Mito fundador

Um mito fundador é um mito que descreve a origem de alguma característica do mundo natural ou social. Um tipo de mito fundador é o mito de criação, que descreve a criação do mundo. Ainda, muitas culturas têm histórias ambientadas após o mito cosmogônico, que descrevem a origem dos fenômenos naturais e das instituições humanas dentro de um universo preexistente.

A história de um grande dilúvio é um importante mito fundador em diversas culturas. Esta gravura ojíbua retrata Nanabozo.

Na erudição greco-romana, os termos mito etiológico e aiton (do grego antigo αἴτιον, "causa") às vezes são usados para designar um mito que explica uma origem, particularmente como um objeto ou costume passou a existir.

Natureza dos mitos fundadoresEditar

Todo mito fundador é um conto da criação: descrevem como alguma realidade passou a existir.[1]  Em muitos casos, os mitos fundadores também justificam a ordem estabelecida, explicando que ela foi estabelecida por forças sagradas[1] (ver a seção "função social" abaixo). A distinção entre mitos cosmogônicos e mitos fundadores não é clara: Um mito sobre a origem de alguma parte do mundo pressupõe necessariamente a existência do mundo—o que, para muitas culturas, pressupõe um mito cosmogônico. Nesse sentido, pode-se pensar nos mitos fundadores como construindo e ampliando os mitos cosmogônicos de suas culturas.[1] Ainda, nas culturas tradicionais, a recitação de um mito de origem costuma ser precedida da recitação do mito cosmogônico.[2]De acordo com o historiador Mircea Eliade, para muitas culturas tradicionais, quase todas as histórias sagradas são qualificadas como um mito de origem. Os humanos tradicionais tendem a modelar seu comportamento a partir de eventos sagrados, vendo sua vida como um "eterno retorno" à era mítica. Por causa dessa concepção, quase toda história sagrada descreve eventos que estabeleceram um novo paradigma para o comportamento humano e, portanto, quase toda história sagrada é uma história sobre uma criação.[3]

Função socialEditar

Mitos fundadores cumprem o papel de justificar o estado atual das coisas. Nas culturas tradicionais, as entidades e forças descritas nos mitos de origem costumam ser consideradas sagradas. Assim, ao atribuir o estado do universo às ações dessas entidades e forças, os mitos de origem conferem à ordem atual uma aura de sacralidade: "Os mitos revelam que o Mundo, o homem e a vida têm origem e história sobrenaturais, e que isso a história é significativa, preciosa e exemplar."[4] Muitas culturas instilam a expectativa de que as pessoas tomem deuses e heróis míticos como modelos, imitando suas ações e defendendo os costumes que estabeleceram:

Quando o missionário e etnólogo C. Strehlow perguntou ao australiano Arunta por que realizavam certas cerimônias, a resposta sempre foi: "Porque os ancestrais assim o ordenaram." Os Kai da Nova Guiné recusaram-se a mudar sua maneira de viver e trabalhar e explicaram: "Foi assim que fizeram os Nemu (os ancestrais míticos), e nós fazemos o mesmo." Questionado sobre o motivo de um detalhe específico em uma cerimônia, um cantor Navaho respondeu: "Porque o Povo Sagrado fez assim primeiro." Encontramos exatamente a mesma justificativa na oração que acompanha um ritual tibetano primitivo: "Como foi transmitido desde o início da criação da Terra, devemos sacrificar. (…) Assim como nossos ancestrais faziam—nós também fazemos agora."[5]

Os mitos fundadores unem as pessoas e tendem a incluir eventos místicos ao longo do caminho para fazer os "fundadores" parecerem mais desejáveis e heroicos. Monarcas governantes ou aristocracias podem alegar descendência de fundadores/deuses/heróis míticos para legitimar seu controle. Por exemplo: Júlio César e seus parentes reivindicaram Eneias (e por meio de Eneias, a deusa Vênus) como ancestral.

Mito etiológicoEditar

Um mito etiológico explica:

  • as origens de um ritual ou da fundação de uma cidade
  • a etnogênese de um grupo apresentado como uma genealogia[6] com um patrono e, portanto, de uma nação (natio, 'nascimento')
  • as origens espirituais de uma crença, filosofia, disciplina ou ideia—apresentada como uma narrativa

Começando nos tempos proto-históricos, muitas civilizações e reinos adotaram alguma versão de um modelo heróico de mito fundador nacional, incluindo os hititas e a dinastia Chou na Idade do Bronze; os citas, Wu-sun, romanos e Koguryo na Antiguidade Clássica; turcos e mongóis durante a Idade Média; e o {canato de Zungaria no final da Renascença.[7]

ChinaEditar

No mito fundador da dinastia Chou na China, Lady Yuan faz um sacrifício ritual para conceber, então fica grávida após pisar na pegada do Rei dos Céus. Ela dá à luz um filho, Hou Ji, que deixa sozinho em lugares perigosos onde ele é protegido por ovelhas, gado, pássaros e lenhadores. Convencida de que ele é um ser sobrenatural, ela o leva de volta e o cria. Quando chega à idade adulta, ele assume a posição de Mestre dos Cavalos na corte do imperador Yao, e obtém sucesso no cultivo de grãos, cabaças e feijões. De acordo com a lenda, ele se torna o fundador da dinastia Chou após derrubar o governante maligno de Shang.[8]

Como outras civilizações, os citas também reivindicaram descendência do filho do deus dos céus. Um dia, a filha do deus do rio Dniepre roubou os cavalos de um jovem enquanto ele pastoreava seu gado e o forçou a se deitar com ela antes de devolvê-los. Desta união, ela concebeu três filhos, dando-lhes o arco do pai quando eles atingissem a maioridade. O filho que pudesse puxar o arco se tornaria rei. Todos tentaram, mas apenas o mais jovem teve sucesso. Em sua tentativa, três objetos de ouro caíram do céu: um arado e jugo, uma espada e uma xícara. Quando os dois mais velhos tentaram pegá-los, o fogo os impediu. Depois disso, foi decidido que o filho mais novo, Citas, se tornaria rei, e seu povo seria conhecido como citas.[8]

ToráEditar

A Torá (ou Pentateuco, o nome coletivo dos primeiros cinco livros da Bíblia: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio) forma o mito oficial da origem do povo e os fundamentos de sua cultura e instituições, e é um princípio fundamental do Judaísmo, de que a relação entre Deus e seu povo escolhido foi estabelecida no Monte Sinai por meio da Torá.

Um mito fundador pode servir como a principal exemplum, como o mito da Ixion foi o exemplo grego original de um assassino tornado contaminado pelo seu crime, que precisava de limpeza (catarse) de sua impureza.

 
A disputa de Minerva e Neptuno por René-Antoine Houasse, retratando o mito fundador de Atenas

GréciaEditar

Os mitos fundadores aparecem com destaque na mitologia grega. "Os rituais gregos antigos eram vinculados a grupos locais proeminentes e, portanto, a localidades específicas", observou Walter Burkert,[9] "isto é, os santuários e altares que foram construídos para eternidade". Assim, os mitos fundadores gregos e hebraicos estabeleceram a relação especial entre uma divindade e o povo local, que traçaram suas origens a partir de um herói e autenticaram seus direitos ancestrais por meio do mito fundador. Os mitos fundadores gregos muitas vezes incorporam uma justificativa para a antiga derrubada de uma ordem mais antiga e arcaica, reformulando um evento histórico ancorado no mundo social e natural para valorizar as práticas comunitárias atuais, criando narrativas simbólicas de "importância coletiva"[10] enriquecidas com metáforas em a fim de dar conta das cronologias tradicionais e construir uma etiologia considerada plausível entre aqueles com um investimento cultural.[11]

Na visão grega, o passado mítico tinha raízes profundas no tempo histórico, suas lendas tratadas como fatos, como observou Carlo Brillante,[12] seus protagonistas heroicos vistos como elos entre a "idade das origens" e o mundo mortal e cotidiano que conseguiu. Um tradutor moderno d'As Argonáuticas de Apolônio observou, das muitas aitia embutidas como digressões naquele épico helenístico, que "crucial para a estabilidade social tinha que ser a função dos mitos em fornecer explicações, autorização ou empoderamento para o presente em termos de origens: isso poderia se aplicar não apenas a fundações ou mitos de cartas e árvores genealógicas (apoiando, assim, reivindicações familiares ou territoriais), mas também a escolhas morais pessoais."[13] No período após Alexandre, o Grande, expandir o mundo helenístico, a poesia grega—Calímaco escreveu toda uma obra intitulada simplesmente Aitia—está repleta de mitos fundadores. Simon Goldhill emprega a metáfora da sedimentação ao descrever a deposição de camadas de Apolônio "onde cada objeto, culto, ritual, nome pode ser aberto... em uma narrativa de origem, e onde cada narrativa, cada evento, pode levar a um culto, ritual, nome, monumento."[14]

RomaEditar

Um exemplo notável é o mito da fundação de Roma—a história de Rômulo e Remo, que Virgílio, por sua vez, amplia em sua Eneida com a odisseia de Eneias e sua demolição de Lavínio, e a posterior relocação de seu filho Iulo e governo dos Alba Longa, local de nascimento dos gêmeos famosos, e sua descendência de sua linha real, encaixando-se perfeitamente no cânone de eventos já estabelecido. Da mesma forma, a história do Êxodo do Antigo Testamento serve como mito fundador para a comunidade de Israel, contando como Deus libertou os israelitas da escravidão e como eles, portanto, pertenciam-lhe através do Pacto do Monte Sinai.[15]

Idade médiaEditar

Durante a Idade Média, os mitos fundadores das comunas medievais do norte da Itália manifestaram a crescente autoconfiança da população urbana e a vontade de encontrar uma origem romana, embora tênue e lendária. Na Pádua do século XIII, quando cada comuna procurava um fundador romano—e se não havia um, inventava um—uma lenda corria na cidade, atribuindo sua fundação ao Antenor troiano.[16]

Heróis fundadoresEditar

Heróis continuam a ser um ponto de apoio importante para os mitos de origem de muitas nações e sociedades mais recentes. Em contextos coloniais da era moderna, ondas de indivíduos e grupos vêm à tona na história popular como formando e exemplificando os ideais de um grupo: exploradores seguidos por conquistadores seguidos por desenvolvedores/exploradores. Observe, por exemplo, os conquistadores dos impérios ibéricos, os bandeirantes no Brasil, os coureurs des bois no Canadá, os cossacos e os promyshlenniki na Sibéria e no Alasca, os pioneiros no centro e oeste dos Estados Unidos e os voortrekkers no sul da África.

Cidades e naçõesEditar

Mitos fundadores são relatos do desenvolvimento de cidades e nações. Uma história fundamental representa a visão de que a criação da cidade é uma conquista humana. O controle humano e a remoção da natureza selvagem e descontrolada são destacados. Existem duas versões de histórias fundamentais: história de civilização e história de degradação.[17]

As histórias de civilização consideram a natureza perigosa e selvagem. O desenvolvimento da cidade é visto como um distanciamento bem-sucedido dos humanos da natureza. A natureza está bloqueada e os humanos se orgulham de fazer isso com sucesso. Em 1984, o geógrafo Yi-Fu Tuan sugeriu classificar as cidades de acordo com sua distância aos ritmos e ciclos naturais.

As histórias de degradação (também chamadas de histórias de poluição) assumem uma postura diferente. A cidade é vista como estragando a paisagem das relações ecológicas que existiam antes de a cidade ser estabelecida. Existe um sentimento de culpa por degradar o sistema intacto da natureza. Nas histórias de degradação, a verdadeira natureza só existe fora da cidade.

Ver tambémEditar


Referências

  1. a b c Eliade 1998, p. 21.
  2. Eliade 1998, pp. 21-24.
  3. Eliade 1998, pp. 17-19.
  4. Eliade 1998, p. 19.
  5. Eliade 1998, pp. 6-7.
  6. Wolfram, Herwig (1988). History of the Goths (em inglês). Berkeley: University of California Press. pp. 1–18. OCLC 1132905880 
  7. Beckwith 2009, p. 2.
  8. a b Beckwith 2009, p. 3.
  9. Burkert, Homo Necans (1972) 1983:83.
  10. O mito como "narrativas de importância coletiva" costuma fazer parte da definição de mito. Ver Burkert, Walter (1982). Structure and history in Greek mythology and ritual (em inglês). Berkeley, Los Angeles e Londres: University of California Press. Capítulo 23. OCLC 468521237 ; Bremmer, Jan N (1987). «What is a Greek myth?». Interpretations of Greek mythology (em inglês). Londres: Croom Helm. OCLC 17650991 ; Morford, Mark P. O; Lenardon, Robert J; Sham, Michael (2019). Classical mythology (em inglês). [S.l.: s.n.] Capítulo 12. OCLC 1257339774 
  11. Essas estruturas dos mitos de fundação gregos em seus contextos históricos e culturais, e o exemplo particular da fundação de [[Cirene (cidade)|]], são analisadas, nos termos inicialmente apresentados por Georges Dumézil e Calame, Claude (2003). Myth and history in ancient Greece: the symbolic creation of a colony (em inglês). Princeton: Princeton University Press. OCLC 1169999189 
  12. Brillante, Carlo (1991). «Myth and history: the historical interpretation of myth». In: Edmunds, Lowell. Approaches to Greek myth (em inglês). Baltimore, MD: Johns Hopkins University Press. pp. 91–140. OCLC 863164639 
  13. Peter Green, Introduction to Argonautika, expanded ed. 2007, p. 15.
  14. Goldhill, "The paradigms of epic: Apollonius Rhodius and the examples of the past", in The Poet's Voice: Essays on Poetics and Greek Literature (1991), c. 5, pp. 284–333, apud Peter Green 2007, Argonautica I.1070–77, p. 226.
  15. Kenton L. Sparkes, Genre Criticism, in Thomas Dozeman (ed), "Methods for Exodus", CUP, 2010, p.73.
  16. Roberto Weiss, The Renaissance Discovery of Classical Antiquity (Oxford: Blackwell) 1973:18.
  17. Allen, John; Doreen B. Massey, Michael Pryke, Unsettling Cities Routledge 1999 ISBN 978-0-415-20072-1 p. 141

BibliografiaEditar

Eliade, Mircea (1998). Myth and reality (em inglês). Prospect Heights, Ill.: Waveland Press. OCLC 40496291 

Beckwith, Christopher I. (2009). Empires of the Silk Road:A History of Central Eurasia from the Bronze Age to the Present (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press. ISBN 9780691135892 

Ligações externasEditar