Museu da Imagem em Movimento

Museu em Astoria, Estados Unidos

O Museu da Imagem em Movimento (em inglês: Museum of the Moving Image) é um museu de mídia localizado em um antigo prédio da Astoria Studios (agora Kaufman Astoria Studios), no bairro de Astoria em Queens, Nova Iorque. O museu foi inaugurado originalmente em 1988 como o Museu Americano da Imagem em Movimento. O museu iniciou uma expansão de 67 milhões de dólares em março de 2008 e reabriu em janeiro de 2011.[2] A expansão foi projetada pelo arquiteto Thomas Leeser.[3]

Museu da Imagem em Movimento
Museum of the Moving Image
Inauguração 10 de setembro de 1988 (34 anos)[1]
Website www.movingimage.us
Geografia
País  Estados Unidos
Localidade 35th Avenue na 36th Street, Astoria, Queens, Nova Iorque
Coordenadas 40° 45' 22" N 73° 55' 26" O
Museu da Imagem em Movimento está localizado em: Nova Iorque
Museu da Imagem em Movimento
Localização do Museu da Imagem em Movimento na cidade de Nova York
Localização em mapa dinâmico

DescriçãoEditar

O Museu da Imagem em Movimento existe para expandir a compreensão e apreciação do público da arte, história, técnica e tecnologia do cinema, televisão e mídia digital, coletando, preservando e fornecendo acesso a artefatos relacionados à imagem em movimento através de exposições multimídia e programação educacional.[4] As exposições incluem componentes audiovisuais significativos projetados para promover uma compreensão da história da indústria e uma compreensão de como ela evoluiu.[5] As discussões em painel sobre os filmes atuais são frequentemente realizadas no museu. O museu hospeda séries mensais regulares em seus dois teatros premium. Essas séries em andamento incluem "Changing the Picture" ("Mudando a Imagem"), "Fist & Sword" ("Punho e Espada"), "New Adventures in Nonfiction" ("Novas aventuras na não-ficção"), "Science on Screen" ("Ciência na Tela") e "Disreputable Cinema" ("Cinema de Má Reputação"). Cada um deles explora e celebra muitos aspectos da arte e cultura do cinema. É também o lar de uma das coleções mais significativas de consoles de jogos eletrônicos e hardware de jogos.[6] A participação do museu cresceu de 60.000 em 2000 para um número esperado de 120.000 em 2011.[7] Em 2017, o museu abriu a "Exposição Jim Henson", uma exposição permanente em homenagem à vida e engenhosidade de Jim Henson e suas criações. Além disso, uma exposição intitulada "Envisioning 2001: Stanley Kubrick's Space Odyssey", foi inaugurada em janeiro de 2020.[8]

HistóriaEditar

A história do museu como a Astoria Motion Picture and Television Center Foundation (Fundação do Centro de Televisão e Cinema de Astoria) traça sua história até 1970, quando a Fundação assumiu o controle do antigo Astoria Studios, em um esforço para preservar o edifício agora com marcas de referência que abrigava uma série de produções significativas.[9] O trabalho da fundação foi um sucesso, revitalizou o site e o interesse dos consumidores no setor, e foram feitos planos para expandir o acesso do consumidor ao estúdio na forma de um museu.[10]

Após sete anos de trabalho, e a um custo de 15 milhões de dólares, o Museu Americano da Imagem em Movimento foi inaugurado em 10 de setembro de 1988, na antiga Costa Leste, casa da Paramount Pictures,[11] como o primeiro museu nos Estados Unidos dedicado exclusivamente à arte, história e tecnologia do cinema, televisão e vídeo. Isso foi seguido, dias depois, pela abertura do museu britânico de mesmo nome.[11] O teatro de Nova Iorque, ultramoderno pelos padrões de 1988, foi equipado para apresentar formatos de filmes de 70 mm, 35 mm e 16 mm e foi um dos únicos dois locais em Nova Iorque com a capacidade de apresentar impressões antigas de nitrato.[1] Também recriou momentos da história da televisão e do vídeo e deu aos visitantes a oportunidade de assistir televisão em uma sala de TV desde os primeiros dias da televisão.[12]

Em 2005, o museu estava entre 406 instituições de artes e serviços sociais da cidade de Nova Iorque para receber parte de uma doação de 20 milhões de dólares da Carnegie Corporation, que foi possível graças a uma doação do prefeito de Nova Iorque Michael Bloomberg.[13][14]

Em março de 2008, o museu abriu caminho para uma expansão de 65 milhões de dólares que dobrou o tamanho do museu e adicionou um novo espaço teatral e educacional. Enquanto o museu permaneceu aberto durante a maior parte do período de construção, com seu antigo teatro demolido e os novos ainda a serem construídos, séries de exibições e outros eventos foram realizados fora do local, embora a coleção ainda estivesse disponível para os estudiosos.[15] O museu abriu seu prédio redesenhado e ampliado, projetado por Leeser Architecture, em 15 de janeiro de 2011.[16]

Referências

  1. a b Stephen Holden (30 de agosto de 1988). «From Tut to Taylor, Moving-Image Museum Captures Film History». The New York Times. Consultado em 23 de março de 2008 
  2. «Museum of the Moving Image Reopens». New York Times. 14 de janeiro de 2011. Consultado em 13 de junho de 2014 
  3. «Museum of the Moving Image / Leeser Architecture». ArchDaily. 18 de janeiro de 2011. Consultado em 22 de agosto de 2013 
  4. «About the Museum». Museum of the Moving Image. 2008. Consultado em 23 de março de 2008 
  5. William Weir (23 de março de 2008). «Museum of the Moving Image Highlights Technique, Technology». Hartford Courant. Consultado em 23 de março de 2008 
  6. Jason Hill (6 de março de 2008). «Museum Piece». The Sydney Morning Herald. Consultado em 23 de março de 2008 
  7. Robin Pogrebin (3 de novembro de 2010). «It's a Wrap: Director of Film Museum Plans to Retire». The New York Times. Consultado em 31 de março de 2011 
  8. Kenigsberg, Ben (23 de janeiro de 2020). «The Making of '2001: A Space Odyssey' Was as Far Out as the Movie - A jumble of memorabilia, storyboards and props, an exhibit illustrates the whirl of influences behind Stanley Kubrick's groundbreaking 1968 film.». The New York Times. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  9. Jack Mathews. «In Queens, a Pioneering Studio». Newsday. Consultado em 23 de março de 2008. Arquivado do original em 12 de maio de 2008 
  10. C. Gerald Fraser (6 de setembro de 1980). «Kock Predicts Astoria Studio's Rebirth; Began with Silent Films». The New York Times. Consultado em 23 de março de 2008 
  11. a b John Gross (2 de outubro de 1988). «About the Arts: New York; Two New Museums Offer a Contrast: British Brashness vs. American Reserve». The New York Times. Consultado em 23 de março de 2008 
  12. Andrew L. Yarrow (9 de setembro de 1988). «Museum of Moving Image Celebrates All Video Forms». The New York Times. Consultado em 23 de março de 2008 
  13. Sam Roberts (6 de julho de 2005). «City Groups Get Bloomberg Gift of $20 Million». The New York Times. Consultado em 12 de março de 2008 
  14. «Carnegie Corporation of New York Announces Twenty Million Dollars in New York City Grants». Carnegie Corporation of New York. 5 de julho de 2005. Consultado em 12 de março de 2008. Arquivado do original em 10 de março de 2008 
  15. Nathan Duke (6 de março de 2008). «Moving Image Begins $65M Site Expansion». Times Ledger. Consultado em 24 de março de 2008 [ligação inativa] 
  16. «General Information». Museum of the Moving Image. 2011. Consultado em 31 de março de 2011 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Museu da Imagem em Movimento