Museu de Artes Gráficas

Museu em São Paulo, Brasil

Museu de Artes Gráficas (MAG) é o primeiro museu brasileiro dedicado a cartum, charge, caricatura, quadrinhos e ilustração. Foi inaugurado em 16 de dezembro de 2002 no prédio do Arquivo Público do Estado de São Paulo com um acervo com cerca de 7 mil trabalhos. A direção ficou a cargo de Gualberto Costa e Douglas Quinta Reis. Associado ao MAG, foi criado o Instituto Memorial das Artes Gráficas do Brasil (IMAG[1]), que atualmente coordena, entre outras atividades, o Troféu HQ Mix.[2][3]

Em abril de 2003, a secretária de Cultura do Estado de São Paulo, Claudia Costin, decidiu fechar o MAG, alegando que ele não teria importância artística e cultural. A decisão foi alvo de manifestações e protestos de pessoas ligadas às artes gráficas e aos quadrinhos, que rebateram todas as críticas da secretária. Também foi entregue um dossiê de cerca de mil páginas com todos os projetos e exposições programadas para o ano, que incluíam a participação de personalidades como Ziraldo, Jota Carlos e Fernando Gonsales. Após reuniões com os envolvidos, a decisão foi revertida no mês seguinte e o MAG foi transferido para Piracicaba.[4][5][6][7][8]

Referências

  1. HQMIX. «IMAG - Instituto do Memorial das Artes Gráficas do Brasil». HQMIX. Consultado em 31 de dezembro de 2017 
  2. «São Paulo inaugura o único Museu de Artes Gráficas do País». Universo HQ. 13 de dezembro de 2002 
  3. «ConfiraBrasil ganha Museu das Artes Gráficas com 7 mil trabalhos». Folha de S. Paulo. 16 de dezembro de 2002 
  4. «A triste sina do Museu de Artes Gráficas». Omelete. 3 de abril de 2003 
  5. «Museu é fechado em tempo recorde». Folha de S. Paulo. 7 de abril de 2003 
  6. «Uma vitória do traço: o Museu de Artes Gráficas será reaberto». Universo HQ. 7 de maio de 2003 
  7. «Secretária de Cultura de São Paulo desiste de acabar com museu». Folha de S. Paulo. 9 de maio de 2003 
  8. «Museu de Artes Gráficas será transferido para Piracicaba». Universo HQ. 28 de agosto de 2003