». Huffington Post. 8 de dezembro de 2010. Consultado em 13 de julho de 2011 
  95. «Wikileaks "data war" gathers pace». BBC News. 7 de dezembro de 2010 
  96. «Statement on DDOS attacks». wikileaks.ch. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2010 
  97. «UN rights chief concerned about pressure on WikiLeaks». Expatica Switzerland. AFP. 9 de dezembro de 2010. Consultado em 14 de abril de 2022. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2014 
  98. «Legal action by DataCell and WikiLeaks against Visa and MasterCard». DataCell (em inglês). 24 de março de 2011. Consultado em 13 de julho de 2011. Cópia arquivada em 24 de julho de 2012 
  99. «Visa and MasterCard again suspending donations to WikiLeaks | RSF». rsf.org (em inglês). 8 de julho de 2011. Consultado em 15 de novembro de 2022 
  100. Staff, A. O. L. (5 de agosto de 2020). «MasterCard and Visa May Face Legal Battle Over WikiLeaks». www.aol.com (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2022 
  101. Sayer, Peter (8 de julho de 2011). «Visa blocks WikiLeaks donations via DataCell once again». Network World (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2022 
  102. «DataCell files a complaint with the European Commission». datacell. 14 de julho de 2011. Consultado em 5 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2016 
  103. «Tvingas öppna för Wikileaksdonationer». Sveriges Television (em sueco). 12 de julho de 2012. Consultado em 30 de julho de 2012. Cópia arquivada em 15 de julho de 2012 
  104. «Judgement Reykjavík District Court, 12 July 2012 in case number E-561/2012: Datacell ehf.» (PDF). Fink. Consultado em 9 de novembro de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 10 de fevereiro de 2014 
  105. «WikiLeaks Wins Icelandic Court Battle Against Visa for Blocking Donations». Wired.com. Consultado em 28 de junho de 2023 
  106. «SCANDALOUS: Outrage in Nigeria as government brands National ID Card with MasterCard's logo». Premium Times. 29 de agosto de 2014 
  107. «SCANDALOUS: Outrage in Nigeria as government brands National ID Card with MasterCard's logo». Premium Times. 29 de agosto de 2014 
  108. Liao, Shannon (30 de agosto de 2018). «Google reportedly bought Mastercard data to link online ads with offline purchases». The Verge (em inglês) 
  109. «Google and Mastercard Cut a Secret Ad Deal to Track Retail Sales». Bloomberg.com (em inglês). 30 de agosto de 2018 
  110. «Mastercard India news: RBI restricts Mastercard from onboarding new customers in India | India Business News – Times of India». The Times of India (em inglês). 14 de julho de 2021. Consultado em 6 de março de 2022 
  111. «Reserve Bank of India - Press Releases». www.rbi.org.in. Consultado em 16 de junho de 2022 
  112. «RBI lifts business restrictions imposed on Mastercard». Moneycontrol (em inglês). 16 de junho de 2022. Consultado em 16 de junho de 2022 

Notas

  1. Antes de ser capital aberto em 2006, a Mastercard era uma associação que tinha um conselho de administração composto por bancos.[1][2]
  • Este artigo foi inicialmente traduzido, total ou parcialmente, do artigo da Wikipédia em inglês cujo título é «Mastercard».

Ligações externas

editar