Abrir menu principal
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicionasse esta.
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Vista de parte das colinas Albanas

As colinas Albanas (em italiano: Colli Albani ) são o sítio de um tranquilo complexo vulcânico na Itália, localizado 20 km a sudeste de Roma e cerca de 24 km ao norte de Âncio.

O pico dominante é o monte Cavo, com 950 m de altura. Existem duas pequenas caldeiras as quais contém os lagos Albano e Nemi. A rocha que constitui as colinas é denominada Peperino (lapis albanus) um tipo de tufo, combinação de cinzas e pequenas pedras muito úteis para construção e que fornecem um rico substrato mineral para os vinhedos.

Os antigos romanos denominavam o conjunto geológico de Albanus Mons. No cume, estava o santuário de Júpiter Lacial, no qual os cônsules organizavam as férias latinas, e vários generais celebravam vitórias quando não realizavam triunfos regulares em Roma. O templo não sobreviveu, mas a Via Triunfal que levava até ele ainda pode ser vista.

As colinas, especialmente ao redor das praias dos lagos, têm gozado de popularidade desde a Antiguidade (ver Alba Longa e Túsculo), como forma de escapar ao calor e ao tumulto de Roma, e várias villas foram construídas na região.

Índice

Castelli RomaniEditar

 Ver artigo principal: Castelli Romani

As cidades e vilas que correntemente existem na área das colinas Albanas são conhecidas como Castelli Romani:

InspiraçãoEditar

Escritores e artistas que produziram obras sobre a região incluem:

Atividade vulcânicaEditar

O exame dos depósitos vulcânicos determinaram que as erupções mais recentes datam de há cerca de 37 000 e 41 000 anos atrás.[1] A região apresenta pequenos sismos localizados e liberação de dióxido de carbono e sulfeto de hidrogênio na atmosfera. Os movimentos tectônicos têm sido interpretados como causados pelo lento desenvolvimento de uma câmara magmática esférica, 5–6 km abaixo da superfície; pensa-se que isso possa levar a uma nova erupção;[2] se tal ocorrer, há risco de que Roma, distante apenas 25 ou 30 km, seja atingida.

Há informação factual de uma erupção em 114 a.C., mas a ausência de depósitos geológicos no holoceno desacreditam tal como um evento vulcânico[3]; mais provavelmente, trata-se da descrição de um incêndio florestal.

O vulcão emite grande quantidade de dióxido de carbono. Potencialmente, isto pode atingir concentrações letais caso se acumule em depressões do terreno na ausência de vento. A asfixia de 29 vacas em setembro de 1999 inspirou um relatório detalhado o qual descobriu que a concentração do gás 1,5 m acima do nível do solo numa área residencial no flanco noroeste excedia o limite de saúde ocupacional em 0,5%.[4] Oito ovelhas forma mortas num incidente similar em outubro de 2001.[5]

Panorâmica das colinas Albanas

Referências

  1. «Tabela 1». Consultado em 15 de setembro de 2007. Arquivado do original em 13 de março de 2007 
  2. «Albani». Consultado em 15 de setembro de 2007. Arquivado do original em 13 de fevereiro de 2006 
  3. «Etna». Consultado em 15 de setembro de 2007. Arquivado do original em 13 de fevereiro de 2006 
  4. CO²[ligação inativa]
  5. «Capítulo 5» (PDF). Consultado em 15 de setembro de 2007. Arquivado do original (PDF) em 2 de junho de 2006 

Ligações externasEditar