Abrir menu principal
Movimento Viva Brasil
(MVB)
Tipo movimento político
Fundação 2004
Estado legal Ativo
Propósito Defesa do direito a autodefesa do cidadão
Sede São Paulo, São Paulo, Brasil
Línguas oficiais Português
Organização Bene Barbosa
Sítio oficial mvb.org.br


Movimento Viva Brasil é uma associação civil brasileira sem fins lucrativos, criada em 2004, com objetivo principal de garantir aos cidadãos o direito de posse de armas de fogo, para legítima defesa, prática esportiva, caça e coleção de armas.[1]

O movimento ficou famoso em 2005, por sua atuação na campanha pelo "não" no referendo sobre a proibição da comercialização de armas de fogo e munições.[2] Com a vitória do "não" naquele referendo, a maioria do eleitorado brasileiro decidiu-se pela continuidade do comércio de armas de fogo e munições.[3][4] Desde então, tornou-se uma das mais importantes entidades de direitos civis a defender a posse de armas ligeiras por cidadãos e atiradores esportivos.[5]

Este movimento critica duramente o excesso de burocracia imposto aos cidadãos que desejam adquirir armas de forma legal.[6] Seus membros afirmam que esta burocracia estimula o mercado ilegal.[6] Argumentam também que, criminosos não adquirem armas através do mercado legal, apelando até para fábricas clandestinas de armas de fogo para se armarem.[6] Junto a outros grupos, como o Instituto Defesa,[7] defende a revogação do Estatuto do Desarmamento, por entender que, ao insistir na sua manutenção, o governo desrespeita a decisão tomada pela maioria dos eleitores em 2005.[8][9]

O Projeto de Lei 3722 de 2012 [10] de autoria do deputado federal Rogério Mendonça (PMDB - SC) pretende mudar o Estatuto do Desarmamento do Cidadão de Bem, tornando a legislação adequada ao resultado do Referendo de 2005.

Seu atual presidente é o ativista, bacharel em direito, especialista em segurança pública, escritor e professor Bene Barbosa.

Atualmente, no Brasil, só é permita a posse de armas de fogo para pessoas acima de 25 anos, com ficha limpa na polícia e que justifique a sua real necessidade de ter posse de uma arma de fogo.[11]

Alguns grupos defensores do direito ao porte de armas em outros países:

Ver tambémEditar

Referências

  1. Movimento Viva Brasil - Acessado em 06/12/2014.
  2. Agência Brasil: "Começa hoje campanha sobre referendo do desarmamento no rádio e na TV." Priscilla Mazenotti, 08/09/2005. (Link aqui). Acessado em 06/12/2014.
  3. Tribunal Superior Eleitoral - Referendo de 2005. 27/09/2014. Acessado em 24/04/2015.
  4. «Brazilians reject gun sales ban» (em inglês). BBC News. 24 de outubro de 2005. Consultado em 18 de maio de 2017 
  5. Agência Brasil: "Presidente do Movimento Viva Brasil estima que campanha do desarmamento arrecadará menos armas."(Link aqui). Acessado em 06/12/2014.
  6. a b c RAC - Rigidez para venda de arma alimenta mercado ilegal. Fábio Gallacci, iG Paulista, 25/03/2014. Acessado em 24/04/2015.
  7. Instituto Defesa - Site oficial. Acessado em 24/04/2015.
  8. Câmara dos Deputados do Brasil (24/11/2014). - Movimento Viva Brasil apoia a revogação do Estatuto do Desarmamento. Acessado em 01/07/2018.
  9. «Audiencia Pública Senado - Porte de Armas - Bene Barbosa - Movimento Viva Brasil». 13 de abril de 2012. Consultado em 18 de maio de 2017 
  10. Câmara.Gov - PROJETO DE LEI N.º 3.722, DE 2012. (Do Sr. Rogério Peninha Mendonça). Disciplina as normas sobre aquisição, posse, porte e circulação de armas de fogo e munições, cominando penalidades e dando providências correlatas. Acessado em 24/04/2015.
  11. Mesquita, Felipe (25 de março de 2015). «Como comprar arma de fogo legalmente no Brasil». Casa do Tiro. Consultado em 9 de fevereiro de 2018 

Ligações externasEditar