Mecânica quântica estocástica

A mecânica quântica estocástica (ou a interpretação estocástica) é uma interpretação da mecânica quântica.

Mecânica quântica
Princípio da Incerteza
Introdução à mecânica quântica

Formulação matemática

A aplicação moderna da estocástica à mecânica quântica envolve a suposição de estocasticidade do espaço-tempo, a ideia de que a estrutura de pequena escala do espaço-tempo está passando por flutuações métricas e topológicas ("espuma quântica" de John Archibald Wheeler) e que o resultado médio de essas flutuações recria uma métrica de aparência mais convencional em escalas maiores que pode ser descrita usando a física clássica, juntamente com um elemento de não-localidade (ação à distância) que pode ser descrito usando a mecânica quântica. Uma interpretação estocástica da mecânica quântica é devida à flutuação de vácuo persistente. A ideia principal é que as flutuações do vácuo ou do espaço-tempo são a razão da mecânica quântica e não o resultado dela, como geralmente é considerado.

Mecânica estocástica

editar

A primeira teoria estocástica relativamente coerente da mecânica quântica foi apresentada pelo físico húngaro Imre Fényes,[1] que foi capaz de mostrar que a equação de Schrödinger poderia ser entendida como um tipo de equação de difusão para um processo de Markov.[2][3]

Louis de Broglie[4] sentiu-se compelido a incorporar um processo estocástico subjacente à mecânica quântica para fazer as partículas mudarem de uma onda piloto para outra.[3] Talvez a teoria mais amplamente conhecida em que a mecânica quântica descreva um processo inerentemente estocástico tenha sido apresentada por Edward Nelson[5] e seja chamada de mecânica estocástica. Isso também foi desenvolvido por Davidson, Guerra, Ruggiero e outros.[3]

Eletrodinâmica estocástica

editar
 Ver artigo principal: Eletrodinâmica estocástica

A mecânica quântica estocástica pode ser aplicada ao campo da eletrodinâmica e é chamada eletrodinâmica estocástica (SED).[6] A SED difere profundamente da eletrodinâmica quântica (QED), mas é, no entanto, capaz de explicar alguns efeitos eletrodinâmicos de vácuo dentro de uma estrutura totalmente clássica.[7] Na eletrodinâmica clássica, assume-se que não há campos na ausência de fontes, enquanto a SED assume que sempre existe um campo clássico em constante flutuação devido à energia do ponto zero. Enquanto o campo satisfizer as equações de Maxwell, não há inconsistência a priori com essa suposição.[8] Desde que Trevor W. Marshall[9] propôs originalmente a ideia, ela tem sido de considerável interesse para um pequeno mas ativo grupo de pesquisadores.[10]

Ver também

editar

Referências

  1. Ver I. Fényes (1946, 1952)
  2. (Davidson 1979, p. 1)
  3. a b c (de la Peña & Cetto 1996, p. 36)
  4. (de Broglie 1967)
  5. Ver E. Nelson (1966, 1985, 1986)
  6. (de la Peña & Cetto 1996, p. 65)
  7. (Milonni 1994, p. 128)
  8. (Milonni 1994, p. 290)
  9. Ver T. W. Marshall (1963, 1965)
  10. (Milonni 1994, p. 129)

Bibliografia

editar

Artigos

editar

Livros

editar