Morgana (cantora)

Morgana
Informação geral
Nome completo Isolda Corrêa Dias
Também conhecido(a) como Morgana Cintra, A fada loura
Nascimento 2 de agosto de 1934
Local de nascimento São Paulo
 Brasil
Morte 4 de janeiro de 2000 (65 anos)
Local de morte São Paulo

Isolda Corrêa Dias (São Paulo, 2 de agosto de 1934 - São Paulo, 4 de janeiro de 2000) foi uma cantora brasileira[1]. Usou como nome artístico Morgana Cintra e, posteriormente, apenas Morgana, sendo também conhecida como A fada loura[1].

BiografiaEditar

Filha de Geraldo Corrêa Dias e Maria Helena Franco Dias[2], iniciou sua carreira como cantora lírica, obtendo sucesso por sete anos. Em 1958 passou a se dedicar à música popular, usando como nome artístico Morgana Cintra[3]. Após o sucesso de Serenata do adeus, sua primeira gravação[1] para a gravadora Copacabana, gravou Mais brilho nas estrelas, que também teve grande aceitação de público e crítica (bem como Hino ao amor, a versão composta por Odair Marzano a partir do sucesso de Edith Piaf Hymne à l'amour, que seria gravada em português também por nomes como Wilma Bentivegna, Maysa e Dalva de Oliveira).

Em 1961, já com o nome artístico abreviado para Morgana, ganhou o Troféu Imprensa de melhor cantora.[4]

Outros de seus sucessos são Arrependida, Canção da tristeza, Conselho, Este seu olhar, Não pense em mim (sua bela versão da canção italiana Non pensare a me, de Claudio Villa, que também ganhou uma famosa versão em francês, Quand tu t'en iras, na voz de Mireille Mathieu) e E a vida continua. Também atuou como cantora na televisão, cantando a música-tema da novela O Direito de Nascer, da TV Tupi, em 1965, época em que ficou carinhosamente conhecida como A fada loura.

Em 1973, no auge do sucesso no Brasil e no exterior, ela decidiu trocar a carreira de cantora por uma rede de pizzarias, montada em sociedade com o marido.[4]

Morte trágica de Morgana

noticia publicada na revista "Istoé-Gente" de 17 Janeiro 2000.

Faleceu tragicamente em 4 Janeiro 2000, aos 65 anos, quando após uma tentativa de suicídio com um tiro na boca, foi socorrida e levada a um hospital. Ao despertar e perceber que estava ligada a aparelhos, Morgana arrancou os tubos que a mantinham viva e faleceu imediatamente. Foi sepultada no cemitério Quarta Parada, em São Paulo.

Varias cantoras contemporânea de Morgana disseram que ela estava enfrentando um período de depressão e só pensava em poder voltar a cantar novamente. A cantora Bianca Bellini, morava na Mooca, perto da família de Morgana. Em 1957, pegavam o bonde juntas para irem cantar ao auditório da Radio Record na rua Quintino Bocaiúva. O pai de Bianca era marceneiro. Bianca diz que no final dos anos 90, Morgana tinha períodos de depressão, chorava ao telefone e só sonhava em voltar aos palcos. Tinha tido três meninos com o Amaury, que já estavam adultos.

Morgana organizou um meio de cantar acompanhada de um conjuntinho musical  de garotos, amigos de seus filhos, que moravam no mesmo condomínio e depois de vários ensaios, já se apresentava em festas da redondeza, tendo, inclusive, feito algumas gravações 'demo' com eles. Nessa época, ela foi entrevistada por José Carlos Gomes, DJ da Radio Difusora Oeste, de Osasco, que tomou a totalidade do programa dominical dele. Morgana estava muito contente e respondeu vários telefonemas de antigos fãs que foram levados ao ar pela emissora. O próximo passo seria a TV.

Alguém lhe sugeriu que fosse à TV Globo pedir uma chance ao Faustão para aparecer em seu programa dominical. O gordo disse-lhe que se ela pagasse 10 mil dólores, com certeza, participaria de seu programa. Morgana voltou p’ra casa revoltada e deprimida, pegou o revolver do marido (que trabalhava com  firma de ‘segurança’) e deu um tiro na boca.

Essa história foi confirmada pela cantora Esterzinha de Souza, casada com o maestro Cyro Pereira.  

Morgana

Residencia:  Rua Altino Arantes, 706

Fone:  7-5920 – São Paulo

Referências

  1. a b c «Morgana (Isolda Corrêa Dias)». Cantoras do Brasil. Consultado em 2 de Dezembro de 2013 
  2. «Morgana / Biografia de Morgana para o museu da televisão brasileira». Pró-TV Associação dos pioneiros, profissionais e incentivadores da TV brasileira. Consultado em 2 de Dezembro de 2013 
  3. «Morgana». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 2 de Dezembro de 2013 
  4. a b «Morgana». Consultado em 03 de dezembro de 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)