Monkeybone

filme de 2001 dirigido por Henry Selick

Monkeybone (bra Monkeybone - No Limite da Imaginação; prt Monkeybone - O Rei da Macacada) é um filme estadunidense que mistura o uso de live-action e stop motion do gênero fantasia e humor negro de 2001 e dirigido por Henry Selick.

Monkeybone
Monkeybone
No Brasil Monkeybone - No Limite da Imaginação[1]
Em Portugal Monkeybone - O Rei da Macacada[2]
 Estados Unidos
2001 •  cor •  93 min 
Direção Henry Selick
Produção Michael Barnathan
Mark Radcliffe
Roteiro Sam Hamm
Elenco Brendan Fraser
Bridget Fonda
Whoopi Goldberg
Género filme de fantasia
filme de animação
filme de aventura
filme de comédia
Música Anne Dudley
Cinematografia Andrew Dunn
Edição Jon Poll
Nicholas C. Smith
Mark Warner
Companhia(s) produtora(s) 1492 Pictures
Distribuição 20th Century Fox
Lançamento Estados Unidos 23 de fevereiro de 2001
Idioma língua inglesa
Orçamento US$ 75.000.00
Receita US$ 7.622.365

Baseado na graphic novel de Kaja Blackley, Dark Town, o filme é estrelado por Brendan Fraser, Bridget Fonda, Whoopi Goldberg, Rose McGowan, Dave Foley, Giancarlo Esposito, Megan Mullally, Lisa Zane, Chris Kattan e John Turturro.

Lançado nos cinemas dos Estados Unidos em 23 de fevereiro de 2001 pela 20th Century Fox, o filme foi uma bomba de bilheteria e recebeu críticas geralmente negativas.[3]

SinopseEditar

O filme conta a historia de Stu Miley (Brendan Fraser) um desenhista de histórias em quadrinhos que sofre um acidente e entra em coma e a partir de então, vive uma fantástica aventura no limite entre a vida e a morte, onde encontra sua principal criação, Monkeybone, que o ajuda a enfrentar a Morte (Whoopi Goldberg) para que possa retornar à realidade.

ElencoEditar

ProduçãoEditar

A graphic novel Dark Town, na qual Monkeybone se baseia, foi escrita por Kaja Blackley, ilustrada por Vanessa Chong e publicada pela Mad Monkey Press. A jornada da graphic novel para o cinema foi iniciada por um fã dos quadrinhos e membro da comunidade de animação de São Francisco (Tom "Bags" Sacchi/ChasingDragons Productions NYC) que, sem o conhecimento de Blackley, passou uma cópia de Dark Town para um dos produtores de Selick, Denise Rotina. Selick se apaixonou pelo livro e perseguiu vigorosamente os direitos. Em uma carta a Kaja, ele escreveu: "Nunca achei que nenhum projeto estivesse mais próximo de minhas sensibilidades do que este." A intenção inicial era permanecer fiel ao material de origem, que pode ser visto nos primeiros designs da empresa de Selick, Twitching Image. No entanto, conforme o projeto se desenvolveu, ele eventualmente evoluiu para Monkeybone.[4]

ElencoEditar

Inicialmente, o papel de Stuart "Stu" Miley seria interpretado por Ben Stiller, mas Stiller desistiu para estar em Mystery Men e foi substituído por Fraser.[5]

InfluênciasEditar

Grande parte da arte do filme tem uma forte semelhança com a de Mark Ryden - por exemplo, o busto de Abraham Lincoln como "O Grande Emancipador". A pintura pré-terapia de Stu é muito semelhante a The Birth, de Ryden, e de acordo com os créditos, foi pintada por ele para o filme.[6] O estilo de animação e os temas da sequência de abertura em que Stu encontra Monkeybone pela primeira vez são muito semelhantes ao trabalho do cartunista sueco Magnus Carlsson. O enredo do filme é influenciado pelos filmes Who Framed Roger Rabbit, Cool World e Beetlejuice. Muitos críticos marcam uma semelhança entre o design de Dark Town e o estilo de Tim Burton.[7] [8] O filme contém um grande número de referências a uma paródia de religião chamada The Church of the SubGenius. Em particular, a rede fictícia de fast-food "Burger God" foi originalmente uma criação da SubGenius. Além disso, as repetidas referências a Iétis e a cena em que Stu (cujo corpo está possuído por Monkeybone) é atingido na cabeça por um taco de golfe por Hypnos em uma sequência de sonho também ecoam temas recorrentes da Igreja do SubGenius.[9]

RecepçãoEditar

BilheteriaEditar

Monkeybone foi um fracasso de bilheteria; com um orçamento de US$ 75 milhões, o filme arrecadou US$ 5.411.999 no mercado interno e US$ 7.622.365 no mundo inteiro.[10]

Crítica especializadaEditar

No Rotten Tomatoes, o filme tem uma taxa de aprovação de 19% com base em 114 críticas, com uma média de 4.00 / 10. O consenso crítico do site diz: "Embora original e cheio de visuais bizarros, Monkeybone é um filme muito informe, com personagens desinteressantes e situações aleatórias que não geram risos.".[11] No Metacritic, o filme tem uma pontuação média ponderada de 40 em 100, com base em 28 críticos, indicando "críticas mistas ou médias".[12] O público entrevistado pela CinemaScore deu ao filme uma nota média de "C" em uma escala de A+ a F.[13]

ElogiosEditar

Prêmio Categoria Nomeado Resultado
Prêmio Taurus Melhor Trabalho Elevado e Melhor Trabalho Com Um Veículo Joey Preston e Jay Caputo Indicado
Prêmio Stinker Pior Atriz Coadjuvante Whoopi Goldberg (também para Rat Race) Indicada

Referências

  1. «Monkeybone - No Limite da Imaginação». Brasil: CinePlayers. Consultado em 3 de agosto de 2022 
  2. «Monkeybone - O Rei da Macacada». Portugal: CineCartaz. Consultado em 3 de agosto de 2022 
  3. «Why Monkeybone flopped at the box office». EW.com (em inglês). Consultado em 18 de agosto de 2021 
  4. «June 1997 News». www.awn.com. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  5. Petrikin, Chris; Petrikin, Chris (19 de janeiro de 1999). «Fraser up to 'Monkey' biz». Variety (em inglês). Consultado em 18 de agosto de 2021 
  6. «Mark Ryden». BFI (em inglês). Consultado em 18 de agosto de 2021 
  7. «Metroactive Movies | 'Monkeybone'». www.metroactive.com. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  8. News, Deseret (23 de fevereiro de 2001). «Film review: Monkeybone». Deseret News (em inglês). Consultado em 18 de agosto de 2021 
  9. «The Gospel According to Philo». www.quiveringbrain.com. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  10. «Monkeybone». Box Office Mojo. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  11. Monkeybone (2001) (em inglês), consultado em 18 de agosto de 2021 
  12. Monkeybone, consultado em 18 de agosto de 2021 
  13. «Home». Cinemascore (em inglês). Consultado em 18 de agosto de 2021