Mosquete

arma de fogo longa
(Redirecionado de Mosqueteiro)

O mosquete é uma das primeiras armas de fogo usadas pela infantaria entre os séculos XVI e XVIII. Trata-se de uma evolução do "arcabuz", com capacidade de penetrar armaduras pesadas.[1]

Mosquetes e Baionetas.

O mosquete se assemelha a uma espingarda porém muito mais pesado, com o cano de até 1,5 metros sobre uma culatra integrada com guarda-mão de madeira geralmente munido de baioneta.

HistóricoEditar

 
Mosquetes pesados, ilustração de 1664.

Em meados do século XVI, este tipo de mosquete deixou de ser usado com o declínio do uso das armaduras pesadas, mas à medida que o fecho de mecha ("matchlock") se tornou padrão, o termo "mosquete" ("musket") continuou sendo usado para se referir a qualquer arma longa com pederneira e, em seguida, seus sucessores, até meados do século XIX.[2]

Este estilo de mosquete caiu em desuso no século XIX quando os mosquetes estriados ("rifled muskets", daí o termo "rifle" na terminologia moderna) se tornaram comuns como resultado de armas de fogo carregadas com cartuchos pela culatra (retrocarga) introduzidas por Casimir Lefaucheux em 1835,[3] a invenção da "Minié ball" por Claude -Étienne Minié em 1849,[4] e o primeiro rifle de repetição confiável produzido pela Volcanic Repeating Arms em 1854.[4] Na época em que os rifles de repetição se tornaram comuns, eles ficaram conhecidos simplesmente como "rifles", encerrando a era dos mosquetes.

EtimologiaEditar

De acordo com o Dicionário de Etimologia, as armas de fogo costumavam receber nomes de animais, e a palavra mosquete derivada da palavra francesa "mousquette", que é um gavião macho.[5] Uma teoria alternativa é que a palavra francesa "mousquette" do século XVI, -ette, do italiano "moschetto", -etta, que se referia ao "trilho" de uma besta onde a seta é colocada para o disparo. Em italiano, "moschetto" pode ser também um diminutivo de "mosca".[6]

TerminologiaEditar

O primeiro uso registrado do termo "mosquete" ou moschetto apareceu na Europa no ano de 1499.[7] As evidências do termo "mosquete" como um tipo de arma de fogo não aparecem até 1521, quando foi usado para descrever um arcabuz pesado capaz de penetrar em armaduras pesadas.[1] Esta versão do mosquete caiu em desuso após meados do século 16 com o declínio das armaduras pesadas;[8] no entanto, o próprio termo permaneceu como um descritor geral para "armas de ombro" no século XIX. As diferenças entre o arcabuz e o mosquete pós-século XVI, portanto, não são totalmente claras, e os dois foram usados ​​alternadamente em várias ocasiões.[9]

Processo de disparoEditar

 
Manual do processo de disparo do mosquete para os soldados da
Guerra Civil Inglesa.

Até cerca de 1650, o mosquete, em virtude do seu peso, precisava ser apoiado no solo por uma vara com uma forquilha em cima, para possibilitar a mira e o disparo. O mecanismo de disparo do mosquete exigia um procedimento complicado, um ritual que só se completava em cerca de três minutos: primeiro o mosqueteiro despejava pelo cano da arma a pólvora de um dos cartuchos e firmava-a na recâmara com uma bucha de estopa - socada com a vareta da forquilha. Somente depois desse procedimento a bala era introduzida, acompanhada de outra bucha. Pronto o cano, iniciava-se, então, o preparo da culatra, onde um recipiente circular, a caçoleta, recebia uma carga de pólvora fina para finalmente produzir o tiro. O sistema de disparo constava de mechas incendiárias como no arcabuz (Serpentina), exceto nos modelos mais modernos, que usaram chaves de faíscas (Pederneira) como nos primeiros fuzis. Seu alcance máximo era de 90 a 100 metros.

Muitos soldados preferiram reduzir os procedimentos padrão de recarga dos mosquetes para aumentar a velocidade do fogo. Esta declaração de Thomas Anburey, que serviu como tenente no exército de Burgoyne, ilustra a situação prática:

Aqui não posso deixar de observar para você, se procedeu de uma ideia de autopreservação ou do instinto natural, mas os soldados melhoraram muito o modo em que foram ensinados, quanto à velocidade. Pois assim que eles preparavam suas armas e colocavam o cartucho no cano, em vez de empurra-lo com suas varas, eles simplesmente batiam com a soleira do mosquete no chão, e já efetuavam o disparo.[10][11][12]

— Thomas Anburey

"Os mosqueteiros do rei"Editar

 
Mosqueteiros Prussianos ao ataque.

Dada a lentidão do tiro do mosquete, os mosqueteiros combatiam juntamente com unidades de lanceiros, que no intervalo entre os disparos lhes davam proteção e por esse motivo dispunham de uma Baioneta para o possível encontro corpo-à-corpo. Em 1600, o rei francês Henrique IV criou uma guarda pessoal constituída por fidalgos. Foi Luís XIII, em 1622, que muniu a unidade com mosquetes e ela tornou-se conhecida como "os mosqueteiros do rei".[13]

A segunda companhia surgiu para proteger o Cardeal Richelieu. Foi herdada pelo Cardeal Mazarino, para depois, em 1660, servir ao rei Luís XIV.

No século XVI os senhores da guerra perceberam as vantagens do mosquete como arma de infantaria. O Duque de Alba, por exemplo, equipou com a nova arma diversas unidades do exército espanhol durante as vitoriosas campanhas contra os hereges, sob o reinado de Carlos V. No século seguinte, a maioria dos exércitos europeus dispunha de força de mosqueteiros.

Partes de um mosqueteEditar

A frase em inglês "lock, stock, and barrel" refere-se às três partes principais de um mosquete.[14]

Os guarda mato começaram a aparecer em 1575.[8]

Baionetas foram presas a mosquetes em várias partes do mundo do final do século XVI ao século XVII.[15][16][15]

As "chaves" de disparo ("lock") eram de muitas variedades diferentes. Os primeiros mecanismos de fecho de mecha e de rodete foram substituídos por mecanismos posteriores de pederneira e, finalmente, por percussão. Em algumas partes do mundo, como China e Japão, o mecanismo de pederneira nunca pegou e eles continuaram usando o fecho de mecha até o século XIX, quando o mecanismo de percussão foi introduzido.[17]

Na segunda metade do século XVIII, várias melhorias foram adicionadas ao mosquete. Em 1750, um "retém" foi adicionado para evitar que o cão fosse acionado quando ele estivesse apenas "meio" engatilhado ("half-cocked").[7] Um rolamento foi introduzido em 1770 para reduzir o atrito do mecanismo e aumentar as faíscas produzidas.[7] Em 1780, foram adicionadas "panelas" ("pan") à prova d'água.[7]

MuniçãoEditar

 
Alguns exemplares de balas de mosquete.

As primeiras balas de mosquete, eram efetivamente esféricas, em princípio, de chumbo ou outro metal fundido, mas eventualmente eté mesmo pedras arredondadas eram utilizadas. A "Minié ball", que apesar de seu nome era na verdade em forma de cone e não em forma de bola, foi desenvolvida na década de 1840, elas deram aos mosquetes um desempenho muito superior ao das balas esféricas.[18]

Os mosqueteiros costumavam usar cartuchos de papel, que serviam a um propósito semelhante ao dos cartuchos metálicos modernos, combinando carga de bala e pólvora. Um "cartucho de mosquete" consistia em uma quantidade pré-medida de pólvora negra e uma bala, esférica, do tipo Nessler ou do tipo Minié, tudo embrulhado em papel. Os cartuchos seriam então colocados em uma caixa de cartuchos, que normalmente seria usada no cinto do mosqueteiro durante uma batalha. Ao contrário de um cartucho moderno, este cartucho de papel não era simplesmente carregado na arma e disparado. Em vez disso, o mosqueteiro rasgava o papel (geralmente com os dentes), despejava um pouco da pólvora na "panela" do mecanismo de pederneira e o restante no cano, em seguida, inseria a bala usando o papel como bucha, se não estivesse usando uma bala Minié, que teoricamente já estaria lubrificada, em seguida, usava a vareta normalmente para empurrar tudo para dentro do cano. Embora não seja tão rápido quanto carregar um cartucho moderno, este método acelerou significativamente o processo de carregamento, uma vez que as cargas pré-medidas significavam que o mosqueteiro não precisava medir cuidadosamente a pólvora negra a cada tiro.[19]

AcessóriosEditar

Algumas varetas usadas para socar a pólvora e a bala no cano, foram equipadas com extremidades rosqueadas, permitindo o uso de diferentes acessórios. Um dos acessórios mais comuns era um parafuso extrator de bala, que era usado para ser atarrachado em uma bala que eventualmente tivesse ficado presa no cano e puxá-la para fora, semelhante à ação de um saca-rolhas. Outro acessório era chamado de "worm" ("minhoca" em tradução literal, devido ao seu formato), usado para remover detritos do cano, como enchimento de papel que não havia sido expelido. Alguns designs de "minhocas" eram robustos o suficiente para serem usados para remover munições presas. A "minhoca" também podia ser usada com um pequeno pedaço de pano para limpeza. Uma variação do "worm" chamado de "screw and wiper" ("parafuso limpador") combinava o design típico de um "worm" com o parafuso do extrator de balas.[20]

 
Mosquete Enfield de 1858 em uma reencenação de uma batalha da Guerra Civil Americana.

Guerra Civil AmericanaEditar

O mosquete foi uma das principais armas de infantaria utilizadas na Guerra Civil Americana, principalmente nos seus primeiros anos. O exército confederado, devido ao escasso número de fábricas de armamentos, utilizou o mosquete mais frequentemente do que o Exército da União,[21] que começou a utilizar rifles de repetição já no final da guerra.

O mosquete no BrasilEditar

Meses antes do fim da Guerra Civil Americana (maio de 1865), foi declarada em 18 de março de 1865 a Guerra do Paraguai. O conflito, que durou mais de cinco anos e envolveu 150.000 soldados brasileiros e perdas de vidas estimadas entre 50 e 60 mil deles, e do lado paraguaio, as perdas são estimadas em 300.000 vidas entre militares e civis. Muitas dessas mortes foram causadas por doenças causadas por epidemias que se alastraram pela região.[22]

AntecedentesEditar

Segundo o Prof. Adler Homero da Fonseca (uma das maiores autoridades em história de armamento bélico brasileiro), a maior parte do armamento do Exército Imperial até a independência em 1822, tinha origem inglêsa. Com o passar dos anos, outros forncedores foram procurados, e a Bélgica levou vantagem, muito devido ao preço de suas armas, visto que a qualidade era bem inferior a das armas inglêsas.[22]

Esse período do império e da regência, foi um tanto caótico em relação às armas, mas se há alguma que possa ser chamada, de "padrão", esta seria o mosquete do tipo "Brown Bess", também conhecidos como "India Pattern" e "Short Land Pattern", várias delas encontradas com as gravações "P I" ou "P II".[22]

 
O mosquete Brown Bess.

Como já mencionado, a alternativa aos mosquetes inglêses, eram os modelos belgas, que basicamente era uma cópia do Modèle 1777 francês.[22]

 
O mosquete Modèle 1777.

ModernizaçãoEditar

Durante a década de 1850, ocorreram grande mudanças nas forças armadas brasileiras, principalmente no Exército. As forças armadas, foram totalmente reequipadas, retreinadas e reorganizadas, o que basicamente resultou no sucesso da campanha da Guerra do Paraguai. O final da década de 1850 marcou a chegada das "balas Minié" ou "Minié ball" o que aumentava em muito a precisão dos tiros, e em meados da década de 1860, foi criada a Comissão de Melhoramentos do Material do Exército, que possibilitou a adoção de novos equipamentos, construção de fortalezas com base científica, manuais de armamento redigidos especificamente para o Brasil, chegando a implantação dos primeiros mosquetes por retrocarga no Exército, sendo que a mudança mais importante, foi a substituição de quase todas as armas com mecanismo de pederneira por ações utilizando espoletas de percussão. Durante esse período a arma mais comum foi o mosquete Minié de origem belga, foi a arma padrão brasileira na Guerra do Paraguai (mais de 28.000 foram enviadas e distribuídas para as tropas).[22]

 
O mosquete Minié.

O movimento seguinte foi encomendar um grande lote do mosquete Pattern 1853 Enfield, que utilizava projéteis Minié de .577 polegadas de diâmetro por volta de 1858. devido a uma série de confusões logísticas durante a Guerra do Paraguai, foi determinada a conversão da arma para o calibre 14,8 mm, que passou a ser chamada de modelo 1864/1865. Mas mesmo com tudo isso, apenas 4.320 Enfields foram enviados para a frente de batalha no Paraguai.[22]

 
O mosquetePattern 1853 Enfield, o último dos mosquetes usados no Brasil.

A era dos rifles de repetiçãoEditar

No Brasil, o rifle Spencer teve o potencial de ser um equipamento revolucionário na história da cavalaria brasileira, mas este potencial foi desperdiçado, pois durante a Guerra do Paraguai, por volta de 1866, quando foram adquiridas, tiveram um problema inicial com a munição, ainda não muito confiável e este fato retardou a sua distribuição para a tropa. Os oficiais da Comissão de Melhoramentos do Material do Exército no entanto, fez com que novas tentativas fossem feitas em 1867 e os problemas iniciais foram superados, sendo a arma distribuída em grande número aos esquadrões de atiradores dos Regimentos de Cavalaria.[22]

Relatos históricos, atestam excelente desempenho do rifle Spencer em batalhas em 1867 e 1868. Apesar de em 1872, o exército já ter adotado o rifle de repetição Winchester 1866, os oficiais continuaram a preferir a Spencer, durante um longo período devido a fama que ela adquiriu na Guerra do Paraguai. O sucesso dela foi tanto que, em 1873, outra encomenda foi feita, desta vez à Bélgica.[22]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Arnold 2001, p. 75-78.
  2. Adle 2003, p. 475.
  3. Willbanks 2004, p. 15.
  4. a b Willbanks 2004, p. 12.
  5. «Online Etymology Dictionary». Etymonline.com. Consultado em 4 de setembro de 2016 
  6. The Concise Oxford Dictionary of English Etymology, T F Hoad, Oxford University Press, 1986 (ISBN 0-19-283098-8) p.305.
  7. a b c d Phillips 2016.
  8. a b Needham 1986, p. 428.
  9. Chase 2003, p. 61.
  10. Spring, Matthew Hasler (2008). With Zeal and with Bayonets Only: The British Army on Campaign in North America, 1775-1783. Campaigns and commanders (em inglês). 19. [S.l.]: University of Oklahoma Press. ISBN 978-0-80613-947-0 
  11. Anburey, Thomas (1776). Anburey's Travels (em inglês). [S.l.]: Applewood Books (publicado em 2007). 320 páginas. ISBN 978-1-42900-014-7. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  12. Murphey's Muskets (2011). Brown Bess At 35 Yards Tap Load (em inglês). The Natural Man. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  13. Redação Mundo Estranho (4 de julho de 2018). «Os mosqueteiros realmente existiram na França?». Abril Mídia S A. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  14. "Dictionary of phrase and fable" By Ebenezer Cobham Brewer, Published by Cassell and Company LTD, 1900
  15. a b Needham 1986, p. 444.
  16. Needham 1986, p. 456.
  17. Needham 1986, p. 467.
  18. «How far is "musket-shot"? Farther than you think. – Journal of the American Revolution». Allthingsliberty.com. Consultado em 4 de setembro de 2016 
  19. "Civil War Weapons and Equipment" By Russ A. Pritchard, Jr., Russ A. Pritchard Jr., William Davis, Published by Globe Pequot, 2003
  20. "Images of the recent past: readings in historical archaeology" By Charles E. Orser, Published by Rowman Altamira, 1996
  21. Hess, Earl J. (1986). The Rifle Musket in Civil War Combat: Reality and Myth. Kansas: University Press of Kansas. 288 páginas. ISBN 0-70061607-1 
  22. a b c d e f g h Armas do Brasil na Guerra do Paraguai (18 de novembro de 2012). «Armas do Brasil na Guerra do Paraguai». Armas On-line. Consultado em 14 de setembro de 2020 

BibliografiaEditar

  • Adle, Chahryar (2003), History of Civilizations of Central Asia: Development in Contrast: from the Sixteenth to the Mid-Nineteenth Century 
  • Ágoston, Gábor (2008), Guns for the Sultan: Military Power and the Weapons Industry in the Ottoman Empire, ISBN 0-521-60391-9, Cambridge University Press 
  • Agrawal, Jai Prakash (2010), High Energy Materials: Propellants, Explosives and Pyrotechnics, Wiley-VCH 
  • Andrade, Tonio (2016), The Gunpowder Age: China, Military Innovation, and the Rise of the West in World History, ISBN 978-0-691-13597-7, Princeton University Press .
  • Arnold, Thomas (2001), The Renaissance at War, ISBN 0-304-35270-5, Cassell & Co 
  • Bak, J. M. (1982), Hunyadi to Rákóczi: War and Society in Late Medieval and Early Modern Hungary 
  • Barwick, Humphrey (1594), Breefe Discourse Concerning the Force and Effect of all Manuall of Weapons of Fire…. 
  • Benton, Captain James G. (1862). A Course of Instruction in Ordnance and Gunnery 2 ed. West Point, New York: Thomas Publications. ISBN 1-57747-079-6 
  • Brown, G. I. (1998), The Big Bang: A History of Explosives, ISBN 0-7509-1878-0, Sutton Publishing .
  • Buchanan, Brenda J., ed. (2006), Gunpowder, Explosives and the State: A Technological History, ISBN 0-7546-5259-9, Aldershot: Ashgate 
  • Chase, Kenneth (2003), Firearms: A Global History to 1700, ISBN 0-521-82274-2, Cambridge University Press .
  • Cocroft, Wayne (2000), Dangerous Energy: The archaeology of gunpowder and military explosives manufacture, ISBN 1-85074-718-0, Swindon: English Heritage 
  • Cowley, Robert (1993), Experience of War, Laurel .
  • Cressy, David (2013), Saltpeter: The Mother of Gunpowder, Oxford University Press 
  • Crosby, Alfred W. (2002), Throwing Fire: Projectile Technology Through History, ISBN 0-521-79158-8, Cambridge University Press .
  • Curtis, W. S. (2014), Long Range Shooting: A Historical Perspective, WeldenOwen .
  • Earl, Brian (1978), Cornish Explosives, ISBN 0-904040-13-5, Cornwall: The Trevithick Society .
  • Easton, S. C. (1952), Roger Bacon and His Search for a Universal Science: A Reconsideration of the Life and Work of Roger Bacon in the Light of His Own Stated Purposes, Basil Blackwell 
  • Ebrey, Patricia B. (1999), The Cambridge Illustrated History of China, ISBN 0-521-43519-6, Cambridge University Press 
  • Eltis, David (1998), The Military Revolution in Sixteenth-Century Europe 
  • Grant, R.G. (2011), Battle at Sea: 3,000 Years of Naval Warfare, DK Publishing .
  • Hadden, R. Lee. 2005. "Confederate Boys and Peter Monkeys." Armchair General. January 2005. Adapted from a talk given to the Geological Society of America on 25 March 2004.
  • Hall, Bert S. (1997), Weapons and Warfare in Renaissance Europe 
  • Harding, Richard (1999), Seapower and Naval Warfare, 1650–1830, UCL Press Limited 
  • al-Hassan, Ahmad Y. (2001), «Potassium Nitrate in Arabic and Latin Sources», History of Science and Technology in Islam, consultado em 23 de julho de 2007 .
  • Hobson, John M. (2004), The Eastern Origins of Western Civilisation, Cambridge University Press .
  • Janin, Hunt (2013), Mercenaries in Medieval and Renaissance Europe 
  • Johnson, Norman Gardner. «explosive». Encyclopædia Britannica. Encyclopædia Britannica Online. Chicago 
  • Keegan, John (1993), A History of Warfare, Vintage Books 
  • Kelly, Jack (2004), Gunpowder: Alchemy, Bombards, & Pyrotechnics: The History of the Explosive that Changed the World, ISBN 0-465-03718-6, Basic Books .
  • Khan, Iqtidar Alam (1996), «Coming of Gunpowder to the Islamic World and North India: Spotlight on the Role of the Mongols», Journal of Asian History, 30: 41–5 .
  • Khan, Iqtidar Alam (2004), Gunpowder and Firearms: Warfare in Medieval India, Oxford University Press 
  • Khan, Iqtidar Alam (2008), Historical Dictionary of Medieval India, ISBN 0-8108-5503-8, The Scarecrow Press, Inc. 
  • Kinard, Jeff (2007), Artillery An Illustrated History of its Impact 
  • Nagayama, Kōkan (1997), The Connoisseur's Book of Japanese Swords 
  • Konstam, Angus (2002), Renaissance War Galley 1470–1590, Osprey Publisher Ltd. .
  • Liang, Jieming (2006), Chinese Siege Warfare: Mechanical Artillery & Siege Weapons of Antiquity, ISBN 981-05-5380-3, Singapore, Republic of Singapore: Leong Kit Meng 
  • Lidin, Olaf G. (2002), Tanegashima – The Arrival of Europe in Japan, ISBN 8791114128, Nordic Inst of Asian Studies 
  • Lorge, Peter A. (2008), The Asian Military Revolution: from Gunpowder to the Bomb, ISBN 978-0-521-60954-8, Cambridge University Press 
  • Lu, Gwei-Djen (1988), «The Oldest Representation of a Bombard», Technology and Culture, 29: 594–605 
  • McNeill, William Hardy (1992), The Rise of the West: A History of the Human Community, University of Chicago Press .
  • Morillo, Stephen (2008), War in World History: Society, Technology, and War from Ancient Times to the Present, Volume 1, To 1500, ISBN 978-0-07-052584-9, McGraw-Hill 
  • Needham, Joseph (1980), Science & Civilisation in China, ISBN 0-521-08573-X, 5 pt. 4, Cambridge University Press 
  • Needham, Joseph (1986), Science & Civilisation in China, ISBN 0-521-30358-3, V:7: The Gunpowder Epic, Cambridge University Press .
  • Nicolle, David (1990), The Mongol Warlords: Ghengis Khan, Kublai Khan, Hulegu, Tamerlane 
  • Nolan, Cathal J. (2006), The Age of Wars of Religion, 1000–1650: an Encyclopedia of Global Warfare and Civilization, Vol 1, A-K, ISBN 0-313-33733-0, 1, Westport & London: Greenwood Press 
  • Norris, John (2003), Early Gunpowder Artillery: 1300–1600, Marlborough: The Crowood Press .
  • Partington, J. R. (1960), A History of Greek Fire and Gunpowder, Cambridge, UK: W. Heffer & Sons .
  • Partington, J. R. (1999), A History of Greek Fire and Gunpowder, ISBN 0-8018-5954-9, Baltimore: Johns Hopkins University Press 
  • Patrick, John Merton (1961), Artillery and warfare during the thirteenth and fourteenth centuries, Utah State University Press .
  • Pauly, Roger (2004), Firearms: The Life Story of a Technology, Greenwood Publishing Group .
  • Perrin, Noel (1979), Giving up the Gun, Japan's reversion to the Sword, 1543–1879, ISBN 0-87923-773-2, Boston: David R. Godine 
  • Peterson, Harold L. (1965), Arms and Armor in Colonial America: 1526–1783 
  • Petzal, David E. (2014), The Total Gun Manual (Canadian edition), WeldonOwen .
  • Phillips, Henry Prataps (2016), The History and Chronology of Gunpowder and Gunpowder Weapons (c.1000 to 1850), Notion Press 
  • Purton, Peter (2010), A History of the Late Medieval Siege, 1200–1500, ISBN 1-84383-449-9, Boydell Press 
  • Razso, G. (1982), From Hunyadi to Rakocki: War and Society in Late Medieval and Early Modern Hungary 
  • Robins, Benjamin (1742), New Principles of Gunnery 
  • Rose, Susan (2002), Medieval Naval Warfare 1000–1500, Routledge 
  • Roy, Kaushik (2015), Warfare in Pre-British India, Routledge 
  • Schmidtchen, Volker (1977a), "Riesengeschütze des 15. Jahrhunderts. Technische Höchstleistungen ihrer Zeit", Technikgeschichte 44 (2): 153–173 (153–157)
  • Schmidtchen, Volker (1977b), "Riesengeschütze des 15. Jahrhunderts. Technische Höchstleistungen ihrer Zeit", Technikgeschichte 44 (3): 213–237 (226–228)
  • Tran, Nhung Tuyet (2006), Viêt Nam Borderless Histories, University of Wisconsin Press .
  • Turnbull, Stephen (2003), Fighting Ships Far East (2: Japan and Korea Ad 612–1639, ISBN 1-84176-478-7, Osprey Publishing 
  • Urbanski, Tadeusz (1967), Chemistry and Technology of Explosives, III, New York: Pergamon Press .
  • Villalon, L. J. Andrew (2008), The Hundred Years War (part II): Different Vistas, ISBN 978-90-04-16821-3, Brill Academic Pub 
  • Wagner, John A. (2006), The Encyclopedia of the Hundred Years War, ISBN 0-313-32736-X, Westport & London: Greenwood Press 
  • Watson, Peter (2006), Ideas: A History of Thought and Invention, from Fire to Freud, ISBN 0-06-093564-2, Harper Perennial (2006) 
  • Williams, Alan (2003), A history of the metallurgy of armour in the middle ages and the early modern period, Brill 
  • Willbanks, James H. (2004), Machine guns: an illustrated history of their impact, ABC-CLIO, Inc. 
  • Worman, Charles G. (2005), Gunsmoke and Saddle Leather: Firearms in the nineteenth-century American West, UNM Press 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mosquete