Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2010). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Este Artigo faz parte de uma
série temática sobre as
TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
BIOGRAFIA DE
Max H. Larson
Presidente da WTBTS of NY, Inc.
Naturalidade: Estados Unidos Montana, EUA
Data de nascimento: 29 de Abril de 1915
Data de batismo: 5 de Junho de 1938
Outras Biografias
Charles Russell Joseph Rutherford
Nathan Knorr Frederick Franz
Milton Henschel Don Adams
Alexander Macmillan George Gangas
Grant Suiter Leopold Engleitner

Max H. Larson, (Montana, 29 de Abril de 1915; 24 de Setembro de 2011[1] é o presidente da Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados de Nova Iorque, Inc., a entidade jurídica que supervisiona as actividades das Testemunhas de Jeová nos Estados Unidos (excepto no Alasca e no Havaí, cujos estados possuem os seus próprios Escritórios de Filial).

Índice

Dados biográficosEditar

Max Larson é de ascendência dinamarquesa visto que a sua mãe emigrou para os Estados Unidos em 1910, à idade de 18 anos. Fixando-se no estado do Dakota do Sul, conheceu ali o homem com quem viria a casar-se em 20 de Setembro de 1911. Em busca de melhores condições de vida, no início de 1913, o pai tentou a sua sorte viajando para Montana construindo ali uma casa. No Verão, a esposa junto com Norman, o filho do casal com apenas alguns meses de idade, pode então reunir-se com o marido. Dois anos depois, em 29 de Abril de 1915 nasceu Max e três anos mais tarde nasceu Jean, no mesmo local. No ano seguinte, a família mudou-se para o leste de Montana, onde o seu pai arrendou uma fazenda. Em 1921 nasceu Laverna, sendo que os quatro foram criados nas planícies de Montana.

Anos iniciaisEditar

Tendo pais luteranos, a cada domingo os seis frequentavam a igreja local. No entanto, uma vizinha, que era Estudante Internacional da Bíblia, como então se chamavam as Testemunhas de Jeová, passou a visitar a mãe e a estudar a Bíblia com ela. Depois de dois anos, em 1925, ela foi batizada numa tina de água para cavalos. Nem o marido nem os filhos aceitaram a nova religião, mas todos deixaram de assistir aos ofícios religiosos na igreja luterana.

Visto que a família dependia da agricultura, um período prolongado de seca nos primeiros anos da década de 30, no Século XX, resultou na mudança para o Estado de Washington, onde montaram uma fazenda de gado leiteiro. Cerca de um ano mais tarde, Max Larson passou a trabalhar por conta própria, dirigindo ou conduzindo veículos de transporte de madeira. Passou também seis meses no Alasca como maquinista de navio. Em 1938, quando Max e a sua irmã Jean tinham emprego em Seattle, a sua mãe, que morava a cerca de 80 quilómetros de distância, veio assistir ao congresso anual das Testemunhas de Jeová naquela cidade. Ela aceitou o convite de hospedagem dos filhos e eles, por sua vez, concordaram em assistir ao congresso.

Durante o congresso, na noite de sábado, Joseph Franklin Rutherford, na época o presidente da Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, discursou sobre o tema "Amantes da Justiça". O seu discurso era sobre o ministério de tempo integral, ou serviço de pioneiro. Motivado pelo que ouviu e apesar de nem sequer ser batizado, Max Larson decidiu enveredar pelo serviço de tempo integral realizado pelas Testemunhas. Nesse mesmo dia preencheu a sua petição para o serviço e no dia seguinte, em 5 de Junho de 1938, foi batizado como Testemunha de Jeová.

Novo rumo para toda a famíliaEditar

Três semanas depois recebeu a sua primeira designação como pioneiro, em Raymond, Washington. Pouco depois, as suas irmãs e o seu irmão, Norman junto com a esposa, também entraram no ministério de tempo integral. A filha de Norman, Joan, e o seu marido, Maurice O’Callaghan, vieram mais tarde a participar por décadas no trabalho de visitar congregações no serviço de circuito. A sua irmã mais nova, Laverna, cursou a décima segunda turma da escola missionária de Gileade, em 1949, e foi designada para a Itália. A oposição que sentiu devido à sua obra missionária, resultou na deportação para a Suíça, onde passou a viver com o marido.

Desejo de expandir o serviçoEditar

Depois de servir dois meses como Pioneiro Regular, Max Larson foi designado para o trabalho de Pioneiro Especial. Foram seus colegas de serviço, Bill Griffith e Warren Henschel, irmão mais velho de Milton George Henschel.

No primeiro mês nesta modalidade de serviço voluntário, Max conversou com um superintendente viajante sobre a Casa da Bíblia, agora chamada Betel, a sede mundial das Testemunhas de Jeová, em Brooklyn, Nova Iorque. Escreveu uma carta pedindo uma petição para Betel e três meses depois, recebeu o convite para trabalhar no Betel, em Brooklyn, onde chegou em 14 de Janeiro de 1939.

Serviço em BetelEditar

Foi atendido pelo servo de Betel, Grant Suiter, que o encaminhou para a gráfica, apresentando-o a Nathan Knorr, o servo da gráfica. A sua primeira designação foi amarrar caixas de livros no Departamento de Expedição. Na segunda semana, recebeu tarefas relacionadas com a operação das rotativas, permanecendo nesse serviço por cerca de um ano e meio. A convite de Knorr passou a servir como seu ajudante no escritório e, quando Rutherford faleceu, em 8 de Janeiro de 1942, Nathan Knorr tornou-se o terceiro presidente da Sociedade Torre de Vigia. O seu lugar como superintendente da gráfica foi ocupado por Max Larson, que na época tinha apenas 26 anos e somente três anos de experiência em Betel. Por mais de 35 anos, até à morte de Knorr em 1977, trabalhou com ele em assuntos administrativos ligados às actividades editoriais e de construção da Sociedade. Esteve envolvido na maioria dos processos de aquisição dos imóveis que passaram a compôr o vasto complexo de edifícios interligados das Testemunhas de Jeová em Brooklyn.

Em 7 de Abril de 1956 casou-se com Helen Lapashanski, que passara a trabalhar em Betel em 1951. Pouco depois do casamento, Helen contraiu esclerose múltipla, e, nos anos posteriores, a doença agravou-se, exigindo a ajuda de um andador e de uma cadeira de rodas eléctrica para se locomover. Ainda assim, ela participava diariamente no serviço, no escritório do Lar de Betel.

A sua irmã Jean foi convidada para Betel em 1943. Em 1952, casou-se com Russell Mock, passando ambos a servir como membros da família de Betel.

Serviu por diversas vezes como Superintendente de Zona. Em 1 de Janeiro de 1977 foi nomeado vice-presidente da Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados de Nova Iorque, Inc., e em 7 de Outubro de 2000, é nomeado como Presidente.

Ligações externasEditar