Michael Bloomberg

empresário norte-americano
Michael Bloomberg
108.º Prefeito de Nova Iorque
Período 1º de janeiro de 2002
até 1º de janeiro de 2014
Vice-prefeita Patricia Harris
Antecessor Rudy Giuliani
Sucessor Bill de Blasio
Dados pessoais
Nome completo Michael Rubens Bloomberg
Nascimento 14 de fevereiro de 1942 (78 anos)
Boston, Massachusetts, Estados Unidos
Nacionalidade norte-americano
Alma mater Universidade Johns Hopkins (BS)
Universidade Harvard (MBA)
Companheira


Esposa
Diana Taylor
(2000-atualmente)

Susan Brown-Meyer
(1975-1993)
Filhos 2
Partido Democrata
(2018-atualmente; antes de 2001)
Independente
(2007-2018)
Republicano
(2001-2007)
Profissão Autor, empresário e político
Fortuna US$ 60,1 bilhões
(julho de 2020)
Assinatura Assinatura de Michael Bloomberg
Website mikebloomberg.com/

Michael Rubens Bloomberg (Boston, 14 de fevereiro de 1942)[1] é um autor, empresário magnata, filantropo e político norte-americano.[2][3] Fundador da Bloomberg L.P., uma empresa de tecnologia e dados para o mercado financeiro, se tornou uma das personalidades mais ricas do mundo, com uma fortuna estimada de US$ 60,1 bilhões.[4] Posteriormente, entrou para a política e foi eleito prefeito de Nova Iorque por três mandatos consecutivos, de 2002 a 2014.[5] Em 2019, anunciou sua candidatura à nomeação democrata para a eleição presidencial norte-americana de 2020.[6]

Bloomberg cresceu em Medford, Massachusetts e estudou na Universidade Johns Hopkins e na Harvard Business School.[7] Iniciou sua carreira no banco de investimentos Salomon Brothers antes de criar sua própria empresa em 1981.[8] Nas próximas duas décadas, além de co-fundador, também presidiu e ocupou o cargo de CEO da Bloomberg L.P., mantendo o controle acionário da empresa,[9][10] o que lhe garantiu em 2019 a posição de 9ª pessoa mais rica do mundo.[11]

Em 2001, Bloomberg foi eleito prefeito de Nova Iorque, à época filiado ao Partido Republicano, a qual passou a integrar após pertencer ao Partido Democrata durante toda a vida.[12] Foi reeleito em 2005 e, após mudança na legislação municipal, candidatou-se como independente, mas com apoio dos republicanos, a um terceiro mandato em 2009, sendo novamente reeleito.[13] Em 2016, descartou uma candidatura à presidência,[14] mas decidiu disputar a nomeação democrata para a eleição de 2020, citando como prioridade derrotar o presidente Donald Trump.[15] Em março de 2020, após obter maus resultados na Super Terça, desistiu de sua candidatura e declarou apoio a Joe Biden.[16]

Como signatário do The Giving Pledge, Bloomberg também se tornou um filantropo, doando cerca de US$ 9,5 bilhões de sua fortuna para causas como o combate à violência armada e ao aquecimento global, bem como para instituições educacionais.[17][18][19] Bloomberg ainda atuou como presidente do conselho de administração de sua alma mater, a Universidade Johns Hopkins, de 1996 a 2002.[20]

Origens e educaçãoEditar

Bloomberg nasceu no Hospital St. Elizabeth, em Brighton, um bairro de Boston, Massachusetts, em 14 de fevereiro de 1942, sendo filho de William Henry Bloomberg (1906–1963), um contador de uma empresa de laticínios,[21] e Charlotte (Rubens) Bloomberg (1909–2011).[22] O Bloomberg Center na Harvard Business School foi assim designado em homenagem a William Henry.[23] O avô paterno de Bloomberg, Alexander "Elick" Bloomberg, era um imigrante da Rússia.[24] Já seu avô materno, Max Rubens, era um imigrante do que é hoje a Bielorrússia.[25]

Nascido em uma família judaica de classe média, Bloomberg integrou o Templo Emanu-El em Manhattan.[26][27] A família viveu em Allston até seus dois anos de idade, quando se mudaram para Brookline, Massachusetts, pelos próximos dois anos. Quando os agentes imobiliários rejeitaram vender uma casa para uma família judia, sua mãe convenceu o advogado irlandês da família a comprar uma casa e revendê-la em seguida em Medford, subúrbio de Boston, onde se estabeleceram e Bloomberg morou até depois de se formar na faculdade.[28][29] Na juventude, praticou o escotismo, chegando ao posto de Eagle Scout.[30]

Bloomberg estudou na Medford High School, onde integrou o grupo de debates.[29] No último ano do ensino secundário, foi descrito por seus colegas no anuário da escola como "argumentativo".[29] Após concluir o ensino médio em 1960,[31] matriculou-se na Universidade Johns Hopkins, onde se juntou à fraternidade Phi Kappa Psi, presidindo tanto a fraternidade quanto sua classe.[29] Em 1962, quando estava no segundo ano, construiu o traje do mascote da universidade (o gaio-azul).[32] Não foi convocado para servir na Guerra do Vietnã por conta de seus pés chatos.[29] Em 1964, concluiu sua graduação como bacharel em engenharia elétrica, com uma nota média de "C".[29] Em 1966, obteve o título de Master of Business Administration pela Harvard Business School.[33][34]

Carreira empresarialEditar

 
Um Terminal Bloomberg com seis monitores, em 2012.

Em 1966, Bloomberg foi contratado pelo Salomon Brothers, um grande banco de investimentos de Wall Street, passando a receber um salário de US$ 9.000 anuais.[35] Em 1973, tornou-se sócio do banco, liderando o comércio de ações e, mais tarde, o desenvolvimento de sistemas.[36] Na época, trabalhava durante 12 horas por dia e 6 dias por semana.[35] Em 1981, o Salomon Brothers foi vendido e Bloomberg demitido pelos novos donos.[35][37] Bloomberg não recebeu nenhuma quantia a título de rescisão, mas possuía US$ 10 milhões em patrimônio como sócio do banco.[38]

Com tal quantia, Bloomberg fundou uma empresa chamada Innovative Market Systems (IMS), inicialmente formada por quatro pessoas.[35] Seu plano de negócios foi baseado na percepção de que Wall Street (e a comunidade financeira em geral) estava disposta a pagar por informações comerciais de alta qualidade, entregues o mais rápido possível e com o maior número possível de formas utilizáveis, via tecnologia (por exemplo, gráficos de tendências específicas).[39]

Bloomberg, juntamente com Thomas Secunda, Duncan MacMillan e Charles Zegar, desenvolveu e construiu um sistema computadorizado para fornecer dados do mercado financeiro em tempo real, incluindo cálculos e outras análises, às empresas de Wall Street. Os equipamentos foram chamados inicialmente de "Market Master Terminals" e mais tarde ficaram conhecidos como "Terminais Bloomberg". Em 1983, a Merrill Lynch se tornou a primeira cliente da empresa, investindo US$ 30 milhões para ajudar a financiar o desenvolvimento dos terminais, inicialmente mantendo um contrato de exclusividade com a IMS.[35][40]

 
Bloomberg em sua empresa, em 2016.

A IMS foi renomeada para Bloomberg L.P. em 1986.[35] No mesmo ano, 5.000 terminais foram instalados nos escritórios de seus clientes.[41] Em 1990, tal número cresceu para 8.000.[42] Em 1989, comprou de volta as ações vendidas para a Merrill Lynch, correspondentes a um terço do total, por US$ 200 milhões. Na época, a empresa valia US$ 2 bilhões.[35] Ao longo dos anos, estabeleceu vários outros negócios e produtos, incluindo a Bloomberg News.[35]

Em outubro de 2015, a empresa tinha mais de 325.000 terminais distribuídos em todo o mundo.[43] O preço para manter cada terminal era de US$ 24.000 por ano, com desconto para US$ 20.000 para dois ou mais. Em 2019, Bloomberg empregava 20.000 pessoas em dezenas de locais,[44] e era dono de 88% das ações da companhia.[45] A empresa teve um faturamento de aproximadamente US$ 10 bilhões em 2018, sendo US$ 3 bilhões a mais que a Thomson Reuters, seu concorrente mais próximo.[44]

A cultura empresarial foi comparada a uma fraternidade, e os funcionários se gabavam no escritório da empresa de suas façanhas sexuais.[46] A empresa foi processada quatro vezes por funcionárias por assédio sexual, incluindo um incidente no qual uma vítima afirmou ter sido estuprada. Em um depoimento sobre o suposto estupro, Bloomberg alegou que só acreditaria em uma acusação de estupro se esta fosse apoiada pelo testemunho de "um terceiro irrepreensível."[47][48]

Quando decidiu iniciar sua carreira política, Bloomberg foi substituído como CEO de sua empresa, permanecendo afastado do cargo no período de seu mandato como prefeito. No outono de 2014, anunciou que retornaria à Bloomberg L.P. como seu CEO no final daquele ano.[49] Em 2019, com a decisão de concorrer a presidente dos Estados Unidos, deixou novamente a posição.[44]

FortunaEditar

Em 1992, Bloomberg foi listado pela revista Forbes como uma das 400 pessoas mais ricas dos Estados Unidos pela primeira vez, com um patrimônio estimado em "US$ 350 milhões ou mais." Em 1996, a Forbes estimou sua fortuna em aproximadamente US$ 1 bilhão.[50] Em 2009, a Forbes informou que sua fortuna era de US$ 16 bilhões, um ganho de US$ 4,5 bilhões em relação ao ano anterior, o maior aumento entre os bilionários em todo o mundo em 2009.[51] Em apenas dois anos, passou de 142.ª pessoa mais rica do mundo para a 17.ª.[52][53] Nos anos seguintes, a Forbes reportou seu patrimônio em US$ 22 bilhões, US$ 31 bilhões e US$ 43,3 bilhões.[54] Em 2020, alcançou US$ 62 bilhões, sendo a 8.ª pessoa mais rica do mundo.[55]

Carreira políticaEditar

Prefeito de Nova IorqueEditar

Eleições de 2001, 2005 e 2009Editar

 
Bloomberg em novembro de 2009.

Em 2001, Bloomberg decidiu concorrer a prefeito de Nova Iorque, deixando o Partido Democrata para disputar a primária do Partido Republicano, ao qual pertencia o prefeito cessante Rudy Giuliani.[56][57] Após se tornar o escolhido dos republicanos, gastou em sua campanha cerca de US$ 74 milhões de sua fortuna,[58] apesar de inicialmente ter se comprometido a gastar não mais de US$ 30 milhões, afirmando que quantia superior seria "obscena."[59] Seu oponente, o democrata Mark Green, era considerado favorito, mas enfrentou dificuldades financeiras e dispendeu um valor bem menor: US$ 16,5 milhões.[59][60] Além disso, a campanha ocorreu durante o rescaldo dos ataques de 11 de setembro, o qual, segundo a The Economist, favoreceu a candidatura de Bloomberg, que contou com o endosso do popular prefeito Giuliani.[59][61] Em 6 de novembro, foi eleito para o cargo com 50,3% dos votos, contra 47,9% de Green.[62]

Bloomberg concorreu a um segundo mandato em 2005, enfrentando o democrata Fernando Ferrer na eleição geral. Bloomberg novamente utilizou seu patrimônio pessoal para bancar a própria candidatura, gastando US$ 85 milhões.[63] Ao longo da campanha, enfatizou as melhorias promovidas no sistema educacional, a geração de empregos, a redução dos índices de criminalidade, dentre outros.[64] A oposição democrata buscou ligá-lo ao presidente George W. Bush e o criticou pela quantidade de dinheiro que empregou na disputa.[64] No entanto, era considerado o candidato favorito,[64] vencendo a eleição com 58,4% dos votos, ante os 39% de Ferrer.[65]

Em 2008, a Bloomberg anunciou que tentaria mudar a legislação para que fosse possível concorrer a um terceiro mandato em 2009, argumentando que a crise financeira demandava um líder como ele.[66] O Conselho da Cidade aprovou a medida por 29 votos a 22, e as tentativas de reverter a medida foram infrutíferas.[67][68] Assim, Bloomberg concorreu novamente ao cargo, mas desta vez como um candidato sem partido, embora coligado com os republicanos.[69] O candidato escolhido pelos democratas, o controlador Bill Thompson, permaneceu atrás nas pesquisas no decorrer da campanha, durante a qual Bloomberg gastou US$ 102 milhões de sua fortuna; até então, nenhum outro político havia gasto tanto de seu patrimônio em uma campanha eleitoral.[70][71][72] Em novembro, foi reeleito para o cargo, mas com uma diferença bem menor que a esperada: 50,6% a 46,3%.[71][73] O The New York Times citou como motivos para os resultados acirrados a divisão que sua candidatura a um novo mandato causou e que sua máquina eleitoral não foi capaz de entusiasmar os eleitores, ocasionando uma das mais baixas taxas de participação em eleições municipais nos últimos anos.[71]

GovernoEditar

 
Bloomberg em 2007.

Bloomberg foi empossado como prefeito em 1.º de janeiro de 2002, assumindo o governo municipal com a cidade traumatizada pelos atentados terroristas de 11 de setembro e com o orçamento apresentando um déficit de US$ 4,7 bilhões.[74][75] No discurso de posse, prometeu que reconstruiria e renovaria a cidade para que mantivesse seu título de "capital do mundo livre."[76] Como prefeito, optou por aplicar uma abordagem estatística, baseada em resultados, nomeando assessores com base em seus conhecimentos e concedendo-lhes ampla autonomia. Também estabeleceu seu gabinete junto com dezenas de seus assessores, visando promover o controle e a acessibilidade.[77]

Para enfrentar a crise fiscal, Bloomberg apresentou uma proposta orçamentária em 2003 que incluiu um aumento de US$ 3 bilhões em impostos, corte de gastos e de pessoal.[74][78] A proposta foi vista como responsável por estabilizar as finanças da cidade, que se recuperou. O aumento de impostos continuou nos anos seguintes. Alguns críticos, entretanto, opinaram que o prefeito deveria ter apenas cortado os gastos governamentais ao invés de aumentar os impostos.[79][80] Quando deixou o cargo, a cidade contava com um superavit de US$ 2,4 bilhões.[81]

Bloomberg convenceu a Legislatura Estadual a conceder-lhe autoridade sobre o sistema de ensino público da cidade, que desde 1968 era liderada por um Conselho de Educação.[82][83] Sob seu comando, as notas obtidas pelos alunos em testes e as taxas de graduação aumentaram.[83] Apesar das relações muitas vezes tensas com os sindicatos de professores, evitou uma greve de docentes ao concluir uma negociação que previu aumento salarial em troca de aumentos na produtividade; no geral, os professores obtiveram um aumento de 43% em seus salários.[83][84] Bloomberg ainda aumentou as restrições ao uso de celulares nas salas de aula, argumentando que estes distraíam os alunos, que costumavam usá-los de maneira inadequada. A medida foi controversa, em parte pois pais de alunos alegaram que os celulares eram vitais para se comunicarem com seus filhos.[85][86]

 
Bloomberg com os prefeitos Mauricio Macri e Gilberto Kassab, em 2011.

A redução dos crimes que começou no governo Giuliani continuou com Bloomberg, que abordou o assunto de forma mais comedida e discreta que seu antecessor.[87][88] Porém, seu apoio ao programa de revistas chamado stop-and-frisk (pare-e-reviste) foi controverso. Os críticos consideravam que a medida atingia injustamente afro-americanos e latinos.[89] Na época, Bloomberg afirmou que isso ocorria pois estes eram mais propensos a cometerem e serem vítimas de crimes violentos, que a iniciativa ajudava a manter a cidade segura e que havia sancionado uma lei que bania o perfilamento racial.[90] O stop-and-frisk foi considerado inconstitucional por uma juíza federal e descontinuado pelo governo de seu sucessor, Bill de Blasio.[91][92] Os índices de criminalidade não aumentaram na gestão de Blasio;[93] quando se candidatou à presidência, Bloomberg admitiu que estava errado em relação ao programa.[94]

Bloomberg adotou uma forte ênfase na saúde pública e no bem-estar, estabelecendo muitas políticas liberais. Como prefeito, fez do HIV, diabetes e hipertensão suas principais prioridades. Em 2003, implementou uma bem-sucedida proibição do uso de cigarros em todos os locais internos de trabalho, incluindo bares e restaurantes, e muitas outras cidades seguiram o exemplo.[95][96] Em 2008, Bloomberg sancionou a lei que tornou Nova Iorque a primeira cidade nos EUA a proibir o uso de gordura trans em todos os restaurantes.[97] Em 2012, anunciou um plano para restringir a venda de refrigerantes açucarados com quantidade superior a 473 ml em restaurantes, cinemas e outros locais. A medida gerou acusações de que estava promovendo um paternalismo e causando uma intromissão exagerada do governo na vida das pessoas.[78][98] Embora aprovada pelo Conselho de Saúde, a proibição não foi posta em prática por ter sido derrubada pela Justiça.[99][100]

Inicialmente, Bloomberg manteve índices de aprovação tão baixos quanto 24%.[101] No entanto, posteriormente atingiu e manteve altos índices de aprovação.[102] Entre 2006 a 2007, sua aprovação chegou a 70%, sem grandes variações entre democratas e republicanos.[103] Em janeiro de 2014, em pesquisa conduzida pela Universidade Quinnipac, 64% dos entrevistados afirmaram que os três mandatos de Bloomberg foram "sobretudo um sucesso", e 63% consideraram que a cidade "ficou melhor."[104] Ao avaliar seu governo, o conselho editorial do The New York Times afirmou: "[...] Nova Iorque é mais uma vez uma cidade próspera e atraente, onde, segundo Bloomberg, mais pessoas estão entrando do que saindo. Mais de 54 milhões de turistas, o maior de todos os tempos, lotaram as ruas em 2013. A taxa de criminalidade caiu, o sistema de transporte é mais eficiente, o ambiente é mais limpo." O NYT prosseguiu: "No entanto, como mostrou a eleição de Blasio, a oportunidade e a prosperidade foram distribuídas de maneira desigual. A população de rua cresceu e, para muitos outros, os salários foram muito pequenos, e os aluguéis altos." O jornal também criticou seu apoio ao stop-and-frisk e elogiou a escolha de seus assessores.[105]

Envolvimento político até 2019Editar

 
Bloomberg discursando na Convenção Nacional Democrata de 2016.

Bloomberg foi frequentemente mencionado como um possível candidato centrista para as eleições presidenciais de 2008,[106] 2012[107] e 2016,[108] bem como para vice-presidente em 2008[109] e governador de Nova Iorque em 2010.[110] Bloomberg optou por não concorrer em nenhuma dessas eleições.[107] Em 2008, não declarou publicamente apoio a nenhum presidenciável. Em novembro de 2012, logo após o Furacão Sandy, escreveu um editorial endossando a reeleição de Barack Obama como presidente, citando suas políticas relacionadas às mudanças climáticas.[111]

Em janeiro de 2016, foi relatado que Bloomberg estava novamente considerando disputar a presidência como independente. Desta vez, porém, ele confirmou pela primeira vez que estava considerando uma candidatura.[112] Seus partidários acreditavam que ele poderia concorrer como centrista e obter o apoio de muitos eleitores que estavam insatisfeitos com os prováveis candidatos democratas e republicanos.[113] Entretanto, anunciou em 7 de março que não concorreria à presidência.[114] Na Convenção Nacional Democrata, em julho, endossou a candidatura de Hillary Clinton, afirmando que seu adversário republicano Donald Trump era um "vigarista" e "demagogo perigoso."[115][116]

Em 2018, Bloomberg se comprometeu a gastar US$ 80 milhões de sua fortuna para apoiar os candidatos democratas ao Congresso nas eleições de meio de mandato, com o objetivo de eleger uma maioria democrata na Câmara dos Representantes. Em um comunicado, defendeu que a liderança republicana da Câmara era "absolutamente imprudente" e falhou em governar com responsabilidade.[117] Ao todo, seu comitê de ação política, Independence USA, transferiu US$ 112 milhões para candidatos democratas ao Senado e à Câmara, além de organizações progressistas. Bloomberg doou US$ 41 milhões para candidatos democratas em 24 distritos da Câmara — eles ganharam em 21 deles.[118] Em outubro de 2018, anunciou sua filiação ao Partido Democrata.[119]

Campanha presidencial de 2020Editar

 
Bloomberg discursando em evento de campanha no Arizona, em fevereiro de 2020.

Em 5 de março de 2019, Bloomberg anunciou que não concorreria à presidência na eleição de 2020, encorajando o Partido Democrata a "nomear um democrata que estará na posição mais forte para derrotar Donald Trump."[120] No entanto, devido à sua insatisfação com os pré-candidatos democratas, passou a reconsiderar sua decisão.[121] Em 24 de novembro de 2019, anunciou oficialmente sua candidatura à nomeação democrata a presidente, declarando: "Estou concorrendo à Presidência para derrotar Donald Trump e reconstruir a América. Não podemos permitir mais quatro anos de ações imprudentes e antiéticas do presidente Trump."[122]

Bloomberg optou por autofinanciar sua campanha e não aceitar doações de pessoas ou empresas.[123] Nos meses de dezembro de 2019 e janeiro de 2020, gastou cerca de US$ 464 milhões, uma média de US$ 7 milhões por dia.[124] O valor era superior ao utilizado juntos por Clinton e Bernie Sanders durante as primárias do partido em 2016.[125] Até o início de fevereiro, Bloomberg havia expendido US$ 250 milhões em anúncios na televisão e US$ 40 milhões em anúncios no Google e no YouTube. De janeiro até 18 de fevereiro, 69% dos anúncios vinculados pelo Facebook foram comissionados por Bloomberg, contra 12% de Trump e 7% de Sanders.[126]

Adotando uma estratégia inédita, Bloomberg, após concluir que não haveria tempo hábil para disputar as primárias iniciais, focou nos estados da Super Terça, cuja votação no início de março representava 33% do número total de delegados.[127][128] Ele buscou se apresentar como uma opção moderada e viável, com maiores chances de derrotar Trump,[129][130] a quem chamou de "palhaço."[131] Bloomberg passou a crescer nas pesquisas de opinião assim que anunciou sua candidatura,[132] e em meados de fevereiro chegou aos 20% na média das pesquisas nacionais, de acordo com a The Economist.[133] Um mês antes, o mesmo agregador de pesquisas indicava-o com 5%.[134] Com a subida nas intenções de votos, outros pré-candidatos democratas o criticaram, citando o alto valor que destinou para sua campanha e acusações de misoginia e racismo.[135][136] Porém, desistiu de sua campanha em 4 de março após obter maus resultados nas prévias da Super Terça, um grupo de estados que Bloomberg gastou mais de US$ 500 milhões. No mesmo dia, declarou apoio a Joe Biden, afirmando que era quem teria mais chances de derrotar Trump.[137][138]

FilantropiaEditar

 
Bloomberg discursando na Cúpula Global de Ação Climática, em 2018.

Enquanto trabalhava em sua empresa, Bloomberg doou grande parte de sua fortuna para pesquisas médicas, educação e artes,[139] além de integrar os conselhos de administração de várias instituições de caridade, culturais e educacionais.[140] Em 2006, fundou a Bloomberg Philanthropies,[141] com cinco áreas principais de atuação: saúde pública, artes, inovação governamental, meio ambiente e educação.[142] Em 2010, assinou o The Giving Pledge, se comprometendo a destinar ao menos metade de seu patrimônio para a caridade.[143] Desde 1997, doou US$ 9,5 bilhões para causas que apoia.[17] Em 2019, foi incluído na lista da The Chronicle of Philanthropy como o norte-americano que mais fez doações monetárias naquele ano, tendo doado US$ 3,3 bilhões.[144]

Bloomberg é um ambientalista e defendeu políticas para combater as mudanças climáticas. Em 2014, foi designado pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, como o primeiro Enviado Especial para as Cidades e as Mudanças Climáticas, tendo como função auxiliar as Nações Unidas a trabalhar com cidades para evitar as mudanças climáticas.[145] Até 2019, havia doado US$ 278,9 milhões para causas relacionadas ao meio-ambiente e ao combate às mudanças climáticas.[17] Bloomberg também expressou preocupação com a violência armada,[146] fundando o grupo Everytown for Gun Safety, com o objetivo de aumentar a consciência do público e dos políticos sobre o assunto e "promover esforços para manter as armas fora das mãos dos criminosos."[147]

Em 1965, Bloomberg fez sua primeira doação, de US$ 5, para a Universidade Johns Hopkins, sua alma mater. Até 2019, doou US$ 3,3 bilhões para a universidade, tornando-se o maior doador para uma instituição de ensino dos Estados Unidos.[148][149] Outras instituições de ensino e culturais que receberam suas contribuições incluem a Universidade Cornell (US$ 100 milhões, em 2015),[150] o Museu de Ciências de Boston (US$ 50 milhões em 2016)[151] e a Universidade Harvard (US$ 32 milhões em 2016).[152] O montante transferido para tais instituições até 2018 foi de US$ 520 milhões.[17]

Bloomberg também destinou parte de sua fortuna para patrocinar pesquisas médicas.[17][153] Ele doou cerca de US$ 1 bilhão à Organização Mundial da Saúde (OMS) para promover esforços contra o tabaco.[154] Em 2016, assumiu o posto de embaixador global da OMS para o combate a doenças não transmissíveis, sendo incumbido de mobilizar líderes do setor privado e políticos a ajudar a instituição a reduzir as mortes ocasionadas por doenças evitáveis, acidentes de trânsito, tabaco, obesidade e álcool.[155] Em levantamento do The New York Times, a quantia transferida por Bloomberg para instituições voltadas para a "saúde e segurança" até 2018 foi de US$ 1,4 bilhão.[17]

Vida pessoalEditar

Família e relacionamentosEditar

 
Bloomberg com Diana Taylor, sua companheira desde 2000.

Em 1975, Bloomberg casou-se com Susan Elizabeth Barbara Brown, uma britânica de Yorkshire.[156] Eles tiveram duas filhas: Emma (nascida em 1979) e Georgina (nascida em 1983).[157] Emma trabalhou em uma instituição sem fins lucrativos, enquanto Georgina desenvolveu uma carreira como equestre.[158] Bloomberg e Brown se divorciaram em 1993; ele declarou que a considera sua "melhor amiga."[159] Desde 2000, vive com Diana Taylor, ex-superintendente dos bancos do estado de Nova Iorque.[160]

HábitosEditar

 
Bloomberg no metrô de Nova Iorque, em 2013.

Ao longo de sua carreira empresarial, Bloomberg fez inúmeras declarações que foram consideradas ofensivas, depreciativas, sexistas ou misóginas. Enquanto trabalhava em Wall Street nas décadas de 1960 e 1970, afirmou em sua autobiografia de 1997 que tinha "uma namorada em todas as cidades."[161][162] Em várias ocasiões, comentou "I'd do her" ("eu faria ela", em tradução livre) em relação a certas mulheres, algumas das quais colegas de trabalho ou empregadas. Mais tarde, afirmou que quando dizia isso significava que poderia ter um relacionamento íntimo com a mulher.[163] Em 2018, sua assessoria afirmou que ele lamentava ter feito comentários "desrespeitosos" sobre mulheres.[163]

Durante seu mandato como prefeito, Bloomberg morou em sua própria casa, no Upper East Side de Manhattan, em vez da Gracie Mansion, a residência oficial do prefeito.[164] Em 2013, possuía 13 propriedades em vários países do mundo, incluindo uma mansão georgiana de US$ 20 milhões em Southampton, Nova Iorque.[165][166] Em 2015, adquiriu por US$ 25 milhões a casa que pertenceu ao escritor George Eliot, localizada em Chelsea, Londres, sendo considerada uma propriedade histórica.[167] Bloomberg e suas filhas são donos de casas nas Bermudas e ficam no país com frequência.[168][169]

Bloomberg afirmou que, durante seu período como prefeito, andava diariamente no metrô da cidade de Nova Iorque, principalmente no trajeto de sua casa na 79th Street até seu escritório na prefeitura.[170] Nesta mesma época, fez participações especiais nos filmes The Adjustment Bureau e New Year's Eve, além de episódios de 30 Rock, Curb Your Enthusiasm, The Good Wife e dois episódios de Law & Order.[171] Bloomberg também é um piloto privado, possuindo numerosas aeronaves.[172][173]

Referências

  1. Dean E. Murphy (7 de novembro de 2001). «Man in the News; Finding a New Mission; Michael Rubens Bloomberg». The New York Times. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  2. Sandro Pozzi (8 de novembro de 2019). «Magnata Michael Bloomberg se prepara para entrar na disputa presidencial dos EUA». El País. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  3. «The Candidate: Michael Bloomberg (D)». MSN. 24 de novembro de 2019. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  4. «#8 Michael Bloomberg». Fortune. Janeiro de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  5. David Greenberg (10 de setembro de 2019). «Was Michael Bloomberg New York City's Greatest Mayor?». The New York Times. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  6. «Ex-prefeito de NY oficializa pré-candidatura à Presidência dos EUA». AFP e Reuters. Folha de S. Paulo. 24 de novembro de 2019. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  7. Myles Meserve (4 de setembro de 2014). «How Michael Bloomberg Went From Bond Trader To Billionaire Media Mogul». Business Insider. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  8. Marguerite Ward (22 de maio de 2017). «Billionaire Michael Bloomberg: When choosing a job, prioritize this over salary». CNBC. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  9. Dennis Green e James Pasley (2 de janeiro de 2020). «The life of Michael Bloomberg: How an unemployed 39-year-old banker became a billionaire, 3-time mayor of New York, and presidential hopeful». Business Insider. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  10. «Bloomberg chair steps down». CNN Money. 5 de março de 2001. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  11. «BILLIONAIRES». Forbes. 5 de março de 2019. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  12. Emily Stewart (25 de novembro de 2019). «Michael Bloomberg's 2020 presidential campaign and policy positions, explained». Vox. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  13. Annie McDonough (1 de novembro de 2018). «Why Michael Bloomberg keeps helping Republicans». City & State New York. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  14. Veronica Stracqualursi e Ryan Struyk (7 de março de 2016). «Michael Bloomberg 'Will Not Enter' 2016 Presidential Race». ABC News. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  15. Dan Merica, Cristina Alesci e Jake Tapper (24 de novembro de 2019). «Michael Bloomberg is the latest 2020 Democratic hopeful». CNN. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  16. Ted Johnson (4 de março de 2020). «Michael Bloomberg Drops Out Of Presidential Race, Endorses Joe Biden». Deadline. Consultado em 4 de março de 2020 
  17. a b c d e f Alexander Burns e Nicholas Kulish (15 de fevereiro de 2019). «Bloomberg's Billions: How the Candidate Built an Empire of Influence». The New York Times. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  18. Michael Scherer (14 de dezembro de 2019). «Mike Bloomberg's spending spree: $8 billion in philanthropy and tens of millions to political causes». The Washington Post. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  19. Katie Warren e Emmie Martin (25 de novembro de 2019). «Michael Bloomberg is officially running for president. Here's how the 9th-richest person in the US and former NYC mayor makes and spends his $54 billion fortune.». Business Insider. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  20. «Johns Hopkins University and Michael R. Bloomberg Launch the Bloomberg American Health Initiative». Bloomberg. 15 de setembro de 2016. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  21. Diane Cardwell (1 de fevereiro de 2007). «In Jerusalem, Spotlight on Bloomberg's Father». The New York Times. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  22. Elizabeth A. Harris (20 de junho de 2011). «Charlotte R. Bloomberg, Mayor's Mother, Is Dead at 102». The New York Times. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  23. «A Campus Built on Philanthropy». Harvard Business School. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  24. William Addams Reitwiesner. «Ancestry of Mike Bloomberg». Wargs. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  25. Eleanor Randolph (10 de setembro de 2019). «The Many Lives of Michael Bloomberg». Simon and Schuster. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  26. Ami Eden (31 de agosto de 2010). «'Focus' on Bloomberg's Jewishness». Jewish Telegraphic Agency. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  27. «Michael Bloomberg, um magnata hiperativo que sonha com a Casa Branca». AFP. Estado de Minas. 24 de novembro de 2019. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  28. Michael M. Grynbaum (18 de março de 2012). «Mayor's Ties to Hometown Fade, but for a Few, They Are Still Felt». The New York Times. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  29. a b c d e f Michael Kruse e Zack Stanton (19 de fevereiro de 2020). «55 Things You Need to Know About Mike Bloomberg». Politico. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  30. Ken Auletta (19 de novembro de 2001). «The Bloomberg Threat». The New Yorker. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  31. Ken Auletta (5 de março de 2012). «Bloomberg's Medford». The New York Times. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  32. «10 Fun Facts about Johns Hopkins University». Admitsee. 17 de setembro de 2018. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  33. Meghan Daniels (15 de abril de 2011). «Life After B-School: 5 Very Different HBS Grads». Knewton. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  34. «Mayor Michael Bloomberg, Prof. James Chandler address College Class of 2006». The University of Chicago. 10 de junho de 2006. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  35. a b c d e f g h Myles Meserve (20 de julho de 2012). «How Michael Bloomberg Went From Bond Trader To Billionaire Media Mogul With One Incredible Machine». Business Insider. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  36. Lauren Camera and Elliott Davis (14 de fevereiro de 2020). «Mike Bloomberg: Where He Stands». US News. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  37. Natalia Gómez (23 de junho de 2019). «Michael Bloomberg, o bilionário que distribuiu cafezinho nos corredores e quer impedir a reeleição de Trump». Seu Dinheiro. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  38. Sam Roberts (1 de fevereiro de 2017). «Michael Bloomberg on How to Succeed in Business». The New York Times. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  39. Richard Goldberg (23 de janeiro de 2009). «The Battle for Wall Street: Behind the Lines in the Struggle that Pushed an Industry into Turmoil». John Wiley & Sons. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  40. Paul Bodine (2004). «Make It New». iUniverse. p. 182. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  41. «Bloomberg L.P.». Datamonitor Company Profiles. 12 de março de 2010. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  42. Michael Bloomberg (7 de janeiro de 2019). «Bloomberg by Bloomberg, Revised and Updated». John Wiley & Sons. p. 86. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  43. Harry McCracken (6 de outubro de 2015). «How the Bloomberg Terminal Made History–And Stays Ever Relevant». Fast Company. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  44. a b c Emily Stewart (11 de dezembro de 2019). «How Mike Bloomberg made his billions: a computer system you've probably never seen». Vox. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  45. «O Michael Bloomberg de 2020 é muito mais rico que o de 2019. Será que o de 2021 será presidente?». Glamurama. 22 de fevereiro de 2020. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  46. Michael M. Grynbaum (14 de novembro de 2019). «Michael Bloomberg's History of Demeaning Comments About Women». The New York Times. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  47. Wayne Barret (30 de outubro de 2001). «Bloomberg's Sexual Blind Spot». Village Voice. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  48. Megan Garber (19 de setembro de 2008). «'I'd Do Her': Mike Bloomberg and the Underbelly of #MeToo». The Atlantic. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  49. Andrew Ross Sorkin (3 de setembro de 2014). «Michael Bloomberg to Return to Lead Bloomberg L.P.». The New York Times. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  50. Michela Tindera e Dan Alexander (22 de novembro de 2019). «Here's Why Michael Bloomberg Is 17 Times Richer Than Donald Trump». Forbes. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  51. Andrew Farrell (11 de março de 2009). «In Pictures: Billionaires Who Made Billions More». Forbes. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  52. «#142 Michael Bloomberg». Forbes. 8 de março de 2007. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  53. «#17 Michael Bloomberg». Forbes. 11 de março de 2009. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  54. «Michael Bloomberg Networth 2020». NetWorthBuzz. 25 de agosto de 2009. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  55. «#8 Michael Bloomberg». Forbes. 14 de fevereiro de 2020. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  56. «Bloomberg jumps into NYC mayor's race». CNN. 5 de junho de 2001. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  57. Joel Mathis (11 de fevereiro de 2020). «President Bloomberg?». The Week. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  58. Alex Shephard (13 de dezembro de 2009). «Oligarch of the Month: Michael Bloomberg». The New Republic. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  59. a b c Eleanor Randolph (10 de setembro de 2019). «The Many Lives of Michael Bloomberg». Simon and Schuster. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  60. Joshua Brustein (8 de agosto de 2005). «The Mayor's Money». Gotham Gazette. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  61. «A tale of two cities». The Economist. 12 de setembro de 2002. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  62. «2001 GENERAL ELECTION CITY OF NEW YORK» (PDF). Board of Elections in the City of New York. 28 de novembro de 2001. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  63. Michael Barbaro (27 de novembro de 2009). «Bloomberg Spent $102 Million to Win 3rd Term». The New York Times. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  64. a b c John Toscano (9 de novembro de 2005). «Bloomberg Wins Easily; Incumbents Sweep». Queens Gazette. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  65. «General Election 2005 - 11/08/2005» (PDF). Board of Elections in the City of New York. 29 de novembro de 2005. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  66. Sewell Chan (2 de outubro de 2008). «Bloomberg Says He Wants a Third Term as Mayor». The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  67. «N.Y. City Council extends term limits for mayor, other officials». The New York Times. 23 de outubro de 2008. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  68. «Appeals Court Upholds Term Limits Revision». The New York Times. 28 de abril de 2009. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  69. «N.Y. City Council extends term limits for mayor, other officials». CNN. 23 de outubro de 2008. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  70. Max Fisher (3 de novembro de 2009). «How Bloomberg Got Away With Buying New York». The Atlantic. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  71. a b c David W. Chein e Michael Barbaro (3 de novembro de 2009). «Bloomberg Wins 3rd Term as Mayor in Unexpectedly Close Race». The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  72. Ben Muessig (28 de novembro de 2009). «Bloomberg Spent $102 Million On Campaign». Gothamist. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  73. «General Election 2009 - 11/03/2009» (PDF). Board of Elections in the City of New York. 24 de novembro de 2009. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  74. a b Michael Cooper (14 de fevereiro de 2002). «THE MAYOR'S BUDGET PROPOSAL: OVERVIEW; BLOOMBERG SEEKS CUTS IN SPENDING AT MOST AGENCIES». The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  75. «Bloomberg sworn in by Giuliani». CNN. 1 de janeiro de 2002. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  76. «Michael Bloomberg: New York is still the capital of the free world». The Independent. 3 de janeiro de 2002. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  77. Adam Nagourney (25 de dezembro de 2001). «Bloomberg Vows to Work at Center of Things». The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  78. a b Guilherme Dearo (28 de abril de 2014). «Após 12 anos, o que Michael Bloomberg deixa para Nova York». Exame. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  79. Steven Malanga (25 de novembro de 2002). «New York Is Unraveling...». Manhattan Institute. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  80. Adam Gabbatt (1 de janeiro de 2014). «Michael Bloomberg's 12 years at the helm of New York City come to an end». The Guardian. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  81. «For the New Mayor and City Council: A Big Budget Surplus and Even Bigger Fiscal Challenges Ahead». Fiscal Outlook. Dezembro de 2013. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  82. «Seven Years of Mayoral Control». Gotham Gazette. 2009. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  83. a b c «Political prisoners». The Economist. 18 de junho 2009. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  84. «Mayor Bloomberg Announces Tentative Agreement With The United Federation Of Teachers Nearly One Year Before Expiration Of Current Contract». Prefeitura de Nova York. 8 de novembro de 2006. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  85. David M. Herszenhorn (6 de maio de 2006). «Mayor Repeats Policy: No Cellphones in School». The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  86. Rebecca Klein (29 de abril de 2013). «Bloomberg's School Cell Phone Ban Will Most Likely Be Reversed When He Leaves Office». HuffPost. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  87. Paul Moses (25 de outubro de 2005). «These Stats Are a Crime». The Village Voice. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  88. Alex Pareene (13 de janeiro de 2011). «Chris Christie feuds with Rudy Giuliani over snow». Salon. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  89. John Eterno e Eli Silverman (11 de setembro de 2013). «Mike Bloomberg's fact-free defence of stop-and-frisk». The Guardian. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  90. Michael Bloomberg (18 de agosto de 2013). «Michael Bloomberg: 'Stop and frisk' keeps New York safe». The Washington Post. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  91. Matt Williams e Ryan Devereaux (12 de agosto de 2013). «New York's stop-and-frisk policy is unconstitutional, judge rules». The Guardian. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  92. Benjamin Weiser (2 de maio de 2016). «Departing Judge Offers Blunt Defense of Ruling in Stop-and-Frisk Case». The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  93. Joe Sexton (16 de janeiro de 2018). «In New York, Crime Falls Along With Police Stops». Pro Publica. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  94. Caroline Kenny (14 de fevereiro de 2020). «Bloomberg apologizes for stop-and-frisk policy for the first time on the campaign trail following release of a 2015 tape». CNN. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  95. Tom Farley (13 de outubro de 2015). «Saving Gotham: A Billionaire Mayor, Activist Doctors, and the Fight for Eight Million Lives». W. W. Norton & Company. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  96. «Mike Bloomberg on Health Care». On The Issues. 2008. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  97. Eliana Dockterman (24 de novembro de 2013). «A History of Bloomberg Bans: Smoking, Trans Fats, and Now Maybe Styrofoam». Time. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  98. Frank James (31 de maio de 2012). «Bloomberg Becomes Nanny-State Epitome For Some, Giving Obama A Breather». National Public Radio. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  99. «Nova York proíbe venda de refrigerantes em copos grandes». G1. Bem Estar. 13 de setembro de 2012. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  100. «Proibição à venda de refrigerante 'litrão' é suspensa em Nova York». O Globo. 11 de março de 2013. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  101. Joyce Purnick (22 de setembro de 2009). «Mike Bloomberg: Money, Power, Politics». Hachette UK. p. 102. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  102. Joyce Purnick (22 de setembro de 2009). «Mike Bloomberg: Money, Power, Politics». Hachette UK. p. 119. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  103. Joyce Purnick (29 de agosto de 2007). «Effective, Cold - That's What We Like, Dislike About Mayor, New Yorkers Tell Quinnipiac University Poll; Bloomberg's Approval Tops 70 Percent - Again». Quinnipac University. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  104. «Bloomberg A Success, New York City Voters Say Almost 3-1, Quinnipiac University Poll Finds; Inauguration Day Barbs Were Off The Mark, Voters Say». Quinnipac University. 17 de janeiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  105. «12 Years of Mayor Bloomberg». The New York Times. 28 de dezembro de 2013. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  106. Sam Roberts (31 de dezembro de 2017). «Bloomberg Moves Closer to Running for President». The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  107. a b Amanda Luz Henning Santiago e Jordan Laird (15 de outubro de 2019). «All the times Michael Bloomberg has considered running for president». City & State New York. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  108. «Bloomberg pode lançar candidatura independente para eleição nos EUA». Reuters. G1. 23 de janeiro de 2016. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  109. Ben Smith (21 de junho de 2007). «Mike for Veep?». Politico. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  110. Frederic U. Dicker e David Seifman (6 de novembro de 2007). «Mike's Secret Bid To Run vs. Spitzer». The New York Post. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  111. «Bloomberg endorses Obama for a second term, climate change a focus». Reuters. 1 de novembro de 2012. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  112. Dylan Byers (8 de fevereiro de 2016). «Bloomberg: I'm considering 2016 bid». CNN. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  113. «Michael Bloomberg's moment». The Economist. 18 de fevereiro de 2016. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  114. Michael Bloomberg (7 de março de 2016). «The Risk I Will Not Take». Bloomberg. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  115. «Bloomberg defende Hillary e diz identificar 'vigaristas como Trump'». Valor. 28 de julho de 2016. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  116. Amanda Mars (29 de julho de 2016). «Michael Bloomberg derruba o mito de Donald Trump como empresário». El País. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  117. Alexander Burns (20 de junho de 2018). «Michael Bloomberg Will Spend $80 Million on the Midterms. His Goal: Flip the House for the Democrats.». The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  118. Stephanie Saul e Rachel Shorey (30 de novembro de 2018). «How Michael Bloomberg Used His Money to Aid Democratic Victories in the House». The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  119. «Ex-prefeito de NY, magnata Michael Bloomberg volta ao Partido Democrata». Exame. 10 de outubro de 2018. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  120. Steve Peoples e Julie Pace (5 de março de 2019). «Ex-NYC Mayor Bloomberg won't run for president in 2020». Associated Press. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  121. «Bloomberg considera participar da corrida presidencial democrata em 2020». G1. 8 de novembro de 2019. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  122. «Ex-prefeito de NY oficializa pré-candidatura à Presidência dos EUA». Folha de S. Paulo. 24 de novembro de 2019. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  123. Juana Summers (21 de fevereiro de 2020). «Bloomberg Has Already Spent $450 Million On Ads Since Launching His Campaign». National Public Radio. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  124. Allan Smith, Maura Barrett e Josh Lederman (20 de fevereiro de 2020). «Bloomberg spends about $7 million per day on his campaign, latest filing shows». NBC News. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  125. «Which Presidential Candidates Are Winning the Money Race». The New York Times. 22 de junho de 2016. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  126. Julia Carrie Wong (21 de fevereiro de 2020). «$45m, 1.6bn views and 'Crazy Donald': How Bloomberg bought your Facebook feed». The Guardian. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  127. Mark Niquette (25 de novembro de 2019). «Bloomberg Takes Untested Path to 2020, Skipping Key Contests». Bloomberg. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  128. Ella Nilsen (11 de fevereiro de 2020). «The race for presidential delegates has begun. Track them here.». Vox. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  129. Eric Lutz (13 de fevereiro de 2020). «MIKE BLOOMBERG'S BIG SPENDING STRATEGY IS MAKING A LOT MORE SENSE». Vanity Fair. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  130. Robert Alexander e Lauren Copeland (2 de fevereiro de 2020). «Mike Bloomberg could be the candidate Democrats have been looking for». CNN. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  131. «Mike Bloomberg campaign pays influencers for memes». BBC. 13 de fevereiro de 2020. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  132. «2020 Democratic Presidential Nomination». Real Clear Politics. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  133. «Who is ahead in the Democratic primary race?». The Economist. 18 de fevereiro de 2020. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  134. «Who is ahead in the Democratic primary race?». The Economist. 15 de janeiro de 2020. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  135. Jason Lange (18 de fevereiro de 2020). «Bloomberg se qualifica para próximo debate entre pré-candidatos democratas». Reuters. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  136. Sean Collins (11 de fevereiro de 2020). «#BloombergIsRacist, briefly explained». Vox. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  137. Ted Johnson (4 de março de 2020). «Michael Bloomberg Drops Out Of Presidential Race, Endorses Joe Biden». Deadline. Consultado em 4 de março de 2020 
  138. «Michael Bloomberg desiste de concorrer à presidência dos EUA». G1. 4 de março de 2020. Consultado em 4 de março de 2020 
  139. «Michael Bloomberg Biography». Biography. 20 de fevereiro de 2020. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  140. «Michael Bloomberg: New York Business Entrepreneur and Philanthropist». NH Philanthropist. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  141. Leslie Albrecht (18 de fevereiro de 2020). «Michael Bloomberg is America's No.1 philanthropist — how much of that is to spread his political influence?». Market Watch. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  142. Sridhar Pappu (8 de agosto de 2011). «What's Next For Michael Bloomberg». Fast Company. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  143. Michelle Nichols (4 de agosto de 2010). «U.S. billionaires pledge fortunes to charity». Reuters. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  144. «The Philanthropy 50: Americans Who Gave the Most in 2004». The Chronicle of Philanthropy. 2019. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  145. Michelle Nichols (30 de janeiro de 2014). «U.N. appoints former NYC Mayor Bloomberg cities, climate change envoy». Reuters. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  146. Megan Gannon (17 de dezembro de 2012). «Bloomberg Rolls Out Anti-Gun Violence Campaign». Live Science. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  147. «Everytown for Gun Safety». Philanthropy News Digest. 11 de outubro de 2017. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  148. Michael Barbaro (26 de janeiro de 2013). «$1.1 Billion in Thanks From Bloomberg to Johns Hopkins». The New York Times. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  149. Olivia Cheng (28 de novembro de 2018). «Michael Bloomberg donates $1.8 billion to make Johns Hopkins 'forever need-blind'». The Daily Pennsylvanian. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  150. Elizabeth A. Harris (15 de junho de 2015). «Bloomberg Philanthropies Gives $100 Million to Cornell Tech». The New York Times. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  151. Joshua Barone (18 de outubro de 2016). «Michael Bloomberg Gives $50 Million to Museum of Science, Boston». The New York Times. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  152. «Harvard, Bloomberg launch $32M project to train US mayors». Associated Press. 25 de agosto de 2016. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  153. Sharon Begley (22 de março de 2012). «Bloomberg charity adds $220 million to anti-smoking effort». Reuters. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  154. Ariana Eunjung Cha (5 de dezembro de 2016). «Michael Bloomberg may be Big Tobacco's biggest enemy». The Washington Post. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  155. «Michael Bloomberg Joins U.N. Agency as Health Ambassador». The Chronicle of Philanthropy. 18 de agosto de 2016. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  156. Nate Bloom (5 de julho de 2011). «Interfaith Celebrities: a Former Geek, the Equestrian Author, and an Aboriginal Jewish Doctor». Interfaith Family. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  157. Joyce Purnick (22 de setembro de 2009). «Mike Bloomberg: Money, Power, Politics». PublicAffairs. p. 57. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  158. Chloe Foussianes (26 de novembro de 2019). «What Michael Bloomberg's Daughters Georgina and Emma Are Up to These Days». Town&Country. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  159. Jessica McBride (19 de fevereiro de 2020). «Mike Bloomberg's Family: 5 Fast Facts You Need to Know». Heavy. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  160. Katie Warren (20 de fevereiro de 2000). «Inside the relationship of Michael Bloomberg and his longtime partner, Diana Taylor, who met at a business lunch 20 years ago and live in a 5-story Manhattan townhouse». Business Insider. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  161. Eliza Relman (14 de novembro de 2019). «Michael Bloomberg's past comments about women and rape will likely haunt him on the 2020 campaign trail». Business Insider. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  162. Michael Kranish (15 de fevereiro de 2020). «Mike Bloomberg for years has battled women's allegations of profane, sexist comments». The Washington Post. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  163. a b Megan Garber (19 de setembro de 2018). «'I'd Do Her': Mike Bloomberg and the Underbelly of #MeToo». Atlantic. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  164. Chris Smith (26 de setembro de 2005). «The Mayor and His Money». New York. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  165. Dana Rubinstein (23 de maio de 2013). «Bloomberg grows his Hamptons estate, reveals overseas bank accounts». Politico. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  166. «Bloomberg Buys Southampton 'Ballyshear Estate' For $20 Million». The Huffington Post. 20 de julho de 2011. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  167. Alanna Petroff (29 de julho de 2015). «Mike Bloomberg buys historic London mansion for $25 million». CNN. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  168. Michael Barbaro (25 de abril de 2010). «New York's Mayor, but Bermuda Shares Custody». The New York Times. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  169. «Bloomberg's Bermuda». The New York Times. 25 de agosto de 2015. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  170. Michael M. Grynbaum (1 de agosto de 2007). «Mayor Takes the Subway — by Way of S.U.V.». The New York Times. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  171. «Michael Bloomberg». IMDB. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  172. «Airspace Above Hudson a Highway With Few Signs». The New York Times. 10 de agosto de 2009. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  173. Anna Palmer, Eli Okun, Garrett Ross e Jake Sherman (19 de fevereiro de 2020). «Politico Playbook PM: Exodus at the Pentagon». Politico. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 

Ligações externasEditar