Metro do Porto

sistema de trem metropolitano no Porto, Portugal

O Metro do Porto é a rede de transporte público ferroviária metropolitana da cidade portuguesa do Porto e da sua área metropolitana, servindo mais de 1 milhão de habitantes repartidos por oito municípios. É a rede de metro mais extensa de Portugal, e a 13.ª mais extensa da União Europeia, com 67 quilómetros em 2022.[1]

Metro do Porto
Informações
Local Área Metropolitana do Porto:
País Portugal Portugal
Tipo de transporte Metropolitano
Número de linhas 6
Número de estações 82
Tráfego anual 65 milhões de passageiros em 2022
Chefe executivo Tiago Braga
Website www.metrodoporto.pt
Funcionamento
Início de funcionamento 7 de dezembro de 2002 (21 anos)
Operadora(s) Metro: Via Porto
Metrobus: STCP
Número de veículos 120
Dados técnicos
Comprimento dos veículos 35 m (115 ft)
37 m (121 ft)
Headway 3 a 30 min
Extensão do sistema 67 km (41,6 mi)
Bitola Bitola padrão 1 435 mm (4,71 ft)
Velocidade máxima 80 km/h (49,7 mph)
100 km/h (62,1 mph)
Custo médio de construção por km 16.000.000€
Mapa da Rede

A rede tem 6 linhas de metropolitano e um total de 82 estações, distribuídas por 67 km de linhas comerciais duplicadas, maioritariamente à superfície, com 9,5 km da rede soterrada.

Mais de 70 milhões de passageiros foram transportados pela Metro do Porto em 2019, atigindo assim um novo recorde histórico de procura.[2]

Em 2023, contabilizando 21 de anos de operação, a Metro do Porto tinha transportado mais de mil milhões de passageiros, desde que entrou em funcionamento. [3]

História editar

Tratou-se de uma iniciativa lançada no primeiro mandato do então presidente da Câmara Municipal do Porto, Fernando Gomes e por sua iniciativa. A primeira linha do Metro do Porto — ligando Senhor de Matosinhos à estação da Trindade (linha A) — foi inaugurada no dia 7 de Dezembro de 2002 pelo então primeiro-ministro Durão Barroso, circulando em regime experimental no final desse ano. Nesta primeira fase, a rede possuía apenas 11,8 km e 18 estações, todas de superfície, sendo o antigo túnel ferroviário da Lapa, reconvertido para a rede do metro, o único percurso subterrâneo. A 5 de Junho de 2004, a linha foi estendida até ao Estádio do Dragão, pronta para o Campeonato Europeu de Futebol, o Euro 2004, que decorreu nesse ano em Portugal. A rede ganhou 3,8 km de linha e 5 novas estações no centro do Porto, em túnel subterrâneo aberto propositadamente para o metro.

Em 13 de Março de 2005, abriu o primeiro troço da segunda linha, a linha B, aumentando a rede em quase 7 quilómetros e 5 novas estações de superfície, ligando Pedras Rubras, a partir da Estação da Senhora da Hora já existente para a linha A, ao Estádio do Dragão. Esta nova linha usa o canal ferroviário da Linha da Póvoa, aberto no século XIX, e que ligava a Póvoa de Varzim ao Porto. Uma outra nova linha, a Linha C, abriu meses depois no dia 30 de Julho chegando até ao centro da cidade da Maia, o que significou um novo aumento de 6 km de linha e 6 novas estações de superfície, parte da linha C, foi construída no antigo canal da linha ferroviária da Trofa.

 
Metro na Estação São João de Deus, em frente ao El Corte Inglés, na Linha D, em Gaia.
 
Plataforma da linha D na estação da Trindade. A linha D é a linha com maior parte do seu percurso no subsolo, sendo uma linha com estações subterrâneas notáveis em termos funcionais e arquitetónicos.
 
Aspecto interior de um veículo do Metro do Porto.

A Linha D (amarela) abriu no dia 18 de Setembro de 2005 e liga o centro de Vila Nova de Gaia ao extremo Norte do concelho do Porto, junto ao pólo universitário. Abrindo 5,7 km de rede e dez novas estações, quase todas elas subterrâneas. Existiram sérios constrangimentos nas escavações do túnel da linha D no centro do Porto que atrasou a abertura desta linha. A linha obrigou à construção de uma nova travessia rodoviária sobre o Douro — a Ponte do Infante — uma vez que o tabuleiro superior da Ponte D. Luís teve de ser fechado ao trânsito automóvel e convertido para o metro. Em 10 de Dezembro, a linha estendeu-se mais 804 metros em Vila Nova de Gaia, abrindo também uma nova estação (João de Deus). Nesta data estava prevista também a abertura das estações IPO e Hospital de São João. No entanto, devido a problemas de segurança levantados pela Escola Superior de Enfermagem do Porto (São João) (os carris do metro passam a apenas 50 cm dos portões desta faculdade), o governo decidiu suspender a abertura até que todas as questões de segurança fossem ultrapassadas.

Após vários e longos adiamentos, a abertura oficial do troço principal da linha Vermelha até à Póvoa de Varzim abriu a 18 de Março de 2006, aumentando a rede em mais de 17,2 km e 15 novas estações. Com a abertura foi inaugurado um novo tipo de serviço, o expresso, ao mesmo tempo foi lançada a Metro TV — uma TV interna da rede — e os utentes organizam-se no MUT-AMP (Movimento dos Utentes de Transportes da Área Metropolitana do Porto), movimento no qual foi integrada a CULP (Comissão de Utentes da Linha da Póvoa), comissão que já se encontrava activa desde o início da construção da rede de metropolitano. O cartão Andante Gold também se alterou, passando a ser possível carregá-lo em máquinas multibanco e tendo duas modalidades: o normal e o social (com descontos até 50%) que, apesar de terem sido feitas por pressão dos utentes da linha da Póvoa, ficaram disponíveis para os utentes de toda a rede.

Em 31 de Março, entraram em operação o segmento entre as Estações Fórum Maia e ISMAI da Linha C (4,5 km e 4 novas estações) e o segmento entre as Estações Pólo Universitário e Hospital de São João (1,2 km) da Linha D, com pequenos melhoramentos para o acesso à Escola Superior de Enfermagem.

Em 27 de Maio, em cerimónia presidida pelo primeiro-ministro, José Sócrates, considerou-se concluída a primeira fase da rede, com a entrada em funcionamento da linha Violeta (linha E), que passou a ligar a Baixa do Porto ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, sendo a primeira rede de metropolitano em Portugal a fazer tal tipo de ligação e a segunda na Península Ibérica.[4] Esta nova linha usa o canal da linha B, acrescentando apenas 1.480 m e 3 novas estações.

O Metro tem conseguido uma adesão significativa por partes dos utentes em especial no troço Trindade-Senhora da Hora, mas também na Linha Amarela; muito devido ao tempo de espera ser bastante reduzido, muitas vezes na ordem dos 4 minutos ou menos, à articulação com a rede STCP e aos empreendimentos construídos junto das linhas da rede por toda a área metropolitana. Em 2006, após a conclusão de todas as expansões de rede da primeira fase, o metro conseguiu um aumento de 109,1% no número de utentes, chegando perto dos 40 milhões de passageiros.[4]

Entretanto, a Linha D teve dois prolongamentos a sul com a abertura da estação D. João II, a 26 de Maio de 2008, e da estação de Santo Ovídio, a 15 de Outubro de 2011.

A 2 de Janeiro de 2011 abre a linha F (laranja) e a última linha construída até hoje, faz a ligação entre a estação Estádio do Dragão e Fânzeres, em Gondomar. [5]

Bilhética editar

Validação de um cartão Andante.
Aspeto das bilheteiras na estação Lapa.

O Metro do Porto usa um cartão com chip chamado Andante que é intermodal, podendo ser usado noutras transportadoras da Área Metropolitana do Porto, como STCP ou CP. A adopção deste cartão fez do Metro do Porto a primeira infraestrutura de transportes públicos no mundo a usar bilhetes de baixo-custo sem contacto, podendo o utente manter o cartão na bolsa ou na carteira tendo unicamente que a passar pelo scanner para validar a viagem.

Existem três versões do bilhete: o Andante azul, o Andante prateado e a aplicação Anda:

  • O Andante azul é um bilhete para viagens ocasionais e necessita de ser carregado com um determinado número de viagens, se forem carregadas 10 viagens, uma é oferecida.
  • O Andante prateado é uma assinatura mensal que permite um número ilimitado de viagens durante um mês, podendo este ser carregado numa caixa multibanco.
  • A Aplicação Anda substitui os cartões físicos, otimizando todas as viagens efetuadas ao longo do mês de forma a que o utente pague o menor valor possível. Disponível para dispositivos Android com a versão 5.0 ou superior equipados com NFC e Bluetooth.

O sistema do Metro do Porto funciona por zonas, sendo que o preço mais baixo a pagar é o de duas zonas, mesmo que se viaje apenas dentro de uma zona.

Frota editar

 
Lado-a-lado, os dois modelos modelos que serviram no M.P. na década de 2010.

O Metro do Porto dispõe de um total de 102 unidades “VLT” de dois tipos; Eurotram e Traintram, ambos do modelo Flexity, da Bombardier.[6] São bidirecionais, tripulados por um condutor em cabina segregada, com piso rebaixado e vastas janelas, em libré amarela e preta. Em termos da sua capacidade e desempenho são mais pesados que os equivalentes de Almada (MTS) e de Lisboa (Carris).

Flexity Outlook/Eurotram (MP001 a MP072) editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre o Eurotram

 
Flexity Outlook Eurotram.

Em 2002 entraram ao serviço 72 unidades Flexity Outlook Eurotram, da marca ADtranz — esta fora já adquirida pela Bombardier em 2001, mas estava ainda a satisfazer a encomenda do Metro do Porto, anterior a esta data. Esta série foi manufaturada na fábrica Sorefame da Amadora[7] (entretanto extinta), tendo seguido para o Porto por via rodoviária, em veículos pesados preparados para o efeito.[carece de fontes?]

Cada composição mede 35 m de comprimento por 265 cm de largura, e pode atingir os 80 km/h; o piso é 100% rebaixado, tendo 80 assentos e espaço para 136 passageiros em pé.[8][9] Estão numerados de MP-001 a MP-072.[carece de fontes?]

Flexity Swift/Traintram (MP101 a MP130) editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre o Traintram

 
Flexity Swift “Traintram”.

Em 2010 começaram a circular 30 exemplares do Flexity Swift (também Bombardier) — veículos mais pesados, escolhidos para as circulações mais longas e/ou com paragens mais espaçadas (linhas B+Bx e C)[10]. São constituídos por três segmentos articulados, tendo o do meio dois bogies; medem no total 37 m de comprimento por 265 cm de largura, com velocidade máxima de 100 km/h; tem lugar para 100 passageiros sentados e 148 em pé num habitáculo de piso rebaixado em 70%.[11] Estão numerados de MP-101 a MP-130.[carece de fontes?]

CRRC Tram (MP201 a MP218) editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre o CRRC tram

 
Veículo CRRC exposto no Cais 3 da estação Trindade, em 2023.

Em 2020 foram adquiridos mais 18 veículos pelo preço de 49,6 milhões de euros, sendo que a primeira unidade esperada em dezembro de 2022 e as restantes até ao fim de 2023.[12][13] Estes novos veículos serão vocacionados para linhas urbanas (do tipo eurotram) ao qual o fabricante chinês C.R.R.C. Tangsthan foi o escolhido, no relatório preliminar, para o fornecimento desses novos veículos. Estas unidades chegarão a tempo da conclusão da expansão da Linha Amarela.[13] Com 35m de comprimento e especial foco na acessibilidade, estas carruagens apresentam sete portas duplas em cada lado, mais do que uma do que as seis portas do Eurotram e mais três portas do que as quatro disponíveis no Traintram.[carece de fontes?]

Está ainda planeado o lançamento de um novo concurso em 2023 para a compra de 22 novas unidades, havendo ainda a opção de comprar mais 10 adicionais, que deverão chegar até ao final de 2025, a tempo da abertura da Linha Rubi.[13][14]

Automotoras a diesel da fase de transição editar

 
Automotora CP 9600.
 
Automotora CP 9630.

Antes da conversão da rede de caminhos-de-ferro de via estreita para a nova rede de metro,[quando?] e também durante a fase de transição, parte da frota de automotoras diesel de via estreita da C.P. - Comboios de Portugal esteve ao serviço da Metro do Porto SA. As automotoras da série CP 9600 da Alstom e CP 9630 da Sorefame/ABB realizaram serviço entre Trindade e Senhora da Hora e nas Linhas do Porto à Póvoa (Senhora da Hora - Póvoa de Varzim) e de Guimarães (Senhora da Hora - Trofa). Durante esta operação de transição, as automotoras da CP tiveram o logótipo da CP substituído por uma placa com a mensagem "Ao Serviço da Metro do Porto, SA".[15] A frota de automotoras CP 9600 foi resguardada no Parque Oficinal de Guifões até serem vendidas em segunda mão para os Camarões[16] e Argentina,[17] enquanto que as automotoras CP 9630 foram transferidas para a Linha do Vouga.[carece de fontes?]

Metro do Porto

  Linha A   Linha B  Linha Bx   Linha C
   Linha D  Linha E  Linha F   Linha G


VCD Varziela   Espaço Natureza VCD
VCD Árvore 
           
 Mindelo VCD
VCD Azurara 
           
 VCFo / Modivas VCD
VCD Santa Clara 
           
 Modivas Centro VCD
VCD Vila do Conde 
           
 Modivas Sul VCD
VCD Alto do Pega 
           
 Vilar do Pinheiro VCD
VCD Portas Fronhas 
           
 Lidador MAI
VCD São Brás 
           
 Pedras Rubras MAI
PVZ Póvoa de Varzim 
 
 
 
 
   
 
MAI Botica 
               
 Verdes MAI
MAI Aeroporto 
 
 
           
 Crestins MAI
MTS Esposade 
         
 
 
 ISMAI MAI
MTS Custóias 
             
 Castêlo da Maia MAI
MTS Sr. de Matosinhos   Mandim MAI
MTS Mercado   Zona Industrial MAI
MTS Brito Capelo   Fórum da Maia MAI
MTS Matosinhos Sul   Parque da Maia MAI
MTS Câm.ª Matosinhos   Custió MTS
MTS Parque Real   Araújo MTS
MTS Pedro Hispano   Pias MTS
MTS Estádio do Mar   Cândido dos Reis MTS
MTS Vasco da Gama 
           
 
 
 Fonte do Cuco MTS
MTS Senhora da Hora 
               
 Hospital S. João PRT
MTS Sete Bicas 
               
 IPO PRT
PRT Viso 
               
 Pólo Universitário PRT
PRT Ramalde 
               
 Salgueiros PRT
PRT Francos 
               
 Combatentes PRT
PRT Casa da Música 
   
 
         
 Marquês PRT
PRT Galiza   Carolina Michaëlis PRT
PRT Lapa   Faria Guimarães PRT
PRT H.S.António 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Trindade PRT
PRT Aliados  
 
 
             
 Bolhão PRT
PRT S. Bento     
 
 
 
           
 24 de Agosto PRT
VNG Jardim do Morro  
                 
 Heroismo PRT
VNG General Torres  
                 
 Campanhã PRT
VNG Câmara de Gaia 
               
 Estádio do Dragão PRT
VNG João de Deus 
             
 Contumil PRT
VNG D. João II 
             
 Nasoni PRT
VNG Santo Ovídio 
             
 Nau Vitória PRT
VNG Manuel Leão 
             
 Levada GDM
VNG H. Santos Silva 
             
 Rio Tinto GDM
VNG Vila d’Este 
             
 Campainha GDM
GDM Baguim 
           
 Fânzeres GDM
GDM Carreira 
           
 Venda Nova GDM
 
           
 

Rede editar

 

A rede do Metro do Porto, apesar de comercialmente explorada em 6 linhas e 7 serviços, consiste topologicamente num tronco de via longitudinal (onde circulam as Linhas A+B+C+E+F) com uma via que o cruza transversalmente (para a Linha D) e um ramal de ligação sem serviço comercial (Túnel J); no lado oeste deste cruzamento quatro ramificações entroncam sucessivamente no tronco principal, o qual apresenta uma intraestrutura mais pesada na parte central, atravessada por trânsito ferroviário mais intenso.

Túneis do Metro do Porto
Túnel comp. (de) (a) Linhas
Construção
Campanhã–Trindade 2300 m 2000.06 2002.10        
Salgueiros–Ponte 4000 m 2002.05 2003.10  
Lapa 0500 m ? 1938.10          
Túnel J 0274 m 2002.12 2003.05
Contumil–Rio Tinto 0950 m 2009.09 2010.04  
Guindais* 0090 m ? 2004.02  
(*) gerido pelo Metro do Porto entre 2004 e 2020.
 
Carris: normal e de ranhura.

A bitola da via é de 1435 mm (bitola internacional), sendo de carril de ranhura, embutido no pavimento, onde corre em ruas e estradas (mesmo quando em regime de faixa reservada), e de carril ferroviário simples, onde corre em via exclusiva segregada, mormente nos troços subterrâneos.

 
Protótipo Eurotram (MP001) em testes em Massarelos, em julho de 2001, aqui partilhando a via com o elétrico STCP 205.

A alimentação é de 750 V em corrente contínua.[18] É feita, como habitual neste tipo de transporte, por cabo metálico nu suspenso sobre a via.

Tanto a bitola como a eletrificação são compatíveis com os centenários “elétricos” dos S.T.C.P., ainda que as duas redes sejam desconexas. Esta compatibilidade não pode ser explorada comercialmente dadas outras diferenças, menores, das exigências das respetivas frotas: Declives, raios de curva, perfil, e encaixe do mecanismo de colecção na fiação.

Linhas e estações editar

Linha Terminais Abertura Comprimento Estações (VER) Plataforma Veículo Validações
(2023)[19]
  Senhor de Matosinhos

Estádio do Dragão
07 de dezembro de 2002 15,6 km 23 70 m Bombardier Flexity Outlook 12,09 milhões
  Póvoa de Varzim

Estádio do Dragão
13 de março de 2005 33,6 km 36 70 m Bombardier Flexity Swift 12,08 milhões
  ISMAI

Campanhã
30 de junho de 2005 20,8 km 24 70 m Bombardier Flexity Swift
-
Bombardier Flexity Outlook
-
CRRC Tram
10,86 milhões
  Hospital São João

Vila D’Este**
18 de setembro de 2005 11,6 km 19 70 m Bombardier Flexity Outlook 24,35 milhões
  Aeroporto

Estádio do Dragão
27 de maio de 2006 16,7 km 21 70 m Bombardier Flexity Outlook 9,26 milhões
  Senhor de Matosinhos

Fânzeres
02 de janeiro de 2011 22,6 km 33 70 m Bombardier Flexity Outlook 10,36 milhões
  Casa da Música

São Bento
prevista para 2025 2,5 km 4 70 m CRRC Tram sem dados
  Casa da Música

Santo Ovídio
prevista para 2026 6,3 km 8 70 m - sem dados
  Totais 72,6 km 82 120 79 milhões

** Prolongamento da Linha D de Santo Ovídio até Vila d’Este previsto para o início de 2024.

   
Estádio do Dragão ↔ Senhor de Matosinhos
editar

 
Metro do Porto a passar na Senhora da Hora.
 
Metro do Porto a chegar a Vasco da Gama.
 Ver artigo principal: Linha A (Metro do Porto)
Nome popular: Linha de Matosinhos (não confundir com o extinto Ramal de Matosinhos).
Tempo de viagem: 41 min.
Melhor frequência: 12 min.

  Estádio do Dragão        
  Campanhã      
  Heroísmo
  Campo 24 Agosto  
  Bolhão  
  Trindade    
  Lapa
  Carolina Michaelis
  Casa da Música        
  Francos
  Ramalde
  Via Rápida / Viso
  Sete Bicas
  Senhora da Hora      
  Vasco da Gama
  Estádio do Mar
  Pedro Hispano
  Parque Real
  Câmara Matosinhos
  Matosinhos Sul
  Brito Capelo
  Mercado  
  Senhor de Matosinhos  

   
Estádio do Dragão ↔ Póvoa de Varzim
editar

 
O Metro do Porto em Santa Clara
 
Póvoa de Varzim
 Ver artigo principal: Linha B (Metro do Porto)
Nome popular: Linha da Póvoa (recupera parte do traçado da extinta Linha da Póvoa).
Tempo de viagem: 63 min.
Melhor frequência: 30 min.

  Estádio do Dragão        
  Campanhã      
  Heroísmo
  Campo 24 Agosto  
  Bolhão  
  Trindade    
  Lapa
  Carolina Michaelis
  Casa da Música        
  Francos
  Ramalde
  Via Rápida / Viso
  Sete Bicas
  Senhora da Hora    
  Fonte do Cuco  
  Custóias
  Esposade
  Crestins
  Verdes  
  Pedras Rubras
  Lidador
  Vilar do Pinheiro
  Modivas Sul
  Modivas Centro
  VC Fashion Outlet / Modivas
  Mindelo
  Espaço Natureza
  Varziela
  Árvore
  Azurara
  Santa Clara
  Vila do Conde
  Alto de Pega
  Portas Fronhas
  São Brás
  Póvoa de Varzim

   
Estádio do Dragão ↔ Póvoa de Varzim
editar

 
Estação da Trindade próxima da Câmara Municipal do Porto.
Serviço Expresso
Tempo de viagem: 55 min.
Melhor frequência: 30 min.

  Estádio do Dragão        
  Campanhã      
  Heroísmo
  Campo 24 Agosto  
  Bolhão  
  Trindade    
  Lapa
  Carolina Michaelis
  Casa da Música        
  Francos
  Ramalde
  Via Rápida / Viso
  Sete Bicas
  Senhora da Hora        
  Pedras Rubras
  VC Fashion Outlet / Modivas
  Mindelo
  Varziela
  Vila do Conde
  Portas Fronhas
  Póvoa de Varzim

   
Campanhã ↔ ISMAI
editar

 
Metro do Porto no ISMAI.
 Ver artigo principal: Linha C (Metro do Porto)
Nome popular: Linha da Maia.
Tempo de viagem: 42 min.
Melhor frequência: 15 min.

  Campanhã            
  Heroísmo
  Campo 24 Agosto  
  Bolhão  
  Trindade    
  Lapa
  Carolina Michaelis
  Casa da Música        
  Francos
  Ramalde
  Via Rápida / Viso
  Sete Bicas
  Senhora da Hora    
  Fonte do Cuco    
  Cândido dos Reis
  Pias
  Araújo
  Custió
  Parque Maia
  Fórum Maia  
  Zona Industrial
  Mandim
  Castêlo da Maia
  ISMAI
  Ribela (2028)
  Muro   (2028)

   
Hospital São João ↔ Vila D’Este
editar

 
Secção da Linha D no tabuleiro superior da Ponte D. Luís entre o túnel de São Bento e a Avenida da República em Vila Nova de Gaia.
 Ver artigo principal: Linha D (Metro do Porto)
Nome popular: Linha de Gaia.
Tempo de viagem: 27 min.
Melhor frequência: 5 min.

  Hospital de São João  
  IPO
  Pólo Universitário  
  Salgueiros
  Combatentes
  Marquês  
  Faria Guimarães
  Trindade            
  Aliados  
  São Bento      
  Jardim do Morro
  General Torres  
  Câmara Gaia
  João de Deus
  D. João II  
  Santo Ovídio    
  Manuel Leão
  Hospital Santos Silva  
  Vila D’Este  

   
Estádio do Dragão ↔ Aeroporto
editar

 
Composição do Metro do Porto entra na estação da Trindade com o Estádio do Dragão como destino.
 Ver artigo principal: Linha E (Metro do Porto)
Nome popular: Linha do Aeroporto.
Tempo de viagem: 37 min.
Melhor frequência: 15 min.

  Estádio do Dragão        
  Campanhã      
  Heroísmo
  Campo 24 Agosto  
  Bolhão  
  Trindade    
  Lapa
  Carolina Michaelis
  Casa da Música        
  Francos
  Ramalde
  Via Rápida / Viso
  Sete Bicas
  Senhora da Hora    
  Fonte do Cuco  
  Custóias
  Esposade
  Crestins
  Verdes  
  Botica
  Aeroporto    

   
Fânzeres ↔ Senhor de Matosinhos
editar

 
Estação Baguim. A maioria das estações à superfície do Metro do Porto apresenta este aspeto.
 
Metro do Porto a chegar a Nau Vitória.
 Ver artigo principal: Linha F (Metro do Porto)
Nome popular: Linha de Rio Tinto.
Tempo de viagem: 58 min.
Melhor frequência: 12 min.

  Fânzeres
  Venda Nova
  Carreira
  Baguim
  Campainha
  Rio Tinto
  Levada
  Nau Vitória
  Nasoni
  Contumil  
  Estádio do Dragão        
  Campanhã      
  Heroísmo
  Campo 24 Agosto  
  Bolhão  
  Trindade    
  Lapa
  Carolina Michaelis
  Casa da Música        
  Francos
  Ramalde
  Via Rápida / Viso
  Sete Bicas
  Senhora da Hora      
  Vasco da Gama
  Estádio do Mar
  Pedro Hispano
  Parque Real
  Câmara Matosinhos
  Matosinhos Sul
  Brito Capelo
  Mercado  
  Senhor de Matosinhos  

   
Casa da Música ↺ São Bento  
editar

 
Veículo do Metro do Porto a chegar à estação de São Bento.
 Ver artigo principal: Linha G (Metro do Porto)
Nome popular: Linha Rosa.
Tempo de viagem: 5 min.
Melhor frequência: 3 min.

  Casa da Música                
  Galiza (2025)
  Hospital Santo António (2025)
  São Bento      

   
Casa da Música ↔ Santo Ovídio  
editar

 
Estação Santo Ovídio.
 Ver artigo principal: Linha H (Metro do Porto)
Nome popular: Segunda linha de Gaia.
Tempo de viagem: 20 min.
Melhor frequência: 3 min.

  Casa da Música                
  Campo Alegre (2026)
  Arrábida (2026)
  Candal (2026)
  Rotunda (2026)
  Devesas   (2026)
  Soares dos Reis (2026)
  Santo Ovídio    

BRT (Metrobus) editar

  L1
Casa da Música ↔ Império  
editar

 Ver artigo principal: Linha 1 (Metrobus do Porto)
Nome popular: Metrobus
Tempo de viagem: 12 min.
Melhor frequência: 10 min.

  Império (2024)
  João de Barros (2024)
  Serralves (2024)
  Pinheiro Manso L2 (2024)
  Bessa (2024)
  Guerra Junqueiro (2024)
  Casa da Música                 (2024)

  L2
Casa da Música ↔ Anémona  
editar

Nome popular: Metrobus
Tempo de viagem: 17 min.
Melhor frequência: 10 min.
 Ver artigo principal: Linha 2 (Metrobus do Porto)

  Anémona   (2024)
  Castelo do Queijo (2024)
  Nevogilde (2024)
  Garcia da Horta (2024)
  Antunes Guimarães (2024)
  Pinheiro Manso L1 (2024)
  Bessa (2024)
  Guerra Junqueiro (2024)
  Casa da Música                 (2024)

  L3
Muro ↔ Paradela  
editar

Nome popular: Metrobus
Tempo de viagem: - min.
Melhor frequência: - min.
 Ver artigo principal: Linha 3 (Metrobus do Porto)

  Paradela     (2028)
  Trofa Sul (2028)
  Pateiras (2028)
  Bougado (2028)
  Serra (2028)
  Muro   (2028)

Futuro editar

Encontram-se neste momento em execução três projectos e quatro em estudo para a expansão da rede do metro:[20][21][22]

Linha   • Santo Ovídio - Vila d'Este

Extensão a sul desde a estação Santo Ovídio » Manuel Leão » Hospital Santos Silva » Vila D'Este.

Abertura: 2024
Linha   • Casa da Música - São Bento

Nova Linha desde a estação Casa da Música » Galiza » Hospital Santo António » São Bento.

Abertura: 2025
Linha   • Casa da Música - Santo Ovídio

Nova Linha desde a estação Casa da Música » Campo Alegre » Arrábida » Candal » Rotunda » Devesas » Soares dos Reis » Santo Ovídio.

Abertura: 2026
Linha   • ISMAI - Muro

Extensão a norte desde a estação ISMAI » Ribela » Muro.

Abertura: 2028
Linha   • Estádio do Dragão - Souto

Nova Extensão desde a estação Estádio do Dragão » São Roque » Cerco » Lagarteiro » Lagoa » Valbom » Hospital Fernando Pessoa » Oliveira Martins » Souto.

Abertura: ?
Linha   • Estádio do Mar - IPO

Nova Extensão desde a estação Estádio do Mar » Senhora da Hora » São Gens » Xanana Gusmão » Elaine Sanceau » Pedra Verde » São Mamede » ISCAP » IPO.

Abertura: ?

  • Ligação de metrobus entre a Casa da Música, Marechal Gomes da Costa a Praça do Império (Porto) e Casa da Música à Praça da Cidade do Salvador em Matosinhos. Estas ligações terão doze paragens ao longo dos seus 10,2 quilómetros de extensão e deverá ficar pronta até meios de 2024. Serão comprados 12 autocarros a hidrogénio.[23]

  • Ligação de metrobus entre a freguesia de Muro e Paradela na Trofa.[24]

Custos gerais editar

O Metro do Porto teve um custo médio por quilómetro de 16 milhões de Euros.[25]

Polémicas editar

Alguns utentes têm uma visão da Metro do Porto sugerindo que é demasiado lento, demasiado caro e não pensado para servir as populações na sua origem.[carece de fontes?]

Contas do Metro editar

A Inspecção-Geral das Finanças concluiu em Junho de 2005 uma auditoria às contas da primeira fase do MP, tendo apurado um desvio financeiro de 140% (1,5 mil milhões de euros). Tal levou os ministros das Finanças e Obras Públicas a congelarem a segunda fase de obras. A situação deverá ser revista em Outubro de 2006, bem como o equilíbrio de forças entre o governo central e as autarquias metropolitanas do Porto.[26]

Hospital São João editar

Uma secção da linha Amarela construída perto das universidades e do Hospital de São João tem causado grande polémica. O hospital, a Faculdade de Medicina e a Escola Superior de Enfermagem do Porto são contra o metro passar a ser à superfície numa zona tão congestionada de gente e veículos. Esta linha circula no centro da cidade em túneis, surgindo à superfície precisamente nesta área.

O Metro passa exatamente à entrada da Escola Superior de Enfermagem que fica dentro do espaço do Hospital de São João, tal como a Faculdade de Medicina; o Metro circunda parte destes edifícios. Em 18 de Setembro, apenas a estação do Pólo Universitário (mais a sul) abriu, ficando para mais tarde a abertura das estações do IPO e do Hospital de São João.

No entanto, o impasse entre o Metro e o complexo de escolas de saúde e Hospital permaneceu e levou a que o governo não autorizasse a abertura daquela secção de linha. Por outro lado, os utentes da Linha Amarela, linha que se tem provado central para a rede do Metro tinham pedido a abertura dessas estações. Para resolver o problema, o metro procedeu ao recuo dos muros da Escola de Enfermagem e abriu o restante da linha no final do mês de Março. Para revolver a questão, o governo sugeriu uma nova linha subterrânea ligando a Senhora da Hora ao Hospital de São João enterrando desta forma as estações do hospital de São João e IPO.

Primeira fase incompleta editar

Apesar da primeira fase ter sido declarada como completa, várias secções das linhas previstas para a primeira fase ficaram por concluir, nomeadamente, ISMAI - Trofa na linha C e Póvoa de Varzim - Barreiros na Linha B. Estas fases de desenvolvimento do metro foram bloqueadas pelo governo após a auditoria às contas, o que teve repercussões a nível local. A Trofa, anteriormente com duas linhas de comboios (linha do Minho e linha de Guimarães), viu a linha de Guimarães ser desactivada para alegadamente ser transformada em linha de metro, o que para já ainda não aconteceu devido à indefinição se a nova linha deveria ser em via dupla ou única. Gaia, o município mais populoso, ficou-se com apenas seis estações e a Póvoa de Varzim ficou com uma estação às portas da cidade.

Linha da Póvoa editar

Aquando do lançamento da linha B, a Comissão de Utentes da Linha da Póvoa (CULP) (nome comum para a Linha B ou vermelha) discordou com os tempos de viagem entre a Póvoa de Varzim e o Porto e o aumento elevado dos passes entre 56,8% e 96% (estudantes e idosos). Para responder a esta problemática, foram criados os passes sociais com reduções de 47% e 25% para reformados e estudantes, respectivamente. Ainda assim houve um aumento na ordem dos 50%, relativamente ao serviço de comboio.

Para contrariar os tempos, que no serviço normal, são mais demorados que o comboio fazia mesmo em meados do século XX, foi criado o serviço Expresso entre a Póvoa de Varzim e o Porto com tempos de viagem relativamente melhores. A ligação entre a Póvoa de Varzim e a Trindade, com veículos Eurotram, é de 53 minutos em serviço normal e de 44 minutos em expressos regulares de hora a hora, contrariando os 53 a 55 do serviço do comboio. O serviço expresso mostrou-se insuficiente e em meados de Março de 2009, a empresa passou a oferecer o serviço duas vezes por hora.

Para diminuir ainda mais os tempos e aumentar o conforto, foram adjudicados novos veículos, do género tram trains que estão a circular desde 2010. Estes veículos, embora aptos para circular em toda a rede (exceto na Linha A (Matosinhos), onde teriam de circular com uma velocidade muito reduzida nas curvas), irão ser utilizados preferencialmente nas linhas mais longas, como a Linha da Póvoa e a Linha do ISMAI (Maia). Estes novos veículos vão também oferecer mais lugares sentados.

Referências

  1. «Lista de cidades com metropolitano». Wikipédia, a enciclopédia livre. 17 de outubro de 2022. Consultado em 6 de novembro de 2022 
  2. «70 milhões de obrigados». www.metrodoporto.pt. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  3. Lusa, Agência (8 de dezembro de 2023). «Metro do Porto transportou mais de mil milhões de passageiros em 21 anos». ECO. Consultado em 10 de dezembro de 2023 
  4. a b «Relatório e Contas 2006. Metro do Porto, SA» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 28 de setembro de 2007 
  5. Metro do Porto: Estação de Santo Ovídio abre a 15 de outubro[ligação inativa]
  6. «Light Rail Transit System - Porto, Portugal» (em inglês). Consultado em 21 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 19 de junho de 2013 
  7. «"Sistema : Veículos" saite oficial Metro do Porto». Consultado em 6 de março de 2013 
  8. «FLEXITY Outlook - Porto, Portugal» (em inglês). Consultado em 21 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 7 de junho de 2012 
  9. «"Sistema : Veículos : Eurotram" saite oficial Metro do Porto». Consultado em 6 de março de 2013 
  10. «"Sistema : Veículos : Flexity Swift" saite oficial Metro do Porto». Consultado em 6 de março de 2013 
  11. «FLEXITY Swift - Porto, Portugal» (em inglês). Consultado em 21 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 17 de maio de 2012 
  12. «Metro do Porto assina contrato para a compra de 18 novos veículos». www.metrodoporto.pt. Consultado em 27 de novembro de 2022 
  13. a b c ECO (23 de novembro de 2022). «Metro do Porto lança concurso para comprar 22 comboios em 2023». ECO. Consultado em 27 de novembro de 2022 
  14. ECO (16 de maio de 2022). «Metros de Lisboa e do Porto precisam de 46 comboios para expansão da rede». ECO. Consultado em 27 de novembro de 2022 
  15. http://www.railfaneurope.net/pix/pt/narrow_gauge/9630/cp9630porto.jpg
  16. https://www.publico.pt/2003/05/31/economia/noticia/camaroes-e-vietname-disputam-comboios-portugueses-1150259
  17. https://www.dn.pt/arquivo/2007/cp-exporta-para-a-argentina-comboios-no-valor-de-27-milhoes-650844.html
  18. Der weltweite Markt für Light-Rail-Vehicles : Märkte - Beschaffungen - Hersteller - Trends Arquivado em 4 de outubro de 2013, no Wayback Machine.: 8. SCI Verkehr GmbH: Köln, 2008.09
  19. Metro do Porto. 19 de janeiro de 2024 https://www.porto.pt/pt/noticia/metro-do-porto-bate-recorde-com-79-milhoes-de-passageiros-em-2023. Consultado em 27 de outubro de 2023  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  20. «Novas Linhas do Metro». metrodoporto.pt. 9 de julho de 2020. Consultado em 28 de março de 2021 
  21. «Tribunal de Contas Homologa Construção das Novas Linhas do Metro». metrodoporto.pt. 3 de março de 2021. Consultado em 28 de março de 2021 
  22. «Quatro novas linhas no projeto Metro 3.0». metrodoporto.pt. 17 de outubro de 2023. Consultado em 17 de outubro de 2023 
  23. «Metrobus: a nova mobilidade urbana verde» 
  24. «Metro do Porto até Muro e 'metrobus' para a Trofa vão custar 160 milhões de euros.» 
  25. Nuno Manuel Sessarego Marques da Costa (2007). Mobilidade e Transporte em Áreas Urbanas, o caso da Área Metropolitana de Lisboa. [S.l.]: Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras de Lisboa, Departamento de Geografia. 607 páginas 
  26. Luís Rosa, Fisco ataca Metro do Porto, in Sol n.º 1 de 16 Set 2006, suplemento "Confidencial", p. 13.

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Metro do Porto