Mikoyan-Gurevich MiG-29

caça de superioridade aérea multiúso

O Mikoyan MiG-29 (em russo: Микоян МиГ-29; OTAN: Fulcrum) é um caça bijato projetado na União Soviética. Desenvolvido pelo escritório de design Mikoyan como um caça de superioridade aérea durante os anos 1970, o MiG-29, juntamente com o maior Sukhoi Su-27, foi desenvolvido para contrariar os novos caças dos EUA, como o McDonnell Douglas F-15 Eagle e o General Dynamics F-16 Fighting Falcon.[2] O MiG-29 entrou em serviço com a Força Aérea Soviética em 1983.[3]

MiG-29
Mikoyan-Gurevich MiG-29
Um MiG-29 russo modernizado
Descrição
Tipo / Missão Avião caça de superioridade aérea, de multipropósito, com motores turbofan, bimotor monoplano
País de origem  União Soviética
 Rússia
Fabricante Mikoyan-Gurevich
Período de produção 1982–presente
Quantidade produzida +1 600
Custo unitário MiG-29B: US$11 milhões (1984, 1999)
(US$29 milhões corrigidos em 2009)
Primeiro voo em 6 de outubro de 1977 (46 anos)
Introduzido em julho de 1983
Variantes Mikoyan-Gurevich MiG-29K
Mikoyan-Gurevich MiG-29M
Mikoyan-Gurevich MiG-35
Tripulação 1
Especificações
Dimensões
Comprimento 17,37 m (57,0 ft)
Envergadura 11,4 m (37,4 ft)
Altura 4,73 m (15,5 ft)
Área das asas 38  (409 ft²)
Alongamento 3.4
Peso(s)
Peso vazio 11 000 kg (24 300 lb)
Peso carregado 15 300 kg (33 700 lb)
Peso máx. de decolagem 20 000 kg (44 100 lb)
Propulsão
Motor(es) 2 x turbofans Klimov RD-33
Força de empuxo (por motor) 8 300 kgf (81 400 N)
Performance
Velocidade máxima 2 400 km/h (1 300 kn)
Velocidade de cruzeiro 1 500 km/h (810 kn)
Velocidade máx. em Mach 2,25 Ma
Alcance bélico 1 430 km (889 mi)
Alcance (MTOW) 2 100 km (1 300 mi)
Teto máximo 18 013 m (59 100 ft)
Razão de subida 109 m/s
Aviônica
Tipo(s) de radar(es) Radar Phazotron N019 Rubin e Zhuk N010
Armamentos
Metralhadoras / Canhões 1 x canhão de 30 mm (1,18 in) GSh-30-1 com 150 disparos
Foguetes S-24 ou Kh-25 ou Kh-29
Mísseis 6 x mísseis ar-ar: AA-8 Aphid ou Vympel R-27 ou AA-11 Archer ou AA-12 "Adder"
Bombas FAB 500-M62, FAB-1000, TN-100
Notas
Dados de: Especificações MiG[1]

O elevado custo de manutenção tem levado a Força Aérea Russa e outros países, como a Hungria, a tentar se livrar de seus MiG-29, entretanto, poucos países têm demonstrado interesse na aquisição destes equipamentos.[4]

Desenvolvimento editar

No meio dos anos 1960, a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) encontrou dificuldades nos céus do Vietnã. Bombardeiros supersônicos que haviam sido otimizados como bombardeios de baixa altitude, como o F-105 Thunderchief, mostraram-se vulneráveis aos mais antigos MiG-17 e aos mais avançados MiGs que eram muito mais manobráveis.[5] Para recuperar a limitada superioridade aérea desfrutada na Coreia, os EUA se concentraram no combate aéreo usando o caça multifuncional F-4 Phantom, enquanto a União Soviética desenvolveu o MiG-23 em resposta. No final dos anos 1960, a USAF iniciou o programa “F-X” para produzir um caça dedicado à superioridade aérea, que levou ao pedido de produção do McDonnell Douglas F-15 Eagle no final de 1969.[6]

No auge da Guerra Fria, uma resposta soviética era necessária para evitar a possibilidade de um novo caça americano obter uma vantagem tecnológica séria sobre os caças soviéticos existentes. Assim, o desenvolvimento de um novo caça de superioridade aérea tornou-se uma prioridade.[7] 2 Em 1969, o Estado-Maior Soviético emitiu um requisito para um Perspektivnyy Frontovoy Istrebitel (PFI, aproximadamente “Caça Avançado de Linha de Frente”).[8] As especificações eram extremamente ambiciosas, exigindo longo alcance, bom desempenho em campo curto (incluindo a capacidade de usar pistas precárias), excelente agilidade, velocidade Mach 2+ e armamento pesado. O instituto russo TsAGI trabalhou em colaboração com o escritório de design Sukhoi na aerodinâmica da aeronave.[9]

Em 1971, no entanto, estudos soviéticos determinaram a necessidade de diferentes tipos de caças. O programa PFI foi complementado com o programa Perspektivnyy Lyogkiy Frontovoy Istrebitel (LPFI, ou “Caça Tático Leve Avançado”), com a força de caça soviética planejada para ser composta 33% do PFI e 67% do LPFI. As duas designações paralelizaram a decisão da USAF, que criou o programa “Lightweight Fighter” e o General Dynamics F-16 Fighting Falcon e o Northrop YF-17.[10] O caça PFI foi atribuído à Sukhoi, resultando no Sukhoi Su-27, enquanto o caça leve foi para Mikoyan. O trabalho de design detalhado no resultante Mikoyan Produto 9, designado MiG-29A, começou em 1974, com o primeiro voo ocorrendo em 6 de outubro de 1977. A aeronave pré-produção foi avistada pela primeira vez pelos satélites de reconhecimento dos Estados Unidos em novembro daquele ano e foi apelidada de Ram-L, pois foi observada no centro de testes de voo Jukovski, perto da cidade de Ramenskoie.[11][12]

Introdução e aprimoramentos editar

No Ocidente, o novo caça recebeu o codinome OTAN “Fulcrum-A” porque o MiG-29A pré-produção, que deveria ter recebido logicamente essa designação, permaneceu desconhecido no Ocidente naquela época. A União Soviética não atribuiu nomes oficiais à maioria de suas aeronaves, embora apelidos fossem comuns. Incomumente, alguns pilotos soviéticos acharam o codinome da OTAN do MiG-29, “Fulcrum”, uma descrição lisonjeira do propósito pretendido da aeronave, e às vezes é usado informalmente no serviço russo.[13]

Na década de 1980, a Mikoyan desenvolveu o MiG-29S, melhorado para usar mísseis ar-ar R-27E de maior alcance. Ela adicionou uma "corcunda" dorsal à fuselagem superior para abrigar um sistema de interferência e alguma capacidade de combustível adicional. A carga de armas foi aumentada para 4 mil kg com o reforço da estrutura. Essas características foram incluídas em novos caças e atualizações para os MiG-29 mais antigos.[14][15]

Projeto editar

Compartilhando suas origens nos requisitos originais do PFI emitidos pelo TsAGI, o MiG-29 tem amplas semelhanças aerodinâmicas com o Sukhoi Su-27, mas com algumas diferenças notáveis. O MiG-29 tem uma asa em flecha montada no meio com extensões nas pontas (LERXs) em flecha em cerca de 40°. Há também estabilizadores horizontais em flecha e duas aletas verticais, montadas em lanças fora dos motores. Slats automáticos são montados nas bordas de ataque das asas, sendo de quatro segmentos nos modelos iniciais e de cinco segmentos em algumas variantes posteriores. No bordo de fuga, há flaps de manobra e ailerons na ponta da asa.[16]

Sensores e armamentos editar

Construído para abarcar o sistema de tiro RLPK-29 - que compreende o radar N019 "Rubin", com capacidade de detecção de alvos em até 100km - o MiG-29 tem uma atuação muito mais independente em relação ao controle de interceptação de solo do que modelos predecessores.[17]

Um sistema único para época, o OEPrNK-29 (S-31), que compreende o sistema eletro-óptico de aquisição de alvos OEPS-29, acoplado a tela no capacete Shchel'-3UM, permite ao piloto detectar e travar alvos sem emitir ondas de radar.[17]

Defensivamente, o MiG-29 conta com sistema de detecção de emissões de radar SPO-15LM Beryosa[18] e o sistema de identificação amigo-inimigo (IFF) STR-700.[19] O sistema BVP-30M é responsável pelas contramedidas de mísseis guiados a infravermelho e a radar.[20]

O armamento padrão do MiG-29 é constituído de um canhão interno de 30 mm GSh-301 com 150 munições.[21] A aeronave também possui seis estações para armamentos sob as asas para mísseis ar-ar de curto alcance e guiados por infravermelho, como o Vympel R-60 (OTAN: AA-8 "Aphid") e o Vympel R-73 (OTAN: AA-11 "Archer"), assim como mísseis de médio alcance guiados por radar, como o Vympel R-27R/T (OTAN: AA-10 "Alamo"). As versões modernizadas da aeronave, como o MiG-29M e MiG-29STM, podem levar mísseis de radar ativo Vympel R-77 (OTAN: AA-12 "Adler").[20]

Apesar de ser um caça e graças ao sistema de armamentos SUV-29, o MiG-29 também é capaz de realizar ataque ao solo utilizando bombas e foguetes não guiados. As variantes mais recentes são capazes de levar armas ar-solo guiadas, como os mísseis Vympel Kh-29 (OTAN: AS-14 "Kedge") e míssil anti-radar Vympel Kh-31P (OTAN: AS-17 "Krypton").[22]

Histórico operacional editar

 
Um Mig-29 russo.

Apesar das suas virtudes aparentes, o MiG-29 não foi tão bem sucedido em combate real. Voou em combate na Guerra do Golfo, sobre a Sérvia, e na Guerra Eritreia-Etiópia em 1999. Pelo menos uma dúzia de unidades foi atingida, sem registo de vitórias. Porém, a maioria das aeronaves destruídas estava no solo e as poucas perdidas em combate aéreo se deve ao fato da tecnologia superior utilizada pelos Estados Unidos, como aeronaves AWACS e mísseis mais modernos, além do alto grau de treinamento dos pilotos americanos. Alguns técnicos consideram estes valores reveladores das deficiências do MiG-29. No ambiente hostil do Iraque e Sérvia, os Estados Unidos tomaram a iniciativa e asseguraram a sua superioridade aérea desde muito cedo, restando poucas hipóteses aos MiG-29 de responder. No entanto, algumas análises de potencial, quando comparados paralelamente, indicam que o MiG-29 poderia ser equiparado ao F-15 Eagle. Análises efetuadas pela Federação de Cientistas Americanos (FAS) revelaram que o MiG-29 é igual ou superior ao F-16, após os exercícios conjuntos DACT, realizado entre pilotos alemães (que herdaram o MiG-29 da antiga Alemanha Oriental) e pilotos americanos, em razão de seu sistema de mira montado no capacete (HMS) dos pilotos e da grande manobrabilidade do MiG-29 à baixa velocidade.[23]

Após a queda da União Soviética, reportou-se que poucos Mig-29 estavam de fato em condições plenas para operações.[24] As Forças Aeroespaciais Russas iniciaram um programa de atualização de seus primeiros MiG-29s para o padrão MiG-29SMT mais moderno,[25] mas as dificuldades financeiras impediram a entrega de mais três MiG-29 SMT atualizados para as forças russas. Em vez disso, os 35 MiG-29SMT/UBTs rejeitados pela Argélia foram comprados pela força aérea russa.[26][27] Como resultado, nas décadas de 1990 e 2000, vários Mig-29 caíram, a maioria devido a problemas mecânicos.[28][29]

O Iraque Baathista comprou vários lotes de Mig-29s na década de 1980, utilizando-os na Guerra Irã-Iraque e na Invasão do Kuwait (1990).[30] No começo da Guerra do Golfo, a força aérea iraquiana operava 39 Mig-29s (de um modelo que, para a época, já estava desatualizado). Após essa guerra, apenas 12 Mig-29s restavam nas mãos dos iraquianos. Cerca de cinco desses Migs foram derrubados por caças F-15 americanos.[31] Foi reportado que um Panavia Tornado britânico teria sido derrubado por um Mig-29 iraquiano, mas essa informação foi negada pelo governo do Reino Unido.[32] Em 1995, o governo iraquiano de Saddam Hussein resolveu retirar de operação seus Mig-29, sendo que muitos já não voavam e o país não tinha meios de adquirir peças de reposição.[33] Após a Invasão do Iraque em 2003, todos os Mig-29 iraquianos remanescentes foram formalmente desmantelados.[34]

A Rússia utilizou Mig-29 na guerra contra a Geórgia. Segundo o governo russo, seus Migs conseguiram abater alguns drones georgianos, mas isso nunca foi confirmado de forma independente.[35]

Durante a primeira quinzena de setembro de 2017, as Forças Aeroespaciais Russas enviaram algumas aeronaves de combate multimissão MiG-29SMT para a Base Aérea de Khmeimim, perto de Lataquia, no oeste da Síria, tornando-se a primeira vez que a versão modernizada do jato Fulcrum de linha de base foi implantada para participar de operações durante a Guerra Civil Síria.[36] O MiG-29SMT estava envolvido em missões de bombardeio e funções secundárias de escolta de bombardeiros estratégicos.[37] A força aérea síria também utilizou seus Migs para atacar alvos rebeldes.[38]

O Grupo Wagner também opera Mig-29s, sendo que dois deles teriam caído na região de Sirte, na Líbia, em 28 de junho e 7 de setembro de 2020.[39]

 
Um caça MiG-29M2 russo.

Em abril de 2014, durante a invasão da Crimeia, 45 MiG-29s e 4 aeronaves L-39 da força aérea ucraniana foram capturados pelo exército russo na Base Aérea de Belbek. A maioria desses aviões parecia estar em condições inoperáveis. Em maio do mesmo ano, as tropas russas desmantelaram essas aeronaves e os enviaram de volta para a Ucrânia. Em 4 de agosto de 2014, o governo ucraniano afirmou que vários Mig-29s haviam sido colocados de volta ao serviço para lutar na guerra no leste do país.[40] Entre 2018 e 2020, a Ucrânia começou um programa de modernização de sua frota de Mig-29, para a variante MiG-29MU2. Foi reportado que os ucranianos estavam usando equipamento ocidental para modernizar seus aviões de origem soviética.[41]

Durante a Invasão da Ucrânia pela Rússia, ambos os lados utilizaram o Mig-29. A força aérea ucraniana utilizou seus caças Su-27s e MiG-29s como aeronaves de superioridade aérea, com pelo menos dez MiG-29s ucranianos sendo destruídos pelos russos nos primeiros dias de invasão.[42]

Em agosto de 2022, um alto funcionário da defesa dos Estados Unidos divulgou que os ucranianos integraram o sistema do míssil AGM-88 HARM para "aeronaves MiG"[43] com evidências em vídeo de mísseis AGM-88 disparados por MiG-29s ucranianos atualizados lançados pela Força Aérea Ucraniana alguns dias depois.[44] Para uma arma que depende de display digital para disparar, a questão de como ela foi integrada aos displays analógicos do MiG-29 permaneceu sem resposta. As filmagens mostraram um GPS comercial sendo instalado junto com algum tipo de tablet.[45]

Variantes editar

 
Um MiG-29 eslovaco

Original editar

  • MiG-29A:[46] a primeira versão produzida para a União Soviética, com o primeiro voo em 1983. 840 unidades produzidas.[47]

Exportação editar

  • MiG-29SM: versão para a Força Aérea Síria.[48]
  • MiG-29G/MiG-29GT: MiG-29 da Alemanha Oriental atualizado para os padrões da OTAN, com trabalho realizado pela MiG Aircraft Product Support GmbH (MAPS), uma empresa de joint venture formada entre a MiG Moscow Aviation Production Association e a DaimlerChrysler Aerospace em 1993.[49]
  • MiG-29 Sniper: atualização planejada para a Força Aérea da Roménia pela DASA, Aerostar e Elbit. A DASA foi responsável pelo gerenciamento do programa, suporte técnico e pelo programa de teste de voo (junto com a Elbit), enquanto a Elbit foi responsável pelo desenvolvimento do pacote de aviônicos e a Aerostar implementou as atualizações nas aeronaves. O primeiro voo ocorreu em 5 de maio de 2000.[50][51] As atualizações incluíram a instalação de um novo computador modular multiuso baseado no barramento de dados MIL-STD-1553B, aviônicos ocidentais atualizados, novas estações de rádio, sistema de navegação híbrido composto por um sistema de navegação inercial acoplado com receptor GPS, sistema de identificação, dois MFCD de 152 mm x 203 mm, um Head-Up Display equipado com painel de controle frontal UFCP, novo RWR, novo HOTAS e novo ADC. Também era esperada a adição de um novo radar e a integração de armas ocidentais enquanto mantinha as russas. O programa foi interrompido por vários motivos, juntamente com a aposentadoria dos MiG-29 romenos em 2003, o governo romeno decidiu investir ainda mais no programa MiG-21 LanceR.[52]
  •  
    Um MiG-29 da Força Aérea Soviética estacionado após um voo de exibição no Abbotsford Air Show, 1989
    MiG-29SMT: o MiG-29SMT é uma atualização dos MiG-29 de primeira geração usando melhorias no MiG-29M. Tanques de combustível adicionais em uma coluna vertebral ainda mais ampliada fornecem um alcance máximo de voo interno de 2.100 km (1.300 mi). O cockpit tem um design HOTAS aprimorado, dois MFDs de cristal líquido coloridos de 152 mm × 203 mm e dois LCD monocromáticos menores. O MiG-29A não tinha capacidade avançada ar-solo, portanto a atualização SMT adiciona o radar Zhuk-ME atualizado com detecção de radar ar-solo e integra armas guiadas ar-solo.[53] Ele também possui motores RD-33 ser.3 atualizados com empuxo pós-combustão classificado em 81 kN (18.000 lbf) cada. A carga de armas foi aumentada para 4.500 kg em seis pontos duros sob as asas e um ventral, com escolhas semelhantes de armas para o MiG-29M. Ele também pode acomodar aviônicos e armas de origem não russa.[54][55]
  • MiG-29BM: o MiG-29BM é uma atualização realizada pela fábrica de reparo de aeronaves ARZ-558 em Baranovichi, Bielorrússia. É uma variante de ataque do MiG-29 e o equivalente bielorrusso ao MiG-29SMT russo. Inclui melhorias em armas, radar, além de adicionar capacidade de reabastecimento ar-ar não retrátil. Eles entraram em serviço em 2003 e estima-se que dez ou mais foram modernizados para o padrão BM.[56] A Força Aérea de Bangladesh atualizou seus MiG-29B semelhantes ao padrão BM.[57]
  • MiG-29UBT: atualização padrão SMT para o MiG-29UB. Utilizado pela Argélia e Iêmen.[58][59]
  • MiG-29UPG: o UPG foi uma nova modificação destinada aos MiG-29 usados ​​pela Força Aérea Indiana. A versão indiana do UPG é semelhante à variante SMT, mas difere por ter um conjunto de aviônicos estrangeiros integrado a ela.[60] O conjunto de armas é o mesmo das versões SMT e K/KUB.[61] Ele fez seu voo inaugural em 4 de fevereiro de 2011. A versão inclui o novo radar Zhuk-M, novos aviônicos, uma sonda IFR, bem como novos motores turbofan RD-33 Série 3 aprimorados e o Sistema de Guerra Eletrônica DRDO/DARE D-29.[62]
  • MiG-29SMP/MiG-29UBP: o SMP/UBP são atualizações para a frota de MiG-29 da Força Aérea do Peru. Em agosto de 2008, foi assinado um contrato de US$ 106 milhões com a RAC MiG para esta atualização personalizada do SM de um lote inicial de oito MiG-29, com uma provisão para atualizar todos os MiG-29 peruanos.[63] A versão monoposto é designada SMP, enquanto a versão biposto é designada UBP. Ele apresenta um conjunto ECM aprimorado, aviônicos, sensores, interface do piloto e um barramento de dados MIL-STD-1553. As interfaces incluem capacidades IRST aprimoradas para detecção e rastreamento passivo aprimorado, bem como melhores capacidades de lançamento fora do eixo de visão, um MFCD e HOTAS.[64] O radar N019M1, uma versão digital fortemente modificada e atualizada do radar N019, substitui o N010 Zhuk-M padrão do MiG-29SMT. A atualização também inclui um programa de extensão da vida estrutural (SLEP), motores revisados ​​e atualizados e a adição de uma sonda de reabastecimento em voo.[65]
  • MiG-29MU1: uma modernização ucraniana do MiG-29.[66]
  • MiG-29MU2: uma modernização adicional ucraniana do MiG-29, focada em munição ar-solo.[67]
 
Um MiG-35 na Aero India de 2007

Variantes de segunda geração com estrutura modificada editar

  • MiG-29M2/MiG-29MRCA: versão de dois lugares do MiG-29M. Características idênticas ao MiG-29M, com um alcance ligeiramente reduzido de 1.800 km (1.100 mi).[68] O MiG RAC se apresentou em vários shows aéreos, incluindo a Quinta Exposição Internacional de Aviação e Aeroespacial da China (CIAAE 2004),[69] Aero India 2005[70][71] e MAKS 2005.[72]
  • MiG-29K: versão naval, adaptada especialmente para a operação a partir de porta-aviões, com asas dobráveis e trens de pouso reforçados.[73][74]
  • MiG-29OVT: O OVT é um dos seis MiG-29M pré-construídos antes de 1991 que recebeu motor de vetor de empuxo e tecnologia fly-by-wire. Ele serviu como um testbed de motor de vetor de empuxo e demonstrador de tecnologia em vários shows aéreos para mostrar melhorias futuras no MiG-29M. Possui aviônicos idênticos aos do MiG-29M e a única diferença no layout do cockpit é um interruptor adicional para ligar a função de vetor de empuxo. É geralmente usado como um demonstrador acrobático em vários shows aéreos ao redor do mundo para exportação potencial.[75]
  • MiG-35: nova versão desenvolvida a partir do MiG-29M2.[76] Classificado como caça de geração 4++ pela Russian Aircraft Corporation MiG.[77]

Operadores editar

 
Em azul: países que possuem o MiG-29 em seu inventário. Em vermelho: nações que já aposentaram esta aeronave

  Argélia

 
Um Mig-29 de Bangladesh com seus armamentos.

  Azerbaijão

  Bangladesh

  • Força Aérea de Bangladesh: 8 unidades em serviço até 2021. Quatro MiG-29B foram atualizados para extensão de vida na Bielorrússia, com o resto planejado para ser atualizado em 2021-2022.[84]

  Bielorrússia

  Bulgária

  Cazaquistão

  • Força de Defesa Aérea do Cazaquistão: 14 unidades até 2016.[87]

  Chade

  • Força Aérea do Chade: 3 unidades[88] da Ucrânia.[89]

  Coreia do Norte

  Cuba

  Eritreia

  • Força Aérea da Eritreia: 4 unidades até janeiro de 2014.[92]
 
Dois MiG-29 indianos patrulhando os Himalaias

  Índia

  Irã

  Mongólia

  • Força Aérea da Mongólia: 6 unidades em serviço até dezembro de 2021.[96]

  Myanmar

  • Força Aérea de Myanmar: 31 unidades em serviço até janeiro de 2015.[97] 10 foram atualizadas para a versão MiG-29SM.[98]

  Peru

  Polônia

  Rússia

  Sérvia

  Sudão

  •  
    Seis MiG-29 da Ucrânia em ala, 1995
    Força Aérea do Sudão: 11 unidades em serviço até janeiro de 2017.[104]

  Síria

  Turcomenistão

  • Força Aérea do Turcomenistão: 24 unidades em serviço até janeiro de 2014.[107]

  Ucrânia

  Estados Unidos (empresa privada Ravn Aero, para demonstração).[109]

  Uzbequistão

  • Força Aérea do Uzbequistão: 60 unidades em serviço até janeiro de 2014.[110]

Especificações editar

 
O MiG-29 em cinco vistas

Dados de Mikoyan,[111] airforce-technology.com,[25] deagel.com[112] e Business World[113]

Características gerais editar

 
Um MiG-29 ucraniano.
  • Tripulação: 1
  • Comprimento: 17,32 m
  • Envergadura: 11,36 m
  • Altura: 4,73 m
  • Área da asa: 38 metros quadrados
  • Peso vazio: 11.000 kg
  • Peso bruto: 14.900 kg
  • Peso máximo de decolagem (MTOW): 18.000 kg
  • Capacidade de combustível: 3.500 kg internos
  • Motorização: 2 × motores turbofan com pós-combustão Klimov RD-33, 49,42 kN de empuxo cada

Performance editar

Velocidade máxima: 2.450 km/h (1.520 mph, 1.320 kn) em alta altitude

Velocidade máxima: Mach 2.3+

Alcance: 1.430 km (890 mi, 770 nmi) com combustível interno máximo[114]

Alcance de combate: 700–900 km (430–560 mi, 380–490 nmi) com 2 x R-27s, 4 x R-73s em alta altitude[115]

Alcance de traslado: 2.100 km (1.300 mi, 1.100 nmi) com 1× tanque externo

Teto operacional: 18.000 m (59.000 pés)

Limites de força G: +9

Taxa de subida: 330 m/s (65.000 pés/min)[116]

Referências editar

  1. "MiG-29/MiG-29UB/MiG-29SE." Arquivado em 7 de agosto de 2014, no Wayback Machine. (em inglês) - RAC MiG.
  2. Gordon and Davison 2005, p. 9.
  3. «Military Power Review - Armas de Guerra - Caça MiG-29 "Fulcrum"». www.militarypower.com.br. Consultado em 26 de maio de 2023 
  4. «Procurement: Take My MiG-29s, Please». www.strategypage.com. Consultado em 26 de maio de 2023 
  5. «Scramble». scramble.nl. Consultado em 2 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2019 
  6. Jenkins 1998, pp. 9–11.
  7. Gordon and Davison 2005, p. 9.
  8. Spick 2000, pp. 488–489, 512–513.
  9. Spick 2000, pp. 488–489, 512–513.
  10. Correll, John T. "The Reformers." Air Force Magazine Online, Fevereiro de 2008, pp. 7–9. Arquivado em 2008-09-26 no Wayback Machine
  11. Lake World Air Power Journal Volume 36, verão de 1999, pp. 110–111.
  12. Lambert 1993, p. 238.
  13. Zuyev, A. e Malcolm McConnell. Fulcrum: A Top Gun Pilot's Escape from the Soviet Empire. Clayton, Victória, Austrália: Warner Books, 1993. ISBN 0-446-36498-3.
  14. Gordon and Davison 2005, pp. 27–29.
  15. Eden 2004, pp. 310–321.
  16. Usa, Ibp (7 de fevereiro de 2007). Russia Air Force Handbook. [S.l.: s.n.] p. 180. ISBN 9781433041150. Consultado em 10 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2020 
  17. a b GORDON, Yefim; Komissarov, Dmitriy (2019). Mikoyan Gurevich MiG-29/MiG-35: Russian Fourth-Generation Classic. Manchester, Reino Unido: Crécy Publishing Ltd. p. 69. ISBN 978-1910809228 
  18. GORDON, Yefim; KOMISSAROV, Dmitriy (2019). Mikoyan Gurevich MiG-29/MiG-35: Russian Fourth-Generation Classic. Manchester, Reino Unido: Crécy Publishing Ltd. p. 167. ISBN 978-1910809228 
  19. BAKER, David (2017). MiG-29: Owners' Workshop Manual. Newbury Park, Califórnia, Estados Unidos: Haynes Publishing. p. 150. ISBN 978-0857333971 
  20. a b BAKER, David (2017). Mikoyan MiG-29: Owners' Workshop Manual. Newbury Park, Califórnia, Estados Unidos: Haynes Publishing. p. 156. ISBN 978-0857333971 
  21. GORDON, Yefim; KOMISSAROV, Dmitriy (2019). Mikoyan Gurevich MiG-29/MiG-35: Russian Fourth-Generation Classic. Manchester, Reino Unido: Crécy Publishing Ltd. p. 70. ISBN 978-1910809228 
  22. BAKER, David (2017). Mikoyan MiG-29: Owners' Workshop Manual. Newbury Park, Califórnia, Estados Unidos: Haynes Publishing. p. 153. ISBN 978-0857333971 
  23. «How To Win In A Dogfight: Stories From A Pilot Who Flew F-16s And MiGs». Foxtrot Alpha (em inglês). Consultado em 20 de outubro de 2020 
  24. "Corrosion issue grounds one-third of Russian air force MiG-29 fleet." Arquivado em 2009-03-22 no Wayback Machine Flight International, 19 de março de 2009. Acessado em 14 de outubro de 2009.
  25. a b «MiG-29 Fulcrum Fighter Bomber». Consultado em 1 de julho de 2011. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2015 
  26. AirForces Monthly, p. 68.
  27. Isby, David C. "16 Additional MiG-29SMTs for Russia". Air International, Junho de 2014. Vol. 86, No. 6. p. 8.
  28. «Военная авиация России переживает всплеск авиапроисшествий». 15 de dezembro de 2015. Consultado em 23 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2016 
  29. "Op Tempo, Sustainment Flaws Hit Russian Air Force". Defense News, 12 de julho de 2015. Acessado em 2 de agosto de 2015.
  30. Cooper, Tom (2020). In the claws of the Tomcat: US Navy F-14 Tomcats in Air Combat against Iran and Iraq, 1987-2000. [S.l.]: Helion & Company Limited. 27 páginas. ISBN 978-1-915070-23-4 
  31. Steve Davies. F-15C Eagle Units in Combat, p. 88. Osprey Combat Aircraft 53.
  32. "ASN Aircraft accident Panavia Tornado GR1 ZA467." Arquivado em 2011-10-09 no Wayback Machine Flight Safety Foundation via Aviation-safety.net, 21 de dezembro de 2009.
  33. Woods, Kevin M. "Iraqi Perspectives Project Phase II, Um Al-Ma'arik (The Mother of All Battles): Operational and Strategic Insights from an Iraqi Perspective, Volume 1 (Revised May 2008)." Arquivado em 2011-07-22 no Wayback Machine Defense Technical Information Center. Acessado em 23 de outubro de 2010.
  34. Kaplan, Fred. "Who disbanded the Iraqi army?" Arquivado em 2011-12-11 no Wayback Machine Slate, 7 de setembro de 2007. Acessado em 9 de dezembro de 2011.
  35. Chivers, C.J. «Russian jet shot down Georgian spy drone, UN says». Consultado em 5 de junho de 2008. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2008  International Herald Tribune, 26 de maio de 2008. Acessado em 10 de março de 2009.
  36. Cenciotti, David (13 de setembro de 2017). «Russia Has Deployed Its MiG-29SMT Multirole Combat Aircraft To Syria For The Very First Time». theaviationist.com. Consultado em 2 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2018 
  37. «Russia's upgraded MiG-29 fighter jets to test new aircraft armament in Syria». TASS. Consultado em 2 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2018 
  38. «Syrian Mig-29 Fulcrum jets appear in the skies over Damascus during ground attack missions». The Aviationist. 22 de outubro de 2013. Consultado em 14 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2015 
  39. «Two Russian MiG-29s Have Crashed In Libya According To Top American Intel Official». The Drive. 11 de setembro de 2020. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2020 
  40. «Ukrainian Mig-29 Fulcrum evacuated from Crimea, back to operational status». The Aviationist. 4 de agosto de 2014. Consultado em 14 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2014 
  41. Ukraine Air Force Receives Upgraded Soviet-era MiG-29, Defenseworld.net, 31 de julho de 2020, consultado em 26 de setembro de 2020, cópia arquivada em 20 de setembro de 2020 
  42. «Ukraine conflict: EU to supply Kyiv with fighter aircraft». Jane's. 28 de fevereiro de 2022 
  43. Trevithick, Joseph (19 de agosto de 2022). «Ukrainian MiG-29s Are Firing AGM-88 Anti-Radiation Missiles». The Drive 
  44. @KpsZSU (30 de agosto de 2022). «One of the 🇺🇦 pilots has made a footage of the MiG-29 fighter jets combat operations. Pilot Ivan dedicates this…» (Tweet) – via Twitter 
  45. David Cenciotti (31 de agosto de 2022). «First Footage Of Ukrainian MiG-29 Firing US-delivered Anti-Radiation Missiles Emerges». Consultado em 31 de agosto de 2022 
  46. «Mikoyan-Gurevich MiG-29A». Consultado em 22 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2018 
  47. BAKER, David (2017). Mikoyan MiG-29: Owners' Workshop Manual. Newbury Park, Califórnia, Estados Unidos: Haynes Publishing. pp. 45–46. ISBN 978-0857333971 
  48. «Russia helps keep Syria's MiG-29s flying». Consultado em 14 de novembro de 2014. Arquivado do original em 12 de junho de 2014 
  49. "Moscow Defense Brief." Arquivado em 2009-08-20 no Wayback Machine mdb.cast.ru. Acessado em: 1 de agosto de 2010.
  50. «MiG-ul 29 Sniper a ajuns la Berlin fara escala». Ziarul de Iași (em romeno). 6 de junho de 2000 
  51. «Aerostar/Dasa fly first MiG-29 Sniper upgrade». FlightGlobal. 16 de maio de 2000. Cópia arquivada em 25 de março de 2022 
  52. Tudor Curtifan (25 de outubro de 2021). «Armata României, după 30 de ani: De la MiG-29 la F-16. Ce s-a schimbat din 1989 până în prezent» (em romeno) 
  53. "Mig-29 fighter jet family, Russia" AirForceWorld.com Acessado em: 23 de agosto de 2013.
  54. "MiG-29SMT, upgraded MiG-29UB aircraft." Arquivado em 2011-03-01 no Wayback Machine RAC MiG. Acessado em: 1 de agosto de 2010.
  55. «MiG-29SMT/MiG-29UB upgraded». Consultado em 27 de maio de 2015. Cópia arquivada em 27 de junho de 2015 
  56. Furtak, Marek (2016). MiG-29BM - myśliwiec wielozadaniowy Sił Powietrznych Białorusi. in: "Lotnictwo" Nr. 1/2016(177), p. 52-58 (em polaco)
  57. Staff, Blog Before Flight. «Bangladesh plans to upgrade a second batch of MiG-29 fighters». Blog Before Flight - Aerospace and Defense News. Consultado em 12 de julho de 2021. Cópia arquivada em 24 de maio de 2021 
  58. "CAST comments." Arquivado em 2007-05-10 no Wayback Machine Centre for Analysis of Strategies and Technologies. Acessado em: 2 de agosto de 2010.
  59. "Moscow Defense Brief." Arquivado em 2009-09-19 no Wayback Machine mdb.cast.ru. Acessado em: 1 de agosto de 2010.
  60. «Indian MiG-29 upgrade». Take-Off. Consultado em 2 de setembro de 2012. Arquivado do original em 4 de maio de 2013 
  61. «Indian MiG-29 upgrade». Take-Off. Consultado em 2 de setembro de 2012. Arquivado do original em 4 de maio de 2013 
  62. «Development of D-29 System (Internal EW system for MIG-29 Upgrade Aircraft) | Defence Research and Development Organisation - DRDO, Ministry of Defence, Government of India». drdo.gov.in. Consultado em 12 de maio de 2021. Cópia arquivada em 12 de maio de 2021 
  63. "Fuerza Aéra del Perú firma contrato para reparar MiG-29." Arquivado em 2008-08-17 no Wayback Machine Ministério da Defesa, 12 de agosto de 2008. Acessado em: 13 de agosto de 2008.
  64. Wojciechowski, Mariusz. "MiG-29." Arquivado em 2012-04-15 no Wayback Machine mars.slupsk.pl. Acessado em: 28 de novembro de 2011
  65. "La Fuerza Aérea de Perú muestra su capacidad de combate." Arquivado em 2017-06-30 no Wayback Machine defensa.com, 25 de julho de 2012. Acessado em: 25 de julho de 2012.
  66. Golz, Alexander. «MiG modernization in liviv». Key.Aero. Consultado em 3 de junho de 2022 
  67. Thomas Newdick (8 de agosto de 2022). «Ukraine's Uniquely Upgraded MiG-29 Fulcrum Is Back». The Drive. Consultado em 10 de agosto de 2022 
  68. MiG-29M / "MiG-29M2." Arquivado em 2008-01-03 no Wayback Machine RAC MiG. Acessado em: 1 de agosto de 2010.
  69. "Latest MiG-29 planes to be flown." Arquivado em 2007-12-11 no Wayback Machine People's Daily Online. Acessado em: 1 de agosto de 2010.
  70. "Russian Aircraft Corporation 'MiG' at Aero India 2005." Arquivado em 2014-01-08 no Wayback Machine Rac MiG. Consultado em: 1 de agosto de 2010.
  71. "ACIG Exclusives: Aero India 2005: Chapter 4." Arquivado em 2010-04-24 no Wayback Machine acig.org. Consultado em: 1 de agosto de 2010.
  72. Seaman, Richard. "MAKS 2005 highlights." Arquivado em 2007-05-31 no Wayback Machine richard-seaman.com. Consultado em: 1 de agosto de 2010.
  73. "MiG-35/MiG-35D." Arquivado em 2010-03-18 no Wayback Machine Rac MiG. Consultado em: 1 de agosto de 2010.
  74. "MiG Corp. started series production of MiG-29K/KUB for Indian Navy." Arquivado em 2005-04-14 no Wayback Machine migavia.ru. Consultado em: 1 de agosto de 2010.
  75. "MiG-29VFT video from “Smotr” TV-series." Arquivado em 2007-06-01 no Wayback Machine Aviapedia. Acessado em: 1 de agosto de 2010.
  76. http://www.strategypage.com/htmw/htproc/articles/20110101.aspx
  77. «MiG-35/MiG-35D». RAC MIG Corporation. 8 de novembro de 2012. Arquivado do original em 27 de setembro de 2007 
  78. "World Military Aircraft Inventory". 2014 Aerospace: Aviation Week and Space Technology, janeiro de 2014.
  79. «World Air Forces 2014» (PDF). Flightglobal Insight. 2014. Consultado em 27 de agosto de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 10 de agosto de 2014 
  80. «MiG-29 on a Roll After Sales Success in Algeria, India». Consultado em 22 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2021 
  81. «Algerian MiG-29M2 spotted for the first time». Consultado em 22 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2021 
  82. "World Military Aircraft Inventory". 2014 Aerospace: Aviation Week and Space Technology, janeiro de 2014.
  83. «World Air Forces 2014» (PDF). Flightglobal Insight. 2014. Consultado em 27 de agosto de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 10 de agosto de 2014 
  84. Staff, Blog Before Flight. «Bangladesh plans to upgrade a second batch of MiG-29 fighters». Consultado em 24 de maio de 2021. Cópia arquivada em 24 de maio de 2021 
  85. "World Military Aircraft Inventory". 2014 Aerospace: Aviation Week and Space Technology, janeiro de 2014.
  86. International Institute for Strategic Studies (IISS) (2021). «The Military Balance 2021». The Military Balance (em inglês) 
  87. «World Air Forces 2022» . Flightglobal Insight. 2022. Consultado em 14 de dezembro de 2021 
  88. Guy Martin. «Chad receiving MiG-29s». defenceweb.co.za. Consultado em 1 de abril de 2015. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2015 
  89. «First of Chad's MIG-29 Arrives In N'Djamena». Open Source IMINT. Consultado em 1 de abril de 2015. Arquivado do original em 14 de outubro de 2014 
  90. Flightglobal - World Air Forces 2015 Arquivado em 2014-12-19 no Wayback Machine (PDF), Flightglobal.com, 2015.
  91. "World Military Aircraft Inventory". 2014 Aerospace: Aviation Week and Space Technology, janeiro de 2014.
  92. "World Military Aircraft Inventory". 2014 Aerospace: Aviation Week and Space Technology, janeiro de 2014.
  93. «Amid Ladakh border standoff, Defence ministry to purchase 21 MiG-29s, 12 Su-30 MKI aircraft». India Today (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2020. Cópia arquivada em 2 de julho de 2020 
  94. «Amid Ladakh border standoff, Defence ministry to purchase 21 MiG-29s, 12 Su-30 MKI aircraft». India Today (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2020. Cópia arquivada em 2 de julho de 2020 
  95. Taghvaee, Babak (junho de 2012). «Guardians of Tehran: Iranian Fulcrums». Combat Aircraft Monthly: 70–73 
  96. «Mongolia received four more MiG-29UB combat training fighters from Russia». vpk.name. 30 de dezembro de 2021. Consultado em 10 de agosto de 2022 
  97. "World Military Aircraft Inventory". 2015 Aerospace: Aviation Week and Space Technology, janeiro de 2015.
  98. «Myanmar MiG-29 Upgrade Revealed». ainonline.com. Consultado em 3 de abril de 2019. Cópia arquivada em 28 de abril de 2019 
  99. International Institute for Strategic Studies (IISS) (2021). «The Military Balance 2021». The Military Balance (em inglês) 
  100. Embraer, In association with. «World Air Forces directory 2022». Flight Global (em inglês). Consultado em 13 de outubro de 2022 
  101. The Military Balance 2022. [S.l.]: IISS. 15 de fevereiro de 2022. ISBN 9781032279008 
  102. International Institute for Strategic Studies (IISS) (2021). «The Military Balance 2021». The Military Balance (em inglês) 
  103. Živojin Banković (3 de maio de 2022). «Kako je lovac postao viĹĄenamenski borbeni avion: Detalji novog naoruĹžanja na premijeri modernizovanih MiG-ova 29SM - Tango Six». Tangosix.rs. Consultado em 17 de julho de 2022 
  104. «WorldAirForces2017-Landscape.pdf». Consultado em 11 de junho de 2017. Cópia arquivada em 31 de julho de 2017 
  105. «WorldAirForces2017-Landscape.pdf». Consultado em 11 de junho de 2017. Cópia arquivada em 31 de julho de 2017 
  106. «Russia has delivered second batch of advanced MiG-29 fighter aircraft to Syria». airrecognition.com. Consultado em 24 de maio de 2021. Cópia arquivada em 24 de maio de 2021 
  107. "World Military Aircraft Inventory". 2014 Aerospace: Aviation Week and Space Technology, janeiro de 2014.
  108. Embraer, In association with. «2023 World Air Forces directory». Flight Global (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2023 
  109. RAVN Aerospace (formerly Air USA). «Our Aircraft». Consultado em 14 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2014 
  110. "World Military Aircraft Inventory". 2014 Aerospace: Aviation Week and Space Technology, janeiro de 2014.
  111. "MiG-29/MiG-29UB/MiG-29SE." Arquivado em 2016-05-18 no Wayback Machine RAC MiG. Acessado em: 21 de junho de 2016.
  112. «Mig-29». Consultado em 27 de junho de 2017. Cópia arquivada em 27 de junho de 2017 
  113. «Air Force to get 33 new fighter jets, 248 indigenous Astra missiles». BusinessWorld. Consultado em 2 de julho de 2020. Cópia arquivada em 2 de julho de 2020 
  114. "MiG-29." Jane's Aircraft Upgrades , Jane's Information Group, 10 de julho de 2009.
  115. Mikoyan MiG-29 (Famous Russian Aircraft) por Yefim Gordon, pp. 66, 377.
  116. «MIG MAPO MiG-29». Flug Revue. 1 de setembro de 1998. Consultado em 13 de agosto de 2010. Arquivado do original em 20 de junho de 2008 

Bibliografia editar

  • Cooper, Tom (2018). Hot Skies Over Yemen, Volume 2: Aerial Warfare Over the South Arabian Peninsula, 1994-2017. Warwick, Reino Unido: Helion & Company Publishing. ISBN 978-1-911628-18-7 
  • Cooper, Tom (2018b). MiG-23 Flogger in the Middle East, Mikoyan i Gurevich MiG-23 in Service in Algeria, Egypt, Iraq, Libya and Syria, 1973-2018. Warwick: Helion & Company Publishing. ISBN 978-1-912-390328 
  • Cooper, Tom; Weinert, Peter; Hinz, Fabian; Lepko, Mark (2011). African MiGs, Volume 2: Madagascar to Zimbabwe. Houston: Harpia Publishing. ISBN 978-0-9825539-8-5 
  • Day, Jerry. "Hot Hot Hot!" Air Classics, Volume 45, 4ª ed., abril de 2009.
  • Eden, Paul, ed. "Mikoyan MiG-29 Fulcrum". Encyclopedia of Modern Military Aircraft. London: Amber Books, 2004. ISBN 1-904687-84-9.
  • Gordon, Yefim and Peter Davison. Mikoyan Gurevich MiG-29 Fulcrum. North Branch, Minnesota: Specialty Press, 2005. ISBN 978-1-58007-085-0.
  • Jenkins, Dennis R. McDonnell Douglas F-15 Eagle, Supreme Heavy-Weight Fighter. Arlington, Texas: Aerofax, 1998. ISBN 1-85780-081-8.
  • Lake, Jon. "Mikoyan MiG-29 'Fulcrum'". World Air power Journal. Volume 4, inverno de 1990/91. Londres: Aerospace Publishing. pp. 44–91. ISBN 1-874023-06-9. ISSN 0959-7050.
  • Lake, Jon. Jane's How to Fly and Fight in the Mikoyan MiG-29. New York: HarperCollins, 1997. ISBN 0-00-472144-6.
  • Lake, Jon. "Variant Briefing: Mikoyan MiG-29". World Air Power Journal 36ª ed., verão de 1999. Londres: Aerospace Publishing. pp. 108–135. ISBN 978-1-86184-027-1.
  • Lambert, Mark. Jane's All The World's Aircraft 1993–94. Coulsdon, Reino Unido: Jane's Data Division, 1993. ISBN 0-7106-1066-1.
  • North, David M. MiG-29 Pilot Report, part 1 Arquivado em 2015-02-26 no Wayback Machine Part 2 Arquivado em 2015-02-26 no Wayback Machine
  • Spick, Mike, ed. "MiG-29 'Fulcrum'". "The Flanker". Great Book of Modern Warplanes. St. Paul, Minnesota: MBI Publishing, 2000. ISBN 0-7603-0893-4.

Ligações externas editar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Imagens e media no Commons