Abrir menu principal
Miróbriga
em latim: Mirobriga/Mirobrica Celticorum
Vista das ruínas do forum da cidade de Miróbriga (cortesia Filomena Barata)
Localização atual
Miróbriga está localizado em: Portugal Continental
Miróbriga
Localização de Miróbriga em Portugal Continental
Coordenadas 38° 0' 36" N 8° 41' 1" O
País Portugal Portugal
Região Distrito de Setúbal
Concelho de Santiago do Cacém
Dados históricos
Império Império Romano
Notas
Administração Estado Português
Acesso público Sim

Miróbriga ou Miróbrica dos Célticos (em latim: Mirobriga/Mirobrica Celticorum), melhor conhecida somente como Miróbriga ou Miróbrica, é uma antiga cidade romana situada perto da vila e freguesia de Santiago do Cacém, no município de mesmo nome no sul-oeste de Portugal. A arqueologia revelou que a cidade ocupou o local de um antigo povoado da Idade do Ferro que existia desde o século IX a.C.

Com a colonização romana desenvolveu-se para a área comercial em torno do fórum. As termas, entre o mais bem preservado em Portugal, constituída por dois edifícios adjacentes, possivelmente um para o sexo masculino e outro para o feminino, respectivamente. As áreas residenciais ainda são pouco conhecidos. Relativamente perto das termas, existe uma ponte com um único arco semicircular. O hipódromo, é o único cujo, é completamente conhecido em Portugal, está localizado mais longe do centro.

HistóriaEditar

Miróbriga representa um dos mais marcantes vestígios da ocupação dos romanos no Sudoeste de Portugal. Foi classificada de Imóvel de Interesse Público, em 1940. A cidade romana estende-se por mais de 2 km, apresentando ruínas de edifícios de habitação, ruas pavimentadas, um hipódromo, termas, uma ponte e um fórum. O Fórum de Miróbriga encontra-se localizado numa zona chamada de "Castelo Velho", o topónimo de castelo, no sul indica inúmeras vezes ocupação pré-romana. É o caso de Miróbriga. Foi ocupada já desde a Idade do Bronze, e do Ferro onde beneficiou das trocas comerciais púnicas no século IV a.C.

A partícula "briga" parece indicar a celtização da zona. A ocupação propriamente romana dá-se no século I d.C., e possivelmente teria o estatuto de estipendiária. A sua origem etimológica deriva de dois vocábulos celtas antigos miro/more (mar) e briga (fortaleza), pelo que o topónimo significa Fortaleza do Mar. Na época pré-romana era o povoado principal dos mirobricenses, uma das tribos dos célticos, uma confederação tribal cujo território se situava a sul do dos lusitanos e a norte do território dos cónios (que correspondia aos atuais Algarve e sul do distrito de Beja), ou seja, do sul do rio Tejo (antigo Tago) ao rio Guadiana (antigo Anas), correspondendo, em grande parte, ao atual Alentejo, Península de Setúbal, Ribatejo, a sul do rio Tejo, e parte da Estremadura espanhola.

Na época flaviana o desenvolvimento da cidade foi intenso, podendo mesmo ter chegado a obter o estatuto de município, juntamente com Bracara Augusta e Conímbriga. O que seria provável é que controlava muito possivelmente um território relativamente afastado de si, como é o caso de Sines.

O despovoamento de Miróbriga, terá ocorrido, segundo os testemunhos arqueológicos até agora apurados, no século IV, altura da decadência do império romano registado amiúde em outras cidades.

PatrimónioEditar

 
Templo de Vénus

Podemos apreciar um fórum, muito possivelmente construído no século I d.C., e as termas que terão sido edificadas na centúria seguinte, um templo, com o propósito cultual. Este mesmo templo está destacado no seio da urbe. Ocupa um lugar central no fórum. Existe uma outra estrutura com funções igualmente cultuais, segundo Dom Fernando de Almeida - o Templo de Vénus.

As termas são das mais bem conservados no país. Temos as termas este, edificadas no século II, e as termas oeste que viram o nascer do dia por volta da segunda metade do mesmo século. Tanto a escolha topográfica para a implantação, como os materiais para a sua construção foram escrupolosamente pensadas. Existe uma zona de entrada, com salas para massagens, vestiário, e zona de água fria (frigidário) e água quente (caldário).

Foram também postas a descoberto várias habitações contendo pinturas murais.

PavimentoEditar

Calçadas construídas de xisto atravessam o aglomerado e uniam os vários núcleos urbanos. Relativamente perto das termas pode ver-se uma ponte de um só arco de volta inteira.

 
Vista da Ponte romana de Miróbriga

  

HipódromoEditar

A cerca de um quilómetro do sítio arqueológico de Miróbriga encontram-se as ruínas do único hipódromo até hoje identificado em Portugal. Destinado a corridas de carros puxados por dois ou quatro cavalos, o hipódromo media 370x75 metros. Era dividido ao meio pela "spina" e possuía uma meta em cada extremidade. Não se encontraram vestígios de bancadas, que deveriam ser construídas em madeira.

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Miróbriga

BibliografiaEditar

LegislaçãoEditar

  • Decreto n.º 30762, de 26 de setembro de 1940, que classifica como imóvel de interesse público a «área do Castelo Velho, com as ruínas da cidade romana adjacente descobertas na herdade dos Chão Salgados, subúrbios de Santiago do Cacém.»
  • Decreto n.º 32973, de 18 de agosto de 1943, que classifica como imóvel de interesse público a «área do Castelo Velho, com as ruínas da cidade romana adjacente», no concelho de Santiago do Cacém, distrito de Setúbal.
  • Portaria n.º 1135/91, de 5 de novembro, que fixa o perímetro da zona especial de protecção das Ruínas Romanas de Miróbriga.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar