Disambig grey.svg Nota: Para uma parte da vela, veja pavio. Para arma, veja Fecho de mecha .


Um mecha (メカ meka?, abreviatura de mechanical, inglês para mecânico) ou mecha é um robô gigante (geralmente bípede) controlado ou não por um piloto ou controlador, comuns em algumas obras de ficção científica, mangá e anime[1]. Um mecha geralmente é uma máquina de guerra ou combate com pernas, cujos principais oponentes são monstros gigantes ou outros mechas. Geralmente são construídos em formato antropomórfico (de ser humano) ou de animais.

Existem diferentes sub-gêneros, com diferentes conotações de realismo. O conceito de super-robô e robô realístico são dois exemplos encontrados em animes japoneses.[2]

HistóricoEditar

O romance Steam Man of the Prairiesis (1868) de Edward S. Ellis, apresentava um homem mecânico movido a vapor e pilotado de costas.O romance La Maison à vapeur (1880) de Júlio Verne apresentou um, elefante pilotado mecânico movido a vapor. Uma das primeiras aparições de tais máquinas na literatura moderna são os tripods no romance The War of the Worlds (1897), de H. G. Wells[3], na qual os marcianos pilotam naves trípedes. O romance não contém uma descrição totalmente detalhada do modo de locomoção dos tripod (ou "fighting machine", como são conhecidos no romance), no entanto, sugere-se: "Você pode imaginar um banquinho de ordenha inclinado e rolado violentamente ao longo do solo? Essa foi a impressão que aqueles flashes instantâneos deram. Mas em vez de um banquinho de ordenha, imagine um grande corpo de máquinas em um tripé.

Um dos primeiros usos de máquinas semelhantes a mechas fora do Japão é encontrado em "The Invisible Empire", um arco de história da série de quadrinhos Federal Men de Jerry Siegel e Joe Shuster (serializado em 1936 em New Comics nº 8-10). [4] Outros exemplos incluem o quadrinho mexicano Invictus Leonel Guillermo Prieto e Victaleno León, do quadrinho brasileiro Audaz, o demolidor, de Álvaro "Aruom" Moura e Messias de Mello (1938-1949), inspirado em Invictus, criado para o suplemento A Gazetinha do jornal A Gazeta.[5] O traje de batalha de Kimball Kinnison no romance Galactic Patrol de EE "Doc" Smith's Lensman (1950), o filme de animação francês O Rei e o Mockingbird (lançado pela primeira vez em 1952) e o waldo de Robert Heinlein em seu conto de 1942 , "Waldo" e a Infantaria Móvel trajes de batalha em Starship Troopers de Robert Heinlein (1958).

O traje de batalha de Kimball Kinnison no romance Galactic Patrol (1950) da série literária space opera Lensman de E. E. Smith,[6] o filme de animação francês Le Roi et l'Oiseau (lançado pela primeira vez em 1952)[7] e o waldo de Robert Heinlein em seu conto "Waldo" (1942). O romance Starship Troopers de Robert A. Heinlein mostra soldados das "infantaria móvel" usando exoesqueletos.[8]

O conceito dos mechas está intimamente relacionado ao de exoesqueletos na ficção científica, que seriam estruturas vestidas por uma pessoa capazes de ampliar seus movimentos ou conferi-la mais força. A diferença é que um exoesqueleto é "vestido" pelo piloto (em volta do corpo e imitando seus movimentos), enquanto um mecha é pilotado por controles ou mentalmente.

O profissional responsável por criar a arte conceitual dos mechas é chamado de designer de mecha.[9][nota 1]

O gênero mecha de animeEditar

No contexto do anime, também se chama de mecha às produções em que mechas e seus pilotos são os principais personagens. Esse gênero também se tornou popular em séries de ficção científica japonesa, conhecidas como tokusatsu, e levou a produção de grandes linhas de brinquedos inspirados nos mechas.

Há uma grande variedade de histórias sobre mecha abrangendo vários gêneros e estilos. Características comuns do gênero são o combate ao mal e os pilotos de idade adolescente.

Ōgon Bat, um kamishibai que estreou em 1931 (mais tarde adaptado para um anime em 1967), apresentava o primeiro robô humanoide gigante pilotado,Grande Tanque Humano (Dai Ningen Tanku 大 人間 タ ン ク?),[nota 2][10][11]mas como um inimigo ao invés de um protagonista. Em 1934, Gajo Sakamoto lança Tank Tankuro (タ ン ク タ ン ク ロ ーTank Tankuro?) sobre uma criatura de metal que se torna uma maquina de batalha.[12] O primeiro robô humanoide gigante pilotado pelo protagonista apareceu no mangá Androide de energia atômica (原子 力 人造 人間, Genshiryoku Jinzō Ningen?) em 1948.[13]

O gênero iniciou-se com o mangá Tetsujin 28-go de Mitsuteru Yokoyama em 1956,[14], um robô controlado remotamente que foi animado em 1963.[15] O mangá e anime Astro Boy, lançado em 1952, com seu protagonista robô humanoide, foi uma influência chave no desenvolvimento do gênero robô gigante no Japão.

Mais sobre o texto original O primeiro mecha pilotado por um usuário de dentro de um cockpit foi introduzido no mangá e anime de Mazinger Z por Go Nagai, publicado pela primeira vez em 1972.[16] De acordo com Go Nagai:

Mazinger Z mostrava os primeiros robôs gigantes que foram "pilotados por meio de um pequeno carro voador e um centro de comando que encaixado dentro da cabeça."[16] Ele também foi um pioneiro em brinquedos de metal die-cast, como a série Chogokin no Japão e nos Shogun Warriors nos Estados Unidos, que eram (e ainda são) muito populares com crianças e colecionadores. Posteriormente, Nagai introduziu o conceito de gattai ("combinação"), onde vários módulos se encaixam para formar um super robô, com Getter Robot (estreia em 1974).[17]Considera-se que popularidade dos mecha, no entanto, começou com o surgimento da série Gundam em 1979, que deu origem a vários programas e séries animadas. A partir de Gundam surgem os Real Robots, em oposição aos anteriores, conhecidos como "Super Robots".[18]

Um mecha de transformação pode se transformar entre um veículo padrão (como um avião de combate ou caminhão de transporte) e um robô mecha de combate. Este conceito de transformar mecha foi lançado pelo designer de mecha japonês Shōji Kawamori no início dos anos 1980, quando ele criou a linha de brinquedos Diaclone em 1980 e, em seguida, a franquia de anime Macross em 1982. Na América do Norte, a franquia Macross foi adaptada para a franquia Robotech em 1985 e, em seguida, a linha de brinquedos Diaclone foi adaptada para a franquia Transformers em 1986. Alguns dos designs de mecha transformadores mais icônicos de Kawamori incluem o Valkyrie VF-1 das franquias Macross e Robotech, e Optimus Prime (chamado Convoy no Japão) das franquias Transformers e Diaclone.[19][20]

Algumas séries de mecha tornaram-se bastante populares por todo o mundo, como Super Sentai.[2]

Nem todos os mechas precisam ser completamente mecânicos. Alguns têm componentes biológicos interagindo com seus pilotos, e alguns são parcialmente biológicos, tais como Neon Genesis Evangelion, Eureka Seven, e Zoids.

JogosEditar

Vários jogos eletrônicos contam com a presença dos mechas. Considera-se que mechas sejam populares no âmbito dos jogos devido a suas características de força e poder.[21] Alguns jogos de tabuleiro, como Battletech, também giram em torno do universo dos mechas.[22]

Alguns dos principais jogos eletrônicos que incluem mechas são Zone of the Enders (para Playstation 2), Macross, MechWarrior, MechCommander e Earthsiege, Overwatch, Titan Fall 1 e 2. Os jogos de RPG Xenogears, Front Mission e os jogos da série Xenosaga têm em suas histórias os mechas, fazendo com que estes jogos lembrem um pouco os animes.

FilmesEditar

Alguns filmes, geralmente versões em longa-metragem de animes do gênero, lidam com mechas em sua história e os têm como personagens.

Os mechas também são citados em Inteligência Artificial, um filme de Steven Spielberg, embora em outro contexto: a palavra mecha é usada para descrever andróides, em oposição a seres orgânicos (orga).[23]

Mechas específicos na mídiaEditar

Aplicações reaisEditar

 
Estátua na cidade de Rotterdam

Apenas recentemente começamos a criar robôs com pernas com mobilidade razoável, e mesmo assim ainda se está muito longe para uma mobilidade equiparável a humana. Portanto, poucos testes sérios foram feitos no sentido de se criar um mecha real, e todos eles lentos ou desajeitados demais para uma aplicação prática eficiente. Portanto apenas a imaginação e suposições podem explicar se mechas são possíveis, em questão de vantagens e ao custo de uso.

Muitas pessoas acreditam que não, pois sempre haverá veículos mais específicos que serão mais baratos e executarão o trabalho igual ou melhor, como por exemplo mechas militares contra tanques e helicópteros, ou mechas de construção contra guindastes.

Porém, deve-se considerar as vantagens da mobilidade de um ser humano (ou uma aranha) contra a mobilidade de veículos de rodas. Um veículo terrestre com pernas certamente alcançaria áreas intransponíveis para outros veículos terrestres. Com isso permitiria a locomoção em áreas de difícil acesso a tanques, ou um movimento mais fácil na superfície pedregosa de Marte, por exemplo.

Além disso, a robótica já beneficia inúmeras áreas com o uso de braços mecânicos, e seu uso na área de construção permitiria um transporte e posicionamento de estruturas melhores do que a de um guindaste.

Tudo isso dependerá apenas de pesquisas futuras na área da robótica, barateamento de custos (materiais, componentes robóticos, etc...) , e de pesquisas e testes quanto a viabilidade de um veículo com pernas.

Atualmente há diversos veículos de pernas, ou braços, na maioria protótipos, que já possuem aplicações práticas:

  • T-52 Enryu: Nome traduzido "Dragão de resgate", é um veículo robótico devenvolvido por Tmsuk. O veículo possui 2 braços que copiam os movimentos dos braços do controlador. Seu propósito é abrir caminho de detritos para equipe de socorro.
  • Walking Harvester: Veículo criado pela Timberjack, subsidiária de John Deere. É um veículo cortador de lenha com seis pernas, construído para acessar terrenos em floresta intransponíveis a veículos de rodas ou esteiras.
  • Walking Truck: veículo quadrúpede criado pela General Electric em 1968 para o exército americano.
  • Kuratas: veículo mecha comercializado pela Suidobashi Heavy Industry para entretenimento e mobilidade de baixa velocidade, com braços mobilizados e "armas" customizáveis.

Além disso, há diversos robôs atualmente que efetivamente usam pernas para se locomover. Apesar de não serem considerados "mechas", mostram a que nível está a viabilidade de se construir veículos locomovidos com pernas:

  • BigDog: Robô quadrúpede criado pela Boston Dynamics para carregar objetos da mesma forma que uma mula de carga. Promovido como o "robô mais avançado para terrenos difíceis da terra", ele atualmente chega a uma velocidade de 6.4 km/h, carrega até 150 kg,e escala terrenos difíceis de até 35 graus. Projeto foi fundado pela DARPA para criar robôs-mulas de carga para acompanhar soldados em terrenos difíceis e possui como colaboradoras entidades como a NASA e Universidade de Harvard.
  • Diversos robôs bípedes, como QRIO e ASIMO, são capazes de andar com dois pernas. O modelo atual ASIMO (2005) é capaz de até correr a 6 km/h reto e 5 km/h circulando (em um terreno plano).

Ver tambémEditar

Notas

  1. Uma alusão a character designer, artista responsável pelo visual dos personagens
  2. Dai Ningen Tanku (大人間タンク) significa Grande Tanque Humano\ (人間タンク?), Ningen Tanku (人間タンク), é o título japonês de The Master Mystery (1919), e o nome japonês do robô que aparece no filme. Era uma frase japonesa geral que significava "tanque humano" também.

Referências

  1. Robin E. Brenner (2007). Understanding manga and anime. [S.l.]: Libraries Unlimited. 300 páginas. 1591583322, 9781591583325 
  2. a b A Historia Dos Super Robôs - Parte 1
  3. Travis S. Taylor, Bob Boan, R. Charles Anding (2006). An introduction to planetary defense: a study of modern warfare applied to extra-terrestrial invasion. [S.l.]: Universal-Publishers. 102 páginas. 1581124473, 9781581124477 
  4. Carper, Steve (27 de junho de 2019). Robots in American Popular Culture (em inglês). [S.l.]: McFarland. pp. 11–112. ISBN 978-1-4766-3505-7 
  5. de Rosa, Franco (2019). Prado, Joe; Freitas da Costa, Ivan, eds. Grande Almanaque dos Super-Heróis Brasileiros. Brazil: Chiaroscuro Studios. pp. 16, 127 
  6. Sofge, Erik (8 de abril de 2010). «A History of Iron Men: Top 5 Iconic Exoskeletons». Popular Mechanics] (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  7. Le Roi et l'Oiseau de Paul Grimault (1980) – commentary
  8. Takamuyuki Tatsumi (2014). «Gundam and the future of japanoid art». Mechademia 3: Limits of the Human. [S.l.]: Univ. of Minnesota Press. 192 páginas. ISBN 9781452914176 
  9. Peixoto Silva, Sérgio (2002). «Dicionário do Otaku - Parte 2». Editora Trama. Anime EX (20): 24-25 
  10. «人間タンク : 奇蹟の人 - NDL Digital Collections». dl.ndl.go.jp. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  11. 井上晴樹 (agosto de 2007). 日本ロボット戦争記 1939~1945 (em japonês). [S.l.]: NTT出版 
  12. «Preview: Tank Tankuro». The Comics Journal (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2020  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda)
  13. «原子力人造人間 - NDL Digital Collections». dl.ndl.go.jp. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  14. Anne Allison. Millennial monsters: Japanese toys and the global imagination. [S.l.]: University of California Press. 104 páginas. 0520245652, 9780520245655 
  15. Sérgio Peixoto (2002). «A história dos robôs». Editora Trama. Anime EX Special (10) 
  16. a b Mark Gilson, "A Brief History of Japanese Robophilia", Leonardo 31 (5), p. 367–369 [368].
  17. Clements, Jonathan (2017). Anime: A History. [S.l.]: Bloomsbury Publishing. pp. 150–1. ISBN 978-1-84457-884-9 
  18. Arnaldo Massato Oka. «Super-Robôs». Editora JBC. Henshin Especial (5). ISSN 1518-3785 
  19. Barder, Ollie. «Shoji Kawamori, The Creator Hollywood Copies But Never Credits». Forbes (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  20. «The Japanese anime legend who designed Transformers toys». South China Morning Post (em inglês). 27 de fevereiro de 2019. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  21. A Historia Dos Super Robôs - Parte 2
  22. Dragão Brasil #43, outubro de 1998
  23. Roger Ebert (2003). Roger Ebert's Movie Yearbook 2004. [S.l.]: Andrews McMeel Publishing. 9 páginas. 0740738348, 9780740738340 
  24. Ollie Barder (10 de dezembro de 2015). «Shoji Kawamori, The Creator Hollywood Copies But Never Credits». Forbes 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Mecha
  Este artigo sobre mangá e anime é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.