Poderosa Afrodite

filme de 1995 dirigido por Woody Allen
(Redirecionado de Mighty Aphrodite)
Mighty Aphrodite
Poderosa Afrodite (PRT/BRA)
 Estados Unidos
1995 •  cor •  95[1] min 
Direção Woody Allen
Produção Letty Aronson
Robert Greenhut
Roteiro Woody Allen
Elenco F. Murray Abraham
Woody Allen
Claire Bloom
Helena Bonham Carter
Olympia Dukakis
Michael Rapaport
Mira Sorvino
David Ogden Stiers
Jack Warden
Peter Weller
Gênero comédia
Música Dick Hyman
Cinematografia Carlo Di Palma
Edição Susan E. Morse
Companhia(s) produtora(s) Sweetland Films
Distribuição Miramax Films
Lançamento Estados Unidos 27 de outubro de 1995
Brasil 17 de maio de 1996[2]
Idioma inglês
Orçamento US$15 milhões[3]
Receita US$26 milhões[4]
Página no IMDb (em inglês)

Poderosa Afrodite (en: Mighty Aphrodite) é um filme estadunidense de 1995, do gênero comédia, escrito, dirigido e co-estrelado por Woody Allen, ao lado de Mira Sorvino, Helena Bonham Carter, Michael Rapaport e F. Murray Abraham. O roteiro foi inspirado na história de Pigmalião e trata da busca de Lenny Weinrib (Allen) pela mãe biológica de seu filho adotivo, descobrindo que ela é uma prostituta idiota chamada Linda Ash (Sorvino).

Embora a recepção crítica de Mighty Aphrodite no geral tenha sido levemente positiva, Sorvino recebeu elogios por seu desempenho, recebendo vários elogios, como o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante, além de um Globo de Ouro, Associação de Críticos de Nova Iorque, Prêmios Critics' Choice Movie, National Board of Review Award e um prêmio da Dallas-Fort Worth Film Critics Association.

SinopseEditar

O filme abre nas ruínas da Grécia antiga, onde um coro grego introduz e narra a história de Lenny Weinrib. Lenny é escritor esportiva em Manhattan, casado com a ambiciosa curadora Amanda. O casal decide adotar um bebê, um menino que eles chamam de Max. Lenny está impressionada com o filho que, torna-se cada vez mais claro, é uma criança talentosa.

Lenny fica obcecado em aprender a identidade da mãe biológica de Max. Depois de uma longa pesquisa, Lenny fica perturbado ao descobrir que é uma prostituta e estrela pornô de meio período, que usa vários nomes, mas confessa que seu nome de nascimento é Leslie Ash, e gosta de "Linda" porque significa "linda" em espanhol. Lenny faz uma "consulta" para vê-la em seu apartamento. Linda é uma idiota com um senso de humor e ilusões de se tornar uma atriz de teatro. Lenny não tem relações sexuais com ela, mas pede que ela se afaste da prostituição e comece uma vida saudável. Linda fica com raiva, devolve o dinheiro de Lenny e o obriga a sair. Lenny, no entanto, está determinado a fazer amizade com ela e melhorar sua vida. Ele primeiro consegue tirar Linda de seu cafetão violento e depois tenta emparelhar Linda com um ex-boxeador, Kevin. Eles parecem ser um casal adequado até Kevin descobrir o passado de Linda.

Enquanto isso, Lenny e Amanda estão se afastando, devido à obsessão de Lenny por Linda, mas também pela carreira de Amanda e seu caso com seu colega Jerry. Amanda diz a Lenny que quer explorar seu relacionamento com Jerry. Lenny e Linda se consolam durante o rompimento e acabam finalmente se envolvendo. No entanto, no dia seguinte, Lenny se reconcilia com Amanda e eles percebem que ainda estão apaixonados. Linda tenta, sem sucesso, voltar com Kevin, mas no caminho de volta para Manhattan, ela vê um helicóptero caindo do céu. Ela encosta e dá uma carona ao piloto, Don. É revelado pelo coro grego que eles acabarão se casando, embora Linda agora esteja grávida do filho de Lenny.

Alguns anos depois, Linda (com a filha) e Lenny (com Max) se encontram em uma loja de brinquedos. Ambos têm filhos um do outro, mas não percebem. Linda agradece a Lenny por tudo o que ele fez para ajudá-la e depois deixa Lenny impressionado. O filme termina com o coro grego cantando e dançando.

Elenco principalEditar

Woody Allen afirmou que, apesar de seu conturbado divórcio com Mia Farrow, pensou em fazer um convite para sua ex-mulher atuar neste filme. Ele iria oferecer justamente o papel de Amanda, esposa do personagem que ele interpretaria na trama. Em resposta a isso, sua diretora de elenco disse "O quê, você está maluco?".[5]

ProduçãoEditar

Dick Hyman atuou como coordenador musical, arranjador e maestro do filme. A trilha sonora inclui "Neo Minore", de Vassilis Tsitsanis, "Horos Tou Sakena", de Stavros Xarchakos, "I've Found a New Baby", de Wilbur de Paris, "Whispering", de Benny Goodman e sua orquestra, "Manhattan", de Carmen Cavallaro, "When Your Lover Has Gone", de Ambrose e sua orquestra, "L'il Darlin", de Count Basie e sua orquestra, "Take Five" de The Dave Brubeck Quartet, "Penthouse Serenade (When We're Alone)" e "I Hadn't Anyone Till You", de Erroll Garner, "The In Crowd", de Ramsey Lewis, e "You Do Something to Me" e "When You're Smiling" do Dick Hyman Chorus & Orchestra. Graciela Daniele coreografou as rotinas de dança.

O coro grego inclui George de la Peña e Pamela Blair. Tony Sirico e Paul Giamatti fazem breves aparições em papéis menores.

Os locais de Manhattan incluem Bowling Green, Central Park e FAO Schwarz. Exteriores adicionais foram filmados em North Tarrytown e Quogue. As cenas do coro grego foram filmadas no Teatro Antigo de Taormina em Taormina, na ilha da Sicília.

Na vida real, Leonard "Lenny" Weinrib era o nome de um ator, dublador e escritor americano, mais conhecido por interpretar o papel principal no programa infantil de televisão H.R. Pufnstuf. Ele morreu em 2006.

LançamentoEditar

Mighty Aphrodite estreou no Festival Internacional de Cinema de Toronto antes de ser lançado nos Estados Unidos. Ele estreou em 19 telas e ganhou US$326,494 no fim de semana de estreia. Eventualmente, arrecadou US$6,401,297 nos EUA e US$19,598,703 em mercados estrangeiros, totalizando US$26,000,000 em bilheteria mundial.[4]

Resposta críticaEditar

O filme recebeu críticas positivas dos críticos. No Rotten Tomatoes, o filme possui uma classificação de 77% com base em 35 críticos, com uma classificação média de 6,8 / 10. O consenso do site afirma: "Mighty Aphrodite pode não estar de acordo com os melhores trabalhos de Woody Allen, mas é trazido à vida vívida por uma performance absolutamente maravilhosa de Mira Sorvino".[6] O Metacritic reporta uma pontuação de 59 em 100 com base em 16 críticos, indicando "críticas mistas ou médias".[7]

Em sua resenha no The New York Times, Janet Maslin disse: "Mesmo quando se torna inconfundivelmente leve, Mighty Afrodite permanece espirituosa, ágil e generosamente feita".[8]

Roger Ebert, do Chicago Sun-Times, chamou o filme de "uma comédia ensolarada" e acrescentou: "A cena final do filme é silenciosamente, docemente irônica, e o filme inteiro contorna as armadilhas do cinismo e se torna algo que os gregos nunca conseguiram administrar, uma tragédia em potencial com um final feliz".[9]

No San Francisco Chronicle, Leah Garchik disse que o filme era "um filme inventivo, imaginativo e rico em detalhes" e acrescentou: "A incrível inteligência de Woody Allen está no coração de tudo o que é maravilhoso em Mighty Aphrodite, e o incrível ego de Woody Allen está no centro de sua principal falha. Ele falha quando tenta (...) fazer com que o público suspenda sua descrença e aceite Allen, um Romeu murcho, como um ingênuo de natureza doce. O encanto excêntrico dos personagens tímidos e desajeitados que ele interpretou quando jovem desapareceu. Hoje em dia, ele parece simplesmente bobo".[10]

Peter Travers, da Rolling Stone, disse: "O filme é uma vitrine para Sorvino, filha do ator Paul de Harvard, que apresenta uma performance sensacional. Ela mostra humor e coração surpreendentes sem trocar sentimentos".[11]

Principais prêmios e indicaçõesEditar

  A Wikipédia tem o

Oscar 1996 (EUA)

Globo de Ouro 1996 (EUA)

  • Vencedor na categoria de melhor atriz coadjuvante (Mira Sorvino).

BAFTA 1996 (Reino Unido)

  • Recebeu uma indicação na categoria de melhor atriz coadjuvante (Mira Sorvino).

Prêmio NYFCC 1995 (New York Film Critics Circle Awards, EUA)

  • Venceu na categoria de melhor atriz coadjuvante (Mira Sorvino).

Referências

  1. «Mighty Aphrodite (15)». British Board of Film Classification. 31 de janeiro de 1996. Consultado em 16 de novembro de 2016 
  2. Inácio Araujo (17 de maio de 1996). «'Poderosa Afrodite' é a tragédia do amor». Folha de São Paulo. Consultado em 24 de julho de 2020 
  3. «Archived copy». Consultado em 26 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  4. a b «''Mighty Aphrodite'' at TheNumbers.com». The-numbers.com. Consultado em 26 de junho de 2011 
  5. Poderosa Afrodite AdoroCinema
  6. «Mighty Aphrodite (1995)». Rotten Tomatoes. Flixster. Consultado em 16 de novembro de 2016 
  7. «Mighty Aphrodite reviews». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 16 de novembro de 2016 
  8. Maslin, Janet (27 de outubro de 1995). «''New York Times'' review». Movies.nytimes.com. Consultado em 26 de junho de 2011 
  9. «''Chicago Sun-Times'' review». Rogerebert.suntimes.com. 3 de novembro de 1995. Consultado em 26 de junho de 2011 
  10. Garchik, Leah (27 de outubro de 1995). «''San Francisco Chronicle'' review». Sfgate.com. Consultado em 26 de junho de 2011 
  11. Rolling Stone review

Ligações externasEditar