Mauro Gambetti

Mauro Maria Gambetti
Cardeal da Igreja Católica
Hierarquia
Papa Francisco
Ministro-geral Frei Carlos Trovarelli, O.F.M.Conv.
Atividade eclesiástica
Ordem Ordem dos Frades Menores Conventuais
Diocese Diocese de Roma
Serviço pastoral Vigário-Geral para a Cidade do Vaticano
Nomeação 20 de fevereiro de 2021
Predecessor Dom Angelo Cardeal Comastri
Mandato 2021
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 8 de janeiro de 2000
Convento do Santíssimo Crucifixo, Longiano
Ordenação episcopal 22 de novembro de 2020
Basílica de São Francisco de Assis
por Dom Agostino Cardeal Vallini
Nomeado arcebispo 30 de outubro de 2020
Brasão arquiepiscopal
Coat of arms of Mauro Gambetti.svg
Cardinalato
Criação 28 de novembro de 2020
por Papa Francisco
Ordem Cardeal-diácono
Título Santíssimo Nome de Maria no Foro Traiano
Brasão
Coat of arms of Mauro Gambetti (cardinal).svg
Lema Omnibus subiecti in caritate
Dados pessoais
Nascimento Castel San Pietro Terme
27 de outubro de 1965 (55 anos)
Nacionalidade italiano
Residência Roma
Progenitores Mãe: Maria Teresa Ceroni
Pai: Ermenegildo Gambetti
Funções exercidas -Guardião do Sagrado Convento de Assis (2013-2020)
Títulos anteriores Arcebispo-titular de Tisiduo (2020)
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Mauro Maria Gambetti O.F.M.Conv. (Castel San Pietro Terme, 27 de outubro de 1965) é um cardeal da Igreja Católica italiano, Vigário-Geral para a Cidade do Vaticano, Presidente da Fábrica de São Pedro e Arcipreste da Basílica de São Pedro no Vaticano.

BiografiaEditar

Mauro Gambetti nasceu em 27 de outubro de 1965 em Castel San Pietro Terme, província e Arquidiocese de Bolonha, na Emilia-Romagna. Viveu sua infância e juventude em Ímola com seus pais Ermenegildo Gambetti e Maria Teresa Ceroni. Já estavam presentes em sua família dois padres, ambos irmãos de seu avô paterno Antonio: o Padre Ermenegildo (1871-1927), missionário na América do Sul, e Dom Carlo (1883-1945), primeiro pároco e depois cônego da catedral de Ímola. Mauro recebeu o sacramento da primeira comunhão na paróquia de San Giovanni Nuovo de Imola, onde também foi preparado para a confirmação, que recebeu do então bispo Luigi Dardani na Catedral de San Cassiano em 3 de outubro de 1976[1].

Formação e ministério sacerdotalEditar

De seu pai, fundador de uma empresa de engenharia, ele herdou o gosto pela mecânica. Ele estudou no colégio científico em Imola, onde foi colega (seção B) de Stefano Domenicali, futuro chefe do departamento de corridas da Scuderia Ferrari.[2]. Após o colegial, ele estudou engenharia mecânica com endereço de engenharia de fábrica na Universidade de Bolonha e após a graduação cumpriu o serviço militar obrigatório na Infantaria perto de Bérgamo [2]

Entrou no postulado da Ordem dos Frades Menores Conventuais em setembro de 1992. Viveu o ano de noviciado em Osimo e aqui professou a vida e a regra franciscana com os votos temporários em 29 de agosto de 1995. Emitiu os votos perpétuos em 20 de setembro de 1998 na Catedral de Ímola. Depois de seu bacharelado em teologia no Instituto Teológico de Assis, ele estudou antropologia teológica e obteve a licenciatura na Faculdade de Teologia da Itália Central em Florença.

Recebeu a ordenação sacerdotal em 8 de janeiro de 2000, aos 34 anos, no Santuário do Santíssimo Crocifisso de Longiano. Aqui, no mesmo convento, trabalhou como animador da pastoral vocacional para a Emilia-Romagna e, de 2005 a 2009, também como guardião (responsável) da comunidade franciscana. Na primavera de 2009, o capítulo da província bolonhesa de Sant'Antonio di Padova o elegeu Ministro provincial (superior maior de acordo com o cân. 620 do Código de Direito Canônico) para os frades menores conventuais de Emilia-Romagna, enquanto em 2010 era também nomeado assistente regional da Ordem Franciscana Secular para a Emilia Romagna [3].

Em 22 de fevereiro de 2013, o Ministro geral Marco Tasca, de comum acordo com seu Definitório, nomeou-o Custódio geral (cargo equivalente ao de Ministro provincial, mas com poder vicário ordinário de acordo com as Constituições da Ordem) da Custódia geral da Sagrado Convento de São Francisco de Assis para o quadriênio 2013-2017, confirmando-o novamente para o quadriênio 2017-2021 [4]. Por causa do cargo de Custódio, Domenico Sorrentino, arcebispo-bispo de Assis-Nocera Umbra-Gualdo Tadino, nomeou-o vigário episcopal para o cuidado pastoral da Basílica de São Francisco de Assis e dos outros lugares de culto administrados pelos frades menores conventuais no mesmo diocese. Em setembro de 2017 foi eleito presidente da Federação Inter-Mediterrânica dos Ministros Provinciais da sua Ordem.

Ministério episcopal e cardealEditar

Em 25 de outubro de 2020, durante o Angelus, o Papa Francisco anunciou sua criação como cardeal no consistório programado para 28 de novembro de 2020.[5] Após este anúncio, renunciou ao cargo de Custódio geral, aceito pelo Ministro geral com o consentimento de seu Definitório em 31 de outubro de 2020, "por incompatibilidade de cargos (cf CIC, cân. 152)". Será o primeiro franciscano conventual a receber a púrpura depois de Antonio Maria Panebianco, nomeado cardeal em 27 de setembro de 1861.

Em 30 de outubro, foi-lhe atribuído a Sé Titular de Tisíduo com a dignidade de arcebispo ad personam, de acordo com o motu proprio Cum Gravissima, que estabelece que todos os cardeais devem, por regra, ser ordenados bispos. Recebeu a consagração episcopal no dia 22 de novembro seguinte, na Basílica de São Francisco de Assis, pela imposição das mãos do Agostino Vallini, legado papal para as Basílicas de São Francisco de Assis e Santa Maria degli Angeli, assistido pelos co-consagradores Domenico Sorrentino, arcebispo-bispo de Assis-Nocera Umbra-Gualdo Tadino[6] e Giovanni Mosciatti, bispo de Ímola.

No consistório de 28 de novembro de 2020, o Papa Francisco impôs-lhe o anel e o barrete cardinalício, atribuindo-lhe a diaconia do Santíssimo Nome de Maria no Fórum de Trajano, cuja igreja está particularmente próxima da basílica de Santi XII Apostoli, durante séculos a sede da Cúria Geral de Ordem de filiação do cardeal.

No dia 16 de dezembro seguinte, foi nomeado pelo próprio papa membro da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica [7].

Em 20 de fevereiro de 2021, o Papa Francisco o nomeou Vigário-geral de Sua Santidade para o Estado da Cidade do Vaticano para as vilas papais de Castel Gandolfo e Presidente da Fábrica de São Pedro e Arcipreste da Basílica de São Pedro no Vaticano[8]; ele sucedeu a Angelo Comastri, que renunciou devido ao limite de idade.

Bispos ordenadosEditar

Foi concelebrante da ordenação episcopal de:

  • Dominique Joseph Mathieu, O.F.M.Conv. (2021)

HeráldicaEditar

Brasão Descrição

Escudo renascentista "Cabeça de cavalo". Cruz processional com dois braços transversais, também típica da heráldica arquiepiscopal, em ouro, colocada sobre um mastro ou verticalmente atrás do escudo. Na cabeça azul está a cruz dourada carregada com o braço de Cristo colocado em uma faixa cruzada com o braço de São Francisco colocado em uma barra, movendo-se de uma nuvem do campo.[9].

Na parte inferior está o trimonio que aparece no simbolismo franciscano e no Sagrado Convento de Assis, substitui a cruz sendo, porém, um símbolo do sacrifício de Cristo no Gólgota. Portanto, a montanha heráldica mantém sua evocação do Calvário. A figura do pelicano que se fere para alimentar os seus filhos evoca a Eucaristia, Sacramentum Caritatis. Ela se eleva ao símbolo do amor infinito de Cristo pelos homens, aos quais dá o próprio sangue na Eucaristia. Desta forma, é representado como no mistério eucarístico é o próprio Cristo quem continuamente nutre e edifica a Igreja. As gotas de sangue com que o pelicano alimenta os seus filhotes estendem-se também aos flancos do animal para reforçar o conceito de caridade que se espalha e, além disso, esta modalidade gráfico-heráldica particular diferencia e caracteriza claramente o signo. tornando-o especial e único à sua maneira.

Ornamentos exteriores do arcebispo.

Motto Omnibus subiecti in charitate. Ela retoma as expressões de Pedro (1Pd 2,13) ​​e de Paulo (Ef 5,21), que entraram na espiritualidade franciscana com o olhar do Santo voltado para o Cristo pobre e crucificado, cujas pegadas ele refaz no esvaziamento e no serviço. a toda criatura como frade menor: "não briguem nem contenda, mas submetam-se a toda criatura humana por amor de Deus" (Francisco de Assis, Regola non bollata, XVI, 6). Ornamentos exteriores do arcebispo.

Lema Omnibus subiecti in charitate.

Referências

  1. Davide Santandrea (28 de outubro de 2020). «La porpora a un francescano imolese. Padre Mauro Gambetti nominato cardinale» (em italiano). Il nuovo Diario-Messaggero. pp. 3–4 
  2. a b Andrea Ferri. ««Ho avuto una sensazione di vertigine»» (em italiano). Il nuovo Diario-Messaggero. pp. 3–4 
  3. Assisi Oggi, ed. (25 de outubro de 2020). «Mauro Gambetti è Cardinale, il suo nome lo ha fatto il Papa all'Angelus» (em italiano). Consultado em 6 de novembro de 2020 
  4. La Stampa. Vatican Insider, ed. (20 de fevereiro de 2017). «Assisi, padre Gambetti confermato Custode del Sacro Convento» (em italiano). Consultado em 6 de novembro de 2020 
  5. «Annuncio di Concistoro il 28 novembre per la creazione di nuovi Cardinali, 25.10.2020» (em italiano). Sala de Imprensa da Santa Sé 
  6. Avvenire, ed. (7 de novembro de 2020). ««Io, cardinale francescano col sorriso. La fraternità risposta agli egoismi»» (em italiano). Consultado em 7 de novembro de 2020 
  7. «Nomina di Membri dei Dicasteri della Curia Romana». press.vatican.va (em italiano). 16 de dezembro de 2020. Consultado em 16 de dezembro de 2020 
  8. Bollettino. Sala stampa della Santa Sede, ed. (20 de fevereiro de 2021). «Rinunce e nomine. Rinuncia e Nomina del Vicario Generale di Sua Santità per la Città del Vaticano, Arciprete della Basilica Papale di San Pietro in Vaticano e Presidente della Fabbrica di San Pietro». Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  9. Na cabeça o brasão franciscano , que é a "conformidade" em que o braço de Cristo aparece cruzado com o braço marrom de São Francisco e com a cruz ao fundo, ambos com as mãos mostrando os estigmas, mostra o `` pacto inseparável entre São Francisco e o Salvador com o único prego que fixa as duas mãos para afirmar visualmente a pertença do Padre Mauro Gambetti à Ordem dos Frades Menores Conventuais. Este símbolo tem origem em São Boaventura que, eleito bispo de Albano, o queria como escudo episcopal. Veja S. Gieben, O brasão franciscano. Origem e desenvolvimento , Instituto Histórico dos Capuchinhos, Roma, 2008.

Ligações externasEditar


Precedido por
Frei Giuseppe Piemontese, O.F.M.Conv.
Guardião do
Sagrado Convento de Assis

20132020
Sucedido por
Frei Marco Moroni, O.F.M.Conv.
Precedido por
Dom Frei Leonardo Ulrich Steiner, O.F.M.
 
Arcebispo-titular de Tisíduo

2020
Sucedido por
Júlio César Gomes Moreira
Precedido por
Darío Castrillón Hoyos
 
Cardeal-diácono de
Santíssimo Nome de Maria no Foro Traiano

2020
Sucedido por
incumbente
Precedido por:
Angelo Comastri
 
Vigário-Geral para a Cidade do Vaticano

Seguido por:
incumbente
Presidente da Fábrica de São Pedro
 
Arcipreste da Basílica de São Pedro

2021