Miguel de Castro

D. Miguel de Castro (1536 - 1625) foi bispo de Viseu (1579-1586), arcebispo de Lisboa (1586-1625) e vice-rei de Portugal. Doutorou-se em Teologia na Universidade de Coimbra e foi nomeado inquisidor do Santo Ofício em 1556, passando, 11 anos mais tarde, a deputado do Conselho-Geral.

Miguel de Castro
Nascimento 1536
Morte 1625 (88–89 anos)
Lisboa
Cidadania Portugal
Irmão(s) Fernando de Castro
Alma mater
Ocupação teólogo
Religião Igreja Católica

Protegido do cardeal-rei D. Henrique, ascendeu à prelazia de Viseu em 1579 e em 1585 é nomeado arcebispo de Lisboa, sucedendo a D. Jorge de Almeida.

Orientou ainda a reimpressão das Constituições do Arcebispado de Lisboa «assim as antigas como as extravagantes». D. Miguel exerceu altas funções durante o domínio filipino, sendo um dos governadores do Reino em 1593.

Foi-lhe dedicada, em 1611, por António Carvalho de Parada, uma biografia de Bartolomeu da Costa.[1]

Em 1615 sucedeu ao bispo D. Pedro de Castilho como vice-rei de Portugal, cargo que ocupou durante dois anos. Faleceu a 1 de julho de 1625, na Sé de Lisboa, onde ficou sepultado.

Referências

  1. Antônio Carvalho de Parada Diálogos sobre a vida e morte do muito religioso sacerdote Bartolomeu da Costa, tesoureiro-mor da Sé de Lisboa, Lisboa, Pedro Craesbeeck, 1611

Ligações externasEditar

Precedido por
Jorge de Ataíde
 
Bispo de Viseu

15791586
Sucedido por
Nuno de Noronha
Precedido por
Jorge de Almeida
 
Arcebispo de Lisboa

15861625
Sucedido por
Afonso Furtado de Mendonça
Precedido por
Vice-rei
Cardeal Alberto de Áustria
 
Presidente da Junta Governativa
do Reino de Portugal

15931598
Sucedido por
Vice-rei
Duque de Lerma
Precedido por
Aleixo de Menezes,
arcebispo de Braga
 
Vice-Rei de Portugal

16151619
Sucedido por
Diogo da Silva e Mendonça,
Marquês de Alenquer
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.