Odinani

(Redirecionado de Mitologia Igbo)
Parte da série sobre
Mitologia Igbo

Igbo medicine man.jpg

Deus Supremo
Chukwu

Divindades (Alusi)
Ala
Alusi

Tópicos
Chi | Epê
Osu sistema de castas

Locais sagrados
Arochukwu | Onitsha

Odinani (ou Odi[n]anyi) são as crenças e práticas religiosas tradicionais do povo Igbo[1] da África ocidental. Odinani é uma fé monoteísta, com Chukwu ("grande espírito"), que, segundo a mitologia criou o mundo e tudo nele, como o Deus supremo, e está associada a todas as coisas na Terra. Chukwu representa o desconhecido, infinitamente poderosa, indefinida, indefinível, divindade suprema absoluta abrangendo tudo no espaço e no próprio espaço,

Encarnações de Chukwu são chamadas Alusi. Alusi (também Arusi ou Arushi) são divindades menores, tendo cada um, sua finalidade específica própria. Muitos outros espíritos existem na crença e mitologia Odinani.

ChukwuEditar

Ver artigo principal: Chukwu

Chukwu é a divindade suprema Odinani[2] Chukwu é o desconhecido, infinitamente poderosa, indefinida, indefinível, divindade suprema absoluta abrangendo tudo no espaço e no próprio espaço, no tradicional sistema de crença espiritual Igbo e mitologia Igbo. Estudos linguísticos da língua igbo sugere que o nome "Chukwu" é uma portmanteau das palavras Igbo "Chi" ("ser espiritual") e "Ukwu" ("grande em tamanho").[3] No panteão Igbo, Chukwu é a fonte de onde outras divindades Igbo originam e são atribuídas diferentes tarefas. O povo Igbo acredita que todas as coisas vêm de Chukwu incluindo as divindades que traz as chuvas necessárias para que as plantas cresçam e controla tudo na terra e no mundo espiritual.[4]

AlusiEditar

Ver artigo principal: Alusi

Os Alusi, que também são conhecidos como o Arushi, são divindades menores em Odinani, cada um dos quais é responsável por um aspecto específico da natureza ou um conceito abstrato.

Uma escultura de madeira de Ikenga, um Alusi do povo Igbo, do sudeste da Nigéria, atualmente no Museu Britânico em Londres.

Alguns dos mais notáveis Alusi masculino incluem Igwekaala o Senhor do céu, Amadioha o Senhor do trovão e relâmpago, Ikenga o Alusi chifrudo da fortuna e da indústria, Ahobinagu o Senhor da floresta, Aro o Senhor do julgamento, Agwu o Senhor da adivinhação e cura, Njoku Ji o Senhor do inhame e Ogbunabali o Senhor da morte.

Existiam várias Alusi femininas também, tais como Ahia Njoku a Senhora do inhame, Anyanwu a Senhora do sol (uma deidade solar.), Ani a Senhora da fertilidade e da terra Idemmili a Senhora mãe do rio Idemili.

Existiam também Alusi que regem as quatro direções do céu; Eke do leste, Orie do oeste, Afo do norte e Nkwo do sul.

Nota
O termo Senhor e Senhora tem o significado de aquele que tem domínio sobre, substituindo as palavras Deus e Deusa, uma vez se tratar de religião monoteísta onde existe apenas um Deus supremo.

EkwensuEditar

Ekwensu acredita-se ser o teste de força de Chukwu (Deus) na mitologia Igbo e é também a palavra Igbo para o verificador, testador.

MoralidadeEditar

Os Igbos acreditam no conceito de Ofo e Ogu, que é como a lei de justiça retributiva. Acredita-se que Ofo e Ogu julgará alguém que é injustamente acusado de um crime, enquanto suas "mãos são limpas". Só a pessoa que está do lado do Ogu-na-Ofo que pode chamar o seu nome em oração. Caso contrário, essa pessoa terá de enfrentar a ira de Amadioha (o Senhor do trovão e relâmpago).[5]

ChiEditar

Na Odinani, os Igbos acreditam que cada pessoa tem o seu assistente espiritual pessoal ou tutor chamado Chi, nomeados para eles antes e no momento de seu nascimento e permanece com eles para o resto da vida na Terra. O Chi de uma pessoa é a personificação do destino desse indivíduo, que é creditado pelos sucessos, infortúnios e fracassos da vida de um indivíduo. Os Igbo acreditam que seu sucesso na vida é determinado por seu Chi, e que nenhum homem pode superar a grandeza de seu próprio Chi. Chi (o guardião divino), a providência pessoal é um agentes divinos atribuídos a cada ser humano do berço ao caixão;[6]

Espíritos menoresEditar

A mitologia igbo também contém múltiplos espíritos menores. Entre eles estão:

  • Mbatuku: espírito de riqueza
  • Ikoro: espírito de tambor
  • Ekwu: espírito do coração ou espírito da casa
  • Imo miri: espírito rio
  • okwara-afo: para as pessoas de Nkwerre no estado de Imo é deus das atividades mercantis
  • Aju-mmiri: A deusa do mar em Nkwerre é a deusa da prosperidade, da fertilidade e do bem-estar geral.
  • Ogbuide: deusa da água associada com as pessoas de Oguta.
  • Urashi e Enyija: deus do rio
  • Ezenwaanyi/Owummiri: espírito feminino da água, sereia, sedutora

OgbanjeEditar

Ver artigo principal: Ogbanje

Um Ogbanje (ou Obanje) Acreditava-se que era um espírito maligno que deliberadamente afligiria uma família com infelicidade. Os igbos creditavam que ao nascer da mãe, sob um certo período de tempo (geralmente não é passada a puberdade), o Ogbanje deliberadamente morreria e depois voltaria e repetiria o ciclo, causando luto à família (semelhante ao Abiku Yorubá).   A circuncisão Feminina foi pensada para se livrar do espírito maligno, considerando que encontrar os maus espíritos Iyi-uwa, que eles cavaram em algum lugar em segredo, enterrando assegurariam que o Ogbanje nunca afligiria a família com o infortúnio novamente. O Iyi-uwa era o jeito Ogbanje de voltar ao mundo e também uma maneira de encontrar sua família alvo.[7]

PráticasEditar

CultoEditar

Os Igbo muitas vezes fazem altares de argila e santuários de suas divindades, geralmente com figuras de entidades neles destacadas. Tipicamente, os homens só são autorizados a fazer figuras de representação, no entanto, existem exceções [8].

Ver tambémEditar

Referências

Ligações externasEditar