Mermeroes (em grego: Μερμερόης; romaniz.: Mermeróes; m. 555), conhecido em persa médio como Mir-Miroe (Mihr-Mihrōē)[1][2] ou Mirmã-roi (Mihrmāh-rōy),[3] foi um general do século VI e um dos principais comandantes das guerras bizantino-sassânidas da época. Sob o Cavades I (r. 488–496; 499–531), participou na Guerra Ibérica, liderando, em 530, tropas contra as províncias armênias do Império Bizantino e, em 531, sitiando, ao lado de Canaranges, a fortaleza de Martirópolis.

Mermeroes
Morte 555
Mtsqueta
Nacionalidade
Império Sassânida
Ocupação General
Religião Zoroastrismo

Sob Cosroes I (r. 531–579), foi um dos comandantes da Guerra Lázica. Em 542, atacou a fortaleza bizantina de Dara e em 548, aliviou a fortaleza de Petra, em Lázica, que estava sob cerco bizantino-laze. Em 551, lançou ataques em Lázica, capturando as fortalezas de Sarapanis e Escanda e cercando a capital Arqueópolis. Em 551/2, lançou novos ataques e em 554 conquistou a fortaleza de Télefis. Faleceu no ano seguinte em Mtsqueta.

 
Dracma de Cavades I

Mir é a forma em persa médio do nome do deus Mitra.[4] Por sua vez, Šapur combina as palavras šāh (rei) pūr (filho), o que literalmente "filho do rei". Seu nome foi utilizado por vários reis e notáveis durante o Império Sassânida e além e deriva do persa antigo *xšayaθiya.puθra. Pode ter sido um título, mas ao menos desde as últimas décadas do século II tornou-se nome próprio. As formas atestadas incluem: parta šhypwhr; persa médio šhpwr-y; pálavi maniqueísta š’bwhr; livro pálavi šhpwhl; armênio šapowh; siríaco šbwhr; soguediano š’p(‘)wr; grego Sapor(es) e Sabur; latim Sapores e Sapor; árabe al-Sābūr; persa Šāpur, Šāhpur, Šahfur, etc.[5] No Talmude, o nome é registrado como Ševor Malka.[6]

Biografia

editar
 
Dracma de Cosroes I (r. 531–579)
 
Lázica na Antiguidade Tardia

Nada se sabe sobre os primeiros anos de Mermeroes, mas é registrado como idoso cerca de 555. Aparece pela primeira vez em 530, durante a Guerra Ibérica, quando liderou um exército de 30 mil homens numa invasão às províncias armênias do Império Bizantino. Porém, foi derrotado próximo de Satala pelos generais Sitas e Doroteu e então retirou-se.[7] No verão de 531, após a estreita vitória persa em Calínico e uma série de reveses menores na Armênia e Mesopotâmia Superior, o Cavades I (r. 488–496; 499–531) enviou-o com Aspebedes e Canaranges para capturar a fortaleza de Martirópolis. Eles sitiaram a cidade, mas após receberem notícias da morte do xá, e com suas tropas sofrendo pelo frio do inverno, concluíram uma trégua e retiraram-se para território persa.[8][9]

Em 542, após o fim da trégua em 540, foi enviado por Cosroes I (r. 531–579) contra a fortaleza de Dara, mas, segundo Coripo, foi derrotado e capturado pelo comandante do forte, João Troglita.[10] Reaparece em 548, quando foi enviado como chefe de grande exército para aliviar a fortaleza de Petra em Lázica, que estava sob cerco de uma força combinada bizantino-laze. Como Dagisteu, o comandante imperial, havia negligenciado salvo-guardar as passagens das montanhas com homens suficientes, Mermeroes foi capaz de mover-se em Lázica, afastando-se dos destacamentos bizantinos. Ele aliviou o cerco de Petra e reforçou sua guarnição, mas faltando suprimentos para seu exército, foi forçado a se retirar para Dúbio na Armênia, deixando para trás cerca de três mil homens guarnecendo Petra e mais cinco mil sob Fabrizo para manter a rota de suprimento aberta.[8][11]

Estas forças foram derrotadas no ano seguinte pelos lazes e bizantinos, e o novo comandante bizantino, Bessas, liderou um cerco em Petra. Na primavera de 551, Mermeroes marchou para aliviar a fortaleza mais uma vez, mas antes de poder fazer isto, ela caiu às tropas de Bessas. Ele então virou-se em direção a capital laze, Arqueópolis, capturando os fortes de Sarapanis e Escanda no processo. Liderou cerco em Arqueópolis, mas foi repelido. Como seu exército sofrendo de falta de suprimentos, abandonou o cerco e foi para oeste, à fértil província de Moqueresis, que fez sua base de operações.[12] No inverno subsequente de 551/2, fortaleceu seu controle sobre Lázica Oriental (incluindo a região de Suânia), enquanto sua proposta de paz com o rei Gubazes II (r. 541–555) falhou. Reforçado com mercenários recrutados entre os sabires, em 552 atacou as fortalezas de Arqueópolis, Tzíbile, e um terceiro forte não nomeado, mas foi novamente repelido e obrigado se a retirar para Moqueresis.[8][13]

Em 554, através de um ardil, foi bem sucedido em desalojar os bizantinos de Télefis, a posição mais avançada deles, causando uma retirada geral junto do rio Fásis. Contudo, não os perseguiu nem pressionou sua vantagem, devido a falta de suprimentos de seu exército. Após fortalecer seus fortes, retornou para Moqueresis. Lá, adoeceu e retirou-se à Ibéria. Morreu de sua doença em Mtsqueta no verão de 555.[7][14]

Referências

Bibliografia

editar
  • Greatrex, Geoffrey; Lieu, Samuel N. C. (2002). The Roman Eastern Frontier and the Persian Wars (Part II, 363–630 AD). Londres: Routledge. ISBN 0-415-14687-9 
  • Martindale, John R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1992). «Mermeroes». The Prosopography of the Later Roman Empire - Volume III, AD 527–641. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press. ISBN 0-521-20160-8 
  • Pourshariati, Parvaneh (2008). Decline and Fall of the Sasanian Empire: The Sasanian-Parthian Confederacy and the Arab Conquest of Iran. Nova Iorque: IB Tauris & Co Ltd. ISBN 978-1-84511-645-3 
  • Rezakhani, Khodādād; Nicholson, Oliver (2018). «Mihr-Mihroe». In: Oliver, Nicholson. The Oxford Dictionary of Late Antiquity. Oxônia: Oxford University Press. ISBN 9780198662778 
  • Schiffman, Lawrence H.; Wolowelsky, Joel B. (2007). War and Peace in the Jewish Tradition. Nova Iorque: Imprensa da Universidade Yeshiva 
  • Shahbazi, A. Shapur (2002). «ŠĀPUR I: History». Enciclopédia Irânica. Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Colúmbia