Abrir menu principal

Museu Histórico Nacional

museu histórico nacional brasileiro, localizado no Rio de Janeiro
Museu Histórico Nacional
Tipo museu nacional, praça, arquivo, museu
Inauguração 1922 (96 anos)
Administração
Diretor(a) Paulo Knauss de Mendonça
Website oficial
Geografia
Coordenadas 22° 54' 21.27" S 43° 10' 10.28" O
Logradouro Praça Marechal Âncora
Cidade Rio de Janeiro
País Brasil
Desembarque de Cabral. Óleo de Oscar Pereira da Silva.
"Retrato de D. Pedro II" (Delfim da Câmara).
"Passagem do Chaco" (Pedro Américo).
"A fragata Constituição" (Eduardo De Martino).

O Museu Histórico Nacional (MHN) é um museu dedicado à História do Brasil, localizado na Praça Marechal Âncora, no centro histórico da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. Foi criado em 1922 pelo presidente Epitácio Pessoa,[1] como parte das comemorações do Centenário da Independência do Brasil e o seu primeiro diretor foi o advogado e jornalista Gustavo Barroso.[2] O museu é uma das unidades museológicas do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e possui um vasto acervo constituído por cerca de 300 mil peças,[3] que correspondem a 67% do patrimônio museológico brasileiro sob a guarda do Ministério da Cultura. São manuscritos, iconografia, mobiliário, armaria, esculturas, indumentária, entre outros itens da coleção.

Índice

História

O conjunto arquitetônico

O local onde se encontra o museu era primitivamente uma ponta de terra que avançava sobre as águas da baía de Guanabara, entre as praias de Piaçaba e de Santa Luzia. Nessa ponta, os portugueses ergueram, em 1603, o Forte de São Tiago da Misericórdia,[4] ao qual se acrescentou a Prisão do Calabouço (1693) - destinada a escravos faltosos -,[5] a Casa do Trem (1762) - depósito do "trem de artilharia" (armas e munições) -, o Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro (1764) e o Quartel (1835).[6]

Na Casa do Trem foi esquartejado o corpo de Tiradentes, após sua execução no Campo de Lampadosa (atual Praça Tiradentes), no final do século XVIII.

Por sua localização estratégica para a defesa da cidade, então capital, a ponta e as instalações nela mantidas foram área militar até 1908, quando o Arsenal de Guerra foi transferido para a ponta do Caju.[7]

Na década de 1920, a Ponta do Calabouço foi aterrada e reurbanizada para acolher a Exposição Internacional do Centenário da Independência".[8] Para integrar o evento, as edificações do antigo Arsenal de Guerra foram ampliadas e embelezadas, com decoração característica da arquitetura neocolonial. Do primitivo Forte de São Tiago e da Prisão do Calabouço, restam apenas as fundações. Subsistem até aos nossos dias o edifício da Casa do Trem (totalmente recuperado na década de 1990), o do Arsenal de Guerra (onde se destaca o imponente Pátio da Minerva), e o Pavilhão da Exposição de 1922, atualmente ocupado pela Biblioteca.

O museu

Criado em agosto de 1922, visando dotar o país de um museu voltado para a História do Brasil,[9] as novas instalações foram abertas ao público, compreendendo o "Palácio das Grandes Indústrias", um dos pavilhões mais visitados da referida Exposição, e duas galerias do Museu Histórico Nacional. Em 1940, essas galerias abertas ao público já somavam vinte e duas.

Atualmente o museu ocupa todo o conjunto arquitetônico da antiga Ponta do Calabouço, constituindo-se no mais importante museu histórico do país e um centro gerador de conhecimento nas áreas da museologia e do patrimônio cultural. Abrigou o primeiro curso de Museologia do país, criado em 1932, e que funcionou nas dependências do museu até 1977, tornando-se uma referência para a constituição de outros importantes museus brasileiros.[1] Outra importante instituição que começou no Museu Histórico Nacional foi a Inspetoria dos Monumentos Nacionais, criada em 1934, que transformou-se mais tarde no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).[10]

Em 2001, o conjunto arquitetônico e as coleções do museu foram tombados pelo Iphan.

Características

O museu se caracteriza como um museu de história, com ênfase na História do Brasil, abrangendo desde o período pré-cabralino até sua história contemporânea. Seus espaços expositivos abertos à visitação pública fazem parte de um conjunto arquitetônico que distribui-se por uma área útil total de 14.540 m², a qual se somam os 3.212 m² de seus pátios internos (o Pátio Epitácio Pessoa, também conhecido como Pátio dos Canhões, o Pátio da Minerva, o Pátio Santiago e o Pátio Gustavo Barroso).

No pavimento térreo, encontram-se o Pátio dos Canhões, que apresenta uma coleção de canhões do período colonial e a exposição permanente "Do móvel ao automóvel", com um grande número de carruagens do século XIX. Nesse pavimento encontra-se ainda a reserva técnica do museu e uma área do Setor Educativo localizada no térreo da Casa do Trem. Há também no térreo algumas galerias utilizadas para exposições temporárias.

O segundo pavimento apresenta o circuito de longa duração do museu, com as seguintes galerias: "Oreretama" (dedicada aos primeiros povos que viveram no Brasil e aos índios que até hoje povoam o país); "Portugueses no Mundo" (mostrando as trajetórias dos navegantes portugueses no período das grandes navegações e o processo de colonização no Brasil); "A Construção do Estado" (abrangendo a Independência e o período imperial); e "A Construção da Cidadania" (que aborda desde a Proclamação da República até a história contemporânea). Neste segundo pavimento localiza-se também a biblioteca do museu.

No terceiro pavimento funciona o Arquivo Institucional, o Laboratório de Conservação e Restauração, o acervo de numismática (na Casa do Trem) e as áreas técnicas e administrativas do museu.

Acervo

 
Busto de Gustavo Barroso, primeiro Diretor do Museu Histórico Nacional.

A formação do acervo do Museu Histórico Nacional teve início a partir da transferência itens de outras instituições que já existiam à época de sua fundação. Vários itens e peças vieram do museu do Arquivo Nacional e do gabinete de numismática da Biblioteca Nacional. Também colaboraram para formação inicial do acervo a Casa da Moeda, o Museu Nacional de Belas Artes, o Ministério do Exército e o Ministério da Marinha.[11]

Ajudaram a compor ainda o acervo do museu, em seu período inicial, a doação de colecionadores particulares, como a do senador baiano Miguel Calmon du Pin e Almeida, a da família Guinle e a da museóloga Sophia Jobin. Outra importante coleção, adquirida nos primeiros anos do museu, é a de esculturas religiosas em marfim do empresário e colecionador Souza Lima, arrematadas pelo presidente Getúlio Vargas em um leilão promovido pela Caixa Econômica Federal, em 1940.[12]

Atualmente, o acervo do museu se divide em quatro tipos: o arquivístico, o bibliográfico, o museológico e o de suas próprias publicações. O arquivístico está dividido em dois: o Arquivo Histórico e o Arquivo Institucional. O primeiro, é formado por coleções, em sua maioria de caráter originalmente particular, e que abriga 55.600 documentos iconográficos e manuscritos disponíveis para pesquisa, entre as quais destacam-se as coleções do fotógrafo Juan Gutierrez, que documentou a Revolta da Armada no Rio de Janeiro, as de Augusto Malta e Marc Ferrez, a de Carlos Gomes (composta de partituras, epistolário, libretos e fotografias) e a Coleção Família Imperial, com gravuras, documentos e outros objetos referentes a D. Pedro I, D. Pedro II e familiares. Já o Arquivo Institucional é fonte de pesquisa sobre a história do próprio museu e da história política e administrativa da cultura no país. O acervo bibliográfico encontra-se preservado na Biblioteca do Museu Histórico Nacional e disponibiliza ao público e a pesquisadores obras do século XVI ao XXI. Ele é composto por livros, folhetos, periódicos e outros tipos de publicação, que abrangem temas como Arte Decorativa, Numismática, Filatelia, Indumentária, História do Brasil, História do Rio de Janeiro, História de Portugal, Heráldica, Genealogia, Sigilografia, Gastronomia e Museologia. O acervo museológico do Museu Histórico Nacional conta com cerca de 170 mil itens e é formado por coleções de objetos que datam desde a Antiguidade até os dias atuais. Faz parte deste acervo o Setor de Numismática,  responsável pelas coleções de moedas, cédulas, selos, carimbos, sinetes, medalhas e ordens honoríficas de Brasil e Portugal, totalizando mais de 150 mil itens. A qualidade do acervo faz da coleção de numismática a mais expressiva da América do Sul. Nela há várias peças raras, como a moeda Peça da Coroação, com tiragem de apenas 64 exemplares, cunhada a mando do Imperador D. Pedro I para comemorar sua coroação, em 1822, a medalha de homenagem a Louis Pasteur, bulas dos Papas Clemente VI (século XIV) e Júlio II (séculos XV e XVI) e a Insígnia Imperial Ordem da Rosa, criada para perpetuar a memória do segundo casamento de Dom Pedro I com Dona Amélia de Leuchtenberg. O acervo museológico inclui ainda a Reserva Técnica do museu, com cerca de 22 mil itens, datados dos séculos XVI ao XXI, e que abrangem diversos tipos de materiais, tais como a madeira, o metal, o marfim, o vidro, o mármore, o ouro, a porcelana e o gesso, além de quadros, joalheria, cestaria, esculturas, brinquedos, armaria e têxteis. Por fim, o museu também preserva um acervo de suas publicações, pois desde a sua criação, o Museu Histórico Nacional dedica-se à produção e à divulgação de conhecimento nas áreas de História, do Patrimônio e da Museologia. Desde de 1940, o museu publica seus Anais, um periódico de caráter científico, e, a partir de 1999, passou a publicar em livro as apresentações do Seminário Internacional que começou a promover na década de 1990.

Visitação

O acervo aberto à visitação se divide em várias exposições, permanentes e temporárias. Entre as exposições permanentes estão:

  • O "Pátio dos canhões", que guarda a coleção de canhões do museu e reúne exemplares de Portugal, Inglaterra, França, Holanda e do Brasil; foi a primeira exposição do país a ter legendas em braile;
  • "Oreretama", é dedicada à presença dos povos indígenas no país, desde o passado mais remoto até os dias atuais.
  • A exposição "Portugueses no Mundo" mostra o processo de colonização e seus desdobramentos econômico-culturais, compondo-se de peças ligadas à navegação, às culturas de cana-de-açúcar e café, à mineração, à chegada da corte portuguesa no Brasil.
  • "A Construção do Estado" procura retratar a Independência do Brasil, o período imperial e à imigração do século XIX, entre outros assuntos relacionados à essa época;
  • "A Construção da Cidadania" apresenta um panorama da história do país, desde a Proclamação da República até a história contemporânea.
  • A exposição "Do Móvel ao Automóvel: transitando pela História", que mostra 29 peças como cadeirinhas, carruagens e berlindas. Uma das raridades dessa exposição é o carro Protos, pertencente ao Barão do Rio Branco e um dos dois únicos existentes no mundo.
 
Galeria de Carruagens

O museu possui um Setor Educativo que atende escolas dos níveis fundamental e médio, bem como visitantes em geral. O visitante também pode fazer uso de audioguias em português, inglês e espanhol, além de uma versão apenas visual em libras. Uma parte dos itens em exposição possuem maquetes táteis com legendas em braille. Todas as áreas de visitação do museu permitem a livre circulação de cadeirantes.

Diretores do Museu Histórico Nacional[13]

  • Gustavo Barroso (1922-1930)
  • Rodolfo Garcia (1930-1932)
  • Gustavo Barroso (1932-1959)
  • Josué Montello (1959-1967)
  • Léo Fonseca (1967-1970)
  • Octávia Côrrea dos Santos de Oliveira (1970-1971)
  • Gerardo Britto Câmara (1971-1984)
  • Rui Mourão (1984-1985)
  • Solange de Sampaio Godoy (1985-1989)
  • Heloísa Magalhães Duncan (1989-1990)
  • Ecyla Castanheira Brandão (1990-1994)
  • Vera Lúcia Bottrel Tostes (1994-2014)
  • Ruth Beatriz Silva Caldeira de Andrade (2014-2015)
  • Paulo Knauss (2015-Atual)

Ver também

Referências

  1. «DECRETO Nº 15.596, DE 2 DE AGOSTO DE 1922 - Publicação Original - Portal Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br. Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  2. «Gustavo Barroso | CPDOC». cpdoc.fgv.br. Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  3. «Museus Br» 
  4. «Forte São Tiago da Misericórdia | Museus do Brasil». museusdobrasil.wordpress.com. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  5. «Publique!». www.historiacolonial.arquivonacional.gov.br. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  6. «Museus do Brasil». Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  7. «Museu Histórico Nacional | Conteúdo completo sobre o Museu Histórico Nacional». mhn.museus.gov.br. Consultado em 9 de janeiro de 2018 
  8. Morettin, Eduardo (março de 2011). «Cinema e Estado no Brasil: a Exposição Internacional do Centenário da Independência em 1922 e 1923». Novos estudos CEBRAP (89): 137–148. ISSN 0101-3300. doi:10.1590/S0101-33002011000100008 
  9. «Museu Histórico Nacional tem exposição sobre os seus 90 anos». Rio de Janeiro. 11 de outubro de 2012 
  10. «Linha do tempo: Iphan 80 anos». 6 de novembro de 2018 
  11. «Decreto 15.596/1922». Câmara do Deputados da República Federativa do Brasil. 1922. Consultado em 2 de março de 2018 
  12. Tostes, Vera (2002). «Catálogo da Exposição "A sagração do marfim".». Museu Histórico Nacional. Consultado em 2 de março de 2018 
  13. MAGHALHÃES, Aline Montenegro et alii. (2013). MAGHALHÃES, Aline Montenegro et alii. (2013). Museu Histórico Nacional: 90 anos de histórias, 1922-2012. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional. pp. p.18–33. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional,. pp. 18–33 

Bibliografia

BANCO SAFRA. O Museu Histórico Nacional. São Paulo, Banco Safra, 1989.

MUSEU HISTÓRICO NACIONAL. Museu Histórico Nacional. São Paulo, Olhares, 2013.

MUSEU HISTÓRICO NACIONAL. Museu Histórico Nacional: 90 anos de histórias, 1922-2012. Rio de Janeiro, Museu Histórico Nacional, 2013.

Ligações externas