Abrir menu principal

Miss Sloane

filme de 2016 dirigido por John Madden
Miss Sloane
Miss Sloane - Uma Mulher de Armas (PRT)
Armas Na Mesa (BRA)
 França
 Estados Unidos

2016 •  cor •  132 min 
Direção John Madden
Produção Ariel Zeitoun
Ben Browning
Kris Thykier
Roteiro Jonathan Perera
Elenco Jessica Chastain
Mark Strong
Gugu Mbatha-Raw
Michael Stuhlbarg
Alison Pill
Jake Lacy
John Lithgow
Sam Waterston
Companhia(s) produtora(s) FilmNation Entertainment
Distribuição EuropaCorp
Lançamento 25 de novembro de 2016
Idioma Não disponível
Página no IMDb (em inglês)

Miss Sloane (em Portugal, Miss Sloane - Uma Mulher de Armas) é um filme de drama francês[1] de 2016 dirigido por John Madden e escrito por Jonathan Perera. A obra, que retrata a esfera política de Washington D.C., é protagonizada por Jessica Chastain, Mark Strong, Gugu Mbatha-Raw, Michael Stuhlbarg, Alison Pill, Jake Lacy, John Lithgow e Sam Waterston e estreou nos Estados Unidos em 25 de novembro de 2016.[2][3]

ElencoEditar

SinopseEditar

Em Washington D.C., a lobista Elizabeth Sloane é levada a julgamento pela comissão de ética do congresso americano. Seguindo a orientação de seu advogado, Elizabeth apela à Quinta Emenda e reserva seu direito de não responder às perguntas provocadoras dos senadores.

A narrativa volta a alguns meses antes, quando Elizabeth trabalhava para a empresa Cole, Kravitz & Waterman, sendo uma lobista profissional e talentosa, fugindo não raramente das normas do Congresso para conseguir o que quer. Ela é uma mulher totalmente dedicada ao trabalho em detrimento de sua própria saúde, chegando a tomar medicamentos controlados para se manter acordada e continuar trabalhando. Ela recebe uma proposta de trabalho do líder do Lobby das Armas, Bob Sanford, que deseja que ela trabalhe para ganhar o voto do eleitorado feminino antes da votação do projeto de lei, chamado Heaton-Harris, que propõe um controle mais rígido na aquisição de armas. Porém, por ser pessoalmente contra a posse irrestrita de armas, ela recusa a oferta. Mais tarde, Elizabeth é abordada por Rodolfo Schmidt, diretor da Petterson-Wyatt, empresa responsável por apoiar a Heaton-Harris. Schmidt oferece a Sloane um cargo como líder da campanha a favor da Heaton-Harris. Estimulada pelo desafio, Elizabeth decide aceitar a oferta e convida todos os seus subordinados na Cole Kravitz para seguirem-na, porém sua assistente e braço direito, Jane Molloy, se recusa a deixar a empresa.

Enquanto isso, de volta a comissão de ética do congresso, Elizabeth acaba sedendo às provocações do presidente da sessão e responde a uma pergunta, sendo a partir de então forçada a responder todas as outras, correndo o risco de cometer perjúrio ou ser forçada a confessar suas operações ilegais.

Na campanha pela Heaton-Harris, Elizabeth conhece alguns novos membros da equipe, incluindo Esme Manucharian, uma jovem que ela descobre ser uma sobrevivente de um tiroteio em um colégio. Analisando os números de sua campanha, a equipe conclui que precisa conseguir 16 votos dos 22 senadores ainda indecisos sobre a Heaton-Harris para ganhar a votação e os ex-empregadores de Elizabeth, a Cole Kravitz lidera a oposição, com a ajuda de Jane. Elizabeth se utiliza de todos os meios de que dispõe para conseguir os votos, como infiltrar seus funcionários na imprensa a fim de fazer perguntas que forçam os senadores a declararem publicamente seu apoio ao projeto, angariando doações para a campanha e etc., porém ela nem sempre compartilha todos os seus planos com sua própria equipe. Ela faz de Esme o rosto de sua campanha, mas sem revelar o histórico da moça. Um dia, o líder da oposição e ex-colega de Elizabeth, Pat Connors, oferece a ela a oportunidade de fazer um debate ao vivo na TV sobre a Heaton-Harris e ela aceita. Logo em seguida, ela conversa com sua equipe sobre a possibilidade de haverem escutas no escritório e que eles deveriam se comunicar através de códigos e outras táticas para evitar expor suas estratégias de campanha. Não muito tempo depois, Elizabeth expõe diante de toda a equipe uma de suas funcionárias que vinha vazando informações para a oposição, revelando que colocou todos os membros de sua equipe sob vigilância. Ela inclusive tenta usar táticas de vigilância ilegal para forçar um senador a manter seu apoio a Heaton-Harris, mas é proibida por Rodolfo e acaba sendo forçada a encontrar outros meios. Em sua vida pessoal, Elizabeth se limita a contratar um garoto de programa chamado Forde somente para ter relações sexuais eventualmente.

Chega o dia do debate ao vivo com seu opositor e Elizabeth se desvia propositalmente da linha de argumentação já estabelecida por sua equipe apenas para revelar o histórico de Esme, contrariando até mesmo a vontade da moça e forçando-a a se expor na mídia. Posteriormente, ela revela a Rodolfo que conseguiu grandes doações do eleitorado feminino, aproveitando-se justamente da fraqueza que Sanford revelou a ela e sem contar nada nem mesmo a seu chefe. Pessoalmente irritado com Elizabeth, Sanford pressiona Connors a atacar pessoalmente Elizabeth, a fim de destruir sua carreira. Enquanto isso, a campanha de Elizabeth se mostra bem-sucedida, chegando cada vez mais perto do número de votos que precisa. Um dia, no entanto, Esme é atacada por um civil armado que era contrário à opinião da moça sobre as armas, mas é salva por Frank McGill, um outro civil também armado que atira no agressor. Isso muda o equilíbrio da campanha, já que McGill se torna o rosto da campanha do lobby das armas e Esme, sabendo que nada teria acontecido se Elizabeth não a tivesse jogado nos holofotes, se recusa a continuar na campanha.

Apesar de sempre se mostrar forte, Elizabeth começa a se sentir abalada pela pressão que toda essa situação causou sobre ela, ao mesmo tempo em que se vê sem opções para vencer a campanha. Ela chega a ligar para Jane Malloy, mas esta desliga o telefone sem falar com ela.

Por fim, Jane Malloy encontra um formulário preenchido por Elizabeth quando ainda trabalhava na Cole Kravitz que poderia ser usado como prova de que ela violou o código de ética do congresso, podendo ser levada a julgamento. George Dupont, diretor da Cole Kravitz, chantageia o senador Ron Sperling para que ele inicie um processo contra Elizabeth. Na audiência no congresso, Elizabeth termina seu depoimento afirmando nunca ter autorizado vigilância ilegal. O senador Sperling termina a sessão, informando que o veredicto será anunciado no dia seguinte. Conversando com sua equipe, Elizabeth conclui que, mesmo que não seja condenada, todo o objetivo do processo contra ela foi desviar a atenção do público da Heaton-Harris, fazendo o projeto de lei quase cair no esquecimento e deixando Elizabeth sem nenhuma perspectiva de vitória.

No dia da audiência final, com todos os membros da sua campanha, inclusive Esme, e da oposição presentes, Elizabeth pede para fazer uma declaração oficial. Ela expõe toda a sua opinião sobre a votação da Heaton-Harris, afirmando que todo o sistema em que ela trabalha é injusto e força os políticos a votarem apenas com base em seus interesses e não em suas próprias convicções. Ela também fala sobre sua campanha, admitindo suas verdadeiras motivações e atitudes deploráveis até mesmo para com sua própria equipe. Por fim, ela revela que Jane Malloy era uma infiltrada sua na Cole Kravitz e que incitou propositalmente a abertura do processo contra ela. Elizabeth colocou George Dupont sob vigilância e gravou seu encontro com o senador Sperling, divulgando o vídeo ao público ao fim da audiência, o que causa um grande escândalo.

Após admitir ter cometido perjúrio, Elizabeth vai para a prisão e tem toda a sua carreira arruinada, porém consegue o que quer: a vitória na votação da Heaton-Harris. Quando seu advogado a questiona sobre ter escondido seus planos de sua equipe, ela apenas o lembra da pena que eles poderiam pegar por cometerem perjúrio se soubessem de algo.

Prêmios e indicaçõesEditar

Lista de prêmios e indicações
Premiação Categoria Indicação Resultado R.
Globo de Ouro Melhor atriz em filme dramático Jessica Chastain Indicado [4]
Washington D.C. Area Film Critics Association Melhor representação de Washington D.C. Miss Sloane Indicado [5]

Referências

  1. http://en.unifrance.org/movie/42939/miss-sloane
  2. Sneider, Jeff (7 de janeiro de 2016). «'Carol's' Jake Lacy Joins Jessica Chastain in Gun Control Movie 'Miss Sloane' (Exclusive)». The Hollywood Reporter. Consultado em 10 de abril de 2016 
  3. Kit, Borys. «'Concussion' Star Gugu Mbatha-Raw in Talks to Join Gun-Control Drama 'Miss Sloane' (Exclusive)». Consultado em 26 de janeiro de 2016 
  4. «Golden Globes 2017: The Complete List of Nominations». The Hollywood Reporter. 12 de dezembro de 2016. Consultado em 12 de dezembro de 2016 
  5. «The 2016 WAFCA Awards Nominations». 3 de dezembro de 2016. Consultado em 4 de dezembro de 2016 

Ligações externasEditar