Museu Thyssen-Bornemisza

museu de arte em Madrid, Espanha

O Museu Thyssen-Bornemisza é um museu espanhol. Foi organizado quando da aquisição, pelo governo da Espanha, em outubro de 1992, da maior parte (a mais abundante e valiosa) da coleção de arte da família Thyssen-Bornemisza.

Museu Thyssen-Bornemisza
Museu Thyssen-Bornemisza
Tipo Galeria de arte
Local histórico
Inauguração
  • 1992
Visitantes 998.992 (2014)[1]
Diretor Evelio Acevedo
Website http://www.museothyssen.org/
Geografia
País Espanha
Cidade Madrid
Localidade Palácio de Villahermosa
Coordenadas 40° 24' 58" N 3° 41' 42" O

O museu tem a sede em Madrid, no Palácio de Villahermosa.

Museu Thyssen-Bornemisza de Madrid

editar

Está situado no Palácio de Villahermosa, que foi construído entre o final do século XVIII e o início do século XIX em estilo neoclássico; foi desenhado por Antonio López de Aguado para María Pignatelli y Gonzaga. A reabilitação do espaço, para aí acolher o museu, e a posterior ampliação ficou a cargo de Rafael Moneo. Foi inaugurado a 8 de Outubro de 1992. Em 2004 foi ampliado; há que notar que apenas foi mantida a fachada do edifício, todo o interior foi modificado.

Colecções

editar

O museu de Madrid mostra as coleções cronologicamente, começando no Renascimento e terminando no século XX.

Estão expostas no terceiro andar obras de mestres italianos, alemães e holandeses do século XVI como Jan Van Eyck, Robert Campin, Hans Memling, Duccio, Paolo Uccello, Domenico Ghirlandaio, Fra Bartolommeo, Vittore Carpaccio, Alberto Durero e Hans Holbein. Existe ainda uma galería dedicada a Tiziano, Tintoretto, Bassano, Sebastiano del Piombo, Bronzino, El Greco, Bernini e Caravaggio, entre outros.

No segundo andar está a coleção de pintura holandesa, desde Frans Hals e Rembrandt, do século XVII, a Max Beckmann, do século XX. Conta ainda com algumas obras do Realismo, Rococó, Neoclassicismo, Romantismo e Impressionismo: Giambattista Tiepolo, Giambattista Pittoni, Canaletto, Fragonard, François Boucher, Thomas Gainsborough, Francisco de Goya, Gustave Courbet, Renoir, Van Gogh, Paul Gauguin, Cézanne...

O primeiro andar reúne obras do século XX, desde o cubismo e as primeiras vanguardas, até a Pop Art. Destacam-se algumas obras primas contemporâneas de Kandinsky, Picasso, Georges Braque, Piet Mondrian, Marc Chagall, Edward Hopper, Salvador Dalí, Jackson Pollock, entre outros.

Alguns quadros em exibição

editar

Ver também

editar

Referências

Ligações externas

editar
 
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Museo Thyssen-Bornemisza