Mesh-ki-ang-gasher

Reis da Uruque

Mesh-ki-ang-gasher (Mèš-ki-áĝ-ga-še-er, Meš-ki-aĝ-gašer; também traduzido como Mes-Kiag-Gasher, Mesh-Ki-Ang-Gasher, Meskiagkasher, Meckiagkacer e outros) foi um governador sumério e o fundador da Primeira Dinastia de Uruk e o pai de Enmerkar, de acordo com a Lista de Reis da Suméria. Como governador histórico, ele teria aparecido por volta do século 28 a.C (2ª Idade do Bronze).

Em E-ana, Mesh-ki-ang-gasher, o filho de Utu, veio a se tornar en e depois lugal; governou por 324 (ou por 325) anos. Meš-ki-aĝ-gašer entrou no mar e desapareceu. Enmerkar, o filho de Mesh-ki-ang-gasher, o rei de Unug, o qual construiu Unug, tornou-se rei e governou por 420 anos."[1]

E-ana (Casa do Céu) foi um nome de um templo construído em Uruk á Inanna (Rainha do Céu). Na entrada havia Mesh-ki-ang-gasher governando o castelo, no qual teria seu filho construído a cidade de Uruk, e havia se tornado o templo principal para seu Deus protetor.

Ao contrário de seus sucessores Enmerkar, Lugalbanda, Dumuzid, The Fisherman e Gilgamesh, Mesh-ki-ang-gasher não é conhecido nas épocas ou na mitologia suméria, nem sequer dentro da Lista de Reis da Suméria. Sua natureza como filho do Deus Sol, o fundador de uma grande dinastia e seus mistérios, desapareceu no mar dando a ele mais uma lenda mitológica. Seu filho Enmerkar, também chamado "Filho de Utu" na mitologia suméria Enmerkar e o Senhor de Aratta, é creditado com a construção em um templo em Eridu e com a invenção da Escrita cuneiforme.

No sistema de David Rohl de identificação de indivíduos na Idade do Bronze com personagens da Bíblia Hebraica, Mesh-ki-ang-gasher corresponde á Cuxe.[2]

Precedido por:
{{{antes}}}
Realeza Sumeriana
aproximadamente cerca de 28 anos antes de Cristo, ou lenda
Sucedido por:
{{{depois}}}
Vago Ensi|EnsíPredefinição:Precisa ser citada de Uruk
aproximadamente cerca de 28 anos antes de Cristo, ou lenda

ReferencesEditar

  1. Electronic Text Corpus of Sumerian Literature
  2. Legend: Genesis of Civilisation Arrow Books Ltd, London, 1999, pp. 451-452. Ver também Mizraim.