Abrir menu principal
Mileva Marić
Милева Марић
Mileva Marić em 1896, aos vinte e um anos
Conhecido(a) por
  • segunda mulher a terminar o curso no Departamento de Matemática e Física no ETHZ
  • primeira esposa de Albert Einstein
Nascimento 19 de dezembro de 1875
Titel, Reino da Croácia, Império Austro-Húngaro (hoje Voivodina,  Sérvia)
Morte 4 de agosto de 1948 (72 anos)
Zurique,  Suíça
Residência Reino da Croácia, Reino da Croácia-Eslavônia
Nacionalidade austro-húngara (até 1918)
iugoslava (depois de 1918)
Cônjuge Albert Einstein (1903-1919)
Filho(s)
Alma mater
Campo(s) Física e matemática

Mileva Marić (em sérvio cirílico: Милева Марић; Titel, Reino da Croácia, 19 de dezembro de 1875Zurique, Suíça, 4 de agosto de 1948) foi uma física e matemática austro-húngara.

Foi a primeira esposa de Albert Einstein, de 1903 a 1919, com quem teve três filhos: Lieserl Einstein (de quem pouco se sabe), Hans Albert Einstein e Eduard Einstein.[1] Mileva era a única mulher da turma de Einstein no Instituto Federal de Tecnologia de Zurique (ETHZ) e a segunda mulher a terminar o curso no Departamento de Matemática e Física da instituição.[2]

O casal se separou em 1914, quando Mileva levou as crianças para Zurique.[3] O divórcio foi oficializado em 1919, ano que em Albert se casou novamente. Quando ele recebeu o Prêmio Nobel em 1921, transferiu todo o dinheiro para Mileva, para que fosse usado na criação dos filhos. Em 1930, aos 20 anos de idade, seu terceiro filho Eduard, então estudante de medicina, teve uma crise, que levou ao diagnóstico de esquizofrenia. Com o aumento das despesas por conta do tratamento do filho, Mileva teve que vender duas das três casas que ela e Albert compraram para custear a internação. Albert fez contribuições regulares para o cuidado do filho, que continuou depois que ele emigrou para os Estados Unidos com sua segunda esposa, Elsa, sua prima em primeiro grau.[1]

BiografiaEditar

Mileva nasceu em 1875 na cidade de Titel, na atual Sérvia, na época parte do Império Austro-Húngaro. Filha mais velha de um oficial do Governo do Império Austro-Húngaro, Miloš Marić (1846–1922) e sua esposa, Marija Ružić-Marić (1847–1935), seu pai terminou a carreira militar logo após seu nascimento e conseguiu um emprego no tribunal de Ruma e depois em Zagreb.[1] Era uma família abastada, com posses e que encorajou a filha a seguir a carreira acadêmica, algo raro para as moças da época.[1][4] Mileva tinha uma irmã, Zorka e um irmão dez anos mais novo, Miloš Marić, nomeado em homenagem ao pai.[1][4]

Começou o ensino médio em 1886, na escola para moças em Novi Sad, mas no ano seguinte ela mudou para a escola de Sremska Mitrovica.[5] Em 1891, seu pai conseguiu uma autorização especial para matricular Mileva como aluna especial na Royal Classical High School de Zagreb, frequentada apenas por rapazes.[5] Ela passou no teste de admissão, e começou a estudar no ano seguinte. Teve também uma permissão especial para estudar física em fevereiro de 1894, passando nos exames finais de setembro do mesmo ano. Suas notas em física e matemática eram as mais altas da turma.[5]

Naquele ano, Mileva caiu gravemente doente e decidiu se mudar para a Suíça, onde em 14 de novembro ela começou a ter aulas em uma escola de ensino médio para moças de Zurique. Depois de concluir os estudos, ela começou a estudar medicina na Universidade de Zurique, mas só cursou um semestre.[3][5]

No outono de 1896, Mileva saiu da universidade e entrou no Instituto Federal de Tecnologia de Zurique[6], depois de passar no exame de admissão.[5] Sua intenção era obter o diploma para exercer o magistério de física e matemática em escolas de ensino médio e começou o curso junto de Albert Einstein.[7] Era a única mulher em uma classe de seis estudantes, a quinta mulher a entrar naquela curso, a segunda a concluir.[3][5] Mileva deve ter impressionado os decanos da instituição que era bastante rígida na regra de admissão de estudantes, ainda mais mulheres naquela época.[3] Mileva e Albert logo ficaram amigos.[3][5]

Em outubro, Mileva foi para a universidade em Heidelberg, onde estudou no inverno entre os anos de 1897/98, tendo palestras de física e matemática, retornando a Zurique em abril de 1898.[3] Seu estudos incluíam cálculo integral e diferencial, geometria projetiva e descritiva, mecânica, física teórica e aplicada, física experimental e astronomia.[3][5]

GravidezEditar

A carreira científica de Mileva acabou quando ela ficou grávida de Albert em 1901. Com três meses de gestação, ela tentou refazer o exame para a obtenção do diploma e se formar, sem conseguir alcançar a nota mínima mais uma vez. Assim ela parou os estudos que vinha fazendo para seu trabalho de conclusão de curso, que ela esperava transformar em um projeto de doutorado, sob a supervisão de Heinrich Friedrich Weber.[5]

Mileva foi então para Novi Sad, onde sua filha, Lieserl, nasceu em 1902, provavelmente no mês de janeiro. Entre as correspondências do casal, o bebê é referido como Hansel, antes de seu nascimento, quando foi chamada de Lieserl. Segundo Walter Isaacson, em sua biografia de Einstein[8], Lieserl foi dada para adoção aos 19 meses de vida.[8] Entretanto, Michele Zackheim, em seu livro sobre a busca da filha de Einstein e Mileva[9], disse que ela morreu de escarlatina, já que nenhum registro de sua existência foi encontrado, além de sua certidão de nascimento.[9]

CasamentoEditar

 
No centro, a Einsteinhaus, no número 49 da Kramgasse, em Berna. O segundo andar é o apartamento onde Albert e Mileva Einstein viveram de 1903 a 1905

Em 6 de janeiro de 1903, Mileva e Albert se casaram em Berna.[3] Seus colegas de faculdade, Maurice Solovine e Conrad Habicht, foram testemunhas do enlace. Nenhum membro da família dos noivos estava presente e no lugar de uma festa, todos se reuniram em um restaurante próximo para um jantar.[3] O casal também não teve lua-de-mel, retornando para seu apartamento com o fim do jantar.[3]

As correspondências trocadas com amigos indicavam que este era um casal apaixonado, com uma vida confortável em Berna[3], que por sua vez não durou muito tempo. Logo Mileva começou a se sentir infeliz, sem conseguir participar das intensas discussões científicas do marido e dos colegas. É possível que estivesse sofrendo de depressão nessa época.[3][9]

Em 1904, nasceu o primeiro filho do casal, Hans Albert Einstein, em Berna. Foi um momento feliz para o casal, em especial para Mileva, possivelmente ainda abalada pela perda da primeira filha.[3] Em julho de 1910, o segundo filho do casal nasceu em Zurique, Eduard.[10] A carreira de Albert estava deslanchando e é provável que Mileva o ajudasse a redigir artigos e a preparar palestras.[3][9][4] Hans se tornaria engenheiro hidráulico pela Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, obtendo doutorado em 1936. De 1947 a 1971 foi professor da Universidade da Califórnia em Berkeley e se tornou um dos maiores especialistas em aporte de sedimentos. Hans teve três filhos biológicos e uma adotada, mas apenas Bernhard Caesar Einstein chegou à idade adulta.[10] Bernhard se tornaria físico e engenheiro, tendo registrado várias patentes em sua vida, trabalhando para empresas como Texas Instruments e a Litton Industries[10] Bernhard morreu em 2008 e deixou cinco filhos.[10] Thomas Martin Einstein, um de seus filhos e bisneto de Mileva e Albert, é médico anestesista na Califórnia.[11]

Em 1913, convidado por Max Planck e Walter Nernst, Albert mudou toda a família para Berlim, a fim de ocupar uma cadeira como professor na Universidade de Berlim.[3][4] Tal mudança contrariou Mileva que, desde 1912, encontrava-se em certa indisposição com Albert, pois este mantinha correspondência frequente com sua prima Elsa (que viria a ser a sua segunda esposa).[9] Após uma série de atritos, somando-se a permanência em uma cidade estranha, o frequente descaso de Einstein consigo e com os filhos, bem como o interesse deste para com Elsa, os dois se divorciaram em 1914.[1][3][9]

Depois de atender a uma série de exigências da parte de Albert com o divórcio, Mileva teve que cuidar dos filhos e sustentar uma casa sem a ajuda do ex-marido.[3] Assim ela começou a dar aulas de música e de matemática em Zurique, às vezes pedindo dinheiro emprestado dos amigos.[3][12] Quando Albert ganhou o Prêmio Nobel, em 1921, ele enviou todo o dinheiro que veio da premiação para Mileva, para auxiliar no pagamento da internação do filho.[13] Com a verba, ela comprou três casas, duas das quais ela precisou vender para pagar pela internação de Eduard.[12] A terceira casa, onde ela morava com Hans, ela passou para o nome de Albert, que vendeu sem lhe avisar, porém permitindo que ela morasse em um dos apartamentos do edifício.[12][14]

IrmãosEditar

O irmão mais novo de Mileva, Miloš Marić, estudou medicina na Universidade de Cluj, na Transilvânia. Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, Milos entrou para o Exército Austro-Húngaro como médico.[15] Em algum momento, ele foi viver na União Soviética, depois de se entregar para o Exército Vermelho, onde se tornou professor universitário, dando aulas de histologia.[15] Em 1928, tornou-se professor titular da cadeira de histologia da Universidade Saratov, onde continuou trabalhando até sua morte, em 1944.[15] Ele não mais se correspondeu com sua irmã Mileva, nem com a esposa, Marta e pouco se sabe sobre sua vida em Moscou além de poucos detalhes acadêmicos.[15]

A irmã, Zorka Marić, era muito próxima da irmã Mileva.[15] Acredita-se que durante a Primeira Guerra Mundial, ela foi estuprada por soldados em uma igreja em Rijeka, hoje na Croácia, em 1916. O evento pode ter contribuído para o comportamento de Zorka que se tornou avessa aos seres humanos em geral, dando preferência ao contato com animais especialmente gatos.[15] Por algum tempo, Zorka ficou internada em uma clínica psiquiátrica em Zurique. Após a morte da mãe, em 1935, Zorka começou a beber. Ela morreu aos 55 anos, em 1938.[15]

Colaboração com EinsteinEditar

 
Albert e Mileva Einstein, 1912

Muito se discute se Mileva contribuiu e o quanto contribuiu para os primeiros trabalhos de Albert.[3] Muitos historiadores da ciência argumentam que ela não teve nenhuma contribuição importante ao trabalho do ex-marido, enquanto outros, baseados nas cartas trocadas entre o casal, alegam que ela foi fundamental para a pesquisa e cálculos nos primeiros artigos publicados por ele.[3][13]

O filho do casal, Hans Albert, disse que a mãe, ao se casar com Albert, desistiu de qualquer ambição na carreira científica.[16] A afirmação de que ela seria co-autora de alguns dos primeiros trabalhos de Albert, que levaram aos artigos publicados em 1905, se baseiam em um relato do físico russo, Abram Joffe, que teria atribuído um trabalho de três autores Einstein-Marity erroneamente.[3]

Em 1905, Mileva teria dito a um amigo que eles, Mileva e o marido, tinham terminado um trabalho importante, que deixaria seu marido famoso.[3][17] O fato de Albert se referir no plural em suas correspondências indicaria o período em que ele e Mileva eram estudantes em Zurique, quatro anos antes dos artigos publicados em 1905.[18]

Usar referências no plural, segundo alguns historiadores, como John Stachel, era comum em suas cartas e que nas correspondências trocadas com Mileva onde ele conta sobre seus feitos científicos, ela não dava nenhuma resposta a respeito. Suas cartas para ele eram puramente pessoais e ela não comentou com amigos nem familiares sobre suas supostas descobertas ou feitos científicos.[18] Ainda assim, o conteúdo de algumas cartas sugerem que houve uma colaboração entre eles, pelo menos, em 1901[3], antes de seus filhos nascerem, o que fez Mileva renunciar à vida acadêmica para cuidar deles, em especial Eduard.[13]

MorteEditar

Mileva Marić morreu em 4 de agosto de 1948, aos 72 anos, em Zurique.[1] Ela foi sepultada no Cemitério Nordheim.[1] Eduard Einstein ficou internado em uma instituição psiquiátrica, em Burghölzli, até sua morte, em 1965, devido a um AVC.[1][8] Seu pai nunca o visitou no hospital.[1][8]

Referências

  1. a b c d e f g h i j Popović, Milan (1994). In Albert's Shadow: The Life and Letters of Mileva Marić, Einstein's First Wife. Baltimore: The Johns Hopkins University Press. 304 páginas. ISBN 080187856X 
  2. Luise Pusch (ed.). «Mileva Einstein-Marić». Fembio. Consultado em 19 de julho de 2019 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w Estelle Asmodelle (ed.). «The collaboration of Mileva Marić and Albert Einstein» (PDF). Asian Journal of Physics. Consultado em 19 de julho de 2019 
  4. a b c d Allen Esterson (ed.). «Maintaining Scholarly Standards in Feminist Literature: The Case of Mileva Marić, Einstein's First Wife». SAGE Open. Consultado em 19 de julho de 2019 
  5. a b c d e f g h i Highfield, R.; Carter, P. (1993). The Private Lives of Albert Einstein. Londres: Faber and Faber. ISBN 978-0-571-17170-5 
  6. «A história pouco conhecida da brilhante mulher de Einstein que contribuiu para a teoria da relatividade». BBC Brasil. Consultado em 19 de julho de 2019 
  7. MARÍLIA MARASCIULO (ed.). «Mileva Maric Einstein: sua participação na Física foi esquecida?». Revista Galileu. Consultado em 19 de julho de 2019 
  8. a b c d Isaacson, Walter (2007). Einstein. São Paulo: Companhia das Letras. p. 696. ISBN 978-8535911282 
  9. a b c d e f Zackheim, Michele (1999). Einstein's Daughter: The Search for Lieserl. São Paulo: Riverhead Hardcover. 301 páginas. ISBN 978-1573221276 
  10. a b c d Adrien Lucas Ecoffet (ed.). «Einstein Was A Formidable Genius, But What About His Kids?». Forbes. Consultado em 19 de julho de 2019 
  11. «Meet Dr. Einstein». Einstein Anesthesia. Consultado em 19 de julho de 2019 
  12. a b c Dale Debakcsy (ed.). «Erasing Mileva Marić-Einstein, The Woman Behind Einstein's Math». Mad Art Lab. Consultado em 19 de julho de 2019 
  13. a b c Pauline Gagnon (ed.). «The Forgotten Life of Einstein's First Wife». Scientific American. Consultado em 19 de julho de 2019 
  14. Troemel-Ploetz, Senta (1990). «The woman who did Einstein's mathematics». Women's Studies International Forum. 13 (5): 415–32. doi:10.1016/0277-5395(90)90094-E 
  15. a b c d e f g Krstić, Djordje (2004). Mileva & Albert Einstein: Their Love and Scientific Collaboration. Zagreb: Didakta. 300 páginas. ISBN 978-9616530088 
  16. Whitrow, G.J. (1973). Einstein: The Man and His Achievements. Londres: Dover. 94 páginas. ISBN 978-0486229348 
  17. «Mileva's Story». PBS.org. Consultado em 19 de julho de 2019 
  18. a b Walker Stachel (ed.). «Página principal» (PDF). Philo Science. Consultado em 19 de julho de 2019 

Ligações externasEditar