Miquerinos

antigo faraó egípcio da IV dinastia

Miquerinos ou Mencauré (em egípcio: mn-k3.w-Rˁ; em grego: Μυκερίνος), também chamado de Menquerés por Manetão, foi um faraó egípcio da IV dinastia durante o Império Antigo. Ficou famoso por sua tumba, a Pirâmide de Miquerinos, localizada na Necrópole de Gizé, e também pela sua bela tríade de estátuas, mostrando suas esposas e outras deidades.

Miquerinos
Cabeça da estátua de alabastro fragmentária de Miquerinos no Museu de Belas Artes
Faraó do Egito
Reinado 18 a 22 anos;[1] c. 2 530 a.C.
Antecessor(a) Quéfren (provavelmente) ou Biquéris
Sucessor(a) Seberquerés
 
Morte c. 2500 a.C.
Sepultado em Pirâmide de Miquerinos
Camerernebeti II, Requetré (?)
Dinastia IV dinastia
Pai Quéfren
Mãe Camerernebeti I
Filho(s) Cunré, Seberquerés, Quentecaus I, Sequenré
Titularia
Nome Miquerinos
(mn-k3.w-Rˁ)
Sua alma de permanecerão como Rá[1]
<
N5
Y5
D28 D28
D28
>

Soletrações alternativas:
(Mn-k3(.w)-Rˁ)
<
N5
Y5
D28
>

<
N5
Y5
D32
>
Hórus Horcaquete
(ῌr-k3-ḫt)
Touro da companhia divina
G5D28D52
F32
Duas Senhoras Canebti
(Nbt.j-k3)
Touro das Duas Senhoras
G16D28E1
Hórus de Ouro Netejerbiquenebu
(Nṯr-bjk-nb.w)
O divino falcão dourado
R8G7S12

Lista Real de Abidos
Miquerinos
(Mn-k3.w-Rˁ)
Seus permanecerão como Rá
<
N5Y5
n
D28
Z2
>

Tabuleta de Sacará
...cauré
(...k3.w Rˁ)
<
N5HASHHASHD28
D28
>
Título

O historiador Heródoto elogiou-o, dizendo nos seus escritos que o faraó foi um rei próspero, que teve várias relações diplomáticas, o comércio externo era vasto, derrubou várias medidas repreensivas postas por seus ancestrais e voltou a abrir os templos que foram fechados devido às obras dos túmulos.[2]

Data de reinadoEditar

Segundo o Cânone de Turim, Miquerinos governou 18 ou 28 anos. O ano mais elevado atestado no reinado do faraó foi a 11ª contagem de gado ou um ano após a 11ª contagem de gado. Se um censo bienal de gado for realizado, Miquerinos governará por pelo menos 21 ou 22 anos, o que parece ser muito longo, considerando que o memorial fúnebre no momento de sua morte não foi concluído. O consenso geral parece ser para a regra dos 18 anos e o censo de gado irregular.[3]

Além disso, o cânone pôs outro monarca entre Quéfren, seu predecessor, e Miquerinos com o número de reinado desconhecido, cujo nome era Biquéris, e pode ser que este seja filho de Quéops ou de Ratoises.[3]

FamíliaEditar

Miquerinos era filho de Quéfren e Camerernebeti I, e se casou com sua irmã Camerernebeti II. Teve filho com esta, chamado Cunré, que morreu jovem.[3]

Além dela, Miquerinos teve duas outras esposas, entretanto com nomes desconhecidos, e uma delas teve um filho chamado Seberquerés, e uma filha chamada Quentecaus I, que mais tarde seria esposa de Userquerés, primeiro faraó da V dinastia.[3]

ReinadoEditar

Ao contrário dos faraós antecessores Quéops e Quéfren, Miquerinos foi mais tarde considerado um rei bondoso e sábio. Isso pode ser devido ao fato de que sua pirâmide foi construída lado a lado com as pirâmides de Quéops e Quéfren em Gizé, que tem menos da metade do tamanho dessas duas grandes pirâmides. O templo mortuário construído em frente à sua pirâmide foi concluído por seu sucessor Seberquerés, embora com pressa.[3]

Complexo da PirâmideEditar

 
Pirâmide de Miquerinos localizada em Gizé

A Pirâmide de Miquerinos foi construída na borda da mesma formação rochosa, que também foi a base das pirâmides de Quéops e Quéfren. Isso não deixou espaço suficiente para Miquerinos construir seu monumento em grande escala, o que explica, pelo menos em parte, por que sua pirâmide é muito menor do que as pirâmides de seus dois ancestrais.[4]

Depois de Quéfren, outro fator que desempenhou um papel importante na redução das pirâmides reais pode ser o aumento no tamanho dos templos mortuários e vales e o uso de materiais mais caros, bem como as atividades menos restritas de construção de reis e menos construção de suas próprias estruturas funerárias e tendem a construir templos.[4]

PirâmideEditar

 Ver artigo principal: Pirâmide de Miquerinos
 
Visualização isométrica da pirâmide de Miquerinos

A altura da pirâmide é de 65 metros, menos da metade do tamanho das outras pirâmides em Gizé. Sua área de fundação é menos de um quarto de seus dois vizinhos, e sua massa total de construção é cerca de 10 vezes menor do que a Pirâmide de Quéfren. Isso geralmente é interpretado como um sinal do declínio da riqueza e do poder da IV dinastia, mas a alta qualidade e habilidade das várias estátuas de Miquerinos encontradas dentro ou perto do complexo funerário parecem dizem ao contrário. Curiosamente, a maioria das pirâmides construídas na V e VI dinastia são aproximadamente do mesmo tamanho que as pirâmides de Miquerinos.[5]

Sabe-se que a pirâmide não foi concluída após a morte de Miquerinos, e logo só foi finalizada no reinado de Seberquerés.[5]

Três pirâmides menores foram construídas ao sul da parede principal da pirâmide deste complexo. Apenas a pirâmide mais oriental é a pirâmide real e as outras duas pequenas pirâmides escalonadas. A estrutura inferior da pirâmide mais a leste mostra que ela era originalmente uma pirâmide satélite e mais tarde foi convertida em um cemitério para uma das rainhas de Miquerinos. Todas as três pirâmides têm pequenos santuários de tijolos de barro, indicando pelo menos a intenção de adoração fúnebre. Apenas na pirâmide central está o corpo de uma jovem, mas não se sabe se ela era a dona original da tumba ou o resultado da invasão e sepultamento.[5]

SarcófagoEditar

Câmara funerária de Miquerinos, hoje, e conforme descoberto com o sarcófago agora perdido

Em 1837, o oficial do exército inglês Richard William Howard Vyse e o engenheiro John Shae Perring começaram as escavações na pirâmide de Miquerinos. Na câmara mortuária principal da pirâmide, eles encontraram um grande sarcófago de pedra de 8 ft (244 cm) de comprimento, 3 ft (91,4 cm) de largura e 2 ft e 11 in (89 cm) de altura, feito de basalto. O sarcófago não tinha hieróglifos inscritos, embora fosse decorado no estilo da fachada de um palácio. Ao lado da câmara mortuária foram encontrados fragmentos de madeira de um caixão com o nome de Miquerinos e um esqueleto parcial envolto em um pano grosso. O sarcófago foi retirado da pirâmide e enviado de navio para o Museu Britânico em Londres, mas o navio mercante Beatrice que o transportava foi perdido após deixar o porto de Malta em 13 de outubro de 1838. Os outros materiais foram enviados por um navio separado, e esses materiais agora estão no museu, com os restos da caixa do caixão de madeira na tela.

Acredita-se agora que o caixão foi uma substituição feita durante o período saita muito posterior, quase dois milênios após o sepultamento original do rei. A datação por rádio carbono dos fragmentos ósseos encontrados, situam-se em uma data ainda posterior, do período copta dos primeiros séculos d.C..[6]

Tríades de MiquerinosEditar

Todas as quatros tríades de Miquerinos

Entre as estátuas, possuem quatro tríades de Miquerinos, que são:

  • Tríade de Uenete, Hator e Miquerinos – No centro fica Hator (ao contrário das outras que colocam o faraó no centro), à direita fica Miquerinos com a Coroa Branca, simbolizando o Alto Egito, de saiote curto e à esquerda tem Uenete, que representa a província de Hermópolis no Oriente Médio.[7]
  • Tríade de Hator, Miquerinos e Dióspolis – No centro fica Miquerinos que usa a Coroa Branca, usando também barba falsa e uma saia tripartida, caminhando com o pé esquerdo para a frente, Hator representa uma mulher coroada com chifres de vaca e disco solar que são típicos dela e uma deusa provincial usa um cocar que identifica a Dióspolis, Alto Egito.[8][9]
  • Tríade de Hator, Miquerinos e Tebas – No centro fica Miquerinos, à direita fica Hator que é mais baixa que o faraó e tem o pé esquerdo um pouco à frente e na esquerda fica um deus provinciano usa um cocar que representa a Tebas.[10][11]
  • Tríade de Hator, Miquerinos e Ampute – No centro fica Miquerinos que é maior que Hator, à direita, e á esquerda tem uma deusa provincial que usa um cocar que identifica à Ampu.[12]

Referências

BibliografiaEditar

  • do Lago, Raimundo Nonato Rocha (2021). A evolução de povos pós-diluvianos. [S.l.]: Viseu. ISBN 9786559850310 
  • Tiradritti, Francesco (2000). Tesouros do Egito. [S.l.]: Manole. ISBN 9788520410622 
  • Schneider, Thomas (2002). Lexikon der Pharaonen. Düsseldorf: Albastros. ISBN 3-491-96053-3 
  • Boughton, Paul (2006). Menkaura's Anthropoid Coffin: A Case of Mistaken Identity?. [S.l.: s.n.] 

Precedido por
Biquéris ou Quéfren
Faraó
IV dinastia egípcia
Sucedido por
Seberquerés