Movistar Team
Tour La Provence 2019 - Avignon - présentation des équipes - Movistar.jpg

A Movistar Team no Tour La Provence de 2019]] cod = REY (1980-1989)
BAN (1990-2003)
IBB (2004)
IBC (2005)
CEI (2006)
GCE (2007-2010)
MOV (2011-presente)

Informações
Estatuto
Equipa pro (-)
UCI Trade Team I (d) (-)
UCI ProTeam (d) (-)
UCI WorldTeam (a partir de )Visualizar e editar dados no Wikidata
Código UCI
Desconhecido (de a ), BAN (de a ), IBB (), IBA (), CEI (), GCE (de a ) e MOV (a partir de )Visualizar e editar dados no Wikidata
Disciplina
País
Fundação
Temporadas
17Visualizar e editar dados no Wikidata
Pessoas chave
Director geral
Eusebio Unzué (a partir de )Visualizar e editar dados no Wikidata
Director(s) desportivo(s)
Designações anteriores
-
Reynolds
-
Banesto
-
iBanesto.com
Illes Balears-Banesto
-
Illes Balears
-
Illes Balears-Caisse d'Épargne
Caisse d'Épargne-Illes Balears
-
Caisse d'Épargne
a partir de
Movistar
Equipamento
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
equipamento

A Movistar Team (código UCI: MOV) é um equipa ciclista espanhola de categoria UCI World Team. Participa do UCI World Tour e em algumas carreiras do Circuito Continental.

Foi fundado em 1980, baixo o patrocínio da empresa de alumínio Reynolds. Em 1989 passou a ser patrocinado pelo banco espanhol Banesto, que deixou de patrocinar a equipa no final de 2003, tomando o relevo o governo das Ilhas Baleares. Em 2005 entrou como copatrocinador o banco francês Caisse d'Epargne, que para a temporada de 2006, ficou como único patrocinador. A partir de 2011, o patrocinador principal passa a ser a companhia telefónica Movistar.

História da equipaEditar

Reynolds e BanestoEditar

 Ver artigo principal: Banesto (equipa ciclista)

Reynolds (1980-1989)Editar

A equipa profissional nasceu no ano 1980 com o patrocínio da empresa navarra de alumínios INASA (Indústria Navarra do Alumínio, S.A.), que desde 1974 tinha patrocinado uma equipa juvenil e desde 1977 um conjunto aficionado, este baixo a direcção de José Miguel Echavarri, alma mater da esquadra profissional. Seu principal chefe de filas foi Perico Delgado, graças ao qual se conseguiram os maiores sucessos com ascsuas vitórias no Tour de 1988 e a Volta de 1989.[1] Outros dos seus corredores mais destacados, tanto pelas suas vitórias como pela sua trajectória, foram Ángel Arroyo, José Luis Laguía e Julián Gorospe.

Banesto (1990-2003)Editar

Em 1989 entrou no patrocínio o Banco Banesto copatrocinando à equipa desde o Tour de France desse ano, que finalmente ficou com toda a equipa em 1990 passando a sede da equipa a Madri. O caminho desta equipa sempre estará unida a Miguel Indurain, com os cinco tours consecutivos que ganhou entre 1991 e 1995 e os dois giros em 1992 e 1993. Nos anos 1992 e 1993 conseguiu ser a melhor equipa no ranking UCI. Depois da retirada de Indurain ao finalizar a temporada de 1996, Abraham Olano e o "Chava" Jiménez foram os principais estandartes da equipa, conseguindo como maior sucesso a Volta de 1998, na que foram 1º e 3º respectivamente.

Illes Balears (2004-2005)Editar

A equipa foi criada para a temporada de 2004 pela sociedade Abarca Sports, SL, propriedade de José Miguel Echavarri e Eusebio Unzué,[2] sendo o patrocinador principal o Governo das Ilhas Baleares com apoios da Banesto durante maior parte da temporada e Banco Santander durante o Tour de France de 2004.[3] Dada conta de dito patrocínio principal a equipa se fez com os contratos de diversos ciclistas naturais das Ilhas, como Joan Horrach, Antonio Tauler ou Antonio Colom.

Em 2005 entrou como copatrocinador a empresa francesa Caisse d'Epargne, que a partir do ano 2006 adquire uma maior importância e em 2007 fica como único patrocinador da equipa depois da renúncia do Governo das Ilhas Baleares.

Caisse d'EpargneEditar

2006Editar

No ano 2006 concluiu em 2ª posição a classificação por equipas do UCI Pro Tour com 350 pontos, depois da esquadra dinamarquesa Team CSC. Seu corredor melhor colocado foi Alejandro Valverde que ganhou o Maillot Blanco com um total de 285 pontos sacando 72 pontos ao 2º classificado.

Ademais conseguiu um total de 25 vitórias, destacando a classificação geral do Tour de France de Óscar Pereiro e as vitórias na Volta a Espanha de Alejandro Valverde, e no Giro d'Italia de Joan Horrach. Ademais, as vitórias Pro Tour de Alejandro Valverde com uma etapa na Volta ao País Basco e outra no Volta à Romandia, junto às clássicas Flecha Valona e Liège-Bastogne-Liège, e a vitória de Joaquim Rodríguez na Paris-Nice. Ademais, destacam as vitórias de José Iván Gutiérrez no Tour do Mediterrâneo, a Volta a Burgos e a geral da Volta a Múrcia, e a etapa de Isaac Gálvez nos Quatro Dias de Dunquerque. E o campeonato nacional da França em estrada de Florent Brard.

2007Editar

 
Xabier Zandio, com as cores da equipa quando este se denominava Caisse d'Epargne

No ano 2007 concluiu em 3ª posição a classificação por equipas do UCI Pro Tour com 337 pontos. Seu corredor melhor colocado foi Alejandro Valverde que concluiu 4º com 190 pontos.

Ademais conseguiu um total de 29 vitórias, destacando a vitória de etapa na Volta a Espanha de Vladimir Efimkin. Ademais, as vitórias Pro Tour, uma etapa de Luis León Sánchez na Paris-Nice, as classificações gerais de Vladímir Karpets na Volta à Catalunha e a Volta à Suíça, a vitória de David López na Volta à Alemanha e a etapa de Pablo Lastras e a classificação geral de José Iván Gutiérrez no Tour do Benelux. Ademais, destacam as vitórias de etapas e classificações gerais na maioria das voltas disputadas na Espanha, como a Volta a Múrcia, a Volta à La Rioja ou a Euskal Bizikleta. E ademais os campeonatos nacionais da Espanha de contrarrelógio de José Iván Gutiérrez e de estrada de Joaquim Rodríguez.

2008Editar

Na temporada 2008 venceu na classificação por equipas do UCI Pro Tour com 229 pontos. Seu corredor melhor colocado foi Alejandro Valverde que também se adjudicou a vitória com 123 pontos.

Ademais conseguiu um total de 26 vitórias, destacando as vitórias de etapa no Tour de France de Alejandro Valverde e Luis León Sánchez, e as vitórias de etapa na Volta a Espanha de Alejandro Valverde, Imanol Erviti e David Arroyo. Ademais, as vitórias Pro Tour, 2 etapas e a Classificação Geral da Dauphiné Libéré de Alejandro Valverde, a vitória de etapa e da Classificação Geral no Tour do Benelux de José Iván Gutiérrez, e a vitória na Clássica de São Sebastião de Alejandro Valverde. Ademais, destacam a vitória na Liège-Bastogne-Liège de Alejandro Valverde, a vitória de etapa de Luis León Sánchez na Paris-Nice e a de Joaquim Rodríguez na Tirreno-Adriático. Ademais estão as vitórias de etapas e classificações gerais na maioria das voltas disputadas em Espanha, como a Classificação Geral da Volta a Andaluzia de Pablo Lastras, da Volta a Múrcia de Alejandro Valverde, ou da Volta a Burgos de Xabier Zandio. E ademais os campeonatos nacionais da Espanha de contrarrelógio de Luis León Sánchez e de estrada de Alejandro Valverde.

2009Editar

Joaquim Rodríguez decidiu não renovar e alinhou pela Katusha.

Onze anos após o triunfo de Olano, a equipa consegue de novo a vitória final na Volta a Espanha da mão de Alejandro Valverde e conclui a temporada como segunda melhor esquadra do pelotão mundial.

Ademais, conseguem-se 24 vitórias ao todo, com triunfos finais em rodadas por etapas da talha de Dauphiné Libéré, Paris-Nice e Volta à Catalunha.

2010Editar

 
Autocarro da equipa na Volta a Espanha de 2010

Em janeiro, a empresa Caisse d'Epargne anunciou que não renovaria o seu patrocínio da equipa (que expirava a final de temporada), pelo que os responsáveis pela esquadra deviam encontrar um novo para garantir a continuidade da formação no pelotão para as seguintes temporadas.[4]

A temporada esteve assim mesmo marcada pela sentença do TAS sobre o Caso Valverde, que ordenou uma sanção de dois anos a Alejandro Valverde ao se considerar provada o seu envolvimento como cliente da rede de dopagem liderada por Eufemiano Fuentes descoberta na Operação Puerto, no que supunha um desvio à investigação do CONI. Valverde foi ademais desclassificado de todas as carreiras nas que tinha participado desde 1 de janeiro desse ano, sendo por tanto anulados os seus postos de honra e vitórias, que foram reassociados pela UCI.

David Arroyo foi segundo no Giro d'Italia, subindo assim ao segundo posto do pódio final do anfiteatro de Verona junto a Ivan Basso e Vincenzo Nibali, primeiro e terceiro respectivamente e ambos do Liquigas-Doimo. Arroyo teve uma destacada actuação e liderou durante cinco dias a classificação geral, portando assim a maglia rosa até que foi superado por Basso na antepenúltima etapa (última jornada de montanha), com meta em Aprica.

A equipa não conseguiu fazer com uma vitória de etapa no Tour de France, apesar das diversas tentativas protagonizadas por homens como Luis León Sánchez ou Christophe Moreau. A esquadra terminou segunda na classificação por equipas (a 9'15" do ganhador, a RadioShack) que chegou a liderar durante vários dias, enquanto na geral individual não pôde meter a nenhum corredor entre os dez primeiros e Moreau finalizou segundo na classificação da montanha por trás de seu compatriota Anthony Charteau.

Uma semana após a ronda gala, Luis León Sánchez ganhou a Clássica de São Sebastião.

Luis León Sánchez, que acabava o contrato, anunciou o seu contrato pela Rabobank.

David López García ganhou a nona etapa da Volta a Espanha deste ano.

Movistar TeamEditar

2011Editar

 
Ignatas Konovalovas com as cores da equipa.

Em 2011 a equipa passou a chamar-se Movistar Team com razão do patrocínio de Movistar.[5][6]

Na equipa seguiram José Joaquín Rojas, José Iván Gutiérrez, Andrey Amador, David Arroyo, Marzio Bruseghin, Imanol Erviti, Rui Costa, Chente García Acosta, Vasil Kiryienka, Pablo Lastras, David López, Ángel Madrazo, Luis Pasamontes, Rubén Plaza e Mauricio Soler. Fizeram parte da equipa, novos corredores como Beñat Intxausti, Xavier Tondo (falecido nesse mesmo ano num acidente doméstico), o chileno Carlos Oyarzun, Ignatas Konovalovas, Branislau Samoilau, Francisco Ventoso, Jesús Herrada e Sergio Pardilla[7][8][9]

Alejandro Valverde cumpre a sanção por dois anos que lhe impôs a UCI por dopagem, mas segue nos planos da equipa. Foram baixa Xabier Zandio e o colombiano Rigoberto Urán (Sky), Juan José Cobo (Geox-TMC), Arnaud Coyot (Saur Sojasun), Mathieu Drujon (BigMat), Arnold Jeannesson (FDJ), Alberto Losada (Katusha), Christophe Moreau (retirado), Mathieu Perget (AG2R) e Luis León Sánchez (Rabobank).

A 16 de dezembro de 2010 apresentou-se o maillot de 2011.[10]

Xavier Tondo faleceu num acidente doméstico o 23 de maio de 2011.[11]

Vasil Kiryienka fez-se com a vigésima etapa do Giro d'Italia. José Joaquín Rojas conquistou o Campeonato da Espanha de ciclismo em Estrada. Ademais também conseguiu a segundo posição no maillot verde do Tour de France de 2011, onde Rui Costa conseguiu uma etapa.

Pablo Lastras conseguiu a vitória na 3ª etapa da Volta Ciclista a Espanha, com chegada na localidade de Totana (Múrcia), conseguindo o maillot vermelho de líder da geral, bem como o cinza da combinada e o cinza/azul da montanha, portando durante uma jornada.

Anuncia-se o contrato de Alejandro Valverde que volta à competição após a sua sanção por dopagem de 2 anos.

2012Editar

A temporada de 2012 viu como a equipa se restabelecia como um dos principais contendentes da classificação geral. Se contratam grandes corredores como o rodador italiano Giovanni Visconti, os vascães Beñat Intxausti e Jonathan Castroviejo e o jovem Nairo Quintana, além do regresso de Valverde.

O regresso de Valverde quase imediatamente trouxe o sucesso da equipa com uma vitória de etapa no Tour Down Under, seguido pela vitória na geral da Volta a Andaluzia, bem como uma vitória de etapa. O novo recruta colombiano Nairo Quintana também trouxe a vitória da equipa na geral na Volta a Múrcia.

A equipa anotou várias vitórias gerais de classificação; Quintana afirmou a Route du Sud, Rui Costa ganhou a Volta à Suíça, Javier Moreno a Volta a Castela e Leão e finalmente Beñat Intxausti ganhou a Volta às Astúrias.

A equipa também ganhou etapas nas três grandes voltas. Conquistou uma de alta montanha com Andrey Amador no Giro d'Italia e outra plana com Francisco Ventoso.

No Tour de France, Alejandro Valverde conquistou a 17.º etapa com final em Peyragudes depois de uma longa fuga. No entanto, não pôde lutar por entrar no pódio (que era o seu objectivo) depois de sofrer uma queda na primeira semana e perder muito tempo.

A Volta a Espanha confirmou que a Movistar era um das equipas mais fortes da temporada. Começaram impondo-se na CRE por equipas de Pamplona, na sua terra. Depois ganharam com Valverde mais duas etapas (as finalizadas em Arrate e Collada de la Gallina), além de levar ao murciano até a 2.º praça na geral, tão só por trás de Alberto Contador. Também se adjudicaram o geral final por equipas.

O murciano fecharia uma estupenda temporada levando-se o bronze no Mundial de Estrada de 2012. A equipa finalizou 5.º na geral por equipas da UCI, mesma posição que ocupou Valverde em individuais.

2013Editar

Se contrata ao jovem contrarrelogista britânico Alex Dowsett e aos ex-corredores da Liquigas-Bianchi Eros Capecchi e Sylvester Szmyd e neste ano causam baixa David Arroyo, Vasil Kirienka, David López, Ignatas Konovalovas e Marzio Bruseghin (que se retira) entre outros.

A temporada de 2013 como nos anos anteriores, Valverde obteve vários resultados positivos ao princípio de temporada com o Troféu Serra de Tramuntana e um triunfo na geral na Volta à Andaluzia, além de conquistar duas etapas.

Quintana reforçou ainda mais o seu potencial como grande escalador com a vitória na geral da Volta ao País Basco, bem como reclamar o segundo lugar no Tour de France, sendo também o rei da montanha e o melhor jovem, depois de realizar uma última semana impecavél. Ademais no Tour, um grande Rui Costa levou-se duas etapas. Quintana reforçou ainda mais a sua reputação como uma força a ter em conta, com uma vitória geral na Volta a Burgos depois de uma exibição na etapa rainha nas Lagoas de Neila.

A equipa também teve uma destacada actuação nas duas restantes grandes voltas, o Giro d'Italia e a Volta a Espanha. No Giro, adjudicaram-se a frioleira de quatro etapas, duas com Giovanni Visconti (uma delas com final em Col du Galibier sob uma intensa nevada), a longa crono individual com Alex Dowsett e uma em media montanha com Beñat Intxausti, que ademais portou a maglia rosa durante um dia.

Na Volta a Espanha, não conseguiram vitórias de etapa, mas Valverde acabou um ano mais 3.º na geral, além de levar-se o maillot verde da classificação da regularidade.

Intxausti conseguiu última vitória na geral da equipa do ano, ganhando o Tour de Pequim (além de levar-se uma etapa) e Costa ganhou o Mundial em Estrada, no que Valverde foi 3.º.

Devido aos grandes resultados, a equipa acabou como o ganhador do UCI World Tour de 2013 (na modalidade de equipas) e Valverde foi terceiro individualmente em dita classificação. Para a temporada de 2014 a equipa confirmou que iam passar de bicicletas Pinarello a Canyon Bikes.

2014Editar

A campanha de 2014 converteu-se provavelmente numa das melhores temporadas da equipa na sua longa história. Neste ano se contratou sobretudo a corredores que ficaram livre depois do desaparecimento da Euskaltel-Euskadi como os irmãos Izagirre, Igor Antón ou Juan José Lobato, além do veterano escalador francês John Gadret, do experimentado contrarrelógista italiano Adriano Malori e de Dayer Quintana (irmão menor de Nairo). Despediram-se da equipa Rui Costa, Ángel Madrazo, Juanjo Cobo e Eloy Teruel.

A equipa adoptou um planeamento e uma táctica baseado nas Grandes Voltas; primeiro o envio de Nairo Quintana ao Giro, Alejandro Valverde ao Tour e, finalmente, os dois atletas à Volta.

Quintana consegue a primeira vitória da equipa na etapa 4 do Tour de San Luis, bem como a classificação geral. Adriano Malori também ganhou a etapa contrarrelógio individual. Uma vez mais Valverde ganhou a Volta a Andaluzia (mais 3 etapas), bem como a Volta a Múrcia, Roma Maxima, GP Miguel Indurain e a Flecha Valona durante a temporada da Primavera.

Em maio, Quintana ganhou a primeira Grande Volta da equipa desde o ano 2009 depois da vitória na Volta de Valverde, o Giro d'Italia de 2014. O colombiano ademais, ganhou duas etapas, as montanhosas de Martello e a crono escalada do Crespano do Grappa. Também se adjudicou a maglia bianca como o melhor jovem.

Antes do objectivo do Tour, Valverde impôs-se no Campeonato da Espanha de Contrarrelógio e foi segundo no de estrada depois do também corredor da Movistar Íon Izagirre. Outros campeonatos conquistados foram o Campeonato da Itália de Ciclismo Contrarrelógio com Adriano Malori. No Tour, o murciano não conseguiu o seu objectivo de entrar no pódio, e foi finalmente 4.º depois de uma má última contrarrelógio. Semanas depois ganharia a Clássica de São Sebastião e Gorka Izagirre a Clássica de Ordizia.

Ao igual que na temporada anterior, Quintana defendeu o seu título da Volta a Burgos a ganhando pelo segundo ano consecutivo.

Na Volta a Espanha começou-se ganhando a CRE por equipas de Jerez de la Frontera. Na sexta etapa finalizada em Cumbres Verdes, Valverde ganhou e fez-se com a liderança, que aguentou até à etapa de Aramón Valdelinares quando o cedeu ao seu colega de equipa Nairo Quintana. No entanto na CRI, Quintana sofreu uma queda que lhe obrigou a abandonar e Valverde ficou como único chefe de filas. Na última etapa, uma CRI de 10 km em Santiago de Compostela, Malori adjudicou-se a vitória e Valverde subiu ao pódio, de novo como 3.º.

Para fechar uma temporada de sonho, Valverde voltou a ser terceiro no Campeonato Mundial de Ciclismo em Estrada, disputado em casa, em Ponferrada.

A Movistar voltou a ser um ano mais a melhor equipa da classificação UCI World Tour de 2014, e Valverde o melhor corredor.

2015Editar

Neste ano o objectivo principal seria o Tour de France com Nairo Quintana como chefe de filas localizou-se 2° no pódio final por segundo ano consecutivo e Alejandro Valverde como gregário de luxo. Neste ano se contrataram entre outros ao rodador australiano Rory Sutherland e ao escalador colombiano Winner Anacona e acaba a sua relação com a equipa Rubén Plaza.

A temporada começou com uma vitória de etapa de Juan José Lobato no Tour Down Under e dois na Volta a Andaluzia e a vitória final de Nairo Quintana na Tirreno-Adriático. Ademais, o colombiano conseguiu uma etapa, e Adriano Malori outra (este já tinha ganhado etapas em San Luis e Circuito de la Sarthe, todas elas de contrarrelógio).

Na Primavera, o grande dominador voltou a ser Alejandro Valverde. Ganhou três etapas da Volta à Catalunha e conquistou a Flecha Valona e a Liège-Bastogne-Liège. Ademais, José Herrada ganhou a Klasika Primavera e Igor Antón a Volta às Astúrias.

No Giro d'Italia, Beñat Intxausti adjudicou-se uma etapa, Andrey Amador conseguiu um histórico 4.º posto na geral e Giovanni Visconti fez-se com a maglia azzurra ao ser o melhor escalador. Pelas mesmas datas, Alex Dowsett ganhou a Volta a Baviera.

No campeonato nacionais, Jonathan Castroviejo impôs-se em contrarrelógio e Valverde em estrada. Ademais, Dowsett e Malori, ganharam os Campeonatos de CRI de Reino Unido e Itália, respectivamente.

2016Editar

Pese a que a equipa não consegue o seu objectivo principal com a vitória no Tour de France -Nairo Quintana termina 3º e Íon Izagirre salva a honra com um brilhante triunfo em Morzine-, a temporada é das melhores da sua história.

Quarta vitória consecutiva no UCI World Tour; recorde de triunfos (36 vitórias, igualando ao Banesto ’98, com 14 ciclistas diferentes); uma ‘grande’, a 14ª para a equipa de Unzué, com o proprio Nairo na Volta; e sucessos em carreiras de clássicas como a Flecha Valona (Valverde), Romandia, Catalunha (Quintana) ou o título europeu de contrarrelógio de Castroviejo, que soma ademais um brilhante bronze no Mundial CRI. Telefónica renova o seu compromisso em setembro até final de 2019.

2017Editar

Uma temporada de contrastes. No melhor ano da história na sua primeira metade e uma segunda parte para esquecer, desde que Alejandro Valverde sofresse uma grave queda na etapa inaugural do Tour, a 1 de julho em Düsseldorf.

Dantes, quatro meses de sonho com quase uma trintena de vitórias; o melhor Valverde da história (11 triunfos até abril, com a Flecha, Liège, País Basco ou Catalunha); ou dois triunfos de etapa, ganhadores de equipa e pódio final (2º) no Giro com Quintana (que ficou a apenas 31’’ da maglia rosa).

Ao final 31 vitórias, com o passo adiante dos jovens Soler, Carapaz ou Pedrero como ponto positivo na desafortunada segunda metade do ano.

Corredor melhor classificado nas Grandes VoltasEditar

Ano Giro d'Italia   Tour de France   Volta a Espanha  
1980 - - 21.º
  José Luis Laguía
1981 - - 7.º
  José Luis Laguía
1982 - - 5.º
  José Luis Laguía
1983 - 2.º
  Ángel Arroyo
12.º
  Julián Gorospe
1984 - 6.º
  Ángel Arroyo
4.º
  Pedro Delgado
1985 - 9.º
  Eduardo Chozas
11.º
  Julián Gorospe
1986 - 11.º
  Samuel Cabrera
25.º
  José Luis Laguía
1987 - 79.º
  Marc Gomez
11.º
  Ángel Arroyo
1988 7.º
  Pedro Delgado
1.º
  Pedro Delgado
12.º
  William Palacio
1989 - 3.º
  Pedro Delgado
1.º
  Pedro Delgado
1990 - 4.º
  Pedro Delgado
2.º
  Pedro Delgado
1991 15.º
  Pedro Delgado
1.º
  Miguel Indurain
2.º
  Miguel Indurain
1992 1.º
  Miguel Indurain
1.º
  Miguel Indurain
3.º
  Pedro Delgado
1993 1.º
  Miguel Indurain
1.º
  Miguel Indurain
6.º
  Pedro Delgado
1994 3.º
  Miguel Indurain
1.º
  Miguel Indurain
2.º
  Mikel Zarrabeitia
1995 26.º
  José María Jiménez
1.º
  Miguel Indurain
7.º
  David García Markina
1996 - 11.º
  Miguel Indurain
12.º
  José María Jiménez
1997 - 4.º
  Abraham Olano
21.º
  José María Jiménez
1998 - Ab. 1.º
  Abraham Olano
1999 33.º
  José María Jiménez
2.º
  Alex Zülle
5.º
  José María Jiménez
2000 10.º
  Leonardo Piepoli
9.º
  Paco Mancebo
24.º
  Eladio Jiménez
2001 3.º
  Unai Ousa
13.º
  Paco Mancebo
5.º
  Juan Miguel Mercado
2002 - 7.º
  Paco Mancebo
17.º
  Pablo Lastras
2003 - 10.º
  Paco Mancebo
5.º
  Paco Mancebo
2004 - 6.º
  Paco Mancebo
3.º
  Paco Mancebo
2005 7.º
  Vladímir Karpets
4.º
  Paco Mancebo
4.º
  Paco Mancebo
2006 24.º
  Iván Gutiérrez
1.º
  Óscar Pereiro
2.º
  Alejandro Valverde
2007 10.º
  David Arroyo
6.º
  Alejandro Valverde
6.º
  Vladímir Yefimkin
2008 17.º
  Joaquim Rodríguez
9.º
  Alejandro Valverde
5.º
  Alejandro Valverde
2009 8.º
  David Arroyo
26.º
  Luis León Sánchez
1.º
  Alejandro Valverde
2010 2.º
  David Arroyo
10.º
  Luis León Sánchez
9.º
  Luis León Sánchez
2011 13.º
  David Arroyo
36.º
  David Arroyo
14.º
  Marzio Bruseghin
2012 17.º
  Marzio Bruseghin
18.º
 Rui Costa
2.º
  Alejandro Valverde
2013 8.º
  Beñat Intxausti
2.º
  Nairo Quintana
3.º
  Alejandro Valverde
2014 1.º
  Nairo Quintana
4.º
  Alejandro Valverde
3.º
  Alejandro Valverde
2015 4.º
  Andrey Amador
2.º
  Nairo Quintana
4.º
  Nairo Quintana
2016 3.º
  Alejandro Valverde
3.º
  Nairo Quintana
1.º
  Nairo Quintana
2017 2.º
  Nairo Quintana
12.º
  Nairo Quintana
18.º
  Dani Moreno
2018 4.º
  Richard Carapaz
7.º
  Mikel Landa
5.º
  Alejandro Valverde
2019 1.º
  Richard Carapaz
6.º
  Mikel Landa
2.º
  Alejandro Valverde

Outras EquipasEditar

Não conta com uma equipa na categoria amador, mas nos últimos anos se nutriu do desenvolvimento do Lizarte-Cromados Oreja navarro. Ademais, em 2011, ao entrar o patrocínio da Movistar, criou-se uma equipa filial sulamericano de categoria Continental chamado Movistar Team Continental, que só permaneceu duas temporadas desaparecendo no final de 2012. Desde 2018, conta com uma equipa feminina para disputar as provas mais importantes do calendário internacional: Movistar Team - Equipa UCI Women's Team feminino.

Material ciclistaEditar

Ano Bicicletas Equipamento Capacetes Óculos Componentes Rodas Selins Pneus Bidões Ciclo
computadores
Potênciometros Nutrição
desportiva
Carros
1980   Pinarello
1981   Pinarello
1982   Pinarello
1983   Pinarello   Etxeondo
1984   Pinarello   Etxeondo
1985   Pinarello   Etxeondo
1986   Pinarello   Alfa Romeo
1987   Pinarello   Etxeondo   Peugeot
1988   Pinarello   Etxeondo   Mercedes-Benz
1989   Pinarello   Etxeondo   Mercedes-Benz
1990   TVT   Etxeondo   Mercedes-Benz
1991   Razesa   Etxeondo   Cinelli   Mercedes-Benz
1992   Pinarello   Nalini   Mavic   Mercedes-Benz
1993   Pinarello   Nalini   Mavic   Mercedes-Benz
1994   Pinarello   Nalini   Vetta   Mercedes-Benz
1995   Pinarello   Nalini   Vetta   Mercedes-Benz
1996   Pinarello   Nalini   Rudy Project   Mercedes-Benz
1997   Pinarello   Nalini   Rudy Project   Mercedes-Benz
1998   Pinarello   Nalini   Rudy Project   Mercedes-Benz
1999   Pinarello   Nalini   Catlike   Mercedes-Benz
2000   Pinarello   Nalini   Catlike   Mercedes-Benz
2001   Pinarello   Nalini   Bell   Mercedes-Benz
2002   Pinarello   Nalini   Bell   Mercedes-Benz
2003   Pinarello   Nalini   As   Mercedes-Benz
2004   Opera   Nalini   As   Mercedes-Benz
2005   Opera   Nalini   Spiuk   Mercedes-Benz
2006   Pinarello   Nalini   Spiuk   Volvo
2007   Pinarello   Nalini   Giro   Volvo
2008   Pinarello   Nalini   Giro -   Campagnolo   Campagnolo   Selle Italia   Continental   Elite Predefinição:FIMb Polar - -   Volvo
2009   Pinarello   Nalini   Giro -   Campagnolo   Campagnolo   Selle Italia   Continental   Elite   Polar - -   Volvo
2010   Pinarello   Nalini   Giro -   Campagnolo   Campagnolo   Selle Italia   Continental   Elite   Polar - -   Volvo
2011   Pinarello   Nalini   Catlike -   Campagnolo   Campagnolo   Selle Italia   Continental   Elite   Polar -   PowerBar   Volvo
2012   Pinarello   Nalini   Catlike   Adidas   Campagnolo   Campagnolo   Selle Italia   Continental   Elite -   SRM   PowerBar   Volvo
2013   Pinarello   Nalini   Catlike   Adidas   Campagnolo   Campagnolo   Selle Italia   Vittoria   Elite -   SRM   PowerBar   Volvo
2014   Canyon   Endura   Catlike   Adidas   Campagnolo   Campagnolo   Fi'zi:k   Continental   Elite   Ou-Synce   Power2Max   Multipower   Volvo
2015   Canyon   Endura   Catlike   Adidas   Campagnolo   Campagnolo   Fi'zi:k   Continental   Elite   Garmin   Power2Max   Multipower   Volvo
2016   Canyon   Endura   Catlike   Adidas   Campagnolo   Campagnolo   Fi'zi:k   Continental   Elite   Garmin   Power2Max   Multipower   Volvo
2017   Canyon   Endura   Abus   Adidas   Campagnolo   Campagnolo   Fi'zi:k   Continental   Elite   Garmin   Power2Max   Multipower   Volvo
2018   Canyon   Endura   Abus   Oakley   Campagnolo   Campagnolo   Fi'zi:k   Continental   Elite   Garmin   Power2Max   Victory Endurance   Volvo
2019   Canyon   Endura   Abus   Oakley   Campagnolo   Campagnolo   Fi'zi:k   Continental   Elite   Garmin   Power2Max   Victory Endurance   Volvo
2020   Canyon   Alé   Abus   100%   Sram   Zipp   Fi'zi:k   Continental   Elite   Garmin   Quarq   226ers   Volvo

EquipamentoEditar

     
 
 
2011-2015
     
 
 
2016
     
 
 
2017
     
 
 
2018

SedeEditar

A equipa tem sua sede no parque industrial de Egüés (Navarra, Espanha).

Classificações UCIEditar

A União Ciclista Internacional elaborava o Ranking UCI de classificação dos ciclistas e equipas profissionais.

Do ano 1995 a 1998, a classificação da equipa e de sua ciclista mais destacado foi a seguinte:[12][13][14][15][16]

Ano Classificação
por equipas
Melhor corredor em a
classificação individual
Posição
1995   Miguel Indurain
1996   Miguel Indurain 14º
1997   Abraham Olano 10º
1998   Abraham Olano

A partir de 1999 e até 2004 a UCI estabeleceu uma classificação por equipas divididas em três categorias (primeira, segunda e terceira). A classificação da equipa e da sua ciclista mais destacado foi a seguinte:[17][18]

Ano Categoria Classificação
por equipas
Melhor corredor em a
classificação individual
Posição
1999 Primeira   José María Jiménez 83º
2000 Primeira   Leonardo Piepoli 30º
2001 Primeira   Juan Carlos Domínguez 23º
2002 Primeira   Francisco Mancebo 34º
2003 Primeira   Francisco Mancebo 19º
2004 Primeira 11º   Francisco Mancebo 14º

A partir de 2005 a UCI instaurou o circuito profissional de máxima categoria, o UCI Pro Tour, onde a equipa está desde que se criou dita categoria. As classificações da equipa e do seu ciclista mais destacado são as seguintes:[19][17][18]

Ano Classificação
por equipas
Melhor corredor em a
classificação individual
Posição
2005 10º   Francisco Mancebo 15º
2006   Alejandro Valverde
2007   Alejandro Valverde
2008   Alejandro Valverde

Depois de discrepâncias entre a UCI e os organizadores das Grandes Voltas, em 2009 teve-se que refundar o UCI Pro Tour numa nova estrutura chamada UCI World Ranking, formada por carreiras do UCI World Calendar; e a partir do ano de 2011 unindo na denominação comum do UCI World Tour. A equipa seguiu sendo de categoria UCI Pro Tour e as classificações são as seguintes:[20][21][22][23]

Ano Classificação
por equipas
Melhor corredor em a
classificação individual
Posição
2009   Alejandro Valverde
2010   Luis León Sánchez
2011 13º   Beñat Intxausti 37º
2012   Alejandro Valverde
2013   Alejandro Valverde
2014   Alejandro Valverde
2015   Alejandro Valverde
2016   Nairo Quintana
2017   Alejandro Valverde
2018   Alejandro Valverde
Ano Ranking
1990 6.º
1991 2.º
1992 1.º
1993 4.º
1994 4.º
1995 5.º
1996 17.º
1997 9.º
1998 6.º
1999 8.º
2000 9.º
2001 6.º
2002 8.º
2003 5.º
2004 11.º
2005 10.º
2006 2.º
2007 3.º
2008 1.º
2009 2.º
2010 9.º
2011 13.º
2012 5.º
2013 1.º
2014 1.º
2015 1.º
2016 1.º
2017 4.º
2018 8.º

Vitórias ano a anoEditar

Ano Vitórias +/-
1980 3 -
1981 5  2
1982 30  25
1983 30 =
1984 30 =
1985 19  11
1986 15  4
1987 20  5
1988 12  8
1989 11  1
1990 20  9
1991 18  2
1992 25  7
1993 31  6
1994 26  5
1995 26 =
1996 18  8
1997 35  17
1998 36  1
1999 18  18
2000 27  9
2001 23  4
2002 26  3
2003 17  9
2004 17 =
2005 15  2
2006 25  10
2007 30  5
2008 27  3
2009 24  3
2010 12  12
2011 21  9
2012 29  8
2013 32  3
2014 34  2
2015 32  2
2016 36  4
2017 31  5
2018 26  5

PalmarésEditar

Para anos anteriores, veja-se Palmarés da Movistar Team

Palmarés de 2020Editar

UCI World TourEditar

Datas Carreiras Ganhador

UCI ProSeriesEditar

Datas Carreiras Ganhador

Circuitos Continentais UCIEditar

Datas Circuito Carreiras Ganhador

Campeonatos nacionaisEditar

Datas Carreiras Ganhador

PlantelEditar

Para anos anteriores, veja-se Elencos da Movistar Team

Elenco de 2020Editar

Nome[24] Nascimento Nacionalidade Equipa 2019
Juan Diego Alba 11/09/1997   Colômbia Coldeportes Zenú
Jorge Arcas 08/07/1992   Espanha Movistar Team
Carlos Betancur 13/10/1989   Colômbia Movistar Team
Héctor Carretero 28/05/1995   Espanha Movistar Team
Dario Cataldo 17/03/1985   Itália Astana Pro Team
Gabriel Cullaigh 08/04/1996   Reino Unido Team Wiggins Le Col
Íñigo Elosegui 06/03/1998   Espanha Neo (Lizarte)
Imanol Erviti 15/11/1983   Espanha Movistar Team
Juri Hollmann 30/08/1999   Alemanha Team Katusha-Alpecin (stagiaire)
Johan Jacobs 01/03/1997   Suíça Neo (Lotto Soudal U23)
Matteo Jorgenson 01/07/1999   Estados Unidos AG2R La Mondiale (stagiaire)
Enric Mas 07/01/1995   Espanha Deceuninck-Quick Step
Lluís Mas 15/10/1989   Espanha Movistar Team
Sebastián Mora 19/02/1988   Espanha Caja Rural-Seguros RGA
Mathias Norsgaard 05/05/1997   Dinamarca Riwal Readynez Cycling Team
Nélson Oliveira 06/03/1989   Portugal Movistar Team
Antonio Pedrero 23/10/1991   Espanha Movistar Team
Eduard Prades 09/08/1987   Espanha Movistar Team
Jürgen Roelandts 02/07/1985   Bélgica Movistar Team
José Joaquín Rojas 08/06/1985   Espanha Movistar Team
Einer Rubio 22/02/1998   Colômbia Neo (Vejus Aram)
Sergio Samitier 31/08/1995   Espanha Euskadi Basque Country-Murias
Eduardo Sepúlveda 13/06/1991   Argentina Movistar Team
Marc Soler 22/11/1993   Espanha Movistar Team
Albert Torres 26/04/1990   Espanha Inteja Dominican Cycling Team (2018)
Alejandro Valverde 25/04/1980   Espanha Movistar Team
Carlos Verona 04/11/1992   Espanha Movistar Team
Davide Villella 27/06/1991   Itália Astana Pro Team

Ver tambémEditar

  A Wikipédia tem o portal:

Referências e notasEditar

  1. Arribas, Carlos (22 de novembro de 2019). «Os bocadillos de Perico que invejava Indurain». El País. ISSN 1134-6582. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  2. Criação de Abarca Sports Sl
  3. Illes Balears-Banco Santander designa aos corredores que irão ao Tour
  4. http://www.marca.com/2010/01/22/ciclismo/1264189438.html
  5. Movistar tomo o relevo de Caisse d'Epargne
  6. Novo patrocínio de Movistar
  7. http://www.marca.com/2010/08/24/ciclismo/1282663760.html
  8. http://www.marca.com/2010/08/20/ciclismo/1282318974.html
  9. http://www.marca.com/2010/08/22/ciclismo/1282494897.html?a=PROC1ea85621d8b9a9620e22dd285d069ec3&t=1282495756
  10. http://www.flickr.com/photos/telefonicafotos/sets/72157625611448728/
  11. http://www.biciciclismo.com/cas/site/noticias-ficha.asp?id=39162
  12. CLASSEMENT INDIVIDUEL U.C.I.-U.E.R.-A.I.O.C.C. AU 31 DECEMBRE 1995 Página oficial UCI
  13. UCI Road Classification Elite-Men Individual Classification on 31.12.96 Página oficial UCI
  14. UCI Road Classification Elite-Men Individual Classification on 31.12.97 Página oficial UCI
  15. UCI Road/Route Rankings/classements- Team/Groupes Sportifs- 30.11.98 Página oficial UCI
  16. UCI Road/Route Rankings/classements- Individual- Top 100- 30.11.98 Página oficial UCI
  17. a b memoire-du-cyclisme.net (ed.). «Classificações FICP, UCI, UCI Pro Tour e UCI World Ranking (de 1986 a 2009)» (em francês). Consultado em 19 de outubro de 2011 
  18. a b UCI (ed.). «UCI Rankings» (em inglês). Consultado em 19 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2011 
  19. UCI Pro Tour (ed.). «Results & Rankings archives» (em inglês). Consultado em 19 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2010 
  20. 2009 UCI World Ranking Página oficial UCI
  21. UCI WorldTour Ranking - 2010 Arquivado em 4 de março de 2016, no Wayback Machine. Página oficial UCI
  22. UCI WorldTour Ranking - 2011 Arquivado em 5 de março de 2016, no Wayback Machine. Página oficial UCI
  23. UCI WorldTour Ranking - 2012 Arquivado em 4 de março de 2016, no Wayback Machine. Página oficial UCI
  24. Modelo Movistar Team 2020

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Movistar Team
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Banesto
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Caisse d'Epargne