Matteo Salvini

político italiano

Matteo Salvini (pronúncia italiana: [matˈtɛːo salˈviːni];[1][2] 9 de março de 1973) é um político italiano, membro do Senado de seu país, líder das legendas Liga Norte, desde dezembro de 2013, e o Noi Con Salvini ("Nós com Salvini"), desde dezembro de 2014, servindo ainda como Eurodeputado de 2014 a 2018. Também ocupou, de 2018 a 2019, os cargos de Vice Primeiro-Ministro da Itália e Ministro do Interior.[3]

Matteo Salvini
Salvini em 2019.
Vice Primeiro-Ministro da Itália
Período 1 de junho de 20185 de setembro de 2019
Servindo com Luigi Di Maio
Primeiro-Ministro Giuseppe Conte
Antecessor(a) Angelino Alfano
Sucessor(a) Vago
Ministro do Interior
Período 1 de junho de 20185 de setembro de 2019
Primeiro-Ministro Giuseppe Conte
Antecessor(a) Marco Minniti
Sucessor(a) Luciana Lamorgese
Secretário Federal da Lega Nord
Período 15 de dezembro de 2013 – presente
Antecessor(a) Roberto Maroni
Membro do Senado Italiano
pela Calábria
Período 23 de março de 2018 – presente
Membro do Parlamento Europeu
pelo noroeste da Itália
Período 20 de julho de 201423 de março de 2018
Dados pessoais
Nascimento 9 de março de 1973 (48 anos)
Milão, Itália
Nacionalidade Itália Italiano
Esposa Fabrizia Ieluzzi (2003–2010)
Elisa Isoardi (2015-2018)
Filhos 2
Partido Lega Nord
Religião Católico
Assinatura Assinatura de Matteo Salvini

Salvini é considerado um eurocético e um político de cunho nacionalista, nativista, antiglobalização e de extrema-direita.[4][5][6] É um crítico da União Europeia (UE), especialmente do euro, o qual chamou de "crime contra a humanidade".[7] Ele se opõe a imigração ilegal e criticou a forma branda como a UE lida com a questão de pessoas que buscam asilo político na Europa.[8][9]

Em questões econômicas, ele defende reformas tributárias (incluindo corte de impostos), federalismo fiscal, protecionismo[10] e, até certo ponto, agrarianismo. Em questões sociais, Salvini é contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo e se declara um defensor dos "valores da família".[11] Na política externa, se opõe ao embargo econômico feito contra a Rússia em 2014 (imposto como resposta a intervenção armada deste país na Ucrânia),[12][13] enquanto apoia maior abertura econômica com o Leste Europeu e países do Extremo Oriente.[14]

Salvini foi apelidado de "O Capitão" (Il Capitano) por seus apoiadores.[15][16] Muitos comentaristas políticos e jornais, como o The Guardian, o The New York Times, o Financial Times, o The Economist e o Huffington Post, o descrevem como "Homem-forte" e uma das figuras mais poderosas da politica italiana atual.[17][18][19][20][21]

BiografiaEditar

Ele nasceu em Milão, filho de pais milaneses, o seu pai era gerente de empresa e a mãe dona de casa.[22] Em 1988, aos 15 anos, ele participou do Double slalom conduzido por Corrado Tedeschi no Canale 5 onde chegou a ganhar cerca de 900.000 liras.[23]

Salvini participou do Liceo Clássico "Alessandro Manzoni" em Milão , onde se formou em 1992, com uma classificação de 48/60.[24]

Matriculou-se na Faculdade de Ciências Políticas da Universidade de Milão e, no ano seguinte, mudou-se para a Faculdade de Letras (endereço em Ciências Históricas). Durante o primeiro ano de estudos históricos, Salvini - a fim de pagar os seus estudos e férias  - trabalhou na rede de fast food Burghy.[25]

Posteriormente, ele decidiu abandonar os cinco exames da universidade no final dos seus estudos,[26] sem ter obtido um diploma após doze anos fora da escola.[27]

Em 1994, como vereador da Câmara Municipal de Milão, fez o seu primeiro discurso público em defesa do centro social Leoncavallo.[28]

Vida pessoalEditar

Casou-se em 2003 com Fabrizia Ieluzzi, jornalista de uma rádio privada: teve um filho, Federico, nascido a 3 de abril do mesmo ano.[29]

Salvini divorcia-se da sua esposa, e passa a viver com a advogada Giulia Martinelli, com quem teve uma filha, Mirta, que nasceu em dezembro de 2012.[30]

No início de 2015, a revista Novella 2000 desvenda a história de Salvini com a apresentadora Elisa Isoardi, posteriormente confirmada por ambos e que termina oficialmente em novembro de 2018.[31]

Desde abril de 2019 Salvini está oficialmente noivo de Francesca Verdini, filha do político Denis Verdini.[32]

Posições PolíticasEditar

ImigraçãoEditar

Salvini opôs-se firmemente à imigração ilegal na Itália e na Europa e criticou duramente a política de recepção levada a cabo pelos governos de centro-esquerda. A sua visão política foi definida pelos jornais britânicos The Guardian e The Independent e pela revista político de extrema direita[33][34][35][36] devido a algumas das suas posições e propostas como, por exemplo, a necessidade de um censo da comunidade ciganana na Itália e consequente expulsão de todos os nômades presentes ilegalmente no território nacional.[37]

EconomiaEditar

Salvini é considerado um eurocéptico, tendo frequentemente manifestado posições extremamente críticas em relação à União Europeia e especialmente ao euro, que definiu como “um crime contra a humanidade”.[38]

Em termos de propostas políticas no campo econômico, Salvini manifestou-se reiteradamente contra o mercado livre , chamando-o de "caos total", e a favor do protecionismo.[39] Apesar disso, ele é um firme defensor de medidas de estrito cumprimento neoliberal.[40]

Políticas Sociais e direito civilEditar

Na frente social, Salvini declarou-se fortemente contra às uniões civis,[41] ao casamento homossexual, e à adoção por casais homossexuais e à lei contra a homofobia e a transfobia[42] (ao declarar não ser homofóbico e definir quem discrimina com base na orientação sexual é "um idiota").[43] Ele também declara-se contra a legalização de drogas leves (incluindo maconha), da eutanásia. Em vez disso, ele defende a legalização da prostituição e a reabertura dos bordéis.[44][45]

Nma entrevista de 1998 para a revista Il Sole delle Alpi Salvini, declarou-se a favor da legalização das drogas leves. No dia 6 de outubro de 2014, como convidado do Coffee Break da La7 , declarou-se aberto ao debate sobre legalização.[46] Posteriormente, entretanto, ele tomou partido fortemente contra a liberalização de qualquer tipo de droga.[47]

Criticas e PolémicasEditar

De Separatista a NacionalistaEditar

 
Matteo Salvini em 2015

Antes de transformar a Liga do Norte de partido separatista em nacionalista, Salvini repetidamente expressou o seu distanciamento da bandeira italiana: " O tricolor não me representa, não me sinto como a minha bandeira, em minha casa só tenho a bandeira da Lombardia e do Milan " e " O tricolor é só a seleção nacional de futebol, então não torço" (2011).[48] No entanto, por ocasião da Copa do Mundo de 2014, ele declarou que torcia pela seleção italiana de futebol;[49] convidado no La Cageem 2015, após citar o 100º aniversário da intervenção da Itália na Primeira Guerra Mundial, vestiu um lenço tricolor ao pescoço, sublinhando que “ Neste momento não reconhecemos que os problemas do desemprego e da imigração são problemas italianos, nacionais, em Milão, Roma e Taranto, é um disparate”.[50]

ImigraçãoEditar

 
Matteo Salvini fala durante uma manifestação da Liga do Norte em 2013.

Algumas fontes jornalísticas criticaram o papel de Salvini na imigração enquanto ele era o Ministro do Interior, argumentando que o número de retornos de migrantes permaneceu substancialmente o mesmo em comparação com os governos anteriores.[51][52] Além disso, a diminuição dos desembarques na rota do Mediterrâneo mencionada por Salvini várias vezes não leva em consideração outras rotas migratórias em ascensão, como a dos Balcãs.[53]

Presença no Ministério do InteriorEditar

Entre a primavera e o verão de 2019, fontes jornalísticas falam da escassa presença da Salvini nos escritórios do Ministério do Interior. Segundo essas fontes, Salvini teria passado apenas 17 dias úteis no Ministério de janeiro a maio de 2019, com 95 dias de ausência da sede e participando de 211 eventos, dedicando assim a maior parte de sua atividade, durante o seu mandato de ministro, a compromissos institucionais, fora do Ministério, cerimónias e reuniões.[54][55][56]

MedicinaEditar

VacinasEditar

Embora não seja contra as vacinas, Salvini divulgou e apoiou a tese de que uma dúzia de vacinas são "um grande risco para as criança". Sem base científica, suscitou várias críticas,[57] incluindo a do médico de San Raffaele Roberto Burioni.[58]

COVID-19Editar

Durante a pandemia global da COVID-19, ele declarou que a hidroxicloroquina é uma droga útil para o cuidado do paciente e que, graças a ela, "milhares de vidas" podem ser salvas, apesar da ausência total de qualquer evidência nesse sentido.[59][60][61][62] Mesmo mais tarde, as negações de especialistas do setor médico-saúde em relação às suas declarações[63][64] continuaram a pleitear os mesmos pedidos, insinuando que não é usado a fim de inflar os custos médicos, pois seria uma alternativa mais barata aos tratamentos normalmente utilizados.[65][66]

Referências

  1. Migliorini, Bruno; Tagliavini, Carlo; Fiorelli, Piero. Tommaso Francesco Borri, ed. «Dizionario italiano multimediale e multilingue d'ortografia e di pronunzia». dizionario.rai.it (em italiano). Rai Eri. Consultado em 12 de fevereiro de 2016 
  2. Canepari, Luciano. «Dizionario di pronuncia italiana online». dipionline.it (em italiano). Consultado em 12 de fevereiro de 2016 
  3. «Matteo Salvini – uma história de sucesso». Publico.pt. Consultado em 6 de março de 2018 
  4. «Italy's deputy PM called for 'mass cleansing, street by street, quarter by quarter', newly resurfaced footage reveals». The Independent 
  5. Stille, Alexander (9 de agosto de 2018). «How Matteo Salvini Pulled Italy to the Far Right». The Guardian. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  6. «Italian far-right deputy prime minister Salvini set to be questioned by prosecutors over detention of migrants». The Independent 
  7. «Lega, Salvini contro euro: 'Crimine contro l'umanità' - Politica». ANSA.it (em italiano). 15 de dezembro de 2013. Consultado em 3 de março de 2016 
  8. «"Lasciate gli immigrati al largo". E scoppia la bufera su Salvini». IlGiornale.it (em italiano). Consultado em 6 de março de 2018 
  9. «Il Cittadino di Lodi». Ilcittadino.it (em italiano). 25 de fevereiro de 2015. Consultado em 4 de março de 2016. Arquivado do original em 6 de março de 2018 
  10. «I 10 punti del programma ECONOMICO della Lega nero su bianco.» (em italiano). Libero Quotidiano. 11 de fevereiro de 2015 
  11. Carta dei Valori (em italiano). [S.l.]: Noi con Salvini. 2015 
  12. «Russia, Salvini: Ci batteremo per rimuovere sanzioni a Mosca» (em italiano). il Velino. 9 de junho de 2015 
  13. Anna Lesnevskaya (15 de outubro de 2014). «Lega, Salvini in Russia alla Duma: "No alle sanzioni Ue". E la Padania lo celebra» (em italiano). il Fatto Quotidiano 
  14. Luisa De Montis (3 de setembro de 2014). «Salvini elogia la Corea del Nord» (em italiano). il Giornale 
  15. Il Capitano Salvini studia da premier: “Orgoglioso di essere populista”
  16. Il Capitano a Palermo. "Salvini, uno di noi"
  17. Matteo Salvini: from far-right fringe player to strongman leader
  18. Italian Minister Moves to Count and Expel Roma, Drawing Outrage
  19. Salvini premier di fatto
  20. Politi, James (19 de junho de 2018). «Combative Salvini Seizes Control of Italy's Political Agenda». Financial Times. Consultado em 21 de junho de 2018 
  21. «How Matteo Salvini is Dominating Italian Politics». The Economist. 21 de junho de 2018. Consultado em 2 de agosto de 2018 
  22. «Il ragazzaccio del Carroccio dai boyscout al Leoncavallo - la Repubblica.it». Archivio - la Repubblica.it (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  23. «Il «nullafacente» Salvini concorrente tv». archive.vn. 30 de março de 2015. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  24. scuola, Redazione (14 de junho de 2018). «La Maturità del nuovo governo. Da Di Maio a Conte e Casalino: i voti d'esame». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  25. Bracalini, Paolo (8 de dezembro de 2013). «La scalata lampo di Salvini l'ultrà leghista fedele a Bobo». ilGiornale.it (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  26. «Biografia di Matteo Salvini». www.cinquantamila.it (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  27. Stella, Gian Antonio (3 de junho de 2019). «Salvini invita i giovani a studiare la storia. Lui ci ha messo 16 anni...». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  28. «Tutte le giravolte di Salvini, il militante padano che si è scoperto italiano». Linkiesta.it (em italiano). 1 de março de 2018. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  29. «Il ragazzaccio del Carroccio dai boyscout al Leoncavallo - la Repubblica.it». Archivio - la Repubblica.it (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  30. Perna, Giancarlo (18 de novembro de 2013). «Salvini, il comunista padano che per Milano dà il sangue». ilGiornale.it (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  31. «Innamoratissimi, Matteo Salvini bacia Elisa Isoardi: "E' la donna della mia vita"». Adnkronos. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  32. «Chi è Francesca Verdini, nuova fidanzata di Matteo Salvini». DiLei (em italiano). 9 de abril de 2019. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  33. «Italy's far right jolts back from dead». POLITICO (em inglês). 3 de fevereiro de 2016. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  34. «Italy's deputy PM called for 'mass cleansing, street by street, quarter by quarter', newly resurfaced footage reveals». The Independent (em inglês). 21 de junho de 2018. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  35. «How Matteo Salvini pulled Italy to the far right». the Guardian (em inglês). 9 de agosto de 2018. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  36. «Italian far-right deputy prime minister set to be questioned by prosecutors over unlawful detention of migrants». The Independent (em inglês). 24 de agosto de 2018. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  37. Povoledo, Elisabetta; Pianigiani, Gaia (19 de junho de 2018). «Italian Minister Moves to Count and Expel Roma, Drawing Outrage (Published 2018)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  38. «Lega, Salvini contro euro: 'Crimine contro l'umanità' - Politica». ANSA.it (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  39. «Le proposte di Salvini a Silvio: meno tasse, meno Europa - Libero Quotidiano - Libero Quotidiano». web.archive.org. 2 de outubro de 2018. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  40. Bonetti, Alessandro (27 de abril de 2020). «La Lega e l'economia: liberisti o keynesiani?». Kritica Economica (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  41. Boni, Federico (4 de janeiro de 2019). «Salvini e 5 Stelle, i loro no alle unioni civili smascherati da ipocrisia e prepotenza dell'attuale Governo». Gay.it. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  42. Alex, di Agenzia Vista; Jakhnagiev, er. «"Gli omosessuali in Italia? Non sono discriminati": Meloni e Salvini in piazza contro la legge sull'omofobia minimizzano le aggressioni - Il Fatto Quotidiano». Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  43. «Unioni civili: Salvini, non scimmiottare matrimonio e no ad adozioni - Libero Quotidiano». web.archive.org. 23 de setembro de 2018. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  44. «Salvini: «Prima legge sarà la legalizzazione della prostituzione»». Video: ultime notizie - Corriere TV (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  45. «Salvini,ora legalizzare prostituzione». rainews (em italian). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  46. Salvini, Giacomo (26 de julho de 2016). «Quando Salvini voleva la legalizzazione della cannabis». Termometro Politico (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  47. «Droga, la nuova crociata di Salvini: "Da domani sigilli ai cannabis shop"». Today (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  48. «Salvini: il tricolore non è la mia bandiera - la Repubblica.it». Archivio - la Repubblica.it (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  49. Grilli, Franco (12 de junho de 2014). «Mondiali, Salvini: "Questa volta tiferò per l'Italia"». ilGiornale.it (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  50. La Gabbia - pt 22 (em italiano), consultado em 29 de dezembro de 2020 
  51. «Migranti irregolari: quanti ne ha rimpatriati Salvini in 8 mesi di governo? | Milena Gabanelli». Corriere della Sera (em italiano). 3 de março de 2019. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  52. «I rimpatri di Salvini sono meno di quelli del governo Renzi». Il Sole 24 ORE (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  53. «Immigrazione: in Italia porti chiusi ma nel 2019 arrivi raddoppiati dalla rotta balcanica». Money.it (em italiano). 17 de julho de 2019. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  54. «Salvini, il ministro latitante: nel 2019 al ministero solo 17 giornate piene». la Repubblica (em italiano). 13 de maio de 2019. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  55. «Con la crisi Salvini va in ufficio al Viminale, ma nel 2019 c'è stato solo 30 giorni». TPI (em italiano). 24 de agosto de 2019. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  56. «Rispunta Salvini al Viminale: "Al lavoro per evitare gli sbarchi"». lastampa.it (em italiano). 13 de agosto de 2019. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  57. «Forza Italia blocca la Lega sui vaccini». L'HuffPost (em italiano). 10 de janeiro de 2018. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  58. «Vaccini, Burioni sfida Salvini dopo l'uscita del leghista sui 10 obbligatori: "Abbiamo un nuovo immunologo"». la Repubblica (em italiano). 16 de janeiro de 2018. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  59. «Covid. Salvini (Lega): "Con idrossiclorochina si evitano ospedalizzazioni e lockdown" - Quotidiano Sanità». www.quotidianosanita.it. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  60. «Matteo Salvini vuole usare l'idrossiclorochina contro il Covid-19». Fanpage (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  61. «Idrossiclorochina per svuotare gli ospedali: Salvini ha la soluzione contro Covid-19, ma è una balla». Today (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  62. «Covid-19: idrossiclorochina, dopo il ritiro dello studio su The Lancet servono nuove verifiche». Il Bo Live UniPD (em italiano). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  63. «"L'idrossiclorochina ha salvato migliaia di vite". Burioni vs Salvini: "Non è vero. Non illuda la gente"». L'HuffPost (em italiano). 4 de novembro de 2020. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  64. Idrossiclorochina proposta da Salvini, l'infettivologo Matteo Bassetti: "Non facciamo stregoneria, è stata ampiamente bocciata e non serve a niente" (em italiano), consultado em 29 de dezembro de 2020 
  65. Matteo Salvini: "Se avessi il covid mi fare curare con l'idrossiclorochina" (em italiano), consultado em 29 de dezembro de 2020 
  66. «Salvini "virologo" si indigna perchè l'idrossiclorochina non è nel protocollo per le cure domiciliari». nextQuotidiano (em italiano). 15 de novembro de 2020. Consultado em 29 de dezembro de 2020