Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Maximiano
Detalhe de mosaico da Basílica de São Vital, Ravena
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação Bispo
Vista lateral do Trono de Maximiano

Maximiano (em latim: Maximianus; 22 de fevereiro de 499 – 21 de fevereiro de 556) foi bispo de Ravena, na Itália. Ravena foi a capital dos territórios na Itália do Império Bizantino, e o papel de Maximiano foi o de desempenhar funções políticas seculares.

Índice

A vidaEditar

Nascido em Ístria, na cidade de Pola (atual Pula, na Croácia), foi consagrado bispo de Ravena em 546 pelo papa Vigílio em Patras, na Grécia. Maximiano era um diácono de Pola, e quando tinha 48 anos, se tornou o 26º bispo de Ravena. Segundo o padre André Agnelo (século IX), a congregação de Maximiano recusou, inicialmente, sua liderança porque tinha sido escolhido pelo imperador Justiniano I (r. 527–565) e não era seu candidato inicial. Para Meyer Shapiro, historiador de arte moderna, Maximiano era "um pobre e diácono de Pola que alcançou alta posição através de sua destreza política" como protegido de Justiniano. O povo de Ravena não o queria como arcebispo, mas "com manobra astuta, venceu sua oposição e ganhou respeito por sua discrição, generosidade e grandes ações de construção e decoração à igreja".[1]

Ele completou a Basílica de São Vital em Ravena e também construiu a Basílica de Santo Apolinário em Classe e várias outras igrejas. Dedicou-se à revisão dos livros litúrgicos e correção do texto em latim da Bíblia, além de encomendar vários manuscritos iluminados. Para o altar-mor em Ravena, ordenou a confecção de uma cortina feita com o pano mais caro e que foi bordada com imagens da vida de Jesus. Em outra cortina, ordenou os retratos de todos os seus antecessores bordada a ouro. Dentre suas mobílias episcopais mais notáveis está Trono de Maximiano, uma cátedra feita inteiramente com gravuras em marfim de provável produção em Constantinopla, capital do Império Bizantino.

Num mosaico do século VI na Basílica de São Vital, aparece com Justiniano e sua comitiva; segura uma cruz gemada e se veste com as primeiras versões de uma alva, casula e pálio. É tido como santo pelas Igrejas Católica e Ortodoxa; há uma igreja dedicada a ele em Ravena.

NotasEditar

Referências

  1. Schapiro 1952, p. 38.

BibliografiaEditar

  • Schapiro, Meyer (198). «The Joseph Scenes on the Maximianus Throne». Selected Papers, volume 3, Late Antique, Early Christian and Mediaeval Art. Londres: Chatto & Windus. ISBN 0701125144