Abrir menu principal

Monte Atos

(Redirecionado de Monte Athos)

O Monte Atos (em grego Όρος Άθως) é uma montanha e península na Grécia. É patrimônio mundial da UNESCO, constituindo-se também como entidade política autônoma da República Helênica, governada por um Conselho Teocrático da Igreja Ortodoxa Grega. Na atualidade, os gregos usam a expressão "Montanha Sagrada" (em grego Άγιον Όρος) para se referir ao Monte Atos. O Monte Atos abriga vinte mosteiros greco-ortodoxos sob direta jurisdição do patriarca de Constantinopla. O nome oficial da entidade política é Estado Monástico Autónomo da Montanha Sagrada (em grego Αυτόνομη Μοναστική Πολιτεία Αγίου Όρους). Esta Região, Província ou Território Dependente da Grécia possui 1118 habitantes, aproximadamente.

Pix.gif Monte Atos *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Athos 1.jpg
Monte Atos
País  Grécia
Tipo Misto
Critérios i, ii, iv, v, vi, vii
Referência 454
Região** Europa e América do Norte
Coordenadas 40° 09′ 26″ N, 24° 19′ 35″ L
Histórico de inscrição
Inscrição 1988  (12ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.
Monte Atos
Monte Atos
Monte Atos está localizado em: Grécia
Monte Atos
Coordenadas 40° 9' 26" N 24° 19' 35" E
Altitude 2030 m (6660 pés)
Proeminência 2012 m
Listas Ultra
Localização  Grécia

GeografiaEditar

O monte está situado na península da Calcídica, a 100 km a sudeste da cidade de Tessalónica e é habitado por cerca de 1500 monges ortodoxos distribuídos em vinte mosteiros principais. Cada um destes mosteiros elege seu próprio superior e os representantes para a Santa Assembleia, que exerce o poder legislativo em todo Monte Atos.

 
Território do Monte Atos.

A única forma de chegar ao Monte Atos é por barco, partindo da cidade de Ouranoupoli. Tratando-se de um território habitado por monges, só podem entrar homens e animais do sexo masculino.

Este pequeno enclave abriga preciosos tesouros artísticos: antigos manuscritos, ícones e afrescos pintados pelos mais ilustres representantes da pintura bizantina. Desde suas origens, a Montanha Santa hospedou místicos e mestres espirituais cujos escritos foram recolhidos no século XVIII numa célebre antologia - a Filocalia - que influenciou profundamente o mundo ortodoxo.

Tempos modernosEditar

Lar tradicional dos monges russos, foi o teatro principal da controvérsia dogmática de Imiaslavie durante o início do século XX.

PolíticaEditar

A região autônoma de Montes Atos, de acordo com o decreto aprovado pela Comunidade Santa em 3 de outubro de 1913 e de acordo com os tratados internacionais de Londres (1913), Bucareste (1913), Neuilly (1919), Sèvres (1920) e Lausanne (1923), é considerado parte do Estado grego. O decreto declarou que a Comunidade Sagrada reconhecia os reis da Grécia como soberanos legais e "sucessores no monte" dos "Imperadores que construíram" os mosteiros e declarou seu território como pertencente ao então Reino da Grécia.

A instabilidade política na Grécia, em meados do século XX que afetou o Monte Atos incluiu a ocupação nazista da época da Páscoa de 1941 até o final de 1944, seguida imediatamente pela Guerra Civil Grega em uma luta onde os esforços comunistas falharam. A Batalha da Grécia foi relatada na revista Time : "Os Stukas voaram pelos céus do Egeu como pássaros escuros e terríveis, mas não lançaram bombas sobre os monges do Monte Atos".[1]

GaleriaEditar

Referências

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Monte Atos
  Este artigo sobre Geografia da Grécia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.