Abrir menu principal

Mosteiro de São João de Caaveiro

(Redirecionado de Mosteiro de Caaveiro)
Ábside românica da capela


O mosteiro de São João de Caaveiro é um mosteiro medieval situado na paróquia de Caaveiro, no concelho de A Capela, pertencente à Comarca do Eume, província da Corunha, na Galiza.

Índice

HistóriaEditar

O mosteiro de Caaveiro foi fundado em 934 para acolher os numerosos anacoretas que viviam dispersos nas Fragas do Eume. Pouco tempo depois o mosteiro engrandeceu o seu patrimônio com importantes doações de São Rosendo, recebendo a maior parte das terras cultiváveis existentes à direita do Rio Eume e sendo-lhe concedida a jurisdição sobre vilas e freguesias, eximindo-o da autoridade do arcebispado de Santiago de Compostela.

Obtém assim este cenóbio um grande poder, atingindo sua igreja a categoria de Real Colegiata (com seis cônegos) que conservará até finais do século XVIII.

 
portada românica da capela

Começou pertencendo à Ordem de São Bento, mas no século XII tornar-se-ia em Colegiata de cônegos regulares de Santo Agostinho. Entre o ano 1220 e o 1259 produz-se a máxima expansão do seu domínio, nela esteve a frente do mosteiro o prior D. Martiño Rodríguez, quem conseguiu a ampliação do couto até à ponte de Pontedeume, incluindo as paróquias de Cabanas e Eirís.

Durante a Alta Idade Media, com o auge da casa dos Andrade, perdeu muito poder econômico, que recuperou na época dos Reis Católicos.

Com a desamortização, todas as posses da comunidade foram vendidas pelo Estado a particulares, sendo as relíquias de São Rosendo transladadas para Santiago de Compostela, e alguns dos objetos religiosos, como as imagens ou os sinos da igreja, distribuídos entre as igrejas das Neves e Soaserra.

A partir de 1800 fica vazio, ao cuidado de um caseiro e inicia assim sua decadência e deterioro. No século XIX Pío García Espinosa, que comprara boa parte das terras que rodeiam o mosteiro, consegue uma autorização do Arcebispo de Santiago para restaurá-lo. Derriba, para acometer a restauração, a casa dianteira e a igreja prioral (1896), edifica um pavilhão ameado e reconstrói a capela de Santa Isabel. Mesmo volta ser ocupado por religiosos, no entanto esta vida monacal volte desaparecer com a morte de Dom Pío .

DescriçãoEditar

O mosteiroEditar

 
Entrada ao recinto desde o interior coroada pela torre barroca

Entra-se no adro por uma escada de vinte degraus de pedra e uma porta. Sobre a porta está a torre quadrangular de estilo barroco compostelano do século XVII, trabalho de Clemente Fernández Sarela, da escola de Simón Rodríguez. Sob dela pode-se ver o escudo com as as armas de Castela e Leão, com o Toisão de ouro e a coroa real, e uma janela retangular.

No interior ainda se podem apreciar divisões que poderiam corresponder a: um forno, as portarias, seis celas, um cabido, e as duas igrejas.

No exterior, a casa dos cônegos e as cozinhas do mosteiro também se conservam aceitavelmente casa dos criados, as cavalariças, o conjunto do moinho e a Ponte Sesín

O muro norte-oriental, que suportava o empuxo da antiga igreja, fabricado de perpianhos, amostra quatro arcos de volta perfeita rebaixados.

As igrejasEditar

Existiam duas igrejas. Da primeira apenas restam vestígios, sendo os mais antigos do século XII, destacando-se a capela de Santa Isabel, que se ergue sobre um montículo muito íngreme que obrigou os seus construtores a salvar os desníveis do terreno por meio de altos muros com contrafortes e estâncias subterrâneas.

Do templo românico só se conserva em bom estado a testeira, na qual se abrem três pequenos vãos românicos, e boa parte da nave. A antiga construção era de uma só nave retangular de 5,70 metros de comprimento, com abside circular. Foi restaurada por Pío García Espinosa aumentando o comprimento da nave.

A portada do Oeste configura-se de duas arquivoltas apoiadas em colunas codilhadas com um tímpano decorado com um Agnus Dei de proeminentes cornos.

Estado atualEditar

O conjunto foi declarado em 1975 monumento histórico-artístico pela sua importância arquitetônica.

Em nossos dias é propriedade da Deputação provincial da Corunha, que iniciou um projeto de restauração para a posta em valor do conjunto.

Ver tambémEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Mosteiro de São João de Caaveiro

BibliografiaEditar

  • ALVAREZ CARBALLIDO, E. (1907). Monasterios olvidados de Galicia: A Capela. Boletín de la Real Academia Gallega, II, A Coruña. [S.l.: s.n.] 
  • CASTILLO, A. del. La colegiata de Caaveiro. Breamo, 57. [S.l.: s.n.] 
  • CASTRO ALVAREZ, C. de (1995). El monasterio de San Juan de Caaveiro. El cañón del Eume: paraíso natural de Galicia, Pontedeume. [S.l.: s.n.] 
  • PORTA DE LA ENCINA, A. (1986). Aportación al estudio del Monasterio de Caabeiro. Estudios Mindonienses, 2. [S.l.: s.n.] 
  • REVIEJO, M. (1993). Monfero-Caaveiro, polas terras do Eume. FEGAMP: Revista da Federación Galega de Municipios e Provincias. [S.l.: s.n.] 
  • SANDOMINGO, T. (1984-1986). El dolor de la montaña: ¿la hora de Caaveiro?. Abrente. [S.l.: s.n.] 
  • SANDOMINGO, T. (1993). Caaveiro, otra vez. Arte Galicia: revista de información de las artes plásticas gallegas. [S.l.: s.n.] 
  • SOTO-QUIROGA, E. de (1916). La colegiata de Caaveiro: en donde se habla de... Suevia, Buenos Aires. [S.l.: s.n.] 
  • VAAMONDE LORES, C. (1924). Importante escritura de donación otorgada por Don Bermudo, rey de Galicia, a favor del Monasterio de San Juan de Caaveiro: Año 934. Boletín de la Real Academia Gallega, XIV. [S.l.: s.n.] 
  • VIDAL, X.M. (1983). Acerca da orixe e fundación do Mosteiro de San Xoan de Caaveiro. Brigantium, 4. [S.l.: s.n.] 
  • VV.AA. (1996). O Mosteiro de San Xoan de Caaveiro. Cátedra: Revista eumesa de estudios,3. [S.l.: s.n.]