Matthew Shepard

Gay americano vítima de assassinato (1976-1998)

Matthew Wayne Shepard (Casper, 1º de dezembro de 1976 – Fort Collins, 12 de outubro de 1998) foi um estudante estadunidense homossexual da Universidade de Wyoming que foi espancado, torturado e deixado para morrer perto da cidade de Laramie, no Wyoming, na noite de 6 de outubro de 1998.[1] Ele foi levado pela equipe de resgate ao Hospital Poudre Valley, em Fort Collins, Colorado, onde morreu seis dias depois devido aos graves ferimentos na cabeça sofridos durante o ataque.

Matthew Shepard
Matthew Shepard
Nome completo Matthew Wayne Shepard
Nascimento 1 de dezembro de 1976
Casper, Wyoming, Estados Unidos
Morte 12 de outubro de 1998 (21 anos)
Fort Collins, Colorado, Estados Unidos
Causa da morte Assassinato (trauma por força contundente)
Nacionalidade norte-americano
Progenitores Mãe: Judy Shepard
Pai: Dennis Shepard
Alma mater Universidade de Wyoming

Aaron McKinney e Russell Henderson foram presos logo após o ataque e acusados de assassinato em primeiro grau após a morte de Shepard. A imprensa deu uma cobertura significativa ao caso e ao papel que a orientação sexual de Shepard desempenhou como motivação para o crime.

O promotor argumentou que o assassinato foi premeditado e motivado por ganância. O advogado de defesa de McKinney respondeu argumentando que ele pretendia apenas roubar Shepard, mas o matou furioso quando Shepard fez um avanço sexual em sua direção. A namorada de McKinney disse à polícia que ele foi motivado por homofobia, mas depois retratou sua declaração, dizendo que havia mentido porque achava que isso o ajudaria. Henderson assumiu a culpa pelo assassinato e McKinney foi julgado e considerado culpado; cada um deles recebeu duas sentenças consecutivas de prisão perpétua.

O assassinato chamou atenção nacional e internacional para a legislação sobre crimes de ódio, tanto em nível estadual quanto federal.[2] Em outubro de 2009, o Congresso dos Estados Unidos aprovou a Lei de Prevenção de Crimes de Ódio de Matthew Shepard e James Byrd Jr. (comumente a "Lei Matthew Shepard"), que foi sancionada por Barack Obama em 28 de outubro de 2009.[3] Após o assassinato de seu filho, Judy Shepard tornou-se uma ativista dos direitos LGBT e criou a Fundação Matthew Shepard. O assassinato inspirou uma série de filmes, romances, peças de teatro, canções e outras obras artísticas.

Antecedentes editar

Shepard nasceu em Casper, Wyoming, como o primeiro dos dois filhos de Judy Peck e Dennis Shepard. Seu irmão mais novo Logan nasceu em 1981. Ele estudou na Crest Hill Elementary School, Dean Morgan Junior High School, e Natrona County High School em seus anos de calouro. A Saudi Aramco contratou seu pai, no verão de 1994, e seus pais, posteriormente, residiram no acampamento residencial da empresa em Dhahran. Durante esse tempo, Shepard frequentou a American School In Switzerland (TASIS),[4] a partir do qual se formou em maio de 1995. Shepard então estudou na Catawba College, na Carolina do Norte e a Casper College, em Wyoming, antes de se estabelecer em Denver, Colorado. Shepard tornou-se um cientista político do primeiro ano na Universidade de Wyoming, em Laramie, e foi escolhido como o representante dos estudantes para o Conselho de Meio Ambiente do estado.[2]

Ele foi descrito pelo seu pai como "um jovem otimista e acolhedor que tinha um dom para relacionar-se com quase todo mundo. Ele era o tipo de pessoa que era bastante receptível e sempre procurava novos desafios. Matthew tinha uma grande paixão por igualdade e sempre se levantou pela aceitação das diferenças entre as pessoas."[5]

Em Fevereiro de 1995, durante uma visita escolar a Marrocos, Shepard foi atacado e violentado, causando-lhe uma experiência de ataques de depressão e pânico, de acordo com sua mãe. Um dos amigos de Shepard temia que sua depressão o tivesse levado a envolver-se com drogas durante seu período no colégio.[6]

Assassinato editar

Na noite de 6 de outubro de 1998, Shepard foi abordado por Aaron McKinney e Russell Henderson no Fireside Lounge em Laramie; todos os três homens tinham cerca de 20 anos na época.[7][8] McKinney e Henderson se ofereceram para dar carona a Shepard para sua casa.[9][10] Posteriormente, eles dirigiram para uma área rural remota e começaram a roubar, chicotear e torturar Shepard, amarrando-o a uma cerca e deixando-o morrer.[11] Foi erroneamente relatado pelo noticiário que ele havia sido amarrado a uma cerca de arame farpado.[11] Muitas reportagens da mídia continham o relato de uma coronhada e de uma fratura em seu crânio. Os relatórios descrevem que Shepard foi espancado tão brutalmente que seu rosto ficou completamente coberto de sangue, exceto onde foi parcialmente limpo pelas lágrimas.[12][13][14]

As namoradas dos agressores testemunharam que nem McKinney nem Henderson estavam sob a influência de álcool ou outras drogas no momento do ataque.[15][16] McKinney e Henderson testemunharam que sabiam o endereço de Shepard e que pretendiam roubar sua casa também. Depois de atacar Shepard e deixá-lo amarrado à cerca em temperaturas quase congelantes, a dupla voltou para a cidade. McKinney começou a brigar com dois homens, Emiliano Morales, de 19 anos de idade, e Jeremy Herrara, de 18 anos. A luta resultou em ferimentos na cabeça de Morales e McKinney. O policial Flint Waters chegou ao local da luta, onde prendeu Henderson, revistou a caminhonete de McKinney e encontrou uma arma manchada de sangue junto com os sapatos e o cartão de crédito de Shepard.[8] Mais tarde, Henderson e McKinney tentaram persuadir suas namoradas a fornecer álibis para eles e ajudá-los a eliminar as evidências.[17]

Dezoito horas após o ataque, enquanto Shepard estava em coma e ainda amarrado à cerca, ele foi descoberto por Aaron Kreifels, um ciclista que inicialmente confundiu Shepard com um espantalho.[18] Reggie Fluty, o primeiro policial a chegar ao local, encontrou Shepard vivo, mas coberto de sangue. Shepard foi transportado primeiro para o Ivinson Memorial Hospital em Laramie antes de ser transferido para a ala de trauma mais avançada do Poudre Valley Hospital em Fort Collins, no Colorado.[19] Ele sofreu fraturas na nuca e na frente da orelha direita. Ele sofreu graves danos no tronco cerebral, o que afetou a capacidade de seu corpo de regular a frequência cardíaca, a temperatura corporal e outras funções vitais. Havia também cerca de uma dúzia de pequenas lacerações ao redor da cabeça, rosto e pescoço. Seus ferimentos foram considerados graves demais para os médicos operarem. Shepard nunca recuperou a consciência e permaneceu com suporte vital completo. Nos dias seguintes ao ataque, enquanto ele estava sob cuidados intensivos, foram realizadas vigílias à luz de velas em países de todo o mundo.[20][21][22]

Shepard foi declarado morto seis dias após o ataque às 12h53 de 12 de outubro de 1998[23][24][25][26] aos 21 anos de idade.[7]

Prisões e julgamento editar

McKinney e Henderson foram presos e inicialmente acusados de tentativa de homicídio, sequestro e roubo qualificado. Após o assassinato, as acusações foram elevadas de tentativa de homicídio para homicídio em primeiro grau, o que significava que os dois réus eram elegíveis à pena de morte. Suas namoradas, Kristen Price e Chasity Pasley, foram acusadas de serem cúmplices.[25][27] Na audiência pré-julgamento de McKinney em novembro de 1998, o sargento Rob Debree testemunhou que McKinney havia declarado em uma entrevista em 9 de outubro que ele e Henderson identificaram Shepard como alvo de roubo e que fingiram serem homossexuais para atraí-lo para seu caminhão, onde McKinney atacou Shepard depois que ele colocou a mão em seu joelho.[27] O detetive Ben Fritzen testemunhou que Price afirmou que McKinney disse que a violência contra Shepard foi desencadeada pela forma como McKinney se sentia "em relação aos gays".[27]

Em dezembro de 1998, Pasley se declarou culpada de ser cúmplice.[28] Em 5 de abril de 1999, Henderson evitou ir a julgamento quando se declarou culpado das acusações de assassinato e sequestro. Para evitar a pena de morte, ele concordou em testemunhar contra McKinney e foi condenado pelo juiz distrital Jeffrey A. Donnell a duas penas consecutivas de prisão perpétua. Na sentença de Henderson, seu advogado argumentou que Shepard não havia sido alvo porque era gay.[28]

O julgamento de McKinney ocorreu em outubro e novembro de 1999. O promotor Cal Rerucha alegou que McKinney e Henderson fingiram ser homossexuais para ganhar a confiança de Shepard. Price, namorada de McKinney, testemunhou que Henderson e McKinney "fingiram que eram gays para colocar [Shepard] no caminhão e roubá-lo".[9][29] O advogado de McKinney tentou apresentar uma defesa contra o pânico gay, argumentando que seu cliente havia sido levado à insanidade temporária por conta dos supostos avanços sexuais de Shepard. Esta defesa foi rejeitada pelo juiz. O advogado de McKinney afirmou que os dois homens queriam roubar Shepard, mas nunca tiveram a intenção de assassiná-lo.[8] Rerucha argumentou que o homicídio foi premeditado, motivado por "ganância e violência" e não por conta da orientação sexual de Shepard.[30] O júri considerou McKinney inocente de homicídio premeditado, mas culpado de homicídio doloso e começou a deliberar sobre a pena de morte. Os pais de Shepard negociaram um acordo que resultou na condenação de McKinney a duas penas consecutivas de prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional.[31] Henderson e McKinney foram encarcerados na Penitenciária Estadual de Wyoming, em Rawlins, e posteriormente transferidos para outras prisões devido à superlotação.[32] Após seu depoimento no julgamento de McKinney, Price se declarou culpada de uma acusação reduzida de interferência contravencional com um policial.[33]

Relatos subsequentes editar

20/20 editar

O assassinato continuou a atrair a atenção do público e a cobertura da imprensa muito depois da conclusão do julgamento. Em 2004, o programa de notícias 20/20 da ABC News exibiu uma reportagem que citava declarações de McKinney, Henderson, Price, Rerucha e um investigador que alegavam que o assassinato não foi motivado pela sexualidade de Shepard, mas foi principalmente um roubo relacionado a drogas que se tornou violento.[8] Price disse que mentiu para a polícia sobre McKinney ter sido provocado por um avanço sexual indesejado de Shepard, dizendo à jornalista Elizabeth Vargas: "Não acho que tenha sido um crime de ódio".[8] Rerucha disse: "Foi um assassinato que mais uma vez foi motivado por drogas."[8]

The Book of Matt editar

Stephen Jimenez, o produtor do segmento 20/20 de 2004, escreveu um livro, The Book of Matt: Hidden Truths About the Murder of Matthew Shepard, que foi publicado em setembro de 2013. O livro dizia que Shepard e McKinney – o assassino que infligiu os ferimentos – eram parceiros sexuais ocasionais e que Shepard era traficante de metanfetaminas.[34][35][36] Jimenez escreveu que Fritzen disse a um entrevistador "A preferência ou orientação sexual de Matthew Shepard certamente não foi o motivo do homicídio...".[37]

Muitas organizações de defesa dos direitos gays criticaram as opiniões de Jimenez sobre o assassinato, classificando-as como sensacionalistas e enganosas.[34][38][39][40][41] Alguns, no entanto, se manifestaram para defendê-la.[42] Policiais envolvidos na investigação também criticaram as conclusões de Jimenez,[43][44] enquanto outros policiais disseram que havia evidências de que as drogas foram um fator importante que levou ao assassinato.[12]

Protestos anti-gay editar

Membros da Igreja Batista de Westboro, liderados por Fred Phelps, receberam atenção nacional por fazerem piquetes no funeral de Shepard com cartazes com frases homofóbicas, como "Matt no Inferno" e "Deus Odeia Bichas".[45]

Os membros da igreja também organizaram protestos anti-gay durante os julgamentos de Henderson e McKinney.[46] Em resposta, Romaine Patterson, uma das amigas de Shepard, organizou um grupo que se reuniu em círculo em torno dos manifestantes da Igreja Batista de Westboro. O grupo usava vestes brancas e asas gigantescas (parecidas com anjos) que bloqueavam os manifestantes. Apesar disso, os pais de Shepard ouviram os manifestantes gritando frases homofóbicas. A polícia interveio e criou uma barreira humana entre os dois grupos.[47]

Legado editar

Nos anos que se seguiram à morte de seu filho, Judy Shepard trabalhou como defensora dos direitos LGBT, especialmente questões relacionadas aos jovens gays.[48] Ela foi a principal ativista por trás da Fundação Matthew Shepard, que ela e seu marido, Dennis, fundaram em dezembro de 1998.[49]

O ativista dos direitos dos homossexuais, John Stoltenberg, disse que retratar Shepard como uma vítima de violência contra os gays é apresentar um relato incompleto de sua vitimização: "Manter Matthew como o garoto-propaganda do crime de ódio aos gays e ignorar toda a tragédia de sua história tem sido o agenda de muitos líderes do movimento gay. Ignorar as tragédias da vida de Matthew antes de seu assassinato não ajudará em nada outros jovens em nossa comunidade que são vendidos para sexo, devastados por drogas e geralmente explorados."[12]

Em junho de 2019, Shepard foi um dos primeiros 50 "pioneiros e heróis" estadunidenses introduzidos no Muro de Honra Nacional LGBTQ dentro do Monumento Nacional de Stonewall Inn em Nova York.[50][51]

Legislação sobre crimes de ódio editar

 
O presidente Barack Obama cumprimenta Louvon Harris, à esquerda, Betty Byrd Boatner, à direita, ambas irmãs de James Byrd Jr. e Judy Shepard em uma recepção de 2009 em comemoração à promulgação da legislação

Os pedidos de novas leis para abordar os crimes de ódio ganharam impulso durante a cobertura do incidente.[52][53] De acordo com a atual lei federal dos Estados Unidos[54] e a lei estadual do Wyoming,[55] os crimes cometidos com base na orientação sexual da vítima não poderiam ser processados como crimes de ódio.

Poucas horas depois de Shepard ter sido descoberto, seus amigos Walt Boulden e Alex Trout começaram a entrar em contato com organizações de mídia, alegando que Shepard havia sido agredido por ser gay. De acordo com o promotor Cal Rerucha, “Eles estavam ligando para o gabinete do procurador do condado, estavam ligando para a mídia e indicando que Matthew Shepard é gay e não queremos que o fato de ele ser gay passe despercebido”.[8] Tina Labrie, uma amiga próxima de Shepard, disse "[Boulden e Trout] queriam fazer de [Matt] um garoto-propaganda ou algo assim para sua causa".[56] Boulden relacionou o ataque à ausência de um estatuto criminal do Wyoming que preveja acusações de crimes de ódio.[12]

Na sessão seguinte da Legislatura do Wyoming, foi apresentado um projeto de lei que definia certos ataques motivados pela orientação sexual da vítima como crimes de ódio, mas a proposta foi rejeitada após um empate de 30–30 na Câmara dos Representantes do Wyoming.[57][49]

O presidente Bill Clinton renovou as tentativas de alargar a legislação federal sobre crimes de ódio de modo a incluir homossexuais, mulheres e pessoas com deficiência.[58] Uma Lei de Prevenção de Crimes de Ódio foi introduzida no Senado e na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos em novembro de 1997 e reintroduzida em março de 1999, mas foi aprovada apenas pelo Senado em julho daquele ano.[59] Em setembro de 2000, ambas as casas do Congresso aprovaram tal legislação; no entanto, ela foi derubada no comitê da conferência.[60]

Em 20 de março de 2007, a Lei de Prevenção de Crimes de Ódio de Matthew Shepard e James Byrd Jr. foi introduzida como legislação federal bipartidária no Congresso dos Estados Unidos, patrocinada pelo democrata John Conyers ao lado de 171 co-patrocinadores. A legislação alterou a definição federal existente de crimes de ódio e expandiu para abranger gênero, orientação sexual, identidade de gênero ou deficiência, e exigiu a denúncia pelo FBI dos crimes incluídos na expansão. Os pais de Shepard compareceram à cerimônia de apresentação. O projeto foi aprovado na Câmara dos Representantes em 3 de maio de 2007. Legislação semelhante foi aprovada no Senado em 27 de setembro de 2007,[61] no entanto, o então presidente George W. Bush indicou que vetaria a lei caso ela chegasse à sua mesa.[62] A liderança Democrata abandonou a legislação em resposta à oposição de grupos conservadores e de Bush.[63] Em 10 de dezembro de 2007, os poderes do Congresso anexaram a legislação bipartidária sobre crimes de ódio a um projeto de lei de autorização do Departamento de Defesa, embora ele não tenha sido aprovado. Nancy Pelosi, presidente da Câmara, disse que "ainda está comprometida com a aprovação da Lei Matthew Shepard". Pelosi planejou aprovar o projeto no início de 2008,[64] embora não tenha conseguido. Após sua eleição como presidente, Barack Obama afirmou que estava empenhado em aprovar a lei.[65]

A Câmara dos Representantes debateu a expansão da legislação sobre crimes de ódio em 29 de abril de 2009. Durante o debate, a deputada Virginia Foxx, da Carolina do Norte, chamou de "farsa" o rótulo de "crime de ódio" dado ao assassinato de Shepard.[66] Mais tarde, Foxx chamou seus comentários de "uma má escolha de palavras".[67] A Câmara aprovou a lei, designada H.R. 1913, por uma votação de 249 a 175.[68] Ted Kennedy, Patrick Leahy e uma coalizão bipartidária apresentaram o projeto de lei no Senado em 28 de abril.[69] A Lei Matthew Shepard foi adotada como uma emenda ao S.1390 por uma votação de 63–28 em 15 de julho de 2009.[70] Em 22 de outubro de 2009, o Senado aprovou a lei por 68 votos a 29.[71] O presidente Obama sancionou a medida em lei em 28 de outubro de 2009.[72][73]

Enterro na Catedral Nacional de Washington editar

Em 26 de outubro de 2018, pouco mais de 20 anos após sua morte, as cinzas de Shepard foram enterradas na cripta da Catedral Nacional de Washington.[74][75] A cerimônia foi presidida pelo primeiro bispo episcopal Gene Robinson, que é abertamente gay, e pelo bispo de Washington, o reverendo Marianne Edgar Budde. Foi o primeiro enterro das cinzas de uma figura nacional na catedral desde Helen Keller, 50 anos antes.[76]

Referências

  1. «About Us». Matthew Shepard Foundation (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2017. Arquivado do original em 1 de dezembro de 2017 
  2. a b «Matthew Shepard Foundation webpage». Matthew Shepard Foundation. Consultado em 4 de outubro de 2009. Cópia arquivada em 29 de julho de 2008 
  3. «Obama signs hate-crimes law rooted in crimes of 1998». USA Today. 28 de outubro de 2009. Consultado em 23 de setembro de 2011. Arquivado do original em 18 de setembro de 2011 
  4. Julie Cart (14 de setembro de 1999). «Matthew Shepard's Mother Aims to Speak With His Voice» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 18 de julho de 2013 
  5. Bevacqua, Jillian; Paone, Torie (5 de julho de 2011). «Judy Shepard speaks out against anti-gay violence». Muhlenberg Weekly. Consultado em 21 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2013 
  6. «New Details Emerge in Matthew Shepard Murder». ABC News. 26 de novembro de 2004. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  7. a b Brooke, James (12 de outubro de 1998). «Gay Man Dies From Attack, Fanning Outrage and Debate». The New York Times. Consultado em 29 de maio de 2013. Arquivado do original em 2 de novembro de 2014 
  8. a b c d e f g «New Details Emerge in Matthew Shepard Murder». ABC News Internet Ventures. 26 de novembro de 2004. Consultado em 7 de junho de 2009. Arquivado do original em 6 de outubro de 2019 
  9. a b Ramsland, Katherine. «Psychiatry, the Law, and Depravity: Profile of Michael Welner, M.D. Chairman, The Forensic Panel». truTV. Consultado em 26 de setembro de 2013. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2013 
  10. «Killer: Shepard Didn't Make Advances». Salon.com. Consultado em 7 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 6 de junho de 2011 
  11. a b Shepard, Judy (2009). The Meaning of Matthew: My Son's Murder in Laramie, and a World Transformed. New York: Penguin Group USA. ISBN 978-1-59463-057-6 
  12. a b c d Julie Bindel (25 de outubro de 2014). «The truth behind America's most famous gay-hate murder». The Guardian. Consultado em 10 de setembro de 2018. Arquivado do original em 10 de maio de 2017 
  13. Loffreda, Beth (2000). Losing Matt Shepard: life and politics in the aftermath of anti-gay murder. New York: Columbia University Press. ISBN 0-231-11858-9 
  14. Chiasson, Lloyd (30 de novembro de 2003). Illusive Shadows: Justice, Media, and Socially Significant American Trials. [S.l.]: Praeger. ISBN 978-0-275-97507-4 
  15. «The Daily Camera:Matthew Shepard Murder». Consultado em 6 de abril de 2006. Cópia arquivada em 24 de abril de 2008 
  16. Black, Robert W. (29 de outubro de 1999). «Girlfriend: McKinney told of killing». The Daily Camera [ligação inativa]
  17. «New details emerge about suspects in gay attack». CNN. 13 de outubro de 1998. Consultado em 21 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 8 de maio de 2008 
  18. Hughes, Jim (15 de outubro de 1998). «Wyo. bicyclist recalls tragic discovery». The Denver Post. p. A01 
  19. Loffreda, Beth (2000). Losing Matt Shepard: Life and Politics in the Aftermath of Anti-Gay Murder. [S.l.]: Columbia University Press. ISBN 9780231500289 
  20. «University of Wyoming Matthew Shepard Resource Site». Universidade do Wyoming. Consultado em 1 de novembro de 2006. Arquivado do original em 5 de agosto de 2012 
  21. «Hate crimes bill still elusive 10 years after savage gay killing». The Ottawa Citizen. Ottawa, Canada. CanWest MediaWorks Publications Inc. 14 de outubro de 2008. Consultado em 4 de outubro de 2013. Arquivado do original em 20 de março de 2016 
  22. Egerton, Brooks (17 de outubro de 1998). «Symbol of outrage». The Spokesman-Review. p. A2. Consultado em 4 de outubro de 2013. Arquivado do original em 21 de maio de 2021 
  23. «Murder charges planned in beating death of gay student». CNN. 12 de outubro de 1998. Consultado em 1 de novembro de 2006. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2006 
  24. Lacayo, Richard (26 de outubro de 1998). «The New Struggle». Time. Consultado em 1 de novembro de 2006. Arquivado do original em 29 de janeiro de 2011 
  25. a b «Beaten gay student dies; murder charges planned». CNN. 12 de outubro de 1998. Consultado em 14 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 20 de junho de 2006 
  26. «Matthew Shepard Medical Update» (PDF). Poudre Valley Health System (Colorado). 12 de outubro de 1998. Consultado em 14 de janeiro de 2007. Arquivado do original (PDF) em 30 de junho de 2007 
  27. a b c Brooke, James (21 de novembro de 1998). «Witnesses Trace Brutal Killing of Gay Student». The New York Times. Consultado em 17 de setembro de 2013. Arquivado do original em 29 de setembro de 2013 
  28. a b Brooke, James (6 de abril de 1999). «Gay murder trial ends with guilty plea». The New York Times. Consultado em 2 de novembro de 2014. Arquivado do original em 23 de julho de 2015 
  29. Cullen, Dave (1 de novembro de 1999). «Quiet bombshell in Matthew Shepard trial». Salon. Consultado em 19 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 13 de abril de 2014 
  30. Janofsky, Michael (26 de outubro de 1999). «A defense to avoid execution». The New York Times. Consultado em 2 de novembro de 2014. Arquivado do original em 2 de novembro de 2014 
  31. Cart, Julie (5 de novembro de 1999). «Killer of Gay Student Is Spared Death Penalty; Courts: Matthew Shepard's father says life in prison shows "mercy to someone who refused to show any mercy."». Los Angeles Times. p. A1. Consultado em 7 de outubro de 2023. Arquivado do original em 10 de outubro de 2023 
  32. Torkelson, Jean (3 de outubro de 2008). «Mother's mission: Matthew Shepard's death changes things». Rocky Mountain News. The E.W. Scripps Co. Consultado em 16 de novembro de 2008. Arquivado do original em 15 de julho de 2011 
  33. «Last gay beating trial ends». CBS News. 4 de novembro de 1999. Consultado em 2 de novembro de 2014. Arquivado do original em 2 de novembro de 2014 
  34. a b Rosenberg, Alyssa (18 de outubro de 2013). «'The Book Of Matt' Doesn't Prove Anything, Other Than The Size Of Stephen Jimenez's Ego». ThinkProgress. Consultado em 18 de outubro de 2013. Arquivado do original em 18 de outubro de 2013 
  35. «Matthew Shepard Murdered By Bisexual Lover And Drug Dealer, Stephen Jimenez Claims In New Book». Huffington Post. 12 de setembro de 2013. Consultado em 30 de setembro de 2013. Arquivado do original em 16 de setembro de 2013 
  36. Smith, Kyle (21 de setembro de 2013). «New book questions Matthew Shepard killing». New York Post. Consultado em 30 de setembro de 2013. Arquivado do original em 3 de outubro de 2013 
  37. Jimenez, Stephen (2013). The Book of Matt. [S.l.]: Steerforth. ISBN 978-1586422141 
  38. Lee, Felicia R. (26 de novembro de 2004). «ABC News Revisits Student's Killing, and Angers Some Gays». The New York Times. Consultado em 11 de junho de 2013. Arquivado do original em 12 de julho de 2018 
  39. «GLAAD: 10 Questions About ABC'S 20/20 Show on Matthew Shepard». Consultado em 11 de junho de 2013. Arquivado do original em 14 de maio de 2009 
  40. Charles, Casey (2012). Critical Queer Studies: Law, Film, and Fiction in Contemporary American Culture. [S.l.]: Ashgate Publishing, Ltd. ISBN 978-1409444060. Consultado em 4 de julho de 2021. Cópia arquivada em 4 de julho de 2021 
  41. O'Donnell, M. (2008). «Gay-hate, journalism and compassionate questioning». Asia Pacific Media Educator (19): 113–126. Consultado em 11 de junho de 2013. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2013 
  42. Hicklin, Aaron (13 de setembro de 2013). «Have We Got Matthew Shepard All Wrong?». Advocate. Consultado em 1 de março de 2014. Arquivado do original em 24 de outubro de 2013 
  43. Hemmelgarn, Seth (24 de outubro de 2013). «Shepard book stirs controversy». The Bay Area Reporter. Arquivado do original em 10 de novembro de 2014 
  44. Jiminez, Stephen (24 de novembro de 2014). «Book of Matt Author Responds to Media Matters». Out. Consultado em 12 de outubro de 2018. Arquivado do original em 13 de outubro de 2018 
  45. «Top Story». Gay Today. Consultado em 3 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 4 de abril de 2012 
  46. Cullen, Dave (11 de outubro de 1999). «Put the victim on trial?». Salon. Consultado em 27 de novembro de 2017. Arquivado do original em 1 de dezembro de 2017 
  47. «Suspect pleads guilty in beating death of gay college student». CNN. 5 de abril de 1999. Consultado em 18 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2007 
  48. Ring, Trudy (2 de março de 2015). «Getting to Know the Real Matthew Shepard». The Advocate. Consultado em 20 de março de 2017. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2016 
  49. a b Pilkington, Ed (10 de outubro de 2013). «Fifteen years after Matthew Shepard's murder, Wyoming remains anti-gay». The Guardian. Consultado em 20 de março de 2017. Arquivado do original em 21 de março de 2017 
  50. Glasses-Baker, Becca (27 de junho de 2019). «National LGBTQ Wall of Honor unveiled at Stonewall Inn». www.metro.us. Consultado em 28 de junho de 2019. Arquivado do original em 28 de junho de 2019 
  51. Rawles, Timothy (19 de junho de 2019). «National LGBTQ Wall of Honor to be unveiled at historic Stonewall Inn». San Diego Gay and Lesbian News (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2019. Arquivado do original em 21 de junho de 2019 
  52. Colby College (7 de março de 2006). «Mother of Hate-Crime Victim to Speak at Colby». Consultado em 6 de abril de 2006. Arquivado do original em 11 de setembro de 2006  Press release.
  53. «Open phones». Talk of the Nation. National Public Radio. 12 de outubro de 1998. Consultado em 6 de abril de 2006. Arquivado do original em 17 de março de 2008  "Denounced nationwide as a hate crime" at 1:40 elapsed time.
  54. «Investigative Programs: Civil Rights: Hate Crimes». Federal Bureau of Investigation. Consultado em 6 de abril de 2006. Arquivado do original em 5 de abril de 2006 
  55. «Map of State Statutes». Anti-Defamation League. Consultado em 6 de abril de 2006. Arquivado do original em 29 de junho de 2011 
  56. The Myths of Matthew Shepard's Infamous Death Arquivado em 2014-10-27 no Wayback Machine The Daily Beast (22 de setembro de 2013)
  57. Blanchard, Robert O. (Maio de 1999). «The 'Hate State' Myth». Reason. Consultado em 6 de abril de 2006. Cópia arquivada em 5 de abril de 2006 
  58. Barrett, Ted (13 de setembro de 2000). «President Clinton urges Congress to pass hate crimes bill: GOP aides predict legislation will pass House, but will not become law». Associated Press. CNN. Consultado em 7 de abril de 2006. Cópia arquivada em 26 de maio de 2008 
  59. «Hate Crimes Timeline». Human Rights Campaign. Consultado em 21 de março de 2017. Arquivado do original em 19 de março de 2017 
  60. Office of House Democratic Leader Nancy Pelosi (7 de outubro de 2004). «House Democrats Condemn GOP Rejection of Hate Crimes Legislation». Consultado em 7 de abril de 2006. Cópia arquivada em 1 de abril de 2006  Press release.
  61. Simon, R. (3 de maio de 2007). «Bush threatens to veto expansion of hate-crime law». Los Angeles Times. Consultado em 7 de maio de 2007. Arquivado do original em 13 de maio de 2007 
  62. Stout, D. (3 de maio de 2007). «House Votes to Expand Hate Crime Protection». The New York Times. Consultado em 11 de fevereiro de 2017. Arquivado do original em 29 de abril de 2017 
  63. Wooten, Amy (1 de janeiro de 2008). «Congress Drops Hate-Crimes Bill». Windy City Times. Consultado em 31 de julho de 2008. Arquivado do original em 8 de junho de 2010 
  64. "Caving in on Hate Crimes" Arquivado em 2018-09-26 no Wayback Machine, New York Times, 10 de dezembro de 2007; acessado em 11 de dezembro de 2007.
  65. Lynsen, Joshua (13 de junho de 2008). «Obama renews commitment to gay issues». Washington Blade. Window Media LLC Productions. Consultado em 16 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 17 de junho de 2008 
  66. Grim, Ryan (29 de abril de 2009). «Virginia Foxx: Story of Matthew Shepard's Murder A "Hoax"». Huffington Post. Consultado em 29 de abril de 2009. Arquivado do original em 5 de agosto de 2011 
  67. «Congresswoman calls gay death case a 'hoax'». Consultado em 29 de abril de 2009. Arquivado do original em 5 de setembro de 2010 
  68. Stout, David (29 de abril de 2009). «House Passes Hate-Crimes Bill». New York Times. Consultado em 30 de abril de 2009. Arquivado do original em 2 de maio de 2009 
  69. «Matthew Shepard Hate Crimes Prevention Act Introduced in Senate». Feminist.org. 29 de abril de 2009. Consultado em 5 de março de 2010. Arquivado do original em 6 de junho de 2011 
  70. «U.S. Senate: Legislation & Records: Roll Call Vote». Consultado em 17 de julho de 2009. Arquivado do original em 21 de julho de 2009 
  71. Roxana Tiron, "Senate OKs defense bill, 68-29", The Hill, found at The Hill website Arquivado em 2009-10-25 no Wayback Machine; acessado em 22 de outubro de 2009.
  72. Pershing, Ben (23 de outubro de 2009). «Senate passes measure that would protect gays». The Washington Post. Consultado em 4 de setembro de 2017. Arquivado do original em 9 de abril de 2017 
  73. Geen, Jessica (28 de outubro de 2009). «Mother of Matthew Shepard welcomes U.S. hate crimes bill». Pink News. Consultado em 28 de outubro de 2009. Arquivado do original em 2 de novembro de 2009 
  74. Fortin, Jacey (11 de outubro de 2018). «Matthew Shepard Will Be Interred at the Washington National Cathedral, 20 Years After His Death». The New York Times. Consultado em 11 de outubro de 2018. Arquivado do original em 11 de outubro de 2018 
  75. Burton, Tara Isabella (26 de outubro de 2018). «Bishop Robinson welcomes Matthew Shepard — and gay Christians — back to the church». Vox. Consultado em 26 de outubro de 2018. Arquivado do original em 26 de outubro de 2018 
  76. Bains, Davd (13 de outubro de 2018). «Matthew Shepard and the History of the Interment the Dead in Washington National Cathedral». Chasing Churches. Consultado em 20 de outubro de 2018. Arquivado do original em 20 de outubro de 2018 

Bibliografia editar

Ligações externas editar