Abrir menu principal

Melécio de Licópolis

Melécio foi bispo de Licópolis e sucessor do deposto bispo Apolônio e líder de um grupo herético citado por Epifânio de Salamis em sua obra Panarion como Melecianismo (Haer., LXVIII).

HistóriaEditar

Durante a perseguição promovida por Diocleciano (302-305) e Décio (306), vários bispos e religiosos abandonaram suas sedes, igrejas, paróquias, em busca de refúgio. Um destes foi o patriarca Pedro I de Alexandria. Melécio, aproveitando-se da sede vaga, deixou Licópolis e se apossou do Patriarcado de Alexandria. Com o fim das perseguições, Pedro retornou à sua diocese, convocou um Concílio de Alexandria em 306 e depôs Melécio, sob a acusação de apropriar-se do episcopado de Alexandria e de ser um lapsi (apóstata), por que abjurara a fé cristã durante as perseguições de Diocleciano.

Em uma nova perseguição aos cristãos, Pedro I foi martirizado e Melécio foi desterrado. Quando arrefeceu a perseguição, este retornou do exílio (311) e formou uma hierarquia cismática, onde manteve as suas posições em relação à ortodoxia. Posteriormente os melecianos e arianos aliaram-sem em uma luta contra Atanásio de Alexandria.

O Primeiro Concílio de Niceia, em 325, pôs fim às controvérsias sobre os ensinamentos de Melécio, condenando-o juntamente com Ário.

Um grupo de melecianos desenvolveu-se em Antioquia, representados por Flaviano e Diodoro de Tarso. Estes se juntariam posteriormente aos eustatianos mas por conta da intransigência do chefe dos últimos, acabariam por romper.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre Episcopado (bispos, arcebispos, cardeais) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.