Monarquia hereditária

A monarquia hereditária é uma forma de governo e sucessão de poder em que o trono passa de um membro de uma família governante para outro membro da mesma família. Uma série de governantes da mesma família constituiria uma dinastia.

É historicamente o tipo mais comum de monarquia e continua a ser a forma dominante nas monarquias existentes. Tem as vantagens de continuidade da concentração de poder e riqueza e previsibilidade de quem se pode esperar para controlar os meios de governança e clientelismo. Desde que um monarca seja competente, não opressivo e mantenha uma dignidade apropriada, também pode oferecer os fatores estabilizadores da afeição popular e lealdade à família governante.[1] A adjudicação do que constitui opressivo, digno e popular tende a ficar na alçada do monarca.[1] Uma grande desvantagem da monarquia hereditária surge quando o herdeiro aparente pode ser física ou temperamentalmente incapaz de governar.[2] Outras desvantagens incluem a incapacidade de um povo escolher seu chefe de Estado, a distribuição ossificada de riqueza e poder em um amplo espectro da sociedade e a continuação de estruturas religiosas e socioeconômicas obsoletas principalmente para o benefício dos monarcas, suas famílias, e apoiadores.[3]

Na maioria das monarquias hereditárias existentes, a ordem típica de sucessão usa alguma espécie de primogenitura, mas existem outros métodos, como antiguidade e tanistry (em que um herdeiro aparente é nomeado entre os candidatos qualificados).

Pesquisas mostram que regimes hereditários, em particular primogenitura, são mais estáveis ​​do que formas de governo autoritário com arranjos sucessórios alternativos.[4][5][6][7][8][9]

Referências

  1. a b Sharma, Urmila Sharma & S. K. (2000). Principles and Theory of Political Science. [S.l.]: Atlantic Publishers & Dist. p. 412. ISBN 9788171569380. Consultado em 18 de fevereiro de 2018 
  2. Flesch, Carl F. (2006). Who's Not Who and Other Matters. [S.l.]: Pegasus Elliot Mackenzie Pu. p. 69. ISBN 9781843862444 
  3. Robertson, Geoffrey (25 de setembro de 2008). «A hereditary head of state and a system based on sexism and religious discrimination have no place in the 21st century». The Guardian. Consultado em 18 de fevereiro de 2018 
  4. Kurrild-Klitgaard, Peter (2000). «The constitutional economics of autocratic succession». Public Choice. 103 (1/2): 63–84. ISSN 0048-5829. doi:10.1023/A:1005078532251 
  5. Kurrild-Klitgaard, Peter (2004). «Autocratic succession». Encyclopedia of Public Choice. 103: 358–362. ISBN 978-0-306-47828-4. doi:10.1007/978-0-306-47828-4_39 
  6. Kokkonen, Andrej; Sundell, Anders (maio de 2014). «Delivering Stability—Primogeniture and Autocratic Survival in European Monarchies 1000–1800». American Political Science Review. 108 (2): 438–453. ISSN 0003-0554. doi:10.1017/S000305541400015X. hdl:2077/38982  
  7. Acharya, Avidit; Lee, Alexander (1 de novembro de 2019). «Path Dependence in European Development: Medieval Politics, Conflict, and State Building». Comparative Political Studies. 52 (13–14): 2171–2206. ISSN 0010-4140. doi:10.1177/0010414019830716 
  8. Kokkonen, Andrej; Sundell, Anders (11 de junho de 2019). «Leader Succession and Civil War». Comparative Political Studies. 53 (3–4): 434–468. ISSN 0010-4140. doi:10.1177/0010414019852712 
  9. «Tracking the "Arab Spring": Why the Modest Harvest?». Journal of Democracy. Consultado em 27 de outubro de 2019 

Ver tambémEditar