Abrir menu principal

Mercado de São Brás

mercado em Belém, Pará
Mercado de São Brás
Tipo Mercado Público
Estilo dominante Art Nouveau e Neoclássico
Arquiteto Filinto Santoro
Início da construção 1910 (109 anos)
Fim da construção 1911 (108 anos)
Geografia
Localidade Belém, Pará Pará

O Mercado de São Brás é uma construção histórica localizada na cidade de Belém, no estado brasileiro do PARÀ. Situado distante do centro histórico da cidade, foi erguido durante época áurea do ciclo da borracha amazônica, a sua construção foi iniciada no dia 1 de Maio de 1910 e foi concluído em 21 de Maio de 1911.

O Mercado foi construído em função da grande movimentação comercial gerada pela ferrovia Belém/Bragança. Como o ponto final do trem era em São Brás, com muitas pessoas embarcando e desembarcando ali, a área se tornou atrativa para a comercialização de produtos. O mercado foi projetado também para ampliar o abastecimento da cidade, que até então ficava concentrado apenas no mercado do Ver-o-Peso. Criado pelo arquiteto italiano Filinto Santoro, o mercado possui sua estrutura construída em ferro e mescla elementos do art nouveau e neoclássico, com detalhes escultóricos também em ferro e azulejos decorativos.[1]

Índice

HistóriaEditar

Antônio Lemos, intendente de Belém na época, cedera a Santoro o terreno para a construção do mercado. Foram importados da Itália materiais e operários para a execução da obra. A obra foi executada pelo engenheiro italiano Filinto Santoro, também responsável por outras grandes construções em Belém, como o Palacete Augusto Montenegro e o Colégio Gentil Bittencourt.

Em 1988, na administração do prefeito Fernando Coutinho Jorge, o mercado passa por uma grande reforma, com mudanças significativas nos seus aspectos espaciais e de uso. Após essa intervenção, o prédio atual passa a contar com espaços destinados a teatro, comercialização e oficinas de administração municipal. O uso antes existente como venda de carne, fruta, legumes e produtos de mercearia foram transferidos para este espaço. Devido à acústica e a grande movimentação de veículos, o teatro foi desativado e o mercado fechado temporariamente. O mercado de peixe, ladeado pelos quiosques de mesmo estilo, formam o complexo cultural do Mercado de São Brás.

Com o aumento do trabalho informal nas ruas próximas ao mercado, fez com que o prefeito Edmilson Rodrigues na sua segunda administração, remanejasse os trabalhadores para dentro do mercado, incluindo os moveleiros, que antes comercializavam seus produtos nas calçadas das ruas.[2]

PreservaçãoEditar

A administração é feita pela Prefeitura Municipal de Belém, por meio da Secretaria Municipal de Economia (Secon). Tombado pelo patrimônio histórico municipal e estadual em 1982, a estrutura arquitetônica não é adequada para preservar uma construção histórica de tamanha importância. Depois de pelo menos três grandes reformas, o mercado teve a planta redesenhada e sua estrutura interna foi despida de muitas das suas características originais.

O prédio sofre com a má conservação por parte do poder público, há sinais evidentes de deterioração do espaço, também é visível problemas como goteiras, infiltrações na parede e acúmulo de lixo em algumas partes do mercado. Apesar do intenso fluxo de pessoas, a área de entorno do prédio não possui segurança, com esse cenário se tornam frequentes os assaltos e furtos na Praça Floriano Peixoto, que abriga o mercado. O mau estado de conservação da praça também afeta diretamente o mercado, pois praça é usada como abrigo por moradores de rua.[3]

Estrutura e serviçosEditar

Atualmente, o Complexo de Feiras do São Brás ainda é importante para o abastecimento da capital paraense. Constituído por setores que incluem: feira, mercado de peixe e carne, artesanato, mercearia e praça de alimentação. A estrutura do mercado consiste em três pavilhões (naves), telhados de tijolos em forma de abóboda e decoração em mármore branco. O mercado em si possui 3.300 m² onde há distribuídos 348 feiras e lojas. Em todo o complexo há 549 permissionários. Além de frutas, verduras, carne, peixe e camarão, também é comercializado artesanato, ervas, artigos de umbanda, vestuário, móveis, sebos e o mais forte atualmente que é a marcenaria. Este empório comercial está situado em um ponto estratégico, pois ocupa o ponto de confluência de importantes vias de Belém: as avenidas Almirante Barroso, José Bonifácio e Magalhães Barata, além de estar a uma pequena distância do Terminal Rodoviário de Belém.[4]

Referências